De mesóclises e cachecóis

Share Button

Manja carioca no inverno? É, inverno carioca, aquela época do ano que dura aproximadamente cinco horas na cidade maravilhosa?

Então… nessas cinco horas, o carioca capricha: aproveita os 19 graus (temperatura que europeu acha até meio quente) e tira do armário a bota, o casacão e o cachecol, pra ficar chique que nem a lhama linguista.

vyqw0b.jpgMesóclise é que nem o cachecol no inverno carioca: raríssimo de se usar. Mas quando a gente usa, se sente elegante e importante, né?

Então vamos ao tutorial da bruxa, pra arender a combinar o cachecol com o casaco usar mesóclise.

Pra começo de conversa, mesóclise é colocação pronominal perto do verbo. Coisa de ordem dos tratores que altera o viaduto. É irmã da próclise e da ênclise. A próclise enfia o pronome antes do verbo; a ênclise, depois. E a mesóclise, como o nome já ajuda a suspeitar, se enfia lá no meião do verbo. Mas é no meião mesmo?

Olha só como não é:

Primeiro, vamos observar o verbo amar no futuro do presente do indicativo:

amar-ei

amar-ás

amar-á

amar-emos

amar-eis

amar-ão

 

Agora, vamos olhar o verbo haver, no presente do indicativo:

hei

hás

havemos

haveis

hão

Percebe, Ivair, que é só rapar fora o agá (e o resto da raiz do verbo, no caso da 1ª e 2ª pessoa do plural) que a gente encontra o finzinho da conjugação de amar no futuro! O_o

Agora, pensem: quantas vezes você já não ouviu a expressão “eu hei de  [enfie um verbo no infinitivo aqui] isso”?

Hei de te amar  –> amar-te hei  –> amar-te-ei

Perceberam que a mesóclise, de tão velha, sabe que a conjugação do futuro do presente é amante do presente do indicativo de haver há uns bons séculos, e se mete no meio do casalzinho?

Pronto! Você acabou de aprender a usar mesóclise. Proceda da mesma forma com o futuro do pretérito do indicativo e o pretérito imperfeito de haver (havia, havias, havia, havíamos, havíeis, haviam – mas aqui cês tudo cortem fora o “hav-“, sim?)

 

Beijo pra Talmy Givón, que adora dizer que a morfologia de hoje é a sintaxe de ontem! <3

Agora que você já sabe usar mesóclise, tente entender a frase pela qual Michel Temer foi tão elogiado (ain, ele sabe usar mesóclise, melhor que certas pessoas que são analfabetas, ain…):

Como menos fosse sê-lo-ia pela minha formação democrática

(Dica: não tente. Não há coerência.)

Cabô aula de mesóclise!

Agora, aprende aí a dar esses doze nós diferentes no cachecol. Dependendo de onde você morar, você ter-há (RÁ! 😛 ) poucas horas para isso! 😀

 

Share Button

Deixe o seu comentário aqui!

Publicado com o WordPress