Moro, o agente da passiva

Share Button

politica-3-moro-e-lula-1024x576Este post vai fazer mais sentido se você ler, antes, o post do Tijolaço que o provocou.

Vai lá que eu te espero.

Pronto?

Então, tá. Vou copiar do Brito as manchetes e a observação que ele fez. Vejamos as manchetes de capa dos principais jornais de hoje:

 

O Globo: Lula vira réu pela 2ª vez e será julgado por Moro

Estadão: Lula vira réu na Lava Jato e será julgado por Moro

Folha: Acusado de corrupção, Lula será julgado por Sérgio Moro

 

Agora, vamos fazer o que o Britto fez de “colocar em evidência”.

 Lula vira réu pela 2ª vez e será julgado por Moro

 Lula vira réu na Lava Jato e será julgado por Moro

Acusado de corrupção, Lula será julgado por Sérgio Moro

 

A análise tá certinha, Brito! A manchete de hoje dos principais jornais é:

Lula será julgado por Moro.

 

Temos uma voz passiva aqui. Usada de maneira canalha, safada e indigente.

Provo.

O objetivo principal da voz passiva é tirar o agente dos holofotes do início de uma frase (o que dona Pragmática chama de tópico)

A frase poderia acabar depois de julgado: Lula será julgado – ponto.

Ela já faria sentido. Uma oração em voz passiva é uma oração intransitiva. Não precisa de complementos.

Dona Maricota, em suas aulas de português, te ensinou que o “por Moro”, nessa frase, recebe a classificação de “agente da passiva”. Tá certinho. Só que essa classificação é Semântica, não sintática. Sintaticamente, “por Moro” tem o valor de um advérbio. Observe:

Lula será julgado amanhã

Lula será julgado no aeroporto

Lula será julgado irregularmente

E por aí vai. Tudo adjunto adverbial de tempo, lugar e modo. Por Moro também é adjunto adverbial (podemos chamá-lo de adjunto adverbial de, vá lá, agentividade). O fato é que adjunto adverbial é o resto da frase. Troço dispensável. Poderia ser omitido / ocultado da frase. Por que não foi?

ARRÁ!!

Porque a última palavra da frase é tão importante quanto a primeira. Temos uma frase que começa com Lula e TERMINA    EM    MORO. Entendeu? Termina em Moro. (sossega o facho que tem nada de teoria da conspiração aqui, é tudo Pragmática!)

Agora, vejamos o que o Manual de Redação do Globo (29ª edição, 2005, pág. 53) recomenda, com relação aos títulos:

Principalmente, em títulos, a força da frase depende da relação entre o sujeito e a ação (grifo meu). É por isso que “João terá seus bens leiloados” é inferior a “Bens de João vão a Leilão”.  A ação ocorre com os bens, não com João. (outro grifo meu).

Na verdade, o que Luis Garcia, o autor dessa coisa troço mequetrefa pitomba pacová manual, pronto, desse manual, diria se ele fosse um linguista competente (coisas que ele não é: linguista e competente), é que bens é o tópico da notícia, o tema  da notícia, e não João. (Ah, se um linguista fizesse uma revisãozinha básica nesses manuais de redação e estilo…) Sintaticamente falando, ele diria “Não use voz passiva. O agente tem que ter sempre destaque“.

E aí, querido leitor? Em Lula será julgado por Moro, A ação ocorre com Lula ou com Moro?

Pra mim, está claro e cristalino que Moro  é o agente prototípico da frase

Moro julgará Lula :

– Moro comanda o verbo

– O verbo comandado pelo sujeito Moro transita (por isso ele é transitivo direto) sua ação do sujeito até o objeto direto Lula, que tem seu estado final alterado pelo sujeito.

Colocar essa frase na caradura iria editorializar demais a manchete – mas galhéra entendeu DI REI TI NHO a mensagem. Duvida? Vai ver os comentários dessa notícia, e conte quantas vezes a frase Moro vai julgar Lula e suas variantes (é o moro quem vai julgar o Lula, é o Moro quem vai fazer justiça, etcetcetc) aparecem por lá.

Então, abiguinhos, hoje a gente entendeu como um jornalista manuipula uma informação e o raciocínio de seu leitor a partir de uma reles voz passiva – que você sempre achou que fosse embromação nas aulas de português.)

 

Pensa que acabou? Nãããããããooo…

Vamos ver a manchete da Folha:

Acusado de corrupção, Lula será julgado por Sérgio Moro.

Temos aparentemente duas vozes passivas, certo?

Aparentemente.

Esse acusado tem cheiro, gosto, forma e estilo de adjetivo.

Lula é um acusado. Se ele é acusado, conclui-se que alguma coisa existe contra ele (isso nas mentes mais suaves. Geral já raciocina: se ele é acusado, é porque ele é culpado e pronto!).

Quedizê: onde estava sua professora / seu professor quando você aprendeu particípio na escola?

Share Button


6 comentários sobre “Moro, o agente da passiva”

  1. Filomena Bertone Citti comentou:

    Nossa , voce è cahata em Dona fessorinha . Com tudo o que esta’ acontecendo de fascista no Brasil , voce aproveita para subir na catedra e da liçao de cata piolho – Ele quiz mostrar que toda a midia canta as mesmas notas …….como voce : mi mi mi mi mi . Vai encher o saco de seus alunos e nao o nosso.

  2. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Faça o favor de ir tomar no cu, sim?
    Se vc não entende análise do discurso, apenas cale a boca.

    Diota.

  3. Marcelo Carota comentou:

    texto sensacional.
    aliás, textos: o da análise das manchetes e o de resposta a uma que ainda não sabe, mas engole direitinho o que a mídia quer que ela pense que pensa.

  4. sylvia moretzsohn comentou:

    Mas é justamente por tudo o que está acontecendo de fascista no Brasil que essa análise faz todo o sentido.

  5. osvaldo ferreira comentou:

    Já é difícil de entender os descaminhos agora, imaginem depois da reforma do ensino temerosa.

  6. André Soares comentou:

    Este site é das melhores coisas que tem na web ultimamente e, porque não dizer, desde sempre. E como tal é para poucos. Essa galera com imaginário de alpiste não da conta desse coisas não.

Deixe o seu comentário aqui!

Publicado com o WordPress