Arquivo pela categoria 'Ah, ssessorias…'

“Podemos tirar se achar melhor”

terça-feira, março 24th, 2015
Share Button

10988291_936130216427817_3494499997361799663_n

Daí que o prestativo repórter ofereceu tirar trechinho da matéria que implicava o PSDB em corrupção (setinhas vermelhas na imagem ao lado). Editor achou melhor não. E mandou publicar o dito. Sem deletar o avisinho do repórter. Resultado?

Geral tá se refastelando com esse texto da Reuters, que é prova de muita coisa – inclusive do assassinato do menino jornalismo.

E eu, ectoplasma suína nata, estou aqui me lembrando deste episódio de Tom e Jerry. Na versão em português, a robô diz ao Jerry venha me ver de vez em quando, e eu tô imaginando a guria falando podemos tirar se achar melhor (GIF na minha mesa em 15 minutos, pfvr!)

E também me lembrei que não é de hoje que editores esquecem e publicam textos com recadinhos. Mas o do exemplo daqui de baixo, que já circulou neste caldeirão em 2012, virou só motivo de constrangimento profundo devido às boas práticas de convivência civilizada em sociedade, e não manipulação política, né?

aveia

Mazó: as duas matérias poderiam dialogar lindamente:

– Podemos tirar se achar melhor!

– Colocar só a véia!

Tá parei.

 

 

 

 

Share Button

O poste mais lindo do Brasil não entende a diferença entre o texto pra ser lido em silêncio e o texto pra ser falado. Mas eu explico! ♥

segunda-feira, outubro 29th, 2012
Share Button

(e de lambuja procêistudo o pai e o filho lheandos! 😀 )

 

Ainda extasiada com a vitória de Fernando Haddad, o poste mais lindo que Lizinácio já ergueu neste país (#numpresto), soprei e bufei de raiva com o discurso da vitória que ele leu (Sua bruxa feia! Rouba o texto na cara dura do blog da linda da Denise Queiroz e nem tchuns pra agradecer a zifia? Já pro castigo! Denise, sua linda, obrigada por postar o texto que eu roubei sem nem lhe pedir permissão! 😛 )

Vamos combinar: de que adianta usar um teleprompter transparente à la Baracão Obama se o texto é mal produzido?

Não vou dizer que o texto é mal escrito, pois isso seria injustiça. Ele está bem redigido, sim, senhor! Só que, pro propósito dele (ser um texto falado, como se não estivesse sendo lido), falhou retumbantemente.

Mas não se preocupe, Haddad! Eu vou dar uma mexidinha aqui e outra acolá (porque seu texto não carece de ser exorcizado), e ele vai ficar nos trinques pra ocasião!

Reparem no que eu vou fazer, com um único objetivo: deixar o texto informal como uma fala cotidiana (vou nem mexer na correção gramatical, como alguns devem estar pensando).

A ver:

 

Minhas amigas e meus amigos. Agora eu sou o prefeito eleito de São Paulo, graças à  Pela vontade soberana dos paulistanoseleitores daqui, sou agora o prefeito eleito de São Paulo. Uma alegria imensa e uma enorme responsabilidade enorme tão brigando por espaço aqui dentro do meu peito agora. dividem espaço no meu peito. Mas o sentimento mais forte, porém, é de gratidão.Quero agradecer em primeiro lugar aos milhões de homens e mulheres que me confiaram o voto. Minha família, minha mulher Ana Estela, minha filha Carolina e meu filho Frederico, que fizeram muitos sacrifícios para me ajudar nessa jornada. Quero agradecer do fundo do coração ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Viva o presidente Lula!

Agradeço ao presidente Lula do fundo do coração ao Lula pela confiança, orientação e apoio, sem os quais seria impossível eu lograr qualquer êxito[PORRA, HADDAD!!! LOGRAR ÊXITO, HADDAD!?!?!?] conseguir qualquer forma de sucesso nessa eleição. Quero agradecer uma outra [#PORRAHADDAD nº 2: ou é uma, ou é outra! Uma outra, não, cacete!!]  grande liderança nacional, a presidenta Dilma Rousseff. Agradeço à presidente Dilma pela presença vigorosa na campanha desde o primeiro turno. Pelo estímulo pessoal e o conforto nos momentos mais difíceis dessa campanha.

Quero agradecer os partidos coligados do primeiro turno, nos quais sintetizo minha homenagem na com um agradecimento especial à  figura valorosa da companheira, minha vice, Nádia Campeão. Quero agradecer aos apoiadores que ampliaram nossa corrente no segundo turno, nos quais sintetizo minha homenagem e meu agradecimento nas figuras do  com um agradecimento especial ao querido deputado Gabriel Chalita e ao vice-presidente Michel Temer. Muito obrigado presidente Michel Temer. [sintetizo a homenagem?!!?!?!?!?! Isso é coisa de uspiano, é?!?!!? O_o E a faculdade de Letras da USP? Tá sabendo disso?]

Quero fazer meu agradecimento muito especial ao meu partido, Partido dos Trabalhadores. Partido que se lançou de corpo e alma nessa luta pacífica em favor do povo de São Paulo. Como seria impossível nomear milhares de colaboradores diretos, sintetizo meu agradecimento e minha homenagem na figura  que todos se sintam agraciados com minha homenagem à figura decisiva e equilibrada do meu coordenador Antonio Donato.[baixou um exú-químico nesse texto que resolveu sintetizar homenagens e agradecimentos, é?!?!?! O_o]

Quero agradecer a todos, quero agradecer por último, mas não menos importante, a todos meus opositores que me obrigaram a extrair o melhor de mim nessa campanha para que eu pudesse superar a eles poder superá-los em uma disputa limpa e democrática. A todos indistintamente o meu muito obrigado.

Fui eleito pelo sentimento de mudança que domina a alma do povo de São Paulo. Sei da enorme responsabilidade de todos que são eleitos pelo signo da mudança. Ser eleito pela força da mudança significa não ter tempo a perder. Não ter medo de enfrentar, nem ter justificativas a dar para tornar esse sonho realidade. Significa não ter paciência e não pedir paciência. Antes de tudo, traçar prioridades e unir a cidade em torno de um projeto coletivo, de todos os paulistanos, de todos os moradores de São Paulo.

Meu objetivo central está plenamente delineado [que foi? cê tá esperando eu reclamar desse plenamente delineado?!?!?! Inda tô passada com a sintetização de agradecimentos, me deixa….], discutido e aprovado pela maioria do povo de São Paulo. É diminuir a grande desigualdade existente emna nossa cidade, é derrubar o muro da vergonha que separa a cidade rica e a cidade pobre. Somos uma das mais ricas e ao mesmo tempo uma das mais desiguais do planeta. Não podemos deixar que isso siga assim por tempo indeterminado, exatamente no momento em que o Brasil vem passando por uma das mudanças sociais vigorosas do mundo. A prefeitura tem um papel importante nisso, pois é elaporque é ela quem vai cuidar que cuida da oferta e da qualidade de alguns dos serviços públicos mais essenciais como a saúde, o transporte, a educação, a habitação, entre outros[ <— típica muleta de autor de teses e dissertações. o entre outros é genérico e avisa nas entrelinhas: eu posso ter esquecido de enumerar alguma coisa, viu, banca examinadora, mas essa alguma coisa não deixou de ser mencionada! Haddad, seu lindo, use isso só quando for escrever pros seus confrades uspianos, sim? beijinhos!!]

Melhorar esses serviços é também uma forma concreta de distribuir renda, diminuir os desequilíbrios, aumentar e garantir a paz social. Sei que essa não é uma tarefa fácil, dada a complexidade dos problemas que vêm se acumulando nos últimos anos. Mas se São Paulo não conseguir resolver seus problemas, que cidade no Brasil e no mundo conseguirá fazê-lo [Haddad, seu lindo, uma dica da bruxa: futuro do presente e ênclises, próclises ou mesóclises só devem ser usados em textos que não são falados. Neste caso aqui, um texto pra parecer fala natural, você deveria ter escrito assim:] que cidade no Brasil ou no mundo vai conseguir fazer?

O fracasso de São Paulo seria o fracasso desse genial modelo de convivência que a humanidade desenhou ao longo dos séculos para sobreviver e ser feliz. Essa invenção insuperável do gênio humano, que se chama cidade.As cidades foram inventadas para unir, não para desunir. Proteger e não fragilizar. Acarinhar e não violentar. Para dar conforto e não sofrimento. São Paulo tem seus grandes problemas, mas tem e terá as próprias soluções. O Brasil moderno nasceu aqui e o surpreendente Brasil do novo milênio também estará está  aqui. Se corrigirmos nossos erros, se superarmos a inércia, se quebrarmos o imobilismo, e se recuperamos a alma criativa e o espírito de empreendedorismo que sempre foram a marca de São Paulo.

Se considerarmos que o texto está genérico até não poder mais, mas:

– não abusa de clichês ou de lugares-comuns, 

– traz um bom arrazoado de boas intenções

– conclama os cidadãos à união 

Parabéns, Haddad, seu texto ficou muito bom. Mas ponha reparo nesses microdetalhes de estilo, sim?

E desde já me ofereço pra canetar seu discurso de posse! PELO AMOR DE DEUS!!!

Share Button

Acuma?

segunda-feira, outubro 22nd, 2012
Share Button

Nessas horas só repetindo Didi Mocó, viu?

Olha aqui o que encontrei Facebook afora. Descrição de uma empresa:

 

Empresa oferece soluções inteligentes para a tomada de decisões na gestão de negócios e disponibiliza informações relevantes com dados atualizados que auxiliem na otimização dos resultados de negócios.

Não é vegetal, não é mineral, não é animal. É informática. Mas não sei se isso faz bem ou mal.

Também não sei se com essa descrição estapafúrdia consegue vender o borogodó dela.

Alguém tem ideia do que seja isso? (Eu chuto Data Warehouse. Um trem que poucos conseguem dizer pra que serve. Pior que o mineirinho da piada – quemcossô? oncotô? Proncovô?)

Share Button

Omenajem a Esteve Jobs

sexta-feira, outubro 7th, 2011
Share Button

Texto originalmente postado no Te dou um dado?, mais precisamente aqui.

Seguinte: tô exausta demais pra exorcizar este texto. Mas como soltei boas gargalhadas, faço questão de compartilhar a tetéia aqui cocêis tudo.

Se tiver tempo/forças, prometo exorcizar depois.

Mulher maca faz uma dedicatoria a Esteve jobs presidente da apple falecido.

Gracy Kelly a mulher maca se sentiu tocada com a morte de Esteve Jobs. Ela acredita que boa parte de seu sucesso nacional e principalmente internacional tem haver com o simbolo da apple que vem a ser uma maca . No ano em que comecou a aparecer na midia como a mulher maca por coincidencia foi o mesmo da ascencao da empresa americana. Mesmo nunca tendo conhecido esse genio inventor de grandes modernidades ela se sente profundamente agradecida pelo maca vir a ser o simbolo da empresa que vem a ser seu apelido desde adolescente. Ela promete fazer uma nova tatuagem com o simbolo da apple para eternizar o seu agradecimento.

Pronto! depois eu volto!

Share Button

Momento irmã Selma

sábado, setembro 24th, 2011
Share Button

Tô bege, gente. Essa irmã Selma que vive em mim, que pensa numa coisa – e ela acontece – é muito sinistra!

Vocês leram meu post da queda do satélite da Nasa?

Lembram que eu sugeri que jogassem no carneiro, porque 26 ( = número de pedaços sinistros do satélite) no Jogo do Bicho é carneiro?

Ó só o bicho que deu hoje, sábado, dia da queda do satélite, às 14h. Peguei neste site aqui, com os resultados do Rio de Janeiro:

Se lhe servir de consolo, eu também não joguei.

Vamos dormir?

Share Button

A Nasa e os objetos sobreviventes

quinta-feira, setembro 22nd, 2011
Share Button

É oficial: setembro é o mês dos mortos aqui no caldeirão!

Hoje ainda é dia 22, e eu não aguento mais falar de mortos vivos por aqui. Até objeto resolveu adquirir vida!

Qué dizê, eu poderia estar estudano, eu poderia estar trabalhano, mas não, estou aqui exorcizano texto ruim. Dá licença, mas agora eu TENHO que exorcizar esta tetéia ininglix.

Daí que um tal satélite da Nasa vai cair na Terra. E a Agência Espacial Americana (=Nasa) publicou em seu site um estudo (!!!) que analisa o potencial perigo de esse satélite ingressar de volta na atmosfera terrrestre.  A página 4 da tal publicação deixa bem claro que a margem de erro das previsões é de 12.000 quilômetros – para mais ou para menos,(o que queira que isto venha a significar, como diria o outro).

Mas o legal mesmo tá na página 8 do documento.

Lá, a Nasa explica que existem cerca de 26 componentes maiores no tal do satélite que podem não se desmantelar quando entrarem na atmosfera, e… bem… cair na sua cabeça (isso num tá dito, tá só subentendido). Mas a maneira como a Nasa se refere a esses componentes é que é o motivo principal da criação deste post. Ó só:

“Objects expected to survive” = Objetos que podem sobreviver 

Human casualty = acidentes com humanos*

****

Atualização: Alertada pelo Igor Senna, fui ver uma tradução mais precisa para casualty. Essa palavra pode ser traduzida como 

acidente
baixa
sinistro
perdas
desastre
infortúnio
Em outras palavras: não tucanaram as mortes humanas. Malzaê!
****

quer dizer, os objetos podem sobreviver, mas o que acontecer com seres humanos (ou quaisquer outros seres… como dizer? Vivos? é, acho que é essa a palavra! Vivos!) será apenas um acidentchy.

Acho bom que você tome as devidas providências:

1- Não saia de casa sem um  guarda-chuva. Pode ajudar.

2- Procure uma banca de jogo do bicho e jogue no carneiro (26 = carneiro)

3- Se você for acertado por um pedaço de satélite, arranje um jeito de processar a Nasa. Pode lhe render uns bons trocadinhos! 😀

 

P.S.: segundo esse documento da Nasa, todos os cálculos foram realizados por um software específico pra analisar queda de objetos na Terra (não pergunte, por favor), chamado de Ferramenta de Análise de Sobrevivência de Reentada de Objetos (UEPAAA! Do inglês Object Reentry Survival Analysys Tool), ou Orsat – quase Tarso lido de trás pra frente. enfim, eu tinha que dividir essa abobrinha aqui com cêistudo. Pronto, passou!)

Share Button

Você sabe com quem está falando? Então, descubra quem é seu público-alvo pra não passar vergonha!

terça-feira, fevereiro 1st, 2011
Share Button

Quando eu era aluna de jornalismo na UFRJ, fui assistir à prova de seleção para professor da Escola de Comunicação, a querida e estuprada Eco (vou nem falar que na minha época não havia site da Eco, porque eu comecei a navegar na Web ainda na faculdade, tá?). Dinossaurices à parte, estava eu na prova de seleção desse professor para o curso de jornalismo. Eram dois candidatos. Um, ruim. Outro, péssimo. Fiquei bege com a leniência dos cardeais teóricos da Faculdade com tamanha incapacidade de percepção jornalística das coisas.

Uma das questões da prova de ingresso era apresentar um projeto de jornal científico. O candidato queridinho dos cardeais da Eco (acho que as cartas já estavam marcadas, só pode) apresentou uma coisa linda: um jornal científico com seções lheeeandas, cartas dos leitores (leiam os parênteses do primeiro parágrafo e voltem rápido. Pronto!), novidades científicas, editorias de biologia, química, física, etcetcetc pereré pão duro, whiskas sachê blablabla. Eu, com o queixo caído, falei baixinho com a professora que babava pelo novo colhéga: “Mas Raquel, ele não determinou se esse jornal é voltado pra comunidade científica ou pras velhinhas evangélicas de Pirambeira do Assaré de Jesus! Como avaliar se o projeto é pertinente sem se determinar o público-alvo?

A Raquel me respondeu com um “psssit! Cala a boca, menina!” E eu calei. Fosse hoje, eu falaria em voz alta, na cara dura, e deixaria o idiota com cara de tacho na frente dos cardeais. (e me foderia ainda mais do que me fodi na época).

O indivíduo em questão foi o aprovado. E me deu aulas. Óbvio que eu jamais tive um pingo de respeito por esse cidadão, muito embora a totalidade de meus colegas (que não assistiram à prova) babassem um ovo descomunal por ele: “olha, o Fulano me deu um cinco!” eu dizia: “grandes merdas, ele não sabe nem o que faz da vida, quanto mais qual a nota que você deve ter”.

E, mais óbvio ainda, ele me reprovou. Grandes merdas número dois: no semestre seguinte, tive aulas na disciplina bombada com ninguém menos do que Muniz Sodré. Que me aprovou com um 8 e elogiou o meu texto.

Esse narigão de cera todo foi pra introduzir o texto enviado por uma querida ectoplasma suína de um blog muito bem escrito e bem acessado de cosmética e beleza. Só pra vcs terem uma idéia, há uns dois anos marromeno o blog contava com 2.000 (ou seriam 200.000? Ah, num sei! Só sei que é muito!) acessos diários. Desde então, é referência entre os blogs do segmento, e as meninas que nele escrevem mantêm uma coluna na revista TPM (#prontoentreguei).

Aparentemente, uma discípula do supracitado (ai, como eu adoro escrever essa palavra! Acho chyque!) professor da Eco resolveu assombrar o e-mail da querida ectoplasma suína. Enviou à blogueira esse texto com total ausência de noção ou de público-alvo (o que, neste caso, é a mesma coisa). Não resisto e vou comentar:

Prezado(a) sr(a).,
Um blog é um tipo de site [Cejura? Olha, eu sou blogueira há anos e não sabia disso! Muito obrigada por me passar esta informação, viu? Meu dia mudou após tão relevante notícia!] (assim como os flogs, páginas colaborativas desenvolvidas em wordpress, joomla etc. – pois todos se sustentam em pré-programações para que leigos possam expor seus conteúdos na web) [ai, que tudo! tão bom saber coisa que eu vivo diariamente e não preciso receber explicação inútil! Mas qual é o propósito desse seu e-mail inútil, mesmo?], ainda que muitas vezes de forma amadora [ó, zifia, eu sou a rainha-mestra dos parênteses escapulidores de tema central. Mas, como toda tagarela que se preza, eu faço questão de falar tudo o que me dá na telha por inteiro. O que não foi o seu caso, né? porque vamos combinar que você foi falar de flog e dar mais uma aula magna de definições e conceitos básicos à blogueira, e se perdeu no meio do caminho, né? Tá faltando pedacim de texto aqui, cáspita!] e sem estrutura. [Cejura (nº2) que blog é um troço amador e sem estrutura? Quem te contou isso? Foi o Estadão ou a Folha? E o blog em questão é amador? Sem estrutura? Cejura (nº3) que você vai querer ser contratada após chamar a autora do blog de amadora?]
Como seu blog/site não possui apenas impressões pessoais, pois apresenta cunho financeiro [Sei, sei. O blog não possui apenas impressões pessoais, e tem cunho financeiro! Nossa, você percebeu os anúncios aí? Ah, como você é esperta! Parabéns! Vai ganhar um doce!] (vide anúncios de iPhones, produtos Vichy, portal iG (anúncio camarão) etc.) estou certa de que interessa financeiramente sim, a despeito  de sua subclassificação [cejura (nº4) que você quer ser contratada? Chamou esse blog de subclassificado e a autora de amadora, e ainda quer ser contratada? Senta lá, Cláudia!] , aumentar o número de visitantes e, consequentemente os lucros gerados por essa iniciativa na web. [ai, que lindo! Agora você vai cagar regra ditar normas e me ensinar a ganhar dinheiro com o blog – coisa que eu já faço faz tempo! Puxa, muito obrigada mesmo, hein?]
Assim sendo [e ainda escreve assim sendo? Olha, eu emociono fácil, não faz isso não!] , como é o nosso trabalho [Cejura (nº jámeperdi) que esse é o seu trabalho? tem certeza?] , podemos gratuitamente explicar para o(a) sr(a). as diferenciações e similaridades de elementos da web [AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHH, QUE TUDOOOOOOOOOOOOOOOO!!! Sou uma amadora subclassificada, e você vai me ensinar GRA-TUI-TA-MEN-TE diferenciações e similaridades? Puxa, que maravilha! Posso te ensinar a falar português fluente, posso? Então, diferenciações e similaridades é a $%&¨¨%&$&¨%$%&¨%$%¨%$, entendeu?] , bem como quais são as estratégias corretas para ganhar mais dinheiro e visibilidade com seu site (blog). [senão vejamos: você já me chamou de amadora desclassificada. Pra eu ganhar dinheiro, de acordo com sua inominável sapiência, devo chamar minhas leitoras de escrotas e imbecis? ou o xingamento tem que ser mais bonitinho?]
Mesmo que não fosse comercial, ainda assim [Aaaaahhhh! Não satisfeita com o Assim sendo, ela escreve ainda assim!] é sempre bom aumentar a visibilidade do que se coloca na Internet, a despeito de sua qualidade e profissionalismo [tradução: cê pode continuar a escrever a merda que você escreve. Eu vou é vender essa merda que você faz. Vergonha alheia master]. Afinal, se escreve para que alguém leia. [Cejura? Cejura? Cejura?]
Encontramo-nos inteiramente à disposição para sanar outras dúvidas que possam haver em relação à sua comunicação e sua classificação.[Classificação? Prá quê? Eu já fui subclassificada, mesmo!]

Inquestionável ectoplasma suína que é, a blogueira em questão respondeu à tchutchuca assim:

Gatinha, se vc tivesse mesmo entrado no [linkdoblog] veria que se trata de um BLOG, e não de um SITE.

Caso tenha alguma dúvida sobre a diferença entre ambos, podemos explicar sem custo nenhum.

E mais não conto, porque estou com pena da cidadã em questão.

Moral da história, zifios: em se tratando de redação de textos, o você sabe com quem está falando? não é uma forma de reduzir ou elevar artificialmente ninguém. É apenas a receita básica pra você não passar vergonha na frente dos outros. Até porque o vigário sabe de há muito como rezar o padre-nosso.

(P.S.: Adivinhem em que Avenida fica a empresa da ameba sem-noção de público-alvo? Acertou quem disse Luis Carlos Berrini!)

Share Button

Interpretando textos com a Madrasta do Texto Ruim – um olhar realista para destacar as entrelinhas

quarta-feira, abril 14th, 2010
Share Button

O título daí de cima é pra ser lido com sarcasmo, fazfavô. Porque eu jamais, em sã consciência, começaria um título com um gerúndio, muito menos lançaria mão da expressão um olhar assim assado. Além de sarcasmo, o título acima ainda contém 3 taças de vinho. Favor dar o desconto.

Mas não tô aqui pra justificar meus títulos. Vim para ajudar meus diletos leitores a lerem as entrelinhas dos textos que lhes chegam às mãos. Outro dia mesmo tava aqui aprovando um comentário que falava de texto em entrelinhas.

Enfim. Marido recebeu uma dileta cartinha da TIM(ganei) junto com a conta do celular. A missiva é simpática e educada, mas contém uma série de informações que não foram ditas com todas as palavras. Escancará-las-ei, portanto:

Prezado cliente,

Visando a melhoria constante nos processos de atendimento a você, cliente TIM, estamos aprimorando os nossos sistemas de faturamento, responsáveis pela geração de sua conta.[Achamos por bem mexer no sistema que gera nossas cobranças]

Diante disso, a conta deste mês (Abril/2010) não contempla as chamadas locais e de longa distância. [deu um pau ferrado no sistema, a gente perdeu um monte de coisa, mas se Deus quiser o backup vai funcionar] Estas chamadas serão apresentadas na próxima conta com vencimento em maio/2010. [Até o mês que vem a coisa tem que voltar aos eixos, com a ajuda dos deuses]

ATENÇÃO: Caso exista utilização de chamadas locais excedentes ao seu pacote de minutos, realizadas no período de 1/3/2010 a 31/03/2010 (Período do vencimento de Abril/2010), ou chamadas de longa distância deste mesmo período, estas serão cobradas e apresentadas na conta do mês de maio/2010. [aparentemente, perdemos os registros de suas chamadas excedentes e/ou de Longa distância. Mas estamos rezando pra recuperar tudo, viu? Aguarde notícias mês que vem!]

Essa reprogramação está sendo feita em caráter excepcional, não causará a cobrança de encargos financeiros adicionais e respeita os prazos determinados pela Anatel (Agência nacional de Telecomunicações). [Tamos virando noites e noites pra resolver o quiproquó, o chefe não larga do nosso cangote, e a gente tem que consertar a bosta homérica o mais rápido possível. Inda bem que a Anatel entende que esse tipo de bosta acontece, né?]

Adicionalmente, o vencimento da sua conta deste mês será prorrogado e o pagamento poderá ser realizado até 22/04/2010, sem incidência de multa e juros. [Tamos quebrando o teu galho. Reze por nós!]

Atenciosamente,

TIM Brasil.

Eu ri muito ao ler esta carta. Espero ter compartilhado os motivos de meus risos com vocês. E vamos ver o que vai acontecer mês que vem!

Share Button

Tristeza

quarta-feira, fevereiro 24th, 2010
Share Button

(Não tem nada que me irrite mais do que os dias em que o WordPress tira pra te sacanear e não marcar palavras tachadas… Mas vamos lá, sem tachação de palavras!)

Este caldeirão está de luto.

Olha o que eu acabei de receber, gente! (Falta de) estilo inconfundível, o texto é autêntico da acessoria asseçoria açeçoria assessoria de imprensa delas!

O fim do grupo Sexy Dolls

Chegou ao fim o Sexy Dolls, o grupo que foi inspirado no Pussycat Dolls era formado por Sabrina Boing Boing, Júlia Paes e Carol Miranda. Elas lançaram o album intitulado Tire Minha Roupa, no qual consta a canção Teu Beijo, inspirada parcialmente na trilha do filme Quem Quer Ser um Milionário?.  Além do ingresso no mercado fonográfico, o grupo  figurou a capa da revista masculina Sexy.
A integrante Julia Paes deixou o grupo para se casar com um empresario paulista e por esse motivo Sabrina Boing e Carol Miranda resolveram  não dar continuidade.  O grupo que move uma ação contra o programa CQC da BAND tem a primeira audiencia conciliatoria marcada para a abril.

Chegou ao fim o Sexy Dolls, o grupo que foi inspirado no Pussycat Dolls era formado [Viu? Faltou ou duas vírgulas ou um e aqui! Autêntico o e-mail!] por Sabrina Boing Boing, Júlia Paes e Carol Miranda. Elas lançaram o album intitulado Tire Minha Roupa, no qual consta a canção[no qual consta a canção. Eca!] Teu Beijo, inspirada parcialmente na trilha do filme Quem Quer Ser um Milionário? [Inspirada parcialmente? Ok, tudo bem…].  Além do ingresso no mercado fonográfico, o grupo  figurou a capa [figurar a capa? Qual o problema em foi capa?] da revista masculina Sexy.

A integrante Julia Paes deixou o grupo para se casar com um empresario paulista e por esse motivo Sabrina Boing e Carol Miranda resolveram  não dar continuidade.  O grupo que move uma ação contra o programa CQC da BAND tem a primeira audiencia conciliatoria [duas palavras sem acento! Claro que é da assessoria!]marcada para a abril.

Mas eu tenho cá pra mim que, quando triste, o queridoassessô comete menos erros de português… tá muito tranquilo corrigir este texto:

O fim do grupo Sexy Dolls

Chegou ao fim o Sexy Dolls, o grupo que foi inspirado no Pussycat Dolls era formado por Sabrina Boing Boing, Júlia Paes e Carol Miranda. Elas lançaram o album intitulado Tire Minha Roupa, no qual consta a canção Teu Beijo, inspirada parcialmente na trilha do filme Quem Quer Ser um Milionário?.  Além do ingresso no mercado fonográfico, o grupo  figurou a capa da revista masculina Sexy.
A integrante Julia Paes deixou o grupo para se casar com um empresario paulista e por esse motivo Sabrina Boing e Carol Miranda resolveram  não dar continuidade.  O grupo que move uma ação contra o programa CQC da BAND tem a primeira audiencia conciliatoria marcada para a abril.

Chegou ao fim o Sexy Dolls-ponto. O grupo-vírgula, que foi inspirado no Pussycat Dolls-vírgula, era formado por Sabrina Boing Boing, Júlia Paes e Carol Miranda. Elas lançaram o album intitulado Tire Minha Roupa, no qual consta com a canção Teu Beijo, inspirada parcialmente na trilha do filme Quem Quer Ser um Milionário?.  Além do ingresso no mercado fonográfico, o grupo  figurou a foi capa da revista masculina Sexy.

A integrante Julia Paes deixou o grupo para se casar com um empresário paulista e por esse motivo Sabrina Boing e Carol Miranda resolveram  não dar continuidade ao Sexy Dolls.  O grupo-vírgula, que move uma ação contra o programa CQC-vírgula, da BAND-vírgula, tem a primeira audiência conciliatória marcada para abril.

Tristeza.

(por favor vá embora

Minha alma que chora está vendo o meu fim

Fez do meu coração a sua moradia

Já é demais o meu penar

Quero voltar àquela vida de alegria

Quero de novo cantar…)

Share Button

Chá com pleonasmo na Terra do Lugar-Comum

quarta-feira, fevereiro 24th, 2010
Share Button

Mais um e-mail de assessoria de imprensa. Desta vez, sobre chá-mate. Não bastasse o festival de clichês, o chá foi adoçado com pleonasmo. Duvida? Ó só:

MATTE LEÃO INVADE O MERCADO COM NOVOS LANÇAMENTOS
No primeiro semestre de 2010, Matte Leão, marca líder no mercado de chás, traz inovações
São Paulo, 23 de Fevereiro de 2010 – Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante e Matte Leão Zero: os dois novos produtos que a partir deste mês, já estão disponíveis no mercado brasileiro.
O mate é uma erva nativa, consumida pelos índios antes mesmo do Brasil ser descoberto. Matte Leão é uma bebida preparada a partir das folhas desta planta, que são especialmente selecionadas e tostadas para resultar no seu sabor único e inigualável.
Matte Leão, bebida consumida quente ou gelada, tem espaço nas variadas ocasiões: em momentos de lazer, para matar a sede, junto às refeições ou nas reuniões de trabalho.
Matte Leão, autêntica marca brasileira, validada através das gerações, lidera o mercado de chás prontos para beber. De acordo com o Instituto AC Nielsen, em 2009 foram consumidos 60 milhões de litros de chás prontos para beber no Brasil. Neste mesmo ano, a taxa de crescimento do mercado foi de 12%.
Apesar do crescimento apresentado, a importância dos chás dentro do universo de bebidas prontas para beber é ainda muito insipiente no país, se comparada a países onde a categoria é mais madura, como no Japão, nos Estados Unidos e alguns países da Europa, por exemplo.
“Nossos lançamentos vêm contribuir para acelerar o crescimento deste mercado, fortalecer a marca Matte Leão e enriquecer o portfólio da Leão, líder absoluta desde 1901 e maior conhecedora de chás e infusões do Brasil”, comenta Renato Fukuhara, diretor de Marketing da Leão Jr.
Lançamentos:
MATTE LEÃO CONCENTRADO SEM AÇÚCAR E SEM ADOÇANTE
Em 2009 a marca Matte Leão agrega em sua linha e aposta em mais uma novidade: o Matte Leão Concentrado, que já vem adoçado.
O produto é sucesso entre os consumidores e apresenta a oportunidade para mais uma inovação: Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante.
Disponível no mercado a partir de Fevereiro, Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante é ideal para os amantes do autêntico sabor do mate.  Sua formula, composta pelo puro extrato de Matte Leão e ausência de açúcar e adoçante, proporciona a mais completa liberdade para que os consumidores personalizem e adaptem a bebida ao próprio paladar.
“O Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante foi especialmente desenvolvido para se assemelhar ao máximo ao sabor do Matte Leão preparado em casa – aquele feito a partir da erva-mate à granel. Cada família tem a sua receita e a repassa de geração em geração”, comenta Renato Fukuhara.
A proposta, “Faça do seu jeito”, aliada à facilidade e rapidez no preparo, transformam o Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante em uma opção absolutamente alinhada ao mundo contemporâneo.
Além de oferecer sabor, o Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante é econômico. O produto, que vem em embalagens de 1 litro pode render até 6 litros e atender a toda a família.
Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante será distribuído para os principais pontos de venda de todo o Brasil.
MATTE LEÃO ZERO
A marca Matte Leão renova seu portfólio de chás prontos para beber com o lançamento de Matte Leão Zero: zero açúcar, zero caloria.
Segundo o Instituto AC Nielsen, o segmento de baixa caloria já representa 23,8% do mercado de chás prontos para beber no Brasil. Entre os anos de 2008 e 2009, este segmento apresentou aumento de 17,2%.
Atuante desde 1901, a Leão é líder absoluta no mercado de chás prontos para beber com a marca Matte Leão, sendo sinônimo de qualidade e tradição. No segmento diet, light e zero, não é diferente. Matte Leão Diet lidera este mercado de chás de baixa caloria.
Matte Leão Zero vem para substituir o Matte Leão Diet no portfólio da Leão. O lançamento vem com formulação e embalagens novas para atender aos consumidores que optam por produtos zero açúcar, mas que não abrem mão do autêntico sabor de Matte Leão.
“Este lançamento é o resultado de um ano de pesquisa, com o objetivo de chegarmos ao produto perfeito: o autêntico sabor de Matte Leão com zero açúcar, deliciosamente leve e refrescante.”, diz Renato Fukuhara.
Matte Leão Zero pode ser encontrado nos principais pontos de venda do país, nos sabores natural e limão, nas versões copo (300ml), lata (335ml) e pet (330ml, 500ml e 1,5 litro).
MATTE LEÃO ORGÂNICO
“O Matte Leão Orgânico não é apenas um produto sustentável: ele é diferenciado e capaz de unir atributos de excelência e responsabilidade ambiental com qualidade e sabor insuperáveis”, afirma Renato Fukuhara, diretor de marketing da Leão.
O novo produto, apresentado em embalagens de 100g, será comercializado em seus primeiros meses, exclusivamente pelas bandeiras da rede Walmart. O Matte Leão Orgânico combina harmoniosamente tradição e inovação em um chá saboroso, feito a partir de erva-mate orgânica sem uso de defensivos agrícolas ou adubos químicos.
O transporte da matéria-prima do campo à fábrica é realizado por “caminhões ecológicos”, abastecidos com biodiesel, o que reduz as emissões de CO2 na atmosfera. A caixa de embarque é feita de papelão proveniente de florestas sustentáveis, certificadas pelo FSC  Forest Stewardship Council – garantindo o bom uso da terra, controle do desmatamento e manutenção da biodiversidade local.
As embalagens são feitas com papel 100% reciclado e redução de 90% no uso de tinta para impressão. A caixinha do chá traz mensagens de educação ambiental e descreve todas as etapas do produto, de forma a esclarecer e conscientizar o consumidor a respeito dos aspectos envolvidos na fabricação de um produto orgânico e sustentável.
O Matte Leão Orgânico é produzido na recém inaugurada fábrica “verde” da Leão no município de Fazenda Rio Gande (Paraná) e que em breve poderá ser a primeira fábrica brasileira a receber a certificação da LEED – Leadership Energy and Environmental Design, concedida pelo Green Building Council.
Planejada de acordo com os princípios de bioarquitetura, que visam causar o menor impacto possível no meio ambiente, ela foi cuidadosamente concebida para utilizar aspectos diferenciais de sustentabilidade. Em seu terreno de 110 mil metros quadrados, sendo apenas 20 mil de área construída, são utilizados recursos e tecnologia que respeitam e preservam a natureza.
“O Matte Leão Orgânico é um produto único em excelência e compromisso com o nosso planeta”, ressalta Fukuhara.

Chá mate Tal INVADE O MERCADO COM NOVOS LANÇAMENTOS [PLEONASMOOOOOOOOOOOOO!!! Pleonasmo é aquela figura de estilo que sobe pra cima, desce pra baixo, entra pra dentro e sai pra fora. Como um novo lançamento, por exemplo. Muito açúcar, não dá nem pra engolir!]

No primeiro semestre de 2010, o mate Tal, marca líder no mercado de chás, traz inovações [Lugar-comum! Clichê! Falta do que falar, então inventa uma firula qualquer! O mate em questão poderia trazer um novo conceito, ou uma funcionalidade diferenciada, que pouca diferença iria fazer. Pelo menos conjugou direito o verbo trazer.]

São Paulo, 23 de Fevereiro de 2010 – Mate Tal Assim sem açúcar e sem adoçante e Mate Tal Zero: os dois novos produtos que [deveria haver uma vírgula aqui…] a partir deste mês, [já que esta vírgula entrou aqui. Caso não quisesse colocar a vírgula ali, também não colocasse aqui. É um típico caso de pague duas,  leve as duas, coloque-as no lugar certo e não amola!] já estão disponíveis no mercado brasileiro.

O mate é uma erva nativa, consumida pelos índios antes mesmo do Brasil ser descoberto (…) Bla bla bla whiskas sachê bla bla bla (…)

Mate tal, autêntica marca brasileira, validada através das gerações [o que diabos a tchutchuca quis dizer com validada através de gerações? o que esse validada tá fazendo aí? Por acaso o aprovada ou o consumida quebraram a perna e não puderam comparecer ao texto?], lidera o mercado de chás prontos para beber. (…) mais blablabla whiskas sache blablabla (…)

Apesar do crescimento apresentado, a importância dos chás dentro do universo de bebidas prontas para beber é ainda muito insipiente [Tocam as sirenes do reino dos dicionários! Palavra certa escrita errada, que trouxe um significado completamente diferente ao texto. Socorro, Tio Antônio!]no país, se comparada a países onde a categoria é mais madura, como no Japão, nos Estados Unidos e alguns países da Europa, por exemplo.

Blablabla declaração do queridocliente blablabla declaração do queridocliente

[então, vamos falar rapidim com tio Antônio:

InSipiente: 1  não sapiente; ignorante <os empregados que conseguiu eram todos i., sem qualificação>  2  tolo, néscio 3  sem juízo; insensato, imprudente

X

InCipiente: que inicia, que está no começo; inicial, iniciante, principiante ¤ etim lat. incipiens,entis part.pres. de incipère ‘começar, dar princípio’ ¤ sin/var ver sinonímia de primeiro.

Ou seja: a tchutchuca quis dizer que o negócio ainda tá no começo, mas disse que o troço é burro. Legal, né? Bom, adiante, por favor…]

Lançamentos:

Mate  CONCENTRADO SEM AÇÚCAR E SEM ADOÇANTE

Em 2009 a marca Tal  agrega em sua linha [mais um irritante verbinho da moda. Por que agrega, e não reúne, traz para? Aliás, o que é agrega em sua linha? Tem uma grega pisando em cima da linha do chá, é isso? ô, textinhohorrorosooooo!]  e aposta em mais uma novidade: o Mate tal  Concentrado, que já vem adoçado. [e aintes que você tenha uma síncope porque o título falou em sem açúcar e este parágrafo falou em adoçado: este já foi lançado em 2009, é notícia velha…]

O produto é sucesso entre os consumidores e apresenta a oportunidade [Agora imagine você, meu caro leitor, minha cara leitora, a seguinte cena: O produto que é sucesso aparece no meio de um picadeiro de circo gritando: Respeitável público! Venho por meio deste apresentar uma… Oportunidade! Daí, entra no picadeiro dona Oportunidade, uma anã barbada. Ou uma king-konga cuspidora de fogo, sei lá… só sei que me veio à cabeça esta cena agora, achei legal dividir com vocês…] para mais uma inovação [Nem anã nem king-konga! quem adentrou o picadeiro deste sinistro texto foram duas gêmeas siamesas (ou seria uma só, posto que são siamesas? enfim…): Oportunidade e Inovação! Filhas do sr.  Lugar-Comum com a sra. Polissílaba. A Sra. Polissílaba tem esse problema, coitada… de tanto ficar fazendo palavrinhas com mais de três sílabas, de vez em quando vem um par de siamesas… Dizem que dona Polissílaba é filha bastarda do sr. Trocadilho, mas isso não ficou comprovado ainda… é, tá um circo este texto…] : Mate Tal Concentrado sem açúcar e sem adoçante.

Disponível no mercado a partir de Fevereiro, Mate tal Concentrado sem açúcar e sem adoçante é ideal para os amantes do autêntico sabor do mate.  Sua formula, composta pelo puro extrato de Mate Tal e ausência de açúcar e adoçante [Tá, meu filho! Isso a gente já entendeu! Agora fala qual é o borogodó desse produto!], proporciona a mais completa liberdade para que os consumidores personalizem e adaptem a bebida ao próprio paladar.[ou seja: nada. ‘bora ficar com o produto original, porque se você precisa de uma bebida para lhe proporcionar liberdade, mermão, cê tá ferrado, hein?]

Mais Blablabla declaração do queridocliente blablabla declaração do queridocliente

[Dai você pensa que não é possível que o texto diga mais besteira em relação ao produto e aparece este parágrafo:] A proposta, “Faça do seu jeito”, [duas vírgulas erradas que foram abstraídas, OK?] aliada [quando uma coisa se alia a outra no meio de um texto sobre lançamento de produtos, pode ter certeza que o redator dançou o enrolêixon pra escrever a peça]à facilidade e rapidez no preparo, transformam o Mate Tal Concentrado sem açúcar e sem adoçante em uma opção absolutamente alinhada ao mundo contemporâneo.[uma opção absolutamente alinhada ao mundo contemporâneo! E pronto! Mundo contemporâneo é a nova agulha, e o mate concentrado é a opção que se alinha na agulha! Mas que saquinho este texto, hein? E o que é pior: eu ainda não entendi qual é o grande lance do tal do mate concentrado!]

Além de oferecer sabor, o Mate Tal Concentrado sem açúcar e sem adoçante é econômico. O produto, que vem em embalagens de 1 litro pode render até 6 litros [Ufa! Até que enfim! Obrigada por passar uma informação nova, útil e concreta no DÉCIMO-SEGUNDO PARÁGRAFO DO TEXTOOOOOOOOOOOOOOO] e atender a toda a família.

(…)


MATE tal ZERO

A marca tal [O nariz de cera do primeiro produto falava que a marca Tal agrega em sua linha. O deste produto fala em….] renova seu portfólio [BLEARGH!]de chás prontos para beber com o lançamento de Mate Tal Zero: zero açúcar, zero caloria.

(…) Parágrafo com mais dados de mercado (…)

Atuante desde 1901, [Parágrafo que começa com ordem inversa, ou com uma frase puxando para si o holofote que deveria pertencer à frase da idéia principal, é sinal de que não vem boa coisa por aí…] a empresa tal é líder absoluta no mercado de chás prontos para beber com a marca tal, sendo sinônimo de qualidade e tradição [Viu? Se a marca atua no mercado desde 1901, prá quê, meu Deus, eu vou repetir, prá quê dizer que é sinônimo de qualidade e tradição?!?!?! OK, eu tenho a resposta: é porque eles não conseguiram pensar em coisa melhor pra falar. E olha que o produto é bom, ou então não estaria disponível nas prateleiras há 109 anos!] . No segmento diet, light e zero, não é diferente. Mate Tal Diet lidera este mercado de chás de baixa caloria.

Mate Tal Zero vem para substituir o Mate Tal Diet no portfólio da empresa Tal. O lançamento vem com formulação e embalagens novas para atender aos consumidores que optam por produtos zero açúcar, mas que não abrem mão do autêntico sabor de Mate Tal.

Mais Blablabla declaração do queridocliente blablabla declaração do queridocliente (…)


MATE Tal ORGÂNICO

[ai-meu-deus. Abriu com aspas. Lá vem declaração do queridocliente…] O Mate Tal Orgânico não é apenas um produto sustentável: ele é diferenciado [E pron-to! Mais uma palavrinha da moda! O mate orgânico em questão é exímio matemático, e sabe como fazer cálculo diferencial. Portanto, já tem esse resultado e apresenta-se como diferenciado! Grunf!] e capaz de unir atributos de excelência e responsabilidade ambiental com qualidade e sabor insuperáveis” [Mais um festival de palavras polissílabas, que totalizam 34 sílabas, e nada dizem], afirma o queridocliente.

O novo produto, apresentado em embalagens de 100g, será comercializado em seus primeiros meses, exclusivamente pelas bandeiras da rede Sbryfs. O Mate Tal Orgânico combina harmoniosamente tradição e inovação [tradição e inovação? Juntas? Explique como!] em um chá saboroso, feito a partir de erva-mate orgânica sem uso de defensivos agrícolas ou adubos químicos.[e isso é inovação? então, os índios que já tomavam mate antes de Cabral aportar por aqui, plantavam a erva com defensivos agrícolas e adubos químicos? Ah, já sei! é um novo conceito em inovação! Só pode ser! Grunf…]

O transporte da matéria-prima do campo à fábrica é realizado por “caminhões ecológicos”, abastecidos com biodiesel, o que reduz as emissões de CO2 na atmosfera[o máximo que o índio poderia fazer pra emitir CO2 na atmosfera seria… nem isso, porque é gás metano] . A caixa de embarque é feita de papelão proveniente de florestas sustentáveis, certificadas pelo FSC  Forest Stewardship Council – garantindo o bom uso da terra, controle do desmatamento e manutenção da biodiversidade local.

As embalagens são feitas com papel 100% reciclado e redução de 90% no uso de tinta para impressão. A caixinha do chá traz mensagens de educação ambiental e descreve todas as etapas do produto, de forma a esclarecer e conscientizar o consumidor a respeito dos aspectos envolvidos na fabricação de um produto orgânico e sustentável.

O Mate Tal  Orgânico é produzido na recém inaugurada fábrica “verde” da empresa num município do Paraná e que em breve poderá ser a primeira fábrica brasileira a receber a certificação da LEED – Leadership Energy and Environmental Design, concedida pelo Green Building Council.

Planejada de acordo com os princípios de bioarquitetura,  [Outro parágrafo que começa com ordem inversa ou com uma frase puxando para si o holofote que deveria pertencer à frase da idéia principal…] que visam causar o menor impacto possível no meio ambiente [… com direito a uma terceira idéia que atrasou a apresentação da idéia principal!] , ela foi cuidadosamente concebida para utilizar aspectos diferenciais de sustentabilidade [Aceito desenhos. Se alguém conseguir me explicar como se faz pra utilizar um aspecto diferencial de sustentabilidade, eu vou ficar muito feliz!] . Em seu terreno de 110 mil metros quadrados, sendo apenas 20 mil de área construída, são utilizados recursos e tecnologia que respeitam e preservam a natureza.

[Agora eu vou deixar pra vocês verem o que é um queridocliente a falar obviedades num press-release. Prestem atenção à quantidade de clichês que serão ditos nesta frase] “O Mate Tal Orgânico é  um produto único em excelência e compromisso com o nosso planeta [O predicado, sublinhado, contém 12 palavras e 4 clichês (33%, portanto)]”, ressalta Fulano.

Melhorar este texto vai dar tanta dor de cabeça que eu me recuso a fazer isso. Não agora… só sei que estava tomando mate, e esse texto me deu uma sede tão grande que agora vou beber água …

Quem sabe mais tarde?

Share Button

Conjunto da obra perde

sábado, fevereiro 20th, 2010
Share Button

Tá. Fiquem à vontade pra me acusar! Eu sei muito bem que quando essas coisas não vêm atrás de mim eu vou atrás delas. Mas fazer o quê? Eu preciso compartilhar com vocês!

Quem recebeu essa pérola por e-mail foi a Lelê do Te dou um dado?. E, como ela foi uma pessoa BOUA de compartilhar a coisa com os leitores do blog dela, eu também vou cometer idêntico ato de bondade.

Eis o que a acessoria de imprensa da Geisy Arruda (Uniban / vestido rosa horroroso / expulsa / subcelebridade… ligou? Não? Então, joga no Google! Mas corre que daqui a pouco ninguém mais sabe quem é ela, nem o cache do Google!) enviou aos jornalistas:

Quaso venha a interessar,tenho uma nota a ser divulgada.
Hoje no programa “Melhor do Brasil”,da rede record televisão
Geisy arruda da´ra inicio a sua participação no quadro “Vai dar namoro co famosos”,
onde rapazes do Brasil e do mundo faram suas inscrições e mandaram seus videos para
o link abaixo.
http://rederecord.r7.com/vai-dar-namoro/
Geisy arruda procura seu “Principe Encantado”,romantico,brincalhão,há mais não pode ser ciumento…kkk
Quaso acha interesse obrigada…
Acessoria de Imprensa
JENIFER ARRUDA!

Quaso [a quantidade de neurônios necessária para eu entender que a cidadã pretendeu escrever Caso aqui foi inversamente proporcional à quantidade de neurônios que ela dispendeu para cometer este texto!] venha a interessar,tenho uma nota a ser divulgada.

Hoje no programa “Melhor do Brasil”,da rede record televisão [Como ela diz rede recórdi, abstraiu a preposição de e que se dane!]

Geisy arruda da´ra [Aqui foi erro de dedo. Deveria relevar, mas o troço tá tão feito embaixo das coxas que não dá! Se ela relesse o que escreveu (sim, parto do princípio de que a tchutchuca sabe ler!), esse errinho de digitação não teria sido enviado!] inicio [aqui também faltou acento, bosta!] a [Crase? Hein? O que é isso? Se escreve com ésse ou zê?] sua participação no quadro “Vai dar namoro co [Viram que isso é relaxamento? viram que este troço foi feito de qualquer jeito?] famosos”,

onde rapazes do Brasil e do mundo faram suas inscrições e mandaram [corrããããooo!!! Fujããããõooo!!!!] seus videos para o link abaixo.

http://rederecord.r7.com/vai-dar-namoro/

Geisy arruda procura seu “Principe Encantado”,romantico,brincalhão,há mais [Ok. Ela perdeu a aula de Ronald Golias sobre as diferenças entre mas, mais e más!]. não pode ser ciumento…kkk

Quaso acha [De novo. A quantidade de neurônios que eu gastei pra entender que a tchutchuca quis dizer Caso haja (é, vamos combinar que haja é deveras elaborado pra moça escrever…) foi inversamente proporcional à quantidade de neurônios que ela dispendeu pra cometer este texto!] interesse obrigada…

Acessoria [E arrematou com chave de latão!] de Imprensa

JENIFER ARRUDA! [deve ser irmã da Geisy]

O que dizer então?

Muito obrigada, Supremo Tribunal Federal, pelo fim da exigência de diploma para o exercício do jornalismo!

Tá bom, tá bom, eu conserto a bagaça:

Caso venha a interessar,-espaço tenho uma nota a ser divulgada.

Hoje no programa “Melhor do Brasil”,da Rede Record de Televisão

Geisy Arruda dainício à sua participação no quadro “Vai dar namoro com famosos”,

onde rapazes do Brasil e do mundo farão suas inscrições e mandarão seus vídeos para

o link abaixo.

http://rederecord.r7.com/vai-dar-namoro/

Geisy Arruda procura seu “Príncipe Encantado”-dois pontos: romântico,-espaço brincalhão (travessão)  – ah! Mas não pode ser ciumento…kkk


Caso haja interesse, obrigada…


Assessoria de Imprensa

JENIFER ARRUDA!

Mas estou com dúvidas agora… acho que este e-mail é a prova concreta de que Geisy Arruda tem uma Acessoria, com cê mesmo – diqualidádi!

Share Button

Ah, o politicamente correto…

quarta-feira, janeiro 20th, 2010
Share Button

Daí você recebe um e-mail com o assunto:

BAND-AID® ESTÁ MAIS SUSTENTÁVEL

e pensa que o curativo resolveu grudar melhor na sua pele, né? Mas eis que você se anima e lê o resto do e-mail (que o seu Outlook, sabiamente, taxou como “spam”), que diz:

Agora, o Band-Aid® que o consumidor compra na farmácia ou nos supermercados é mais sustentável. As embalagens do produto foram reduzidas em 18%, sem alteração no volume de tiras, consumindo menos matéria-prima, diminuindo o volume de resíduos sólidos e aumentando a capacidade de transporte. Além disso, 30% de material reciclado pós-consumo foi adicionadoblablabla whiskas sachê blablabla

MORTE AO POLITICAMENTE CORRETOOOOOOOOO!!!!

E MORTE DUPLA QUANDO ELE VIER ACOMPANHADO DE ENCOSTO GERUNDOL!!!!

Share Button

O pretérito perfeito e o futuro equivocado

sexta-feira, janeiro 15th, 2010
Share Button

Mais lá pra baixo, eu falava das amebas acorrejentes que cismam em corrigir os corrão, leião e vejão. E expliquei como identificar um texto em que esses verbos são usados de forma irônica, certo?

Pois bem, hoje a aula é inversa. Vou mostrar um caso em que o verbo foi conjugado errado, mesmo. E não tem ironia, não, tem inguinhorânça, mesmo! Pode ser conferido neste link aqui. E olha que eu elogiei horrores esses dois meninos há alguns meses. Mas não retiro uma linha do que disse. Deus e eu no sertão é a coisa marlinda do mundo. O assessor de imprensa deles é que precisa tomar vergonha na cara…

Mas vamos ao texto-tetéia:

Villa Country recebeu Victor & Leo e famosos dia 14
A maior e mais tradicional casa country e sertaneja do Brasil, Villa Country, abriu o ano com o show da famosa dupla, Victor e Leo, no dia 14.
Na apresentação para 5 mil pessoas estavam presentes Latino, Marco Luque, Rogério Morgado, Nadja Haddad, entre outros.
Os irmãos tocarão hits como “Borboletas” “Deus e eu no sertão”, além dos sucessos do novo CD Ao vivo e em cores, como “Estrela Cadente”.

Villa Country recebeu Victor & Leo e famosos dia 14 [Repararam o recebeu, né? Pretérito perfeito. Claro, uma vez que hoje é dia 15 e o feito ocorreu dia 14, o verbo está correto.]

A maior e mais tradicional casa country e sertaneja do Brasil, Villa Country, abriu [Outro verbo no pertérito. Perfeito.] o ano com o show da famosa dupla, [aaaaaaaaahhhhhhhh!!! Virgula aqui NÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOO!!! ]Victor e Leo, [aqui também nããããããããoooooooooooo] no dia 14.

Na apresentação para 5 mil pessoas estavam [de novo. pretérito. perfeito.] presentes Latino, Marco Luque, Rogério Morgado, Nadja Haddad, entre outros.

Os irmãos tocarão [AQUIIIIIIII!!!!!! AQUIIIIIIIIIIII! AQUIIIIIIIIIII! NÃO TEM IRONIA NO TEXTOOOOO!!! A ameba deveria ter escrito tocaram, mas equivocou-se, coitada!] hits como “Borboletas” “Deus e eu no sertão”, além dos sucessos do novo CD Ao vivo e em cores, como “Estrela Cadente”.

Entenderam, crianças, como é fácil identificar um erro autêntico?

Share Button

Objetivando estar alinhado

quarta-feira, dezembro 16th, 2009
Share Button
Agulha e linha devidamente... er.... alinhadas! #prontofalei

Agulha e linha devidamente... er.... alinhadas! #prontofalei

Resolvi acabar com a sua noite também. Ou, então, lhe proporcionar algumas gargalhadas. Ou ainda, quem sabe, lhe trazer aquele momento de incredulidade, ao lhe fazer pensar: Meu Deus do céu! Sério que nego escreve um troço desses e acha que tá abafando?

Acompanhe mais alguns trechinhos do e-mail que eu recebi e que disse ter deletado (desculpa, menti!). Agora sim, devidamente apagado. Vejam a quantidade de alinhavos incluídos no texto. Ô mania que esse povo tem de alinhar as coisas, credo!!

Criar valor é estratégico e faz parte do intangível da organização. As empresas de consultoria atuam como facilitadoras na criação de valor para as organizações por meio da transformação do conhecimento tácito em explícito. O conhecimento tácito é aquele intrínseco ao ser humano, de difícil transmissão e o conhecimento explicito é o que está mais visível, de fácil recuperação.
O segredo para o sucesso está em oportunizar um clima organizacional favorável à criação de valor alinhada a uma gestão orientada por processos que permita a geração deste valor, transformando o intangível em tangível
As empresas de consultoria atuam no mercado facilitando o processo de implantação de uma cultura de gestão moderna, inovadora, alinhada ao atendimento de necessidades das stakeholders ampliando os ativos intangíveis e a percepção do valor agregado aos produtos e serviços.

(…)

O segredo para o sucesso está em oportunizar [o que queira que isto venha a significar, como diria o outro…] um clima organizacional favorável à criação de valor alinhada [1] a uma gestão orientada por processos que permita a geração deste valor, transformando o intangível em tangível [é pra fazer o quê, mesmo, hein?]

(…)

As empresas de consultoria atuam no mercado facilitando o processo de implantação de uma cultura de gestão moderna, inovadora, alinhada [2] ao atendimento de necessidades das stakeholders ampliando os ativos intangíveis e a percepção do valor agregado aos produtos e serviços.

Share Button

Da série “Colei meleca na cruz”

quarta-feira, dezembro 16th, 2009
Share Button

Isso aqui chegou agora no meu e-mail. Calma, que só vou copiar o primeiro parágrafo:

O Balanced ScoreCard é considerado um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzir a estratégia em objetivos operacionais que direcionam comportamentos e performance.

Resolvi não me aporrinhar. Adivinha qual botãozinho do meu teclado eu apertei?

Uma dica: linha de baixo, primeiro à esquerda...

Uma dica: linha de baixo, primeiro à esquerda...

Boa noite! Vai dormir!

Share Button

O lugar-comum arrumadinho

sexta-feira, dezembro 4th, 2009
Share Button

Esse daqui já veio com o aviso [SPAM] do meu Autilúquio.

Um festival de lugar-comum e falta de estilo tão gritante que chega a dar pena. De tão redundante, o texto quase que entra em loop. Vou tentar melhorar:

Uma nova profissão que acompanha as necessidades da vida moderna
A organização nunca foi tão essencial quanto nos dias de hoje, quando se vive em constante luta contra o tempo. Seja ela em casa ou no trabalho, a necessidade de pôr ordem no ambiente resulta em inúmeros benefícios para todos que freqüentam esses recintos.
Para ajudar os desorganizados por natureza ou aqueles que não têm muito espaço para guardar seus pertences, surge uma luz no fim do túnel: Divas Escritório de Organização.
Divas é uma empresa nova que oferece um conceito em serviços de organização que proporciona, através de metodologias específicas para cada caso, uma vida mais saudável de maneira simples e ao alcance de todos. Composta por uma equipe de experientes organizadoras pessoais, a Divas soluciona problemas de espaço (ou falta dele), otimizando melhorar a vida de cada um.
Os benefícios da organização doméstica não são apenas estéticos. Em meio à bagunça, perde-se tempo, e como sabemos, tempo é dinheiro. Pensando nisso, a Divas atua com métodos exclusivos visando melhorar a vida de seus clientes como um todo, desde a parte prática até a qualidade de vida, pois um ambiente organizado também é saudável.
E a empresa não trabalha somente com o serviço de organização. A Divas oferece pacotes de manutenção do trabalho executado, assim como serviços para fins específicos, como assessoria de mudança, orientação de empregados domésticos, organização de pequenos eventos e os pacotes especiais para noivos e futuras mamães.
Como se vê, as Divas são a solução para a desorganização da sua vida, pois têm as ferramentas para organizar qualquer ambiente, trazendo para a vida de seus clientes organização, limpeza e autodisciplina.

Uma nova profissão que acompanha as necessidades da vida moderna [o que seria dessas pessoas se a palavra necessidade, junto com seu plural, fosse banida, execrada, limada da Língua Portuguesa? Eles saberiam se virar pra escrever um texto claro?]

[Já começo por convocar minha cara de interessada pra ler o texto] A organização nunca foi tão essencial quanto nos dias de hoje, quando se vive em constante luta contra o tempo. Seja ela em casa ou no trabalho, a necessidade de pôr ordem no ambiente resulta em inúmeros benefícios para todos que freqüentam esses recintos.[hum-hum, sei… interessante o texto, não? Não!]

Para ajudar os desorganizados por natureza ou aqueles que não têm muito espaço para guardar seus pertences, surge uma luz no fim do túnel: Escritório de Organização Tal.[Típico caso de texto que começa no segundo parágrafo!]

A Tal é uma empresa nova que oferece um conceito [AAAAAAAHHHHHHHH!!!! Por que oferece conceito? por que não oferecer produtos, serviços, trabalhos? Como se mede um conceito? Em pencas? Quilos? Isos 9001?] em serviços de organização que proporciona, através [ai… ele proporciona através…] de metodologias específicas para cada caso[taí! A tchuca não disse que atende às necessidades específicas de cada cliente, mas falou igual! Gostei!] , uma vida mais saudável de maneira simples e ao alcance de todos [a generalização aqui foi tão ampla que beirou o infinito… me senti num seriado de ficção científica agora!]. Composta por uma equipe de experientes organizadoras pessoais, a Tal soluciona problemas de espaço (ou falta dele), otimizando melhorar [a carência de estilo aqui é tão gritante que o encosto gerundol recaiu sobre o verbo errado!] a vida de cada um.

Os benefícios da organização doméstica não são apenas estéticos. Em meio à bagunça, perde-se tempo, e como sabemos, [que rufem os tambores! Sabemos o quê?] tempo é dinheiro [GAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHH!!! LUGARCOMUUUUUUUUUUUUUUUUMMMM!!!]. Pensando nisso, a Tal atua com métodos exclusivos visando melhorar a vida de seus clientes como um todo, desde a parte prática até a qualidade de vida, pois um ambiente organizado também é saudável. [aimeudeus! A reincidência do lugar-comum é tão insistente que eu acho que eu vou vomitar!]

(…)

Como se vê, a empresa Tal é a solução para a desorganização da sua vida, pois tem as ferramentas para organizar qualquer ambiente, trazendo para a vida de seus clientes organização, limpeza e autodisciplina. [tudo aquilo que você sempre abominou na sua mãe, você paga para ter!]

‘Bora melhorar a bagaça:
Um novo serviço para a atribulada vida moderna

A organização nunca foi tão essencial quanto nos dias de hoje, quando se vive em constante luta contra o tempo. Seja ela em casa ou no trabalho, a necessidade de pôr ordem no ambiente resulta em inúmeros benefícios para todos que freqüentam esses recintos.
Para ajudar os desorganizados por natureza ou aqueles que não têm muito espaço para guardar seus pertences, surge a empresa Tal.
Trata-se de uma empresa nova que oferece um amplo portifolio  de serviços de organização que, depois de executados e concluídos, conferem uma vida mais saudável de maneira simples e ao alcance de todos.
A empresa Tal resolve problemas de excesso ou falta de espaço, para melhorar e otimizar a vida de seus clientes.
Os benefícios da organização doméstica não são apenas estéticos. Em meio à bagunça, perde-se tempo, e como sabemos, tempo é dinheiro. Pensando nisso, a Divas atua com métodos exclusivos visando melhorar a vida de seus clientes como um todo, desde a parte prática até a qualidade de vida, pois um ambiente organizado também é saudável.
(…)
Como se vê, as Divas são a solução para a desorganização da sua vida, pois têm as ferramentas para organizar qualquer ambiente, trazendo para a vida de seus clientes organização, limpeza e autodisciplina.

E vai já tirar os sapatos que você largou espalhados na sala, menino!
Share Button

Umnovoconceito em óculos escuros – eu mereço!

sexta-feira, dezembro 4th, 2009
Share Button

Vamos começar pelo mais recente.

Esse troço daí invadiu minha caixa postal. Foi uma assessoria de imprensa que mandou, juro Purdeus! Se você não entende por que o novoconceito me irrita sobremaneira, clicaqui.

Eu costumo ocultar o nome do queridocliente, mas desta vez nem isso dá pra poupar. Ou você compraria óculos escuros da marca Fuckwear? É um novoconceito em óculos escuros, djenti. Espia só a obra:

FUCKWEAR: UM NOVO CONCEITO EM ÓCULOS ESCUROS [Suspiro. profundo.]

Óculos escuros são um dos acessórios mais requisitados, e isso todos já sabem. Mas encontrar aquele modelo específico e que combine com o seu estilo, não é nada fácil. Por isso, chega ao mercado um novo conceito de óculos escuros, a FuckWear, que traz muitas opções aos seus clientes.
Com modelos modernos e muito alternativos, a FuckWear passa ao seu público um conceito descolado para os jovens e para quem tem estilo. “É um conceito ‘out-sider’ e a marca foi criada para quem realmente tem estilo e está antenado nas novas tendências”, afirma o empresário Alessandro Damasceno.
A própria apresentação da marca reflete a descontração de seus produtos: depois de uma bem sucedida exposição no Mercado Mundo Mix e eventos do calibre do ‘Skol Beats’, ‘GAS Festival’ e ‘Planeta Terra’, garantiu à marca seu espaço no mercado alternativo.
A empresa possui hoje mais de 120 modelos de óculos escuros e os disponibilizará, também, via internet por ‘e-commerce’, além de um departamento comercial integrado para lojistas. Seus produtos variam de R$ 55,00 a R$ 75,00, são 100% chineses e contam com garantia de um ano. Com destaque, a FuckWear mostra seu valor através do slogan: ‘Made with love in China’.

Óculos escuros são um dos acessórios mais requisitados, e isso todos já sabem [Ainda bem que própria tetéia tem noção de que começou o texto com um monumento ao lugar-comum]. Mas encontrar aquele modelo específico e que combine com o seu estilo, [péim! Essa vírgula aqui tá errada!] não é nada fácil [no meu caso foi facinho, facinho: na loja da Dior da Rodeo Drive, em Beverly Hills (joga no Google!), todos os modelos que eu provei ficaram di-vi-nos no meu rosto. Só não trouxe uns três ou quatro por um único motivo: são caros que só!]. Por isso, chega ao mercado um novo conceito de óculos escuros[Ok, vamos por partes: o que é um novo conceito em óculos escuros? São óculos escuros com lentes claras? Óculos escuros sem lentes? Óculos escuros que não são óculos? Onde entra o conceito do novoconceito aí? Alguém, pelamordedeus, mixplica qual o sentido de se ilustrar uma frase com um novo conceito em?], a FuckWear[quero saber que tipo de bosta passou pela cabeça do cidadão que teve a idéia de jênio de batizar seu empreendimento de FuckWear. Se for o Oscar Maroni, OK, tá perdoado. Ecompreendidíssimo. Mas avisa, né? Ou será que o novoconceito dos tais óculos escuros reside justamente no fato de os óculos escuros serem fuckwear? Aliás, fuckwear poderia ser traduzido por modelito motel?] , que traz muitas opções aos seus clientes.[Ah, eu fico tão feliz com isso! Um novo conceito que traz muitas opções aos clientes! Faltou dizer que os óculos atendem às necessidades específicas de cada cliente!]

Com modelos modernos e muito alternativos[tá vendo? Tô dizendo que esse troço é modelito motel… alternativo define!], a FuckWear passa ao seu público um conceito descolado [aiopingolimqueeunãotenho! O conceito é novo e já se descolou? Então, é um conceito de qualidade duvidosa, é isso?] para os jovens e para quem tem estilo. “É um conceito ‘out-sider’ [aaaaaaaahhhhhhhhhh, entendi! É um conceito perdido! Ele não sabe quemcossô, oncotô, proncovô… por isso é um out-sider! “O que queira que isto venha a significar”, como diria um tradutor maluco alemão-português que um dia cruzou o meu destino.] e a marca foi criada para quem realmente tem estilo e está antenado nas novas tendências”[U-au! Se você reside no lugar-comum da moda mundial, seu óculos é fuckwear! se você tem estilo e está antenado às novas tendências, você… é uma vítima do consumismo enlouquecido! (Aimeudeus… onde é que eu fui amarrar a minha égua?)] , afirma o empresário [por motivos de Vergonha Alheia omito aqui o nome do culpado pela coisa. Mas garanto que não é o Maroni!]

A própria apresentação da marca reflete a descontração de seus produtos[Sei, sei… Acho que vou convocar minha cara de interessada pra continuar a ler este texto!] : depois de uma bem sucedida exposição no Mercado Mundo Mix e eventos do calibre do ‘Skol Beats’, ‘GAS Festival’ e ‘Planeta Terra’, [hummm… ou a tchutchuca tira o depois do começo da frase, ou acrescenta um objeto direto aqui, senão o texto fica sem… estilo, sem personalidade, saca? Tá bom, fica sem sentido, mesmo!] garantiu à marca seu espaço no mercado alternativo.

A empresa possui hoje mais de 120 modelos de óculos escuros e os disponibilizará[Eu sa-bi-a que iria pulular um disponibilizar no meio desse texto! O cheiro da ameba ja me anunciava isso!], também, via internet por ‘e-commerce’[Ai, que beleza! Via Internet os produtos serão vendidos por…. e-commerce! Parafraseando Stanislaw Ponte Preta, queremos crer que tal inovação revolucionará o conceito de mercado de e-commerce via internet!] [Mas o melhor vem agora:] (…)  Seus produtos (…) são 100% chineses e contam com garantia de um ano. Com destaque, a FuckWear mostra seu valor através do slogan: Made with love in China.[Eu fui a única a ver a cara do cidadão que fabrica os óculos com amor chinês?]
Então, ficamos combinadíssimos assim: se você é descolado e se amarra num lugar-comum, você usa o modelito motel, certo?
Permitam que eu me abstenha a tentar melhorar esse texto. Redação sobre a marca FuckWear já está fadada à vergonha alheia antes mesmo de ser pensada!
Share Button

Faxina

sexta-feira, dezembro 4th, 2009
Share Button

Ainda não me recuperei do baque da perda de meu arcanjo faxineiro. Mas a vida segue.

Estava com uma das pastas de meu autilúquio re-ple-ta de e-mails de assessorias de imprensa. Fui limpar a caixa, e encontrei algumas tchutchucas que vou compartilhar com vocês a seguir…

Share Button

Um pouquinho de guerrilheira antes do recesso…

quinta-feira, agosto 20th, 2009
Share Button

Bom, o feiticeirinho chega amanhã. Portanto, acho que vou ficar sem mexer no caldeirão por algum tempo. E, quando mexer, vai ser rapidinho.

Mas eu não posso ir embora sem antes publicar pra vocês a última pérola da Guerrilheira do Funk. É, ela mesma!

Vamos às últimas notícias novidades:

A ex. dançarina [ex-ponto dançarina significa excelentíssima dançarina?] de Alexandre Frota, mais conhecida como “Guerrilheira do Funk”, lançará nesta quarta-feira [já foi, já foi] na danceteria Tal seu primeiro cd [CD em caixa alta!] de funk [Uma vírgula cai bem aqui, viu?] agora como MC Dani Lopes. Dona de medidas invejáveis como 100cm de quadril e 80cm [espaço entre o valor e a unidade de medida também combinam tanto quanto chope e bolinho de bacalhau, viu?] de busto, traz em seu cd [de novo! CD!] intitulado “Funk Geração Saúde” críticas às pseudas [GAAAAAAAAAHHHHHHH!!! FUJAM PARA AS MONTANHASSSSSSSSS!!!] “Mulheres Frutas” [O plural de mulher-fruta é mulheres-fruta. Quando a segunda palavra do substantivo composto tem valor de adjetivo, ela não varia no plural!] , conta a trajetória das cantoras Gretchem [se for a mesma cantora da Melô do Piripipi (/meu passado me condena), então ela se chama GretcheN, com êne no final!] e Rita Cadilac [perdeste outra oportunidade de aplicar uma vírgula bem aplicada!] além de homenagear a atriz Leila Lopes

Mas o que houve que o querido assessor de imprensa de dona soldada não ligou o CAPS LOCK DO COMPUTADOR DESSA VEZ? Bom, sem maiores delongas, vamos logo melhorar a bagaça aí embaixo:

A exhífen-dançarina de Alexandre Frota, mais conhecida como “Guerrilheira do Funk”, lançará nesta quarta-feira na danceteria tal seu primeiro CD de funk-vírgula, agora como MC Dani Lopes. Dona de medidas invejáveis-vírgula, como 100espaço cm de quadril e 80espaço cm de busto, traz em seu CD intitulado “Funk Geração Saúde” críticas às pseudoMulheres-fruta”, conta a trajetória das cantoras Gretchen e Rita Cadilac-vírgula, além de homenagear a atriz Leila Lopes-ponto.

Eu só queria aproveitar esse momento de recesso maternal para fazer um apelo ao assessor de imprensa da dona terrorista do funk: aê, moço (ou moça), será que dava pra você me incluir na sua lista de remetentes? tudo bem que eu posso até copiar seus textos do Te dou um dado?, coisa que sempre faço e fiz mais uma vez, mas é que você é sempre um mau exemplo de texto aqui pro Objetivando Disponibilizar! Por favor, envie seus textos de bosta para objetivandodisponibilizar arroba gmail ponto com.

Gradicida, viu?

Quem quiser notícias minhas, favor acompanhar no meu twitter as informações sobre o nascimento do feiticeirinho! Não precisa ser membro da comunidade para acompanhar.

Até daqui a pouco!

Share Button

Ameba acadêmica analisa o Orkut

quinta-feira, agosto 6th, 2009
Share Button

Orkut potencializa a exposição das pessoas

Sob o rótulo de site de relacionamentos, Orkut possibilita que as pessoas saiam do anonimato e cultivem sua autoimagem
Ao lado de reality shows, blogs, fotologs, videologs e redes sociais, o Orkut – que se apresenta sob o rótulo de site de relacionamento – potencializa a exposição das pessoas.  Na opinião de Cintia Dal Bello, coordenadora e docente do Curso de Publicidade e Propaganda da UNINOVE e pesquisadora na área, o Orkut é uma vitrine que projeta cada usuário, possibilitando as pessoas “comuns” terem seu espaço promocional.
Ele atua como uma plataforma hiperespetacular de publicação de sujeitos. “Cada perfil é um canal de acesso imediato à autoestima e à autoimagem, pois representa, promove e celebra o eu”, diz Cintia.  Segundo a especialista, não por acaso, o encerramento da conta na plataforma é sentido como uma espécie de morte, o orkuticídio.
Para a pesquisadora, sob o rótulo de relacionamento, a prática de “adicionar amigos” parece responder mais à necessidade de compor uma audiência cativa do que propriamente estabelecer laços com o outro.  “O ser humano tende a buscar quantidade, quando se decepciona com a qualidade das relações. E essa é uma tendência do mundo moderno em que as pessoas não dispõem mais de tempo para cultivar relacionamentos”, explica.
Todo o processo de comunicação, segundo a especialista, serve à multiplicação do eu no espaço do outro: cada scrap (mensagem) ou depoimento deixado no perfil de um amigo vem acompanhado do conjunto foto/nome hipervinculado que identifica e remete ao eu. Portanto, quanto mais pontos de contato, mais pontos de exibição e visibilidade.
A popularização das redes sociais, dentre as quais o Orkut ainda é líder de mercado, na opinião de Cintia, se associa mais à possibilidade de publicação mediática do eu e sua intimidade do que, especificamente, ao seu potencial técnico para a promoção de relacionamentos duradouros. “Esse encapsulamento do eu no perfil mostra uma crise de confiança que marca a pós-modernidade e reflete a retração narcísica do ser humano como estratégia de sobrevivência”, explica a professora. Em sua opinião, esse tipo de “relacionamento” muito comum entre os jovens aponta para o medo do outro, com o qual só é seguro comunicar-se ou relacionar-se à distância.
Plataformas como o Orkut, de acordo com a pesquisadora, possibilitam a conversão do eu em imagem e sua veiculação amplificada. “Ter um perfil não é, apenas, atender a uma condição de acesso à rede. Trata-se de uma condição de existência e de auto-afirmação”, conclui.

Antes de mais nada, agradeço à Lele do Te dou um dado? pelo e-mail enviado com esta tchutchuca teórica que por ora vos copio.

Daí que a ameba acadêmica resolveu analisar o Orkut à luz da… não sei. Mas o texto por ela gerado é um autêntico Fez-se a bosta! O mais legal é que ela começa teorizando bolinhas vermelhas, e conclui quadrados amarelos. Uma precisão só! Mas o que grassa nesse texto é o estilo rococó empolêixon. Senão vejamos:

Orkut potencializa a exposição das pessoas [já deu pra ver que o texto promete, né?]

Sob o rótulo de site de relacionamentos, [como assim, sob o rótulo? O Orkut não é um site de relacionamentos por ter nascido originalmente com esse propósito? Pelo visto, a ameba partiu de uma premícia, e não de uma premissa…] Orkut possibilita [possibilitar é outro verbo que mirrrrriiiita. Mas, de tão arraigado, é difícil substituir o benedito nas frases! aaaah, não gosto!] que as pessoas saiam do anonimato e cultivem sua autoimagem [não sei quanto a você, mas eu me lembrei daqueles e-mails que vira e mexe a gente recebe, com fotos horrrorooooosas de seres orkutianos, verdadeiros extraterrestres assombrando este planeta… são eles que cultivam a autoimagem? Bom, vamos ver como dona Acadêmica vai desenvolver essa tese. Voltemos ao texto dela…]

Ao lado de reality shows, blogs, fotologs, videologs e redes sociais, o Orkut – que se apresenta sob o rótulo de site de relacionamento – potencializa a exposição das pessoas [Caraca! O que que o reality show tem a ver com as calças?] .  Na opinião de fulana de Tal [vamos combinar de manter o nome de dona acadêmica no anonimato? Porque, né? VA define…], coordenadora e docente do Curso de Publicidade e Propaganda da [arrá! Também não digo qual a facu dela… garanto que não é uma universidade, é uma mera facu… uma dica pra quem mora em São Paulo: essa facu é dez! Infortúnio!] e pesquisadora na área, o Orkut é uma vitrine que projeta cada usuário, possibilitando as pessoas[se o verbo possibilitar mirrritaaaa, imagine então a forma possibilitando?!?!?! GAAAAHHHHH!!! E o que é pior, tio Antônio (/Houaiss) recomenda que você possibilite algo A ALGUÉM. Portanto, antes de pessoas TEM CRASEEEEE!!!] “comuns” terem seu espaço promocional. [Espaço promocional? eu tava crente que blog, fotoblog e etecéteras do gênero facultavam a seus usuários a chance de expressão própria, independentemente de promoção ou não… bom, mas deixemos minha opinião de lado. De volta ao texto de dona acadêmica!]

Ele atua como uma plataforma hiperespetacular de publicação de sujeitos [curioso isso…  exatamente vinte sílabas foram gastas para que dona professora dissesse… nada? Apenas exibisse sua capacidade hiperespetacular de elucubração de neologismos? Isso eu também sei fazer, oras…]. “Cada perfil é um canal de acesso imediato à autoestima e à autoimagem, pois representa, promove e celebra o eu”, [Uou. Dona Fulana também faz análises psicossociais! OK, tudo bem. Promove e celebra o eu. E DAÍ?] diz Fulana.  Segundo a especialista, não por acaso, o encerramento da conta na plataforma é sentido como uma espécie de morte, o orkuticídio. [E o que tem a ver o ânus com as pantalonas? Qual a conclusão?!?! O encerramento de contas no Orkut pra mim nada mais é do que a manifestação da encheção de saco com a plataforma! Isso pressupõe alguma análise psicossocial, é? Bom, mais uma vez estou eu aqui analisando a opinião de dona Acadêmica. Deixemos minha opinião de lado!]

Para a pesquisadora, sob o rótulo de relacionamento [aiomeusaco! Ela gostou dessa história de “sob o rótulo de relacionamento”, né? Se ela quiser um rótulo de Coca-cola, eu dou, oras… é só tirar da garrafa! Pelo visto, ela se amarra num rótulo!] , a prática de “adicionar amigos” parece responder mais à necessidade de compor uma audiência cativa do que propriamente estabelecer laços com o outro.  “O ser humano tende a buscar quantidade, quando se decepciona com a qualidade das relações [suruba social?]. E essa é uma tendência [TAVA DEMORANDOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!! Gente, o mundo vive em cima de tendências hoje em dia! Quero estar viva pra quando nossa sociedade voltar a andar com pernas próprias, e não com pernas de tendências… Infortúnio!] do mundo moderno em que as pessoas não dispõem mais de tempo para cultivar relacionamentos”, explica [explica mesmo? Mas é isso que eu tô esperando aqui!].

Todo o processo de comunicação, segundo a especialista, serve à multiplicação do eu no espaço do outro[multiplicação do eu no espaço do outro? Taqueopa…]-: cada scrap (mensagem) ou depoimento deixado no perfil de um amigo vem acompanhado do conjunto foto/nome hipervinculado [Ok, isso não é temdemssia. Isso é configuração padrão do Orkut!] que identifica e remete ao eu [ô, minha tia… né por nada não, mas eu acho que nesse caso daí a identificação remete ao tu ou ao ele, né não?]. Portanto, quanto mais pontos de contato, mais pontos de exibição e visibilidade. [e então dona acaêmica transformou o eu e a autoexibição em… pontos! Bonito isso, não? Ela mesma arrasou com a tese dela!]

A popularização das redes sociais, dentre as quais o Orkut ainda é líder de mercado [líder de mercado? Uai, ela tá falando de um produto e sua inserção numa sociedade de consumo ou está analisando um fenômeno psicossocial?] , na opinião de Fulana, se associa mais à possibilidade de publicação mediática do eu [Caracaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!! Possibilidade de publicação mediáticaaaaaaaa?!?!! Antes que me perguntem: tanto faz midiático ou mediático, cabei de perguntar pra Tio Antônio. O que me abespinha nessa construção aqui é a necessidade de empolação pra definir e explicar um troço que é tão banal e corriqueiro que os cabras já estão até desistindo da… temdemssia!] e sua intimidade do que, especificamente, ao seu potencial técnico para a promoção de relacionamentos duradouros [Taqueopa! Qual é o objetivo do Orkut, caraca? Promover relacionamentos ou promover o eu do tu associado ao ele?] . “Esse encapsulamento do eu no perfil [Encapsulamento do eu no perfil!!!! O eu vai ser servido em pílulas agora, é?] mostra uma crise de confiança que marca a pós-modernidade e reflete a retração narcísica do ser humano como estratégia de sobrevivência”, explica a professora [Peralá um pouquinho: lá nos encima do texto, dona acadêmica resolve dizer que o Orkut é uma forma de as pessoas promoverem sua autoimagem – portanto, de se exibirem. Aí, ela chega aqui nosembaixo e resolve tacar uma “retração narcísica”? Eu que entendi mal ou aqui ela disse que os usuários do Orkut ficaram tímidos? em cinco parágrafos ela mudou completamente o rumo da prosa?!?!?!?!?!!?!?]. Em sua opinião, esse tipo de “relacionamento” muito comum entre os jovens aponta para o medo do outro, com o qual só é seguro comunicar-se ou relacionar-se à distância. [não vou nem entrar no mérito da crase antes da palavra distância, porque isso é discussão pra mesa de bar. Todo mundo tem razão em tirar o acento grave, e todo mundo tem razão em colocá-lo de volta. Então, deixemos isso de lado porque o terreno é espinhoso. Abespinho-me com o fato de os jovens terem medo de relacionamentos… taqueospa!]

Plataformas como o Orkut, de acordo com a pesquisadora, possibilitam a conversão do eu em imagem e sua veiculação amplificada. “Ter um perfil não é, apenas, atender a uma condição de acesso à rede. Trata-se de uma condição de existência e de auto-afirmação”, conclui. [Puxa… e eu aqui jurando que era uma condição de login e senha!!!!]

O que que você tá fazendo aqui ainda?

O quê? Tá esperando eu melhorar essa bagaça?

Sai fora, rapá! Isso daí de cima não tem jeito, não! O pau já nasceu torto!!!

Share Button

Tadinha da tia Maricota…

quarta-feira, julho 29th, 2009
Share Button

Geeente… tô passada!

Pra começar: passou a fase emotiva, tá? As amebas apareceram, surtaram com amebices, e o meu lado romântico e frufru voltou a dormir!

E quem conseguiu ninar meu lado frufru? Uma funkeira. Mais precisamente a guerrilheira do funk. Lembra dela?

Ó, vou te contar, viu? Da outra vez (e não da vez passada, porque aqui nós não sabemos como assar vespas), ela ficou mordida ao ser nocauteada pelo quarteto pontuação, gramática, ortografia e sinonímia! E convocou reforços: a atriz artista celebridade ah, a Leila Lopes! Mas não teve jeito: pontuação e ortografia continuam mais poderosas do que nossa brava guerrilheira, e mais uma vez a levaram à lona!

Confiram o relíze publicado no Te dou um dado? (e eu ainda tenho outro relíze que a Lele do TDUD? me enviou pra publicar. Mas uma coisa de cada vez!).

Vou combinar de abstrair a pontuação nos comentários que farei abaixo, mas vou destacá-la todinha no texto corrigido.

MC DANI LOPES  CONHECIDA  COM GUERRILHEIRA DO FUNK FAZ HOMENAGEM A LEILA LOPES SEU IDOLO [eparrê-iansã! Acreditem se quiserem: seu ídolo aqui está corretíssimo. Mas o que tem de correto tem de feio. Vou sair pela tangente no texto corrigido.] COM O FUNK DA PROFESSORINHA [A bença, tia Maricota! Isso é que é vingança de guerrilheira nocauteada!] AO VIVo NO SEU PROGRAMA  ENTRE 4 PAREDES DA JUST TV , LEILA  NÃO SE CONTEVE  COM A  HOMENAGEM E CAIU EM PRANTOS [Minha dúvida aqui é se ela chorou pelo mesmo motivo que eu choraria, ou se foi realmente muita emoção pro caminhãozinho dela]. ´´ GENTE ISSO NÃO E ARMAÇAO , NUNCA VI ESTA MENINA , NÓS SABEMOS QUANDO O CARINHO DE FÃ E VERDADEIRO  E ELA ETRNIZOU O PERSOGEM  “ PROFESSORINHA“ SOU MADRINHA DE VCS SIM  , ASSINO EM BAIXO, [embaixo se escreve junto!] E APRESENTO VOCES NA MIDIA E EM QUALQUER LUGAR QUER VOCÊS FOREM“AFIRMA LEILA LOPES

[arf, arf, arf, arf, arf, arf…. arf, arf, arf, arf, arf…]

FUNK DA PROFESSORINHA – A onda agora é a da professorinha ,leila lopes e sussesso [sussesso é o sucesso tipicamente vivido por ofídeos. Imagine, portanto, uma cobra falando: susssessssso. Pronto! Nem precisa contar essa como erro de ortografia!] ate no ritimo [ritimo? Sei, sei. Esse i extra é pra dar… cadência, né? Depois eu elogio texto de banco e tem cabra que quase me crucifica…] funk.

Sua beleza contagia e sou [OK, vamos deixar isso prá lá, né? Foi só um errinho de teclado. Erro simétrico, porque o dedo da mão esquerda que tecla no e é o equivalente ao dedo da direita que tecla o o] sorrizo [AH, TÔ PERDOANDO DEMAIS!!!! SORRISO É COM ÉSSE!!!] e [aqui eu já deixo de perdoar a falta de acentos] radiante. Ela e [aqui também eu  deixo de perdoar a falta de acentos] a professora mais amada do brasil, [e aqui, eu não perdoo o Brasil em caixa baixa. Se bem que, como diria o meu pai, “para o que se presta, bacalhau basta“. Por que justo aqui o Brasil receberia a reverência de uma maiúscula, né? Isto é o que nosso país tem de mais minúsculo…] [Repetem-se os versinhos, repetem-se meus comentários:] Ela e [aqui também eu  deixo de perdoar a falta de acentos] a professora mais amada do brasil, [e aqui, eu não perdoo o Brasil em caixa baixa. Se bem que, como diria o meu pai, “para o que se presta, bacalhau basta”. Por que justo aqui o Brasil receberia a reverência de uma maiúscula, né? Isto é o que nosso país tem de mais minúsculo…]

Bom, sem mais delongas ou maiores discussões, vamos logo corrigir o texto por Tutatis, antes que o céu caia sobre nossas cabeças (/gauleses)!

MC Dani Lopes-vírgula, conhecida como Guerrilheira do Funk, fez homenagem a Leila Lopes-vírgula, de quem é fã-vírgula, [arrá!] com o funk da professorinha-ponto.  A homenagem ocorreu ao vivo-vírgula, em seu programa -abre aspas”Entre quatro paredes-fecha aspas”, transmitido pela Just TV-ponto. Leila não se conteve com a homenagem e caiu em prantos-dois pontos, abre aspas: “Gente, isso não é armação, nunca vi esta menina, nós sabemos quando o carinho de fã é verdadeiro-vírgula, e ela eternizou o personagem  “professorinha”-ponto. Sou madrinha de vocês, sim, assino embaixo e apresento vocês na mídia e em qualquer lugar quer vocês forem”-vírgula, afirma Leila Lopes.

FUNK DA PROFESSORINHA – A onda agora é a da professorinha, Leila Lopes é sucesso ate no ritimo funk.

Sua beleza contagia e seu sorriso é radiante. Ela é a professora mais amada do Brasil, é a professora mais amada do Brasil.

Tadinha da tia Maricota… ganha tão pouco e, na hora de ser homenageada enquanto professora, é comparada a atriz pornô e ainda recebe um texto desses no meio das ideias… Oremos por tia Maricota, porque essa lutadora daí de cima é caso perdido… Já não basta apanhar repetidas vezes de dona Ortografia e de dona Pontuação, cáspita?!?!?!

MC DANI LOPES  CONHECIDA  COM GUERRILHEIRA DO FUNK FAZ HOMENAGEM A LEILA LOPES SEU IDOLO   COM O FUNK DA PROFESSORINHA AO VIVo NO SEU PROGRAMA  ENTRE 4 PAREDES DA JUST TV, LEILA  NÃO SE CONTEVE  COM A  HOMENAGEM E CAIU EM PRANTOS. ´´ GENTE ISSO NÃO E ARMAÇAO , NUNCA VI ESTA MENINA , NÓS SABEMOS QUANDO O CARINHO DE FÃ E VERDADEIRO  E ELA ETRNIZOU O PERSOGEM  “ PROFESSORINHA“ SOU MADRINHA DE VCS SIM  , ASSINO EM BAIXO,E APRESENTO VOCES NA MIDIA E EM QUALQUER LUGAR QUER VOCÊS FOREM“AFIRMA LEILA LOPES
FUNK DA PROFESSORINHA – A onda agora é a da professorinha ,leila lopes e sussesso ate no ritimo funk.
Sua beleza contagia e sou sorrizo e radiante. Ela e a professora mais amada do brasil,ela e a professoa mais amada do brasil.
Share Button

A dor latejante do verbo trazer

terça-feira, julho 14th, 2009
Share Button

Temo muito a irmã Selma que vive dentro de mim. Eu penso numa coisa e ela acontece.

Tava aqui lamentando que há muito tempo não tenho maus exemplos de textos de assessorias de imprensa. E não é que acaba de me aparecer um? Este aqui fala sobre um cabeleireiro que foi a Nova Iorque em busca de tendências. Acompanhem:

Cabeleireiro Tal trás [Cristorreimesalvaaa!!!! A ameba mistura o verbo trazer com o advérbio atrás!!!!! Dona ortografia acaba por levar uns safanões por tabela, coitada!] tendências de verão direto da Feira Internacional de Beleza em Nova York [Bom, eu prefiro grafar essa cidade como Nova Iorque, mas o Manual do Estadão diz que a cidade dos EUA é grafada como Nova York, enquanto a cidade homônima localizada no Maranhão é que recebe a grafia Nova Iorque. Argumento risível, mas fazer o quê?].

(…)

Os cortes podem ser de todos os tamanhos [dois pontos aqui] curto, médio, longo, desfiado [aqui faltou uma vírgula] leve, ondulado, o importante é que  os cabelos apresentem  bastante movimento e [em vez de um e aqui, o melhor seria um ponto. Mas nada grave aqui] o mesmo vale para a coloração, tom sobre tom, sem contraste. Os lançamentos para o cabelo são shampoos e condicionadores já com proteção solar em sua [shampoos e condicionadores têm proteção solar em suas fórmulas fórmula e finalizadores com aroma de frutas para brilho e realce da cor.

As novidades nas maquiagens ficam por conta das peles super bronzeada [olha, aqui eu até consideraria distraçãozinha, errinho de dedo etc. Mas esse texto tá tão nas coxas que a sensação é de que o erro foi doloso, não culposo!] , com produtos iluminadores, que deixam o corpo como bronzeado, além de sprays, pó compacto, entre outros. Os olhos ganham destaques com cílios grandes (cílios postiços) e tons de pretos levemente esfumaçados, [aqui não tem negociação. É ponto e pronto!] este ano a tendência será menos contraste [a tendência será menos contraste? Masquefrasezinhadebostaaa!] , na boca os destaques ficam com os batons rosa claro e cor de boca.

Para finalizar as dicas de esmalte mais solicitados serão rosa e toda a variedade de Pink Neon ao Rosa bebê [aqui vale o conjunto da obra, né? Primeiro, a falta da vírgula depois do finalizar; depois, o esmalte mais solicitados, e para fechar com chave de papelão, a falta de vírgula total] .

O que mais doi nesse texto A dor que começa a latejar no texto é a amebice com relação ao verbo trazer. A raiz dele é traz-. Ora, o faz parte da raiz do verbo, por mais irregular que ele seja (e essa praga de irregularidade é epidêmica em seu irmão espanhol traer). Nas conjugações de trazer, o é substituído por xisou érre.

Por falar em conjugações do verbo trazer, você já respondeu à enquete sobre a primeira pessoa do singular do pretérito perfeito do verbo trazer? Ah, por favor, me ajude!!! (/ironia). Mas, enfim, no presente do indicativo, temos as conjugações eu trago, tu trazes, ele traz.

A palavra trás é preposição ou advérbio. Segundo o Aurélio (Tio Antônio, tamo juntoooo!!! Tô com saudadesss! Mande notícias! Beijo, me liga!):

Trás
Prep. e adv. 1. Atrás, Detrás.  2. em seguida, após.

Enfim, ‘bora reescrever a bagaça:

Cabeleireiro Tal traz as tendências de verão direto da Feira Internacional de Beleza em Nova York [Ah, deixa com Y e K, mesmo! Essas letras voltaram com tudo no alfabeto, são tendência na nova coleção ortográfica Nossa Língua Portuguesa…]

(…)

Os cortes podem ser de todos os tamanhos-dois pontos: curto, médio, longo, levemente desfiado [obrigada, Rafaela! Mas vamos combinar que “desfiado leve”, como dizem as amebas-pelo-cortantes,  não pode, né? Levemente desfiado fica beeem melhor!], ondulado-ponto. O importante é que  os cabelos apresentem  bastante movimento-ponto. O mesmo vale para a coloração, tom sobre tom, sem contraste. Os lançamentos para o cabelo são shampoos e condicionadores já com proteção solar em suas fórmulas e finalizadores com aroma de frutas para brilho e realce da cor.
As novidades nas maquiagens ficam por conta das peles superbronzeadas (e sem espaços), com produtos iluminadores, que deixam o corpo como bronzeado, além de sprays e pó compacto, entre outros. Os olhos ganham destaques com cílios grandes (cílios postiços) e tons de pretos levemente esfumaçados-ponto. Este ano-vírgula, a tendência será de cores com menos contraste-ponto. Na boca-vírgula, os destaques ficam com os batons rosaclaro e cor de boca.
Para finalizar-vírgula, os esmaltes mais solicitados serão toda a variedade de tons de rosa, desde o Pink Neon até o Rosa bebê.

Atualização do dia 15/7 às 18:20:

Mais um comentário pertinente. Desta vez foi a Rafela quem fez a observação. E só por causa dessa observação, vou alterar o texto em azul, aí em cima.
Eu imagino que a ameba queria realmente dizer “desfiado leve”. É uma expressão comumente usada nos salões que freqüento ou já freqüentei (desculpe-me pelo trema, mas para mim é muito doloroso abandoná-lo… Aos poucos, eu consigo). Refere-se ao desfiado só nas pontas, não deixando as camadas repicadas muito visíveis.
Rafaela, não se lamente pelo trema. Eu também acho ele fofo demais pra ser abandonado e desprezado assim, de uma hora pra outra. e, como meu sobrenome não é Müller, tenho que me valer de freqüências e ungüentos, por exemplo… Obrigada pela observação, e volte sempre!

RW trás tendências de verão direto da Feira Internacional de Beleza em Nova York
Para finalizar as dicas de esmalte mais solicitados serão rosa e toda a variedade de Pink Neon ao Rosa bebê das marcas Dior e Chanel.
(…)
Os cortes podem ser de todos os tamanhos curto, médio, longo, desfiado leve, ondulado, o importante é que  os cabelos apresentem  bastante movimento e o mesmo vale para a coloração, tom sobre tom, sem contraste. Os lançamentos para o cabelo são shampoos e condicionadores já com proteção solar em sua fórmula e finalizadores com aroma de frutas para brilho e realce da cor.
As novidades nas maquiagens ficam por conta das peles super bronzeada, com produtos iluminadores, que deixam o corpo como bronzeado, além de sprays, pó compacto, entre outros. Os olhos ganham destaques com cílios grandes (cílios postiços) e tons de pretos levemente esfumaçados, este ano a tendência será menos contraste, na boca os destaques ficam com os batons rosa claro e cor de boca.
Share Button

… mas a Petrobras não foi feita pra vazar, meudeusdocéu?

domingo, junho 14th, 2009
Share Button

Se os leitores tiverem meio neurônio a mais, já devem ter percebido que esta que vos fala saiu da faculdade com um canudo de jornalista. E eu estou miacabaaaaaaaaaaaando com essa história toda de blog da Petrobras pra cá, blog da Petrobras pra lá… então, eu vou fazer uma looonga divagação e concluir a coisa toda com uma observação bem Objetivando Disponibilizar. Se você tiver saco pra ler este post até o fim, óóótemo. Se não, vai navegar aí do lado direito na lista de blogs, ou então, vai jogar Letroca que você ganha mais…

Daí que eu estava cá a relembrar com meus neurônios que não há nada mais ofensivo para um jornalista do que um entrevistado virar pra ele ao final de uma entrevista e dizer: deixa eu ler o que você escreveu antes de publicar, pra ver se você escreveu alguma coisa errada, tá bom?. Por várias razões:

– Ele chama o jornalista de burro e incapaz de entender o que lhe explicam;
– ele coloca o jornalista numa posição submissa, do tipo: você  TEM que me deixar ler isso, senão eu te processo, ou algo do tipo, e
– ele fatalmente vai querer corrigir alguma coisa no texto do jornalista. Ou  por questão de conteúdo ou por achar que o texto dele pode ficar melhor (/ameba escrevente auto-imbuída de poderes mexendo num texto teoricamente bem escrito. Ou “fez-se a bosta!”, o que você preferir).

Eu o-dei-o que façam uma dessas comigo, porque não sou burra, sou capaz de entender o que me explicam, me RE-CU-SO  a me submeter a julgamentos de entrevistados meus, até porque uma das minhas funções de jornalista é exatamente fazer juízos de meu entrevistado (eu tenho que ter a capacidade de avaliar se a pessoa com quem falei é inteligente, burra, capaz, incapaz, sabe explicar sem se enrolar, etc, etc, etc.), e não o contrário. E definitivamente, eu não admito que alguém reescreva para pior um texto meu. Este caldeirão é a máxima expressão dessa não-admissão.

Mas, como boa e modesta jornalista que sou, eu entendo o outro lado da questão. Compreendo que há entrevistados que dizem bolinhas amarelas para um jornalista e, quando vão ler a reportagem, o cabra escreveu quadrados azuis. Esses entrevistados ficam para morrer com isso – e com razão. Eles sabem que explicaram tudo direitinho. A ameba, no caso, foi o jornalista, que não entendeu lhufas e escreveu de qualquer jeito. Existem casos inocentes de jornalistas que são simplesmente amebas e não sabem fazer o trabalho direito. Mas o que mais grassa entre os coleguinhas é o caboclo que sabe fazer o trabalho (razoavelmente) bem. Tão bem que sabe direitinho onde e como distorcer a informação a favor deste ou daquele ponto de vista. E aí, com é que fica o entrevistado nesse caso? Ele é obrigado a dar entrevista já sabendo de antemão (e não diante mão, como disse o sujeitim do post aqui embaixo) que o que ele disse vai ser fatalmente distorcido porpositalmente no texto final?

É por isso que EU QUE-RO SA-BER quem foi que teve a ideia GE-NI-AL de fazer o blog Fatos e Dados. Me desculpem, mas eu fico muito feliz em ver que há seres pensantes em meio ao funcionalismo público brasileiro. O Fatos e Dados foi o xeque-mate pra questão do entrevistado encurralado: escancarar nesta teia de alcance mundial (/web) pra quem quiser ler, ver e conferir, um monte de posts que, genericamente, contam: ó, me perguntaram isso, isso e isso. E eu disse A, B, C e D, tá bom?

Por que estão esperneando contra o blog? Por alguns bons motivos:
– o Fatos e Dados escancara a falta de ética da grande imprensa em tratar os assuntos que estampam suas vetustas páginas impressas na grande maioria dos casos;
– A grande imprensa não tem mais como distorcer informações (e não me diga que eles são os paladinos da verdade. Já vi coisas de arrepiar alma penada por essas redações afora)
– A grande imprensa não pode mais agir de forma arrogante com relação às empresas entrevistadas. Se, lá em cima, eu disse que eu tenho que ser capaz de avaliar um entrevistado meu, não posso usar esse poder de jornalista para o mal. É pra isso que a gente faz um juramento ético na faculdade etc, etc, etc…

Mas o bloco muito bem batizado de PIG (Partido da Imprensa Golpista) pelo Paulo Henrique Amorim argumentar que o blog fere a relação de confiança entre fonte e jornalista é risível. Primeiro porque essa relação tem que ser muito mais preservada pelo jornalista do que pela fonte: é o jornalista quem não pode revelar a fonte, e deve tratá-la muito bem para que tenha sempre informações confiáveis. Como o blog da Petrobras foi criado a partir da premissa de que essa relação já estava desgastada de há muito, perdeu-se no ar toda e qualquer argumentação a respeito. Além do quê, nunca nenhuma fonte de informação foi privada de dizer olha, Fulano me perguntou isso e eu disse isso. O único senão com relação ao Fatos e Dados é que os posts poderiam ser publicados junto com as notícias relacionadas às perguntas publicadas, pra preservar o direito que os coleguinhas têm de conseguir um furo de reportagem. Só isso. Nada que um clique em editar horário de publicação não resolva. 

[É aqui que o post vira um legítimo Objetivando Disponibilizar:]
E para defintivamente puxar a brasa toda pro caldeirão desta madrasta do texto ruim, alguém pode, por favor, me explicar o porquê de O Globo estampar em suas manchetes que A Patrobras não pode vazar?!?!!?!?!?

Cristorreimesalva!!!!! Essa é justamente a função primeira da Petrobras!!! Fazer o petróleo vazar de dentro pra fora do subsolo deste país!!! Ela foi criada para isso, cáspita!!!!

Pelamordedeus, se vocês querem brigar contra a Patrobras, fiquem à vontade. Vocês estão em seu pleno (e quixotesco) direito. Eu só apelo para que vocês façam isso com verbos mais adequados à empresa, para não caírem ainda mais no ridículo da discussão…

Share Button

Indiana do funk desiste de pontuar frases

sexta-feira, junho 5th, 2009
Share Button

Genteeeeeeeeee!!! Recebi mais notícias da Indiana do Funk! (/colei meleca na cruz). Mas eu tenho cá pra mim que o assessor de imprensa da moça ou não sabe como pontuar frases ou pensa ter criado um novo conceito (/analfabeto) em telegrama.

Senão vejamos:

A indiana do funk quer ser convidada para assistir ao treino no CT do São Paulo isso depois que o técnico Muricy Ramalho deu uma declaração no programa globo esporte da rede globo  dizendo que a dançarina deve ser boa no que faz [arf, arf, arf, arf… e isso não é o Muricy babando feito cachorro em cima da… hã.. cachorra. Isso sou eu com falta de ar por ler três linhas direto, sem nem uma virgulinha sequer]. A bela diz que Muricy  é o único que poderá vê-la sem o véu.

Se corretamente pontuada fosse, a supracitada (adoro essa palavrinha!?! É feia, mas é meio metida a besta! Tem personalidade…) frase assim ficaria:

A indiana do funk quer ser convidada para assistir ao treino no CT do São Paulo-ponto. Isso depois que o técnico Muricy Ramalho deu uma declaração no programa globo esporte-vírgula, da rede globo -vírgula, dizendo que a dançarina deve ser boa no que faz. A bela diz que Muricy  é o único que poderá vê-la sem o véu.

Share Button

O lugar-comum da vodka, cheio de conceitos

sexta-feira, junho 5th, 2009
Share Button

Mais um post da série Irmã Selma. Eu rezei por um texto assim – e ele aconteceu. AAAAAAAAARRRRRRRGHHHHHHHHHHHHH!!!!

Desta vez, trata-se de um evento promovido por uma marca de vodka – muito boa, por sinal. Mas encarar um texto assim, só depois de três doses de caipiroska, viu? Leiam por que:

Projeto Tal chega ao Rio de Janeiro com a concretização do trabalho [eeeeeeeeeeeeeeeeeewwwwwwwwwwwwwwww!!!!] criado pelo fotógrafo Fulano de Tal, no qual um ensaio fotográfico se transforma em uma grande festa

No próximo dia 7 de junho o Rio de Janeiro dará boas-vindas a um novo mundo repleto de criatividade e inspiração [Namastê! Um novo mundo repleto? Isso é promessa ou ameaça?] . Através da concretização [heeeeiiiinnn?!?!?!!? O novo mundo repleto de criatividade e inspiração vai ter que atravessar uma concretização? Vai acabar com um galo na cabeça, coitado…] do projeto do fotógrafo fulano de Tal – escolhido como um dos visionários da marca X de vodka [eparrê-iansã! Ele é um visionário!! Tomou quantas pra chegar a esse ponto?] – chega à capital carioca o conceito [ploft! Chegou o conceito! Senhor conceito desembarcou onde? Na rodoviária ou no aeroporto? Como eu faço pra comprar o conceito? É vendido em dúzias ou em unidades?] In an X World. Inspirado por um dos maiores clássicos do cinema underground, o filme Chelsea Girls de Andy Wahrol [é Warhol! O agá vem depois do érre!! Ah, mermão, se você é tão conceituado e descolado, ao menos escrever Andy Warhol você tem que saber, né?] , o profissional resolveu recriar a atmosfera tão conhecida do antigo hotel e trará uma mistura de luxo e decadência [afffffffffff!!!] para realizar um ensaio fotográfico diferente. [afffffffffff de novo!]

O cenário escolhido para a sessão de fotos foi o belo Parque Lage
[não bastasse o lugar-comum no texto, temos agora o lugar-comum para a relização de eventos-balada… se não é o Parque Lage, é a Marina da Glória…], que receberá uma festa com ambientação dos anos 50, muito rock’n roll e drinks com a vodka X [lugar-comum do lugar-comum do lugar-comum! ainda bem que a bebida é diqualidadi…] . Tudo feito para inspirar o fotógrafo Fulano de Tal [xiiiiiiii, coitado… se ele depender dessa inspiração toda, as fotos vão ser tão… clichê!] , que promete mostrar um olhar não óbvio [deixa ver… o texto é obvio, o lugar é óbvio… mermão, tu vai ter é trabalho, viu? Boa sorte, que você vai precisar!] dos convidados e de momentos únicos que acontecerão durante a festa – realizada pela Y, agência responsável pela implementação de In An X World no Brasil. “Procuro sempre olhar para aquilo que ninguém mais vê [você e todos os fotógrafos realmente profissionais, mon cher…]. O que poderia passar despercebido, costumo destacar para contar outra história. Pra mim, os pequenos detalhes é que vão narrar a trajetória deste projeto” ressalta o fotógrafo. Como resultado final [como resultado final? Ai, não tinha como começar essa frase de forma mais… magistral, não?] será feita uma exposição sobre os momentos registrados por ele.

Em maio a marca X de vodka pediu a três profissionais de diferentes segmentos, apresentados ao público durante um coquetel na Pinacoteca do Estado, em SP, para que eles resumissem, com um projeto, qual sua visão deste novo mundo. Sicrana, Beltrano e Fulano de Tal foram os escolhidos, para representar respectivamente moda, música e fotografia. Como o primeiro a apresentar seu trabalho, Fulano resume sua visão particular [iiiiiircccccccccccc!!! Resume sua visão particular?!?!!? Masquecoisahorrorosa!!!] em sua área de atuação para o conceito [gaaaaaaaaahhhhhhhhhh!!!!!! Eu O-DEI-O conceitos!] In An X World. Para o fotógrafo, em um mundo ideal todas as sessões de fotos seriam grandes comemorações, com muita gente bonita, as melhores bebidas e comidas e música de qualidade, ou seja, garantia total de diversão para todos os envolvidos. [e uma ou outra ausência de foco nas fotos, resultado da bebedeira, né? E por foco nas fotos, eu quero dizer foco nas fotos, e não atenção especial para as fotos].

Para auxiliar na inspiração do profissional e fazer com que os convidados integrem-se ainda mais na atmosfera rock/decadente do projeto, a trilha sonora foi muito bem pensada
[vocês tiveram o mesmo pressentimento que eu, né?]. Os convidados chegarão ao som do Dj de nome tal, na seqüência serão surpreendidos com um show da banda de nome outro, que mostrará todo o seu eletro-rock paulista. Para encerrar uma figurinha carimbada da noite carioca, o DJ de nome tal outro. [Não conheço nenhum deles. Mas já estou com pena…]

Vou tentar melhorar esse troço. Deixa ver aqui…

Projeto Tal chega ao Rio de Janeiro com o trabalho do fotógrafo Fulano de Tal, no qual um ensaio fotográfico se transforma em uma grande festa.

No próximo dia 7 de junho o Rio de Janeiro dará boas-vindas a um mundo de criatividade e inspiração. Com o projeto do fotógrafo Fulano de Tal – escolhido como um dos visionários da marca X de vodka  – chega à capital carioca o evento In an X World. Inspirado por um dos maiores clássicos do cinema underground, o filme Chelsea Girls de Andy Warhol, o profissional resolveu recriar a atmosfera do antigo hotel, uma mistura de luxo e decadência para realizar um ensaio fotográfico diferente.

O cenário escolhido para a sessão de fotos foi o Parque Lage, que recebe uma festa com ambientação dos anos 50, rock’n roll e drinks com a vodka X. Tudo feito para inspirar o fotógrafo Fulano de Tal, que promete mostrar um olhar não-óbvio dos convidados e de momentos únicos que acontecerão durante a festa – realizada pela Y, agência responsável pela implementação de In An X World no Brasil. “Procuro sempre olhar para aquilo que ninguém mais vê. O que poderia passar despercebido, costumo destacar para contar outra história. Pra mim, os pequenos detalhes é que vão narrar a trajetória deste projeto” ressalta o fotógrafo. As fotos serão exibidas numa exposição especial.

Em maio, a marca X de vodka pediu a três profissionais de diferentes segmentos, apresentados ao público durante um coquetel na Pinacoteca do Estado, em SP, para que eles resumissem, com um projeto, sua visão de um mundo de criatividade e inspiração. Sicrana, Beltrano e Fulano de Tal foram os escolhidos para representar respectivamente moda, música e fotografia. Como o primeiro a apresentar seu trabalho, Fulano resume sua visão da ideia de In An X World. Para o fotógrafo, em um mundo ideal todas as sessões de fotos seriam grandes comemorações, com muita gente bonita, as melhores bebidas e comidas e música de qualidade, ou seja, garantia total de diversão para todos os envolvidos.

Para auxiliar na inspiração do profissional e fazer com que os convidados integrem-se ainda mais na atmosfera rock/decadente do projeto, a trilha sonora contará com três participações distintas. Os convidados chegarão ao som do Dj de nome tal, na seqüência serão surpreendidos com um show da banda de nome outro, que mostrará todo o seu eletro-rock paulista. Para encerrar uma figurinha carimbada da noite carioca, o DJ de nome tal outro.

De novo: valei-me irmã Selma! Reze pra que isso fique bom!

Share Button

O lugar-comum doce e aromatizado artificialmente

sexta-feira, junho 5th, 2009
Share Button

Tem vezes que eu sou sinistra que nem a irmã Selma, da Terça Insana. Eu rezo pra acontecer uma coisa – e ela acontece.

Estava esta semana mesmo me lembrando do genial Business Bingo, joguinho lançado pela Turma do Casseta, e pensei num único texto que reunisse o todo-todo do lugar-comum. Aquelas palavrinhas batiiiiidas que de tanto aparecerem em outros textos dão a impressão de que fazem parte de uma linha de produção.

E não é que esse texto me chegou de presente de grego agora por e-mail? E não foi um texto, foram dois! Num intervalo de duas horas!!! Afe Maria, irmã Selma baixou legal aqui! Juro que não foi obra do meu caldeirão!!

Vejamos neste post o primeiro texto. O e-mail já se anuncia tenebroso no assunto: inovações em sticks. Olha só a teteia (essa teteia vai sem acento, de tão lugar-comum que é…). Mas vamos acompanhar a tchutchuca:

Tal, a marca líder em inovação [hmmm… Tem alguém aí que não seja líder em inovação? Aliás, como se faz pra ser líder em inovação? Quem atesta a liderança em inovação? Quais os parâmetros? Ah, tem nada disso, não? É só frescura? Então, meu filho, fez-se a bosta!] no mercado brasileiro de balas, traz uma série de novidades em embalagens stick. O objetivo da empresa com os lançamentos é ampliar ainda mais a comercialização desse tipo de produto [e poderia haver outro motivo para o lançamento que não o de ganhar mercado, vender mais, ter mais lucro e tornar-se o principal integrante desse segmento?] , que hoje representa cerca de 50% das vendas da empresa Tal (detentora da marca Tal) no País.
Uma das grandes novidades é o XXX Rainbow, um stick colorido inovador
[stick colorido inovador? E isso é de comer, mesmo? Jura?] onde [mas esse troço é um produto ou um lugar?] os sabores das balas estão ordenados de acordo com as cores da embalagem [quem vai gostar disso é o Adrian Monk]. Desta forma, o consumidor consegue identificar a posição exata de todos os sete sabores inclusos no produto – melancia, acerola, laranja, frutas vermelhas, uva, abacaxi e morango [sei, sei… trata-se, portanto, de um confeito segmentado para pessoas que sofrem de Transtorno Obsessivo-Compulsivo – o famoso TOC. Enfim, balas para os Adrian Monk da vida].
 
O XXX Rainbow chega para agradar os consumidores loucos por balas com sabores frutais
[se a razão de existir de um novo produto não é a de agradar consumidores de forma a gerar lucro para a empresa fabricante, gostaria de saber qual é], um mercado que hoje representam [o mercado representaM? Cristorreimesalva…] cerca de 54% do valor de vendas do mercado [o mercado representa 54% do mercado? GGGAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!!!!!!!!!!!] de DPC (drops, pastilhas e caramelos) – Fonte:Nielsen – como um todo [o mercado representa 54% do mercado como um todo?!?!!? Cara, ele conseguiu fazer três bostas numa única frase!!! Isso é que é inovação…].
Segundo a gerente de marca Tal balas,
[aaaaiiii… eu sofro por antecipação com citações do queridocliente…] em pouco mais de um mês de comercialização, o novo XXX Rainbow já é um grande sucesso junto aos consumidores. “Em abril, quando fizemos o lançamento, o produto figurou na terceira colocação no ranking de vendas de sticks no Brasil”, completa. [ufa! Então, eu posso respirar aliviada. Dona gerente não falou amebices, como aquela outra que disse que o carro que ela lançava estava baseado num tripé, lembra?]
(…)

Combinação Brasileira
A outra novidade da Marca Tal em sua linha de embalagens stick é o novo XXX Guaraná Orange, que traz para o mercado
[esse texto é uma trazeção só, né? Como eles trazem tralha coisa pro mercado, credocruz…] de balas brasileiro um inédito sabor [aaaaaaaaaaaaaaaiiiiii…. inédito sabor? Quecoisahorrorosa!] que oferece a refrescância única do guaraná, com o toque cítrico da laranja, uma combinação de refrigerante com fruta que já faz muito sucesso no Brasil [iiiiiirrrrrccccccccccc!!! Se a bala é gostosa, eu não sei. O texto é pééééééééssimo!].
 
Um grande diferencial
[dufffff! Grande diferencial! Por que eu ainda não desenvolvi um sal de frutas anti-texto ruim?]  deste novo stick é a inclusão de um aroma inovador [inclusão de um aroma inovador? Masquebostadetexto!!!!] em sua formulação, que torna o sabor da bala muito mais próximo do refrigerante, incluindo até mesmo [Nossa! que inovador, não? É uma inclusão que inclui até mesmo…]  a sensação do gás presente na bebida. “Para o consumidor é como se estivesse realmente bebendo guaraná com laranja”, completa. [é verdade… você ingere um troço artificial e doce, que pode te dar cáries. Igualzinho! E o pior é que a dona gerente completou lá em cima e completou aqui embaixo de novo!]
(…)

 Será que eu consigo melhorar essa bagaça?

Tal, a marca líder do mercado brasileiro de balas, traz uma série de novidades em embalagens tipo stick. O objetivo da empresa com os lançamentos é ampliar ainda mais a comercialização desse tipo de produto, posto que hoje esse segmento representa cerca de 50% das vendas da empresa Tal (detentora da marca Tal) no País.
Uma das grandes novidades é o XXX Rainbow, que dispõe as balas na embalagem por ordem de cores. Cada cor representa um sabor diferente. Com isso, o consumidor consegue identificar a posição exata de todos os sete sabores do produto – melancia, acerola, laranja, frutas vermelhas, uva, abacaxi e morango.  
 
O XXX Rainbow chega para participar de um segmento que atualmente equivale a cerca de 54% do valor de vendas do mercado de DPC (drops, pastilhas e caramelos) (Fonte:Nielsen).
Segundo a gerente de marca Tal balas, o novo produto está há pouco mais de um mês nas prateleiras e já é um sucesso. “Em abril, quando fizemos o lançamento, ele figurou na terceira colocação no ranking de vendas de sticks no Brasil”.(…)

Combinação Brasileira
A outra novidade de Mentos em sua linha de embalagens stick é o novo XXX Guaraná Orange, com o sabor da refrescância única do guaraná e o toque cítrico da laranja.
 
O aroma do novo stick da marca Tal torna o sabor da bala muito mais próximo do refrigerante. Dá até pra ter a sensação do gás presente na bebida. “Para o consumidor é como se estivesse realmente bebendo guaraná com laranja”. (…)

Foi o que deu pra fazer… acho que nessas horas, nem se a irmã Selma rezar esse texto fica melhor… e olha que quando ela reza, acontece!

Share Button

Seriam os bebês capazes de lidar com um diferencial?

quarta-feira, maio 27th, 2009
Share Button
Livros para bebês vêm com diferencial. Fujam para as montanhas!

Livros para bebês vêm com diferencial. Fujam para as montanhas!

Recebo os releases de uma editora por e-mail. Justamente por se tratar de uma editora, nunca botei muita fé de que um dia esses textos pudessem entrar aqui neste caldeirão. Mas um lado meu, ectoplasma suíno total, me dizia que esse dia iria chegar. Pois não é que ele chegou? E é hoje!

Enfim, a tal da editora tá lançando uma coleção de livros para bebês. Mas deixa eu fazer os comentários no meio do texto de apresentação dos livros:

A Editora Tal  apresenta mais quatro livros infantis, super interativos [achei meio apelativo, mas fazer o quê? O grande lance desses produtos é justamente fazer com que os pequerruchos sejam “seduzidos” pelas cores e desenhos, né? Deixa prá lá]. Os livros intitulados Méé!, Au! Au!, Muu! e Miau! [de novo: deixa prá lá! O livro é para bebês. Os títulos são mais que justos!] foram escritos em linguagem clara e fácil [olha, dona, aqui eu já não consigo livrar muito a sua cara, não… você queria o quê? que o livro para bebês fosse um compêndio antropo-zoológico?] , impressos em 4 cores , formato especial, além de um super diferencial [AAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHH!!!! COMEÇOUUUU!!! Imagine que o seu filho ainda usa fraldas, e ele já tem que deglutir um diferencial? Duvido que o pediatra aprove…] : com apenas um toque no botão localizado na capa da obra, a criança terá a oportunidade de ouvir o som do animal que participa da história.[aimeudeus…. naonde que isso é… diferencial?!?!!?!?!?]   

Vou consultar a Sociedade Brasileira de Pediatria. Preciso saber, urgentemente, a partir de que idade os bebês podem lidar com diferenciais sem passar mal…. em se tratando de um filho meu, acho que nunca!

Share Button

[Suspiro]

quarta-feira, maio 20th, 2009
Share Button

Há alguns dias, quando postei o emelho do relize sobre a indiana do funk, senti-me no dever cívico de conter, nos comentários, a exasperação de um leitor, que não conseguia relevar o fato de haver uma indiana do funk. Não adianta dar murro em ponta de faca, essa coisa vai sempre existir etc, etc, etc, afirmava então a minha pessoa. Não sei se eu consegui consolar adequadamente meu nobre leitor. Mas não é que a exasperação dele caiu todinha agora em cima de mim?!!??!?!?!?! Agora, é a vez da guerrilheira do funk. Que, em sua luta para aprender o português, foi sumariamente nocauteada pelo quarteto pontuação, gramática, ortografia e sinonímia! Também, né? covardia… são quatro contra uma (ou quantos neurônios a tchutchuca tiver disponíveis em seu… hã… cérebro)

Senão, vejamos a pérola no disponível no Te dou um dado:

Dani Lopes agora ataca [como assim agora ataca? Ela já atacava antes? Pra que lado ficam as montanhas, pelamordedeus?!?!?!?!?!] como Guerrilheira do Funk, disparando contra a frutaria: “guerrilheira rebolando é melhor que melância [a frase já tinha começado de forma esplendorosa, o acento circunflexo na melancia só concluiu de forma brilhante o feito!] “, diz parte da letra [aaaaaaahhhhhhhhhhhh!!! isso é letra de… não, não vou escrever a palavra música aqui!] de seu funk[mas vejam por outro lado: se fez-se míster haver tal acentuação na palavra melancia, não seria tal ineditismo o resultado de uma rima forçada? Afinal de contas, melância está no final de um… verso, né? Bom, vou conceder à dona batalha o benefício da dúvida. Contanto que ela não me envie a letra pra confirmar a minha suspeita!] . E dá-lhe pau em todas as frutas. Velha de guerra[uou… veterana, a moça, hein?] , Dani já dançou com Alexandre Frota.

EX DANÇARINA DO ALEXANDRE FROTA [cruzado de direita de dona pontuação! Faltou a vírgula aqui!] A MERCENÁRIA DO FUNK AGORA É MC DANI LOPES (GUERRILHEIRA DO FUNK) [cruzado de esquerda de dona pontuação! Faltou outra vírgula!] 25 ANOS, 1,70M, 100CM QUADRIL, 80CM DE BUSTO, 60CM CINTURA [pelo menos a dona moça, ou quem quer que tenha assassinado esse texto, conhece as regras do Sistema Internacional de Medidas, né?]  , LANÇA FUNK ONDE [funk é um local, é?] FAZ APOLOGIA [direto de dona sinonímia! dona guerrilheira do funk cai na lona!] AS MULHERES FRUTAS.

“EU TENHO A PLENA CERTEZA QUE [quem tem plena certeza, tem plena certeza DE QUE] NÃO SÃO ELAS QUE FAZEM SUAS MÚSICAS, AS MULHERES FRUTAS ALEM DE NÃO TEREM CRIATIVIDADE NÃO CANTAM E NÃO DANÇAM NADA, MEU TRABALHO É DIFERENTE PORQUE NÃO PRECISO INVENTAR UM NOME DE FRUTA E NEM [esse e nem tá sobrando aqui, minha fia… ai, que vontade de fazer um trocadilho com o Exame Nacional de Ensino Médio – Enem…] MUITO MENOS FALAR PORNOGRAFIA NAS MINHAS MÚSICAS, TRABALHO SEM APELAÇÃO SOU APOIADA PELO MC PIRATA QUEM FEZ O SUCESSO DO FUNK DO PICA PAU, CHEGA DE MULHER FRUTA !! A ONDA AGORA É A GUERRILHEIRA DO FUNK!!” [bom, sem entrar no mérito (???) da questão, acho que dona lutadora não frequenta muito o dicionário, né? Caso frequentasse, saberia a diferença entre apologia e crítica…]

Antes de tentar remendar o olho roxo e o nocaute de dona matadeira, vamos conversar com tio Antônio:

apologia
Datação
sXV cf. IVPM
Acepções
■ substantivo feminino
1    Rubrica: retórica.
     discurso ou texto em que se defende, justifica ou elogia (esp. alguma doutrina, ação, obra etc.)
Ex.: fez a a. do catolicismo
2    Derivação: por extensão de sentido.
     defesa apaixonada de (alguém ou algo) [ger. pessoa singular, incomum]; elogio, enaltecimento
Ex.: <religiosa, fez a a. do santo do qual era devota> <a. do socialismo> <a. da comida baiana>
Etimologia
gr. apología,as ‘defesa, justificação’, no Novo Testamento ‘resposta’
Sinônimos
ver antonímia de desprezo
Antônimos
argüição; ver tb. sinonímia de desprezo

 

Agora, sim, vamos remendar a bagaça:

Dani Lopes agora ataca como Guerrilheira do Funk, e dispara contra a frutaria: “guerrilheira rebolando é melhor que melancia“, diz parte da letra de seu funk. E dá-lhe pau em todas as frutas. Velha de guerra, Dani já dançou com Alexandre Frota.

EX DANÇARINA DO ALEXANDRE FROTA-vírgula, A MERCENÁRIA DO FUNK AGORA É MC DANI LOPES-ponto. A GUERRILHEIRA DO FUNK tem 25 ANOS, 1,70M, 100CM de QUADRIL, 80CM DE BUSTO, 60CM de CINTURA, E LANÇA FUNK NO QUAL ONDE FAZ APOLOGIA CRITICA AS MULHERES-FRUTA.

“EU TENHO A PLENA CERTEZA DE QUE NÃO SÃO ELAS QUE FAZEM SUAS MÚSICAS-PONTO. AS MULHERESFRUTA-vírgula, ALEM DE NÃO TEREM CRIATIVIDADE-vírgula, NÃO CANTAM E NÃO DANÇAM NADA-ponto. MEU TRABALHO É DIFERENTE PORQUE NÃO PRECISO INVENTAR UM NOME DE FRUTA-vírgula, E NEM MUITO MENOS FALAR PORNOGRAFIA NAS MINHAS MÚSICAS-ponto. TRABALHO SEM APELAÇÃO-ponto. SOU APOIADA PELO MC PIRATA, QUE FOI QUEM / QUE FEZ O SUCESSO DO FUNK DO PICA PAU-ponto. CHEGA DE MULHER FRUTA !! A ONDA AGORA É A GUERRILHEIRA DO FUNK!!” 

E eu começo a sofrer por antecipação com as vindouras soldadas do funk. Em que trincheiras elas vão lutar, Alá meu bom Alá? (Ai… já comecei a dar ideia…)

Share Button

Hare baba! ou Prá quê ponto?

segunda-feira, maio 18th, 2009
Share Button

Pensei em começar o post com a palavra indiana namastê, que significa “o deus que vive em mim saúda o deus que vive em você”. Mas Deus abandonou a criatura que escreveu a bosta daí de baixo… Nesse corpo e nessa mente só existem encostos da pior qualidade…. a coisa tá tão feia mas tão feia que eu emprestei um ectoplasma mesmítico pra ver se melhoram os eflúvios da santa…

Enfim… acabo de receber outro release. Desta vez, é sobre um jornal que lançou a indiana do funk. Ok, não entendi o que as palavras jornal, indiana e funk fazem juntas numa mesma frase, com direito a correlação ainda por cima. Mas vou relevar o fato. Atentem para a falta de pontuação da… mesma! (Essa frase merece ser assombrada pelo ectoplasma mesmítico!)

A moda indiana tomou conta das ruas e de figurinos de famosos, inspirado [aaaaaaaaaaaiiiiiiii… quem é inspirado? A moda ou os figurinos? então, teríamos um inspiradA ou inspiradOS? socooooooorrrooooo…] pela novela global Caminho das Índias, [por que essa vírgula aqui? Não se usa ponto final na novela das oito?] nesta onda surge uma nova personagem [e por que aqui não tem vírgula? cristorreimesalva…] a INDIANA DO FUNK [aaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhh… fujam para as montanhaaaaaaasssssssssss!!!!!!] a bela com descendência [não seria ascendência, não? Vamos ter uma seção de tio Antônio especial hoje…] indiana tem 20 anos e [se até aqui a pontuação não foi das mais brilhantes, a lamparina apagou-se de vez para lá. Reparem:] medidas perfeitas [faltou os dois pontos] altura [idem] 1,70 [o quê? Metros? Jardas? Polegadas? pés?], peso: 54 [54 o quê, santa? Xelins? Robalos? Quilos? Aribabas?] , quadril: 95[e que se f#%#$%m as unidades do Sistema Internacional de medidas, né?] , busto: 87 [idem] e cintura: 67 [ibidem].  A personagem já faz apresentações em varias [faltou o acento de várias. Esse não caiu com a reforma ortográfica, não…] casa [AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHH!!!!!] de shows e bailes funks na cidade de São Paulo.

Vou resistir à tentação bairrista de falar viu só o que dá trazer funk pra São Paulo? Até porque a comparação imediata seria com o funk do Rio de Janeiro, o que não iria ajudar em nada meu discurso. Só reparem aí em cima que tem mais observação em azul do que texto em vermelho.

Antes de exorcizar o texto, vamos falar com tio antônio (/Houaiss) sobre as diferenças entre ascendência e descendência (sempre com ésse-cê, por favor! E pare de botar a culpa na reforma ortográfica!)

Descendência
Datação
a1583 cf. FMPin

Acepções
■ substantivo feminino
1    proveniência, baseada em laços de sangue, de um ancestral ou ramo familiar comum
2    série de pessoas que derivou desse mesmo ancestral ou ramo familiar por esse tipo de parentesco; prole, progênie, posteridade
Ex.: deixou numerosa d.

Etimologia
descender + -ência; ver -scend-; f.hist. a1583 decendencia, 1618 descendencia

Sinônimos
ver antonímia de ascendência

Antônimos
ver sinonímia de ascendência

ascendência
Datação
a1663 cf. DA

Acepções
■ substantivo feminino

(…)

4    Derivação: por extensão de sentido.
     linha das gerações anteriores de um indivíduo ou de uma família; proveniência de um grupo social ou de um povo; origem, genealogia
Ex.: seu aspecto físico comprova a a. indígena
(…)

Sinônimos
ancestrais, ancestralidade, antecedentes, antecessores, antepassados, ascendentes, avoengos, avós, maiores, origem, pais, passados, predecessores, procedência, progênie, progenitores, raça; ver tb. sinonímia de autoridade e linhagem

Antônimos
descendência, descendentes, filhos, geração, herdeiros, netos, porvindouros, pósteros, progênie, progenitura, prole, raça, renova, renovo, sóbole, sucessores, vindouros

Ou seja: Se os pais e avós da dita são indianos, ela tem ascendência indiana.

[suspiro] ‘Bora exorcizar os encostos, e trazer um pouco de Deus para a pobre criatura que assassinou o texto:

A moda indiana tomou conta das ruas e de figurinos de famosos-ponto. Com inspiração buscada na novela global Caminho das Índias, nesta onda surge uma nova personagem a INDIANA DO FUNK-ponto. A bela, de ascendência indiana-vírgula, tem 20 anos e medidas perfeitas-dois pontos: 1,70 m de altura, 54 kg, 95 cm de quadril, 87 cm de busto e 67 cm de cintura.  A personagem já faz apresentações em várias casas de shows e bailes funk na cidade de São Paulo.

Agora, sim! Namastê, meu filho, namastê! E cuide direitinho do Deus dentro de você, viu? Ele também tem desgosto quando lê coisa ruim….

Share Button

A pegajosidade do tira grude do senhor assessor

sábado, maio 2nd, 2009
Share Button

Começo a mudar de opinião com relação aos assessores de imprensa. Eles já estão me irritando demais. Rivalizam com gerentes de marketing na hora de identificação do feitiço Faça-se a bosta! em seus textos. Olha só o que este aqui aprontou na hora de vender o peixe em forma de tira grude:

Tira Grude ajuda em diversas situações do cotidiano da mulher
[só quero saber por que cargas d’água essa toba serve especificamente pra mulher… ajuda a desgrudar homem mala de sua vida?] 
 
O produto remove todo tipo de pegajosidades
[Remove o quê, meu filho?] e sujeiras, manchas de batom e maquiagem, café, chocolate, óleo e graxa; chiclete (de tecidos, tênis, sapatos e cabelo, entre outros); caneta; cheiro de peixe e alho; cera de vela; adesivos de carros; etiquetas; gorduras de fogão e cozinha; manchas de estofados; sangue fresco [uou… vou avisar isso pros roteiristas de CSI!]  e piche, entre [entre? Jura que você não queria colocar o verbo render no presente do indicativo aqui?] cerca de 400 aplicações. Recentemente lançado, chega às prateleiras de lojas, home centers, papelarias e supermercados de todo o país. (…)

Juro por Deus que eu tentei dar um crédito ao texto. Afinal de contas, se você lança um produto tão maravilhosamente removedor desse jeito, o mínimo que você já fez foi consultar o dicionário pra ver se a palavra pegajosidade existe, certo? Errado. Fui falar com tio Antônio, que me respondeu, lacônico:

A palavra pegajosidade não foi encontrada.

Mas então, seu assessô só inventou essa palavra pra não repetir a palavra grude? Pelo visto, essa é única explicação plausível para o incidente.

Ah, não vou remendar esse texto, não. É só trocar pegajosidade por grude, e entre por rende.

Ué, ele tá bem escrito? Até tá. Mas é que essa pegajosidade… dá pra passar um pouquinho desse produto miraculoso no texto pra ver se essa palavrinha sai daí?

Share Button

Ameba em processo de evolução

sexta-feira, maio 1st, 2009
Share Button

Já essa menina aqui (não, eu ainda não saí com o meu cachorro…) consegue, vez que outra, fazer um texto “fofo”. Mas os encostos não dão trégua… Deixa eu dar uns passes para salvar esta pobre alma escrevente. Primeiro, o texto encostado:

Sempre em busca de inovações [ai, minha linda… dispensa esse nariz adunco de cera…] , o Grupo Tal  já apresentou novidades como as “luvinhas superpoderosas” que hidratam a pele antes que a manicure comece a fazer as unhas de suas clientes [Viram por que eu acredito no potencial da fofucha?] e as unhas de fibra, para aquelas que desejam unhas longas e resistentes. Agora, a inovação [Aaaaiiiii… esquece essa inovação! Prefira novidade! É mais fashion!] fica por conta de um processo de descoloração de pelos que, além de não agredir, ainda hidrata a pele [e a frase terminou de forma tão clara e direta! Ah, você tem potencial!].

Semelhante ao conhecido Banho de Lua, o clareamento oferecido pelo Grupo Tal se diferencia [ai, deixa esse diferencia prá lá….] pelo processo feito em várias etapas. Primeiro, a área escolhida para a descoloração recebe uma camada de parafina, para evitar irritação e coceira; em seguida, o pó especial é aplicado na região a ser descolorida; assim que o produto é removido, a aplicação de um óleo perfumado garante a hidratação da pele. Para finalizar, sabonete líquido e ducha [Lindo! Lindo! Lindo! Mas pode melhorar!].

Agora, desencostado:

Sempre em busca de inovações, O Grupo Tal já apresentou novidades como as “luvinhas superpoderosas” que hidratam a pele antes que a manicure comece a fazer as unhas de suas clientes e as unhas de fibra, para aquelas que desejam unhas longas e resistentes. Agora, a novidade fica por conta de um processo de descoloração de pelos que, além de não agredir, ainda hidrata a pele.

Embora semelhante ao conhecido Banho de Lua, o clareamento oferecido pelo Grupo Tal é feito em várias etapas [essa é a diferença entre os dois processos: o número de etapas]. Primeiro, a área escolhida para a descoloração recebe uma camada de parafina, para evitar irritação e coceira; em seguida, o pó especial é aplicado na região a ser descolorida; assim que o produto é removido, a aplicação de um óleo perfumado garante a hidratação da pele. Para finalizar, sabonete líquido e ducha.

Vou manter essa menina rezada. Livre de encostos, ela sabe muito bem como fazer um bom texto! Que nossa Senhora da Locução Verbal ilumine seus caminhos, minha filha!

Share Button

O bebedouro otimizado do senhor assessor

sexta-feira, maio 1st, 2009
Share Button

Cara, eu juro que eu ia descansar hoje… mas as amebas são insaciáveis, elas não param!!!!

Mais um caso de press-release. Desta vez o tema é um bebedouro em formato de fonte, para cães e gatos. Olha o que a ameba escrevente em forma de assessor (tô irritada por ter que trabalhar no feriado!!) resolveu dizer do pobre infeliz do bebedouro:

Bebedouro em formato de fonte garante água livre de impurezas para cães e gatos

Com sistema que purifica e mantém a água circulando, os bebedouros Tal otimizam o oferecimento [otimizar oferecimento? Isso é mineral, vegetal ou animal?] de água.

Assim como os seres humanos, a água é um elemento vital para os animais de companhia [Impressão minha ou aqui a ameba escrevente comparou a necessidade que todo ser vivo tem de beber água com a necessidade que os animais têm de ter companhia de humanos? Se foi isso, é como comparar cadeira com melancia…] . De acordo com os especialistas o liquido está presente em 70% do organismo de cães e gatos [suspiro. Ele precisa de um especialista para dizer isso, na era do Google?] , por isso oferecer aos pets água na quantidade adequada e livre de impurezas é indispensável para manter a saúde e o bem-estar dos melhores amigos do homem.

O bebedouro Tal, [mais um caso de vírgula fashion! Ai, eu colei meleca na cruz…] atende as expectativas [lugar-comum de ameba escrevente. O que tem de coisa atendendo expectativa de cliente ou fazendo as vezes de diferencial competitivo não tá no gibi – tá no texto das amebas escreventes] de donos que se preocupam com a qualidade da água que seus animais de companhia ingerem. Recomendado para gatos e cães de pequeno porte, o bebedouro Tal possui um filtro purificador capaz de recolher pêlos, partículas de alimentação e outros sedimentos presentes na água. Ajuda também a reduzir mau gosto, o odor e outras impurezas presentes na água da torneira.

Em formato de fonte [catzo! No parágrafo de cima, tinha uma vírgula totalmente dispensável; aqui, faltou uma indispensável!] o Bebedouro possui um sistema que mantém a circulação constante da água eliminando [gerúndio dispensável. Eu provo.] o risco do bebedouro do pet se tornar um criadouro [tá bom, aqui eu sou obrigada a dizer: até que ficou bonitinho! Ele brincou com as palavras “bebedouro/criadouro”. Gostei.] para insetos, como o mosquito transmissor da dengue. O bebedouro também é recomendado para quem passa muito tempo fora de casa, pois [aimeudeus… se relesse o texto, essa última frase faria sentido, e ele teria trocado esse pois por uma palavra mais adquada ao sentido da frase…] sua capacidade de armazenar de dois e três litros, respectivamente, para o tamanho pequeno e o grande.

‘Bora deixar esse texto mais… potável:

Bebedouro em formato de fonte garante água livre de impurezas para cães e gatos

O produto vem com sistema que purifica e mantém a água circulando

A água é um elemento vital tanto para os seres humanos quanto para os animais de companhia. O líquido está presente em 70% do organismo de cães e gatos. Por isso, oferecer aos bichinhos água na quantidade adequada e livre de impurezas é indispensável para manter a saúde e o bem-estar dos melhores amigos do homem.

O bebedouro Tal resolve os problemas dos donos que se preocupam com a qualidade da água que seus animais de companhia ingerem. Recomendado para gatos e cães de pequeno porte, o produto possui um filtro purificador capaz de recolher pêlos, partículas de alimentação e outros sedimentos presentes na água. Ajuda também a reduzir o mau gosto, o odor e outras impurezas presentes na água da torneira.

Em formato de fonte, o produto possui um sistema que mantém a circulação constante da água, o que elimina o risco de o bebedouro do bichinho se tornar um criadouro para insetos, como o mosquito transmissor da dengue. O bebedouro também é recomendado para quem passa muito tempo fora de casa, graças à sua capacidade de armazenar de dois e três litros, respectivamente, nos tamanhos pequeno e o grande.

E agora, se vocês me dão licença, eu vou levar o meu cachorro pra passear.

Share Button

Penetração a 80,56%

quarta-feira, abril 29th, 2009
Share Button

Não, não é pornografia (eu acho). É coisa de press-release.

Detalhe: eu tava indo dormir! Prá quê que eu fui conferir os e-mails antes de desligar o computador? Agora, se eu não postar isso aqui, não consigo dormir…

Mas é que o texto tá carregado de encosto. Inclusive o ectoplasma mesmítico. Vamos ver do que se trata…

PENETRAÇÃO DE CELULARES CHEGA A 80,56% NO BRASIL  [ou seja: no Brasil, os celulares são pouco mais de meia-bomba. Se você quiser uma penetração a 100%, não tente um celular. Seja uma pessoa convencional! Procure itens originalmente fabricados com tal propósito!]
Apesar do número crescente, o país ainda não é um dos primeiros da América Latina [De novo: o Brasil tá tomando remédio contra impotência, mas outros países da região têm desempenho melhor. Será que isso não é mesmo pornografia? Tô começando a duvidar…]

O Brasil ultrapassou a marca de oito celulares para cada grupo de 10 pessoas, segundo os dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), divulgados na última semana. Apesar do crescimento apontado no relatório com os números do primeiro trimestre de 2009, ainda são pequenos se comparados aos padrões latino-americanos. Segundo a 3G Américas, a Argentina o Uruguai e a Venezuela ultrapassaram os 100% em marco de 2009. [Sabia que isso era coisa de argentino invejoso!]

(…)  

[aimeudeus… o dia de hoje me ensinou a sofrer por antecipação ao ver um sinal de aspas…] “Com isso o foco das operadoras [eu sabia que eu tinha que sofrer por antecipação!!! Meu filho, quem tem foco é lente. Len-te!] provavelmente deve mudar da obtenção de novos clientes para a fidelização dos mesmos[aaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhh!!! Olha a assombração do ectoplasma mesmíticoooooo!!! Fujam para as montanhaaaaaaaaaaaasssssssssssss!!!], com serviços de qualidades [aimeudeus… meu fio, o ésse do seu teclado tá com defeito, é? Os serviços são de qualidade. de-qua-li-da-de!]

Confira a penetração de serviços móveis dos principais países da América Latina: [muito obrigada, mas eu vou declinar do convite. Estou com dor de cabeça. Quero dormir.]

 

[suspiro] As palavras escolhidas a dedo para “desenharem” o texto acima são de uma infelicidade trocadilhesca. Se você vai falar de um assunto sério, como a relevância econômica de tal produto/serviço, você tem que ser sóbrio, ou ao menos saber quando e como brincar com seus leitores – coisa que, invariavelmente, o seu editor idiota vai cortar.

Eu sempre disse que essa história de “penetrar no mercado para alavancar o negócio” nada mais era do que uma subversão à ordem obrigatória dos fatores que produzem o sexo. Numa relação sexual que se preze, de qualquer espécie e entre qualquer espécie, primeiro tem-se que alavancar o negócio, porque sem o negócio alavancado não dá pra penetrar em lugar nenhum. Por conta disso, sempre fui radicalmente contra o emprego do verbo penetrar em qualquer outro sentido que não tivesse a ver com copulação.

‘Bora melhorar a toba:

RELAÇÃO CELULAR/HABITANTE CHEGA A 80,56% NO BRASIL  
Ainda assim, país não é um dos primeiros da América Latina

 O Brasil ultrapassou a marca de oito celulares para cada grupo de 10 pessoas. Os dados  do primeiro trimestre de 2009 foram divulgados na semana passada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Apesar do crescimento apontado no relatório, essa relação ainda é pequena se comparada aos números de outros países da América Latina. Segundo a 3G Américas, Argentina Uruguai e Venezuela já ultrapassaram a marca dos 100% em março de 2009. Confira a relação celular/habitante dos principais países da América Latina.

Além do número crescente de celulares por habitante (…)

“Com isso, a atenção/o objetivo das operadoras provavelmente deve mudar da obtenção de novos clientes para a fidelização da base já instalada, com serviços de qualidade e ofertas cada vez mais atrativas”, completa.

 E chega. Vou dormir.

Share Button

O mimo da mamãe moderna e a aliteração de dona assessora

terça-feira, abril 28th, 2009
Share Button

Outro release. Tô limpando minha caixa de entrada.

Esta linda assessora, imbuída da tarefa de vender seu peixe em forma de bolsas (que são lindas, diga-se de passagem), aprontou essa numa legenda de foto. Reza braba! E o pior é que, com um texto que não vale nem uma banana, ela apresenta uma coleção cujo preço varia de R$ 477 a R$ 847. Deixa eu exorcizar:

Colocando à prova o velho clichê  de que “mãe é tudo igual”[Alá seja louvado! Não satisfeita em começar a frase com o encosto gerundol, ela ainda se vale de um clichê pra encerar o nariz! Socoooooooooooorrrrroooooo!!!], a marca tal resolveu mostrar através [mais uma vez, um caso de através enviezado. Um com ficava muito mais fashion, só pra usar um termo que a tchutchuca entende…] das suas inúmeras e charmosas [entenderam por que eu me compadeço de assessor de imprensa? Adjetivo em texto jornalístico não poooooooooooooooode! Mas ela tem que fazer isso, coitada, tá vendendo peixe em forma de bolsa…] opções de bolsas e carteiras, que há um presente para cada tipo e estilo de mãe.

Para acertar no mimo da mamãe moderna [aaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhliteração! É quando um mesmo fonema (/som) se repete em todas as palavras para surgir um som. Repararam no mi-mo-ma-ma-mo? Poi zé. Essa aliteração ficaria linda – se o texto em questão fosse uma poesia, o que está loooonge de acontecer por aqui] as maxi-bolsas desta coleção, [vírgula entre o sujeito e o predicado de novo!!!! Definitivamente, antes de ensinarem pra essas amebas escreventes que a vírgula indica uma pausa para respiração, deveriam botar as amebas escreventes numa aula de yoga para elas aprenderem a respirar!!!!!] combinam tanto com o estilo moderno como com o prático.

‘Bora consertar:

Mãe não é tudo igual. A marca Tal prova, com seus vários modelos de bolsas e carteiras charmosas, que há um presente para cada estilo de mãe. E, para acertar no presente, as maxi-bolsas desta coleção combinam com as mães modernas e também com as práticas.

Vamos relevar o fato de que, por mais variado que seja o estilo da mãe, ela tem mais é que ganhar bolsa! (Vamos relevar, mesmo, porque como eu já disse, essas bolsas são liiiindas!!)

Share Button

Holistic Training para o mercado de Wellness

terça-feira, abril 28th, 2009
Share Button

Eu agora resolvi ler todos os e-mails de assessoria de imprensa que recebo antes de deletar os beneditos. Isto significa que vou ter muito material para o meu caldeirão. Este release é um exemplo perfeito de macaquices. Confiram no velho esquema do vermelho e azul:

Tecnologia inédita chega ao mercado de Welness
[Sidartagautama… o que que esse povo tem contra o bem-estar? Para eu me sentir bem tenho que viver em clima de wellnes?!?!?!?! Ah, vápu!]

O Espaço Holistic Training [eu ia trocar o nome desse troço para não comprometer a Filombeta, mas não dá! O nome do troço já é uma macaquice por si só!!! Já pensou você acordar e dizer: “vou praticar wellness no espaço holistic training”? Sua língua tem um surto de cãibras e você fica calado o dia inteiro! O que, no meu caso, é praticamente a morte…] oferece tecnologia desenvolvida pela NASA e capacitação de profissionais

A empresa tal, especializada em wellness[meus mais sinceros votos de que, para atuar no mercado brasileiro, ela consiga se especializar em bem-estar o mais rápido possível], vai expandir para além do estado Tal, onde já está nas principais academias de ginástica do estado, o Espaço Holistic Training, sistema de condicionamento que oferece 700 tipos de exercícios e aulas de 30 minutos, com tecnologia desenvolvida pela NASA[será que é pra fazer exercícios em gravidade zero? Isso cansa menos?].

O produto é composto de uma plataforma vibratória que conta com software próprio, prescrição de exercícios individuais e um programa de treinamento de profissionais que condiciona o aluno com segurança no menor tempo possível e pode ser complementado com alongamento, flexibilidade e relaxamento[mais um caso de melangê de jenessequá: é um produto, mas também é um serviço – e ainda tem treinamento!!!!.

(…)Segundo o presidente da empresa tal, Fulano de Tal, além de toda a tecnologia de ponta que o produto oferece, existe o diferencial da aplicação dos exercícios[suspiro. Tava demorando! um texto deste jaez sem o uso da palavra diferencial simplesmente não existe!]. “O credenciamento obriga as academias e demais interessados a oferecerem um serviço de excelência através da capacitação do profissional que irá operar o espaço”, explica [o que me causa espécie aqui é que o Fulano de Tal, no afã de vender o peixe dele usando de expressões típicas de rococó empolêixon, não se dá conta de que, ao usar as palavras que usou, infere que as empresas só conseguem oferecer serviços excelentes se comprarem o peixe dele – ele ofende clientes potenciais e não tá nem aí pra isso!! (ah, acho que ele não sabe o que é um cliente potencial… ele só conhece os prospects…]

Vou retrabalhar esse texto todinho. Mas, como eu conheço a raça do queridocliente, sei que o texto que eu vou escrever ja-mais seria aprovado ou autorizado por ele, porque “tá muito simples”… vamos lá:

Tecnologia da Nasa para o bem-estar

Produto para academias é desenvolvido com tecnologia da NASA, e já inclui a capacitação de profissionais

A empresa tal, especializada em bem-estar, vai expandir para além do estado Tal, onde já está nas principais academias de ginástica, o Espaço Holistic Training. Trata-se de um sistema de condicionamento que oferece 700 tipos de exercícios e aulas de 30 minutos. Sua tecnologia foi desenvolvida pela NASA.

O Espaço Holistic Training é composto por uma plataforma vibratória acionada por software próprio. Sua operação adequada requer treinamento para capacitação de profissionais que está automaticamente incluído. Com seu uso adequado, o profissional é capaz de prescrever exercícios individuais e um programa de treinamento que condiciona o aluno com segurança no menor tempo possível, que ainda pode ser complementado com alongamento, flexibilidade e relaxamento.

(…)

Segundo o presidente da empresa tal, Fulano de Tal,  o espaço holistic Training destaca-se não só pela tecnologia de ponta, como também pela aplicação dos exercícios. “O credenciamento obriga as academias e demais interessados a oferecerem um serviço de excelência através da capacitação do profissional que irá operar o espaço”, explica

 Ufa! Isso sim é que é exercício. Ai, cansei…

 

 

Share Button

O assessor e o novo lançamento do carro baseado num tripé

segunda-feira, abril 27th, 2009
Share Button

Fico meio constrangida em pegar no pé de texto de assessor de imprensa. É que eu conheço a raça. Sei que, não raro, o texto dele fica horroroso devido às alterações feitas pelo queridocliente (/ameba escrevente). Mas constrangimento é coisa que dá e passa. Afinal, sou uma bruxa malvada e venenosa. Além do quê, um texto que se abre no seu inbox com a palavra “inovador” no título já chega com cheiro de ameba escrevente. Vejamos, pois, o novo lançamento do seu assessô. A canetinha vermelha é do texto original; a azul sou eu envenenando comentando o texto:

CONCESSIONÁRIAS TAL JÁ VENDEM O INOVADOR CARRO TAL

Lançamento da montadora francesa transmite sofisticação [1- Transmite? Um carro transmite? Até onde eu sei, a única transmissão do carro é a do câmbio de marcha… vai ver que a sofisticação dele limita-se à transmissão de câmbio] de veículos de luxo e vem com linha de acessórios que valorizam o conforto

As concessionárias Tal já começaram a vender o mais novo lançamento [2- Pleonasmo!!! Pleonasmo é aquela coisa que sobe pra cima, desce pra baixo, entra pra dentro e sai pra fora. Como um novo lançamento, por exemplo.] da montadora francesa, o carro Tal, que atenderá aos consumidores mais exigentes do segmento de veículos sedans compactos premium.

As linhas do carro tal, sem similares no mercado nacional, são os principais diferenciais [3- Diferenciais devem ser, pela minha lógica, os fatores para efetuação do cálculo diferencial, né?] em design do sedan. O ineditismo também é um atributo do interior, no qual sobressai o painel com desenho moderno atraente, feito com material de alta qualidade e agradável ao toque.

Com o lançamento do carro Tal, a montadora Tal tem como principais concorrentes os modelos Volkswagen Pólo, o modelo top do Ford Fiesta e o Peugeot 207 Passion [aimeudeus… entregou a bola pro consumidor! Se você não gostar do novo lançamento da montadora fancesa, vai procurar pelos velhos lançamentos da concorrência…] . A montadora francesa aposta na boa relação custo-benefício de seu sedan para participar dessa disputa [4- Ai, não usa essa palavra.. o cacófato é horroroso!!! Separe a primeira sílaba do resto da palavra que você vai entender o que eu quis dizer…].

O modelo chega ao Brasil e às lojas da concessionária Tal com dois tipos de acabamento: a Expression, por R$ 41.190, e a Privilège, por R$ 44.490. A plataforma do carro Tal é a mesma de outro modelo da marca, mas o lançamento tem 4,26 metros de comprimento, sete centímetros a mais [5- sei… o lançamento é maior que o carro em questão?]. Fora isso, o carro é completamente novo, do design ao propulsor. (…) O câmbio é manual, de cinco marchas. [1- se essa é a transmissão de sofisticação citada no primeiro parágrafo, sei não… acho que, por 40 paus, um consumidor vai querer, pelo menos, um câmbio automático, né não?]
“O carro tal está baseado num tripé [6- Aaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhh!!!! Tadinhoooooooooooooo!!! O carro fica baseado num tripé!!!! As rodas e pneus serão vendidas á parte, é isso?] que fornece grande apelo aos consumidores [e o tripé ainda fornece grande apelo!!! Nossa, que inovação…] (…)

 

É, o carro desta segunda não sofreu tanto quanto os estagiários de sexta-feira, nem a geladeira da quinta-feira. Ele só tem problemas de câmbio e, se você quiser, já sabe quais concorrentes procurar caso não se interesse pelo francesinho em questão. Mas vamos lá:

1- Muito cuidado ao usar verbos só porque eles são bonitos e soam bem. Eles podem significar mal, como o transmitir do primeiro parágrafo. Fica legalzinho? Até fica, mas veja bem até que ponto ele ajuda ou prejudica o seu texto. No caso, ele deu margem a um trocadilho safado. Evite verbos “enviezados”, pr assim dizer. A clareza do seu texto agradece.

 2- Pleonasmo, ou redundância, é muito feio em 99,8% dos casos – os 0,2% restantes estão na cota dos poetas. Você sente doer quando é um exemplo banal, como subir pra cima ou descer pra baixo, mas muita gente a-do-ra falar em novo lançamento. Como se fosse possível um velho lançamento.

3- Diferencial, diferencial competitivo (que desponta no horizonte das amebas escreventes como seriíssimo candidato a pleonasmo da vez, já que todos os diferenciais devem ajudar qualquer coisa a ser competitiva) e diferenciado são palavrinhas da moda. Ridículas. Evite-as. Sempre.

4- O cacófato é aquela figura de linguagem em que você fala uma coisa mas o seu interlocutor pode ouvir outra. Como no caso da disputa. “Quem que se diz assim?”, pode pensar o seu interlocutor? Fuja do cacófato. 

5- Este é o caso em que, ao evitar repetir uma palavra na frase e substituí-la pela expressão lançamento, o texto deu margem a duplas interpretações.

6- Decretação do feitiço: Fez-se a bosta! E foi justamente na linda declaração do queridocliente sobre o produto em questão. Entendeu por que eu insisto em defender o assessor?

‘Bora melhorar o texto:

O CARRO TAL JÁ CHEGOU ÀS CONCESSIONÁRIAS TAL

 

Lançamento da montadora francesa traz a já clássica sofisticação dos veículos de luxo e vem com linha de acessórios que valorizam o conforto

 

As concessionárias Tal já começaram a vender o último/mais recente lançamento da montadora francesa, o carro Tal, que atenderá aos consumidores mais exigentes do segmento de veículos sedans compactos premium.
As linhas do carro tal, sem similares no mercado nacional, destacam-se dentre os mais variados aspectos do exclusivo design do sedan. O ineditismo também é um atributo do interior, no qual sobressai o painel com desenho moderno atraente, feito com material de alta qualidade e agradável ao toque.

Com o lançamento do carro Tal, a montadora Tal tem como principais concorrentes os modelos Volkswagen Pólo, o modelo top do Ford Fiesta e o Peugeot 207 Passion. A montadora francesa aposta na boa relação custo-benefício de seu sedan para conquistar um mercado repleto de grandes concorrentes.

O modelo chega ao Brasil e às lojas da concessionária Tal com dois tipos de acabamento: a Expression, por R$ 41.190, e a Privilège, por R$ 44.490. A plataforma do carro Tal é a mesma de outro modelo da marca, mas o novo modelo da montadora Tal tem 4,26 metros de comprimento, sete centímetros a mais. Fora isso, o carro é completamente novo, do design ao propulsor. (…) O câmbio é manual, de cinco marchas.
“O carro tal está baseado em três características de grande apelo aos consumidores (…)

 

 

 

Pronto! com este recall, o texto da ameba escrevente salva-se de derrapagens e acidentes mortais.
Share Button

Um novo conceito em canudinho

quinta-feira, abril 9th, 2009
Share Button

Me diga como você se sentiria ao chegar ao trabalho numa segunda-feira, às nove da manhã, ao abrir seu e-mail e encontrar um press-release que anuncia um novo conceito em canudinho?

Sofri a semana inteira….

É que seria simples e fácil demais escrever que a água de coco Tal em embalagem longa-vida vem com um canudinho diferente: em vez do furinho em cima, ele vem com dois furinhos dos lados, para que a bebida caia diretamente na parte da língua que melhor sente o sabor característico da água de coco.

Não. eles preferiram escrever um novo conceito em canudinho

 

AAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHH!!!

Share Button

Publicado com o WordPress