Bons hábitos, bons exemplos

Este post é mais uma kibada portuguesa desta bruxa que vos fala: copio no blog original, colo aqui e dou o link pro blog original. Ele foi originalmente escrito hoje mesmo, no blog da Rede Mulher e Mãe, mais precisamente aqui, pela minha amiga desertora Tatiana Passagem, que está de mudança para São Paulo.

Só pra enfatizar ainda mais a prática deste bom hábito, digo que o filho da Tatiana, o Vítor, pediu pra mãe fazer um blog pra ele, este aqui. dá pra perceber que não é ele quem escreve, mas é um trabalho em dupla, entre mãe e filho: ele diz sobre o que quer escrever, ela ajuda na pesquisa, ele vai ditando o texto pra ela (ela digita mais rápido) e vai dando uns tapas na redação. O resultado é um conteúdo originalmente infantil, com uma excelente apresentação, que mantém o tom lúdico do autor do blog. Enfim, uma idéia (boas idéias merecem acento) do cacete levada a cabo pela Tatiana.

Tudo isso pra dizer que eu tô aqui morrendo de vergonha por não ler pro meu filho nem um décimo do que a Tati lê pros filhos dela (a Alice, outra filha dela, é poucos meses mais nova que o meu Feiticeirinho).

Então, fiquem com o (sempre) excelente texto da Tatiana, e dá licença que eu vou ler pro meu fiote, gente! \o/

***

AS CRIANÇAS E O MUNDO MÁGICO DOS LIVROS

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011  Postado por Thaty
Aproveitando o embalo da Ciranda da Leitura “Pequenos Leitores” (que por sinal está fazendo um sucesso TREMENDO. Já temos mais de 60 crianças inscritas, a mais nova com 5 meses – uma ainda na barriga – e a mais velha com 14 anos), vamos falar de crianças e livros hoje?
Eu acredito que não existe idade mínima para se apresentar uma criança a um livro. Antes que eu tivesse os meus filhos, achava que isso era um contra senso. Como assim ler para um bebê? Claro que ele não vai entender nada! Mas eu estava errada. Meus dois filhos sempre gostaram de me ouvir lendo pra eles. Não sei se era o som da minha voz ou as figuras coloridas dos livros, só sei que funcionava. E, pra me surpreender ainda mais, quando a Alice nasceu, com apenas 1 mês, ficava bem quietinha deitada ao lado do irmão, escutando-o ler para ela. Uma imagem de derreter e aquecer um coração materno.
Os dois tem muitos livros. Alice herdou (e destruiu) alguns dos livros que o Vítor tinha quando era pequeno. O que me mostrou mais uma vez que as crianças são diferentes: para deixar na mão dela sem supervisão, só livros de pano ou de banho, porque ela leva muito a sério aquela história de que o livro é o pão do espírito…rs Já o Vítor está se aventurando por mundos mais avançados, como Harry Potter, Crônicas de Nárnia e Como treinar seu dragão.
No fim das contas, eu continuo lendo para os dois, mesmo que o Vítor já saiba ler desde os 5 anos. Leio basicamente por dois motivos: primeiro porque gosto desse momento entre nós dois. Adoro aquela cena dele deitadão na cama, ouvindo a história e criando mil imagens em sua cabecinha. Segundo porque os livros que estou lendo pra ele tem algumas palavras mais difíceis, se ele for ler sozinho acaba desistindo. Então eu sempre leio um ou dois capítulos e paro no auge da ação, fazendo o maior suspense. Quase sempre, no dia seguinte, assim que acorda, ele pega o livro e lê mais um bocado sozinho. Não sem vir me perguntar o significado de um monte de coisas, né? Mas faz parte!
Pra mim, a leitura é um ticket para outra dimensão. Eu sei que é clichê dizer que você viaja sem sair do lugar quando lê, mas eu preciso dizer isso também! Mas é muito mais do que só isso, você entra na vida do personagem, se sente como outra pessoa, sai completamente da sua realidade. Um bom livro tem o poder de fazer você esquecer do lugar onde está, mesmo que seja cheio de pessoas e completamente barulhento. E eu penso: como não apresentar essa maravilha aos meus filhos?
E não podemos esquecer de outro poder dos livros: ajudar nossos filhos a lidar com seus problemas. Ele está com medo do escuro? Há um livro sobre isso. Não quer usar o pinico? Tem outro sobre isso também. Está fazendo pirraça. Sim, também tem. E como se isso não fosse suficiente, existem pessoas que vivem de escrever histórias específicas para uma criança específica. Uma vez o Vítor estava meio “revoltado” na nova escola. Coisas que nunca tinha feito antes, como bater em coleguinhas, passaram a acontecer frequentemente. Conversei com uma amiga que faz esse trabalho de escritora e ela fez para ele um lindo livro, onde ele tinha o mesmo super poder do seu personagem favorito do desenho Os Impossíveis e que estava mudando de escola, onde ele podia fazer natação numa piscina de suco de uva e praticar capoeira com ervilhas saltitantes. No final da história, ele conseguia ajudar os novos colegas com seu super poder e via que a nova escola também era legal. Pergunta se ele não adorou?
Acho que eles gostam de ler não só porque eu incentivo, mas também porque eles me vêem fazer isso. Eu sou do tipo que não pode entrar numa livraria, porque quero sair de lá com 5 ou 6 livros de uma vez só. E leio todos eles. Se eu pudesse ($$), leria um livro por semana, ou mais. Nunca me esqueço que uma vez, uma professora do Vítor veio me contar que ele falava pra ela que “a mamãe está sempre com um livro na mão”, ao justificar para ela porque ele também gostava de livros. Só espero que eles mantenham isso pelo resto da vida.
E vocês, também lêem para seus filhos? E os maiores, gostam de ler? Têm alguma dica para as mães cujos filhos não gostam de ler?



4 comentários sobre “Bons hábitos, bons exemplos”

  1. Camila comentou:

    Madrasta, uma sugestão: coloque o link do post original (embora copiado integralmente) no seu. Os leitores da posteridade agradecerão. Gosto muito de visitar os links indicados pelos meus blogueiros favoritos e acompanhar os comentários; só que, eventualmente, conheço ‘blogueiros favoritos’ muito depois de terem publicado sua indicação. Já aconteceu de eu fuçar (muito) um blog indicado atrás de um post específico… Mas é só uma sugestão, não uma imposição (a-há, até parece que tenho todo esse poder ;P). Beijos, madrasta favorita!

  2. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Eu sabia que alguém iria notar…
    Camila, se vc é frequentadora assídua do caldeirão, vai notar que eu s-e-m-p-r-e ponho o link direto pro artigo que cito de outro blog/site, e ainda escrevo “mais precisamente aqui” <– e o link vai no aqui.
    Ontem eu simpesmente não conseguia o link específico do texto da Tatiana. Como tava com pressa (filho chorando, marido chamando etcetcetc), resolvi publicar do jeito que tava, e hoje eu consertava a bagaça…
    Mas aí você e reparou primeiro que o link direto tava faltano… 😀
    Liga, não, acabei de consertar isso!
    De qualquer forma, obrigada pelo aviso!
    Abração, e volte sempre!
    Madrasta

  3. Julia comentou:

    Sou meio madastra porque meu namorado tem filho. Quando começamos a namorar, o menino tinha 9 anos e era viciado em videogame e não tinha nenhum interesse em livros.
    Nas primeiras férias que passamos juntos, comecei a ler um livro com ele. Ele tinha muita dificuldade em entender frases mais complexas e não conhecia a maioria das palavras porque, apesar de ser um menino muito inteligente, nunca tinha lido mais que algumas frases e as baboseiras obrigatórias da escola. Com algum esforço, ele se envolveu com a história e seguimos lendo juntos todas as noites.
    A certo ponto, eu pedia para ele ler trechos para mim porque eu estava cansada ou rouca. Ele lia, mas nem sempre entendia… Mas lia. Bom, resumindo a história: hoje ele tem 12 anos e é uma maquininha de ler livros de fantasia e aventura. E ele chega a dar conta de livros complexos, como o meu velho volume de “Mago”, um jogo de RPG abstrato e cheio de regras difíceis de entender.

    Fez aniversário semana passada e adivinha qual foi o presente predileto? O livro que ganhou de uma das coleguinhas!
    Confesso que morro de orgulho.

  4. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Que história maravilhosa, Júlia! Passa lá na redemulheremae.blogspot.com e conte pra Tatiana, também! Cer-te-za que ela vai amar saber disso! E, quem sabe, você consegue entrar na Ciranda da Leitura?

    Beijos emocionados da
    Bruxa

Deixe o seu comentário aqui!

Publicado com o WordPress