Arquivo pela categoria 'Mamãe, eu sei escrever'

O quiproquó do livro do Mec – uma opinião terceirizada

sábado, maio 14th, 2011

Antes de começar o post propriamente dito, informo que este blog está em greve de polêmica.

Vão discutir com o pai dele?

Aqui tem quiproquó, debate, discussão, peleja, contenda, argumentação e controvérsia. Basta de polêmica! Vou dar férias a essa palavrinha que tá me torrano os pacová.

E vou aproveitar essas três últimas palavras da frase acima (torrano os pacová) pra dizer que língua é um troço vivo! putaquepariu, bruxa, é nisso que dá deixar de trepar sexta à noite pra ficar blogando! Fala merda de duplo sentido! Reescreve esse troço aí, bosta! enfim, toda e qualquer língua está em constante evolução.

Existe aquela infeliz daquela Norma Culta, que sempre impõe suas regras (quando falo em Normal Culta impondo regra imagino uma normalista de sobrenome Culta naqueles dias do mês, mas deixa isso prá lá).

Devemos seguir, sim, dona Norma Culta em situações oficiais (provas, concursos, vestibulares, redações oficiais e institucionais em geral). Mas a língua dita no dia a dia, nas ruas, no interior, os sotaques, expressões… não é lá muito amiga da dona Norma, não…

Vamos combinar que não se deve começar um texto oficial com a expressão vamos combinar, por exemplo. E também não se deve encerrar essa redação com palavras como me torrano os pacová.

Mas é gostoso escrever assim. É gostoso se comunicar de forma livre, leve e solta. Curto muito chamar meus leitores e interlocutores de zifios. Esse vocativo não existe em nenhum dicionário, mas e daí? Claro que não vou me referir oficialmente a um juiz ou a um presidente de banca como mizifio, mas eu conheço as regras, e sei como, onde, quando, com quem  e por que quebrá-las <– isso é o mais importante!

E o que dizer, então, das expressões do twitter todos chora, todos reclama, ou corrão, vejão, leião? O mais curioso é perceber quequem usa essas expressões são pessoas que têm plena consciência de que estão escrevendo errado – e mesmo assim o fazem, pelo prazer do escárnio ou de quebrar as regras. E aí, comofas?

É por isso que essa discussão do livro adotado pelo MEC tá me dando uma gastura tão grande que eu vou kibar opinião alheia. Kibada portuguesa, claro.

Li essa carta oficial do Maurício de Sousa na revista Chico Bento de abril de 2010. Na época, cheguei a pensar em postá-la aqui no caldeirão, mas não havia versão dela na Web, eu teria que digitar tudo, baixou preguiça e eu deixei prá lá.

Treze meses depois, veio esse quiproquó do MEC, eu resolvi jogar a carta no Google e achei o texto inteirinho no blog do Ricardo Marques, a quem acendo uma vela pelo trabalho de digitação que eu troquei pela preguiça. A cigarra aqui agradece à formiga, zifio! \o/ 😀

Enfim, depois desse narigão de cera e da kibada portuguesa, digo que minha opinião sobre esse tema foi dissertada em 2010 por Maurício de Sousa (que, ora vejam vocês, tomou posse como membro da Academia Paulistana de Letras esta semana! PARABÉNS, MAURÍCIOOOOOOOOOOOO!!). Na ocasião (não na posse da APL, em abril de 2010! Se situa, rapá!), Maurício defendia a linguagem usada por Chico Bento, e explicava por que ela não faz mal ao aprendizado dos petizes.

Mas eu sou fã mesmo é do Zé Lelé! Curto muito esse caipirão bobão! \o/

Viva o caipirês!
O Chico Bento foi criado em 1961. Desde então, virou um ícone do caipira brasileiro. E com muito orgulho. Mas ainda tem gente que acha que o jeito dele falar é prejudicial aos pequenos leitores.
Não concordo! Uma criança forma o seu vocabulário de acordo com o que ouve ao seu redor: na família, na escola ou na sociedade. Ela não modifica seu jeito de se expressar por ler histórias do Chico Bento. Se fosse assim, já imaginou quanta gente bem crescida falaria “caipirês” até hoje?
É preciso lembrar que Chico Bento vive a realidade da zona rural. E com sua personalidade doce e pura, além de muito humor, fala da preservação do meio ambiente, da vida no campo e do nosso folclore. Ele pode até não estar entre os melhores alunos da escola, mas dá aula quando o assunto é a sabedoria de como viver.
O Chico nos mostra um Brasil gostoso, saudável, onde a criança tem espaço e elementos para experimentar, interagir e viver a infância em toda sua plenitude. E mostra isso falando no mais puro e gostoso “caipirês”. Quer coisa mais fofa?
Extraído de “Chico Bento” edição n.° 40 Abril de 2010

E depois dessa, eu deixo que os doutos comentaristas da CBN (ah, eu nem me dei ao trabalho de ouvir o que eles disseram, mas imagino. Vocês podem me crucificar por isso, mas agora não que eu tô com gastura… 😛 ) argumentem seus saberes com a prática e a experiência do Maurício. (Tô começando a curtir essa coisa de terceirizar briga… vou aprimorar a técnica, depois eu ensino procês)

Didática do Trauma. Aula nº3: como (não) usar corretamente a expressão “diferencial competitivo”

quarta-feira, maio 11th, 2011

Olá, amebas! Sejam bem-vindas a mais uma aula traumatizante da Madrasta do Texto Ruim.

Hoje eu vou explicar pra vocês, de uma vez por todas, por que diferencial competitivo é uma expressão vaga e imprecisa, incapaz de passar uma mensagem direta, ela apenas insinua não sei bem o quê.

“Ah, dona Bruxa, eu acho que as funcionalidades de uma solução são um diferencial competitivo de minha empresa”, dirá você, ameba escrevente.

“Ah, dona Bruxa, eu acho que diferencial competitivo é uma coisa que agrega valor”, completará sua coleguinha.

Daí eu mostro pra vocês, oh amebas, pra que serve a expressão diferencial competitivo. O ÚNICO CASO em que a coisa foi bem empregada.

Do Portal Correio:

Pastor troca esposa pelo cunhado e pede guarda dos filhos
Um caso no mínimo inusitado chamou a atenção dos 78 mil habitantes de Cacoal-RO. Um homem de 36 anos separou-se de sua esposa de 23 anos para ‘casar-se’ com o cunhado de 38.Flávio Serapião Birschiner estava casado há dois anos com Ana Paula Rochinha Birschiner.(…)
Ana Paula acredita que seu casamento se desfez pela constante recusa em praticar sexo anal com o marido. Ela revela que “ele era obcecado por sexo anal”. Ela ainda afirma que confidenciou isso ao irmão, que a apoiou. Ana Paula acha que seu irmão se valeu desta informação para oferecer ao marido um diferencial competitivo.

Entenderam, amebas?

Então, a menos que você queira referir-se à prática de sexo anal, não saia por aí falando em diferencial competitivo.

E aqui eu deixo meus cumprimentos à Adriana Bezerra, autora desse texto di-vi-no, e à Nalu Nogueira, que me avisou da existência dele via Twitter.

P.S.: Parece que essa notícia deve ser falsa (traduzindo: não tenho a mais vaga idéia se essa notícia é verdadeira ou  não). Verdadeira ou falsa, ela não invalida a didática do trauma. Grata. 😀

O texto do querido Virundu

quinta-feira, maio 5th, 2011

Descobri a necessidade deste post graças a uma consulta que o Wagner Fraga me fez via Twitter. Joguei a frase “ouviram do Ipiranga às margens plácidas”, assim mesmo, com essa crase errada, no Google. Descobri que em vários sites a letra do Hino Nacional Brasileiro está errada!

Oras bolas, não tem mais aula de interpretação do texto do Hino Nacional Brasileiro nas escolas, não? Antes que me respondam de forma negativa, faço outra pergunta: desde quando as escolas brasileiras deixaram de ensinar os símbolos e os valores de nossa pátria, hein?

Pra quem não conhece a história do Hino Nacional Brasileiro (ou O Virundu, pra quem curte um apelido carinhoso), melhor ir direto pra essa página da Wikipédia em português – e deleitem-se com a letra do Hino em língua tupi. Um arraso! \o/

Mas não tô aqui pra falar de Duque Estrada nem de Francisco Manuel. Vamos reler a letra do nosso Virundu, na tabela abaixo, à esquerda. Como vocês podem reparar, a coisa tá com ares de que tá fora de ordem (mais especificamente, em ordem indireta). Trata-se da figura da inversão:

Também é considerada como figura de construção a “Inversão”, aonde ocorre a mudança da ordem direta dos termos na frase (sujeito + predicado + complementos).
Exs.:”Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo heróico o brado retumbante” (Hino Nacional Brasileiro) (ordem direta: As margens do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heróico.)

Então, vamos colocar o texto em ordem direta pra entender a bagaça.

Letra oficial Texto em ordem direta
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas

De um povo heroico o brado retumbante,

E o sol da Liberdade, em raios fúlgidos,

Brilhou no céu da Pátria nesse instante.

 

Se o penhor dessa igualdade

Conseguimos conquistar com braço forte,

Em teu seio, ó Liberdade,

Desafia o nosso peito a própria morte!

 

Ó Pátria amada,

Idolatrada,

Salve! Salve!

 

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido,

De amor e de esperança à terra desce,

Se em teu formoso céu, risonho e límpido,

A imagem do Cruzeiro resplandece.

 

Gigante pela própria natureza,

És belo, és forte, impávido colosso,

E o teu futuro espelha essa grandeza.

 

Terra adorada

Entre outras mil

És tu, Brasil,

Ó Pátria amada!

 

Dos filhos deste solo

És mãe gentil,

Pátria amada,

Brasil!

As margens plácidas do Ipiranga ouviramo brado retumbante de um povo heroico,

e, nesse instante o sol da Liberdade brilhou,

em raios fúlgidos, no céu da Pátria.

 

Se conseguimos conquistar com braço forte

o penhor desta igualdade,

em teu seio, ó Liberdade, o nosso peito

desafia a própria morte!

 

Ó Pátria amada ,

idolatrada,

Salve! Salve!

 

Brasil , se a imagem do Cruzeiro resplandece

em teu céu formoso, risonho e límpido,

um sonho intenso, um raio vívido

de amor e de esperança desce à terra.

 

És belo, és forte, impávido colosso,

gigante pela própria natureza,

e o teu futuro espelha essa grandeza

 

Ó pátria amada,

Brasil, [apenas ].tu,

entre outras mil [terras],

és adorada!

 

Pátria amada, Brasil,

és mãe gentil dos filhos deste solo!

 

 

Deitado eternamente em berço esplêndido,

Ao som do mar e à luz do céu profundo,

Fulguras, ó Brasil, florão da América,

Iluminado ao sol do Novo Mundo!

 

Do que a terra mais garrida

Teus risonhos, lindos campos têm mais flores,

“Nossos bosques têm mais vida”,

“Nossa vida” no teu seio “mais amores”. (*)

 

Ó Pátria amada,

Idolatrada,

Salve! Salve!

 

Brasil, de amor eterno seja símbolo

O lábaro que ostentas estrelado,

E diga o verde-louro dessa flâmula

– Paz no futuro e glória no passado.

 

Mas se ergues da justiça a clava forte,

Verás que um filho teu não foge à luta,

Nem teme, quem te adora, a própria morte.

 

Terra adorada

Entre outras mil

És tu, Brasil,

Ó Pátria amada!

 

Dos filhos deste solo

És mãe gentil,

Pátria amada,

Brasil!

Ó Brasil, florão da América,deitado eternamente em berço esplendido,

ao som do mar e à luz do céu profundo,

fulguras iluminado ao sol do Novo Mundo!

 

Teus campos lindos, risonhos, têm mais flores

do que a terra mais garrida; [e assim como]

nossos bosques têm mais vida,” [também]

“nossa vida” no teu seio [tem] “mais amores”

 

Ó Pátria amada,

idolatrada,

Salve! Salve!

 

Brasil, [que] o lábaro estrelado que ostentas

seja símbolo de amor eterno,

e o verde-louro dessa fâmula diga:

– Paz no futuro e glória no passado.

 

Mas se ergues a clava forte da justiça,

verás que um filho teu não foge à luta,

[e] quem te adora não teme nem a própria morte.

 

Ó pátria amada!

Brasil, [apenas ].tu,

entre outras mil [terras],

és adorada!

 

Pátria amada, Brasil,

és mãe gentil dos filhos deste solo!

 

 

O asterisco (*) indica as citações do Hino à Canção do Exílio, de Gonçalves Dias e que, por isso, devem ser grafadas com aspas.

E antes de eu seguir adiante, faz-se mister ah, eu acho essa expressão linda! O problema é como usá-la sem ficar ridículo. explicar essa história de arrumar a ordem das frases do Hino. Eu sabia que isso já tinha sido feito antes, e descobri a tarefa pronta neste site aqui. Mesmo sem a licença da digníssima autora, copiei o conteúdo. Mas faço questão de avisar que a autoria da ordem direta do Hino não é minha.

Isto posto, voltemos à letra. Ficou bem mais fácil de entender a mensagem, né? Espero que também tenha ficado claro por que não existe crase na frase ouviram do Ipiranga às margens plácidas. (É porque, em ordem direta, a frase vira as margens plácidas do Ipiranga ouviram (…) . Há quem interprete a frase como sujeito oculto: [eles] ouviram às margens plácidas do Ipiranga, mas essa interpretação está simples e solenemente errada. Foram as margens plácidas do Ipiranga que tiveram o trabalho de ouvir o brado retumbante de um povo heroico etc. e tal.)

Aliás, fico passada como tem gente que não sabe o que é um brado retumbante! Gente, brado retumbante é libertador, viu? Brado = grito; retumbante = que retumba, que ecoa. Não é um grito qualquer, é um belo de um grito. E com équio! 😀

Se nego ainda não percebeu que o tema da primeira estrofe é o grito de Independência, melhor tomar um cafezinho e voltar com neurônios renovados.  Mas a segunda estrofe já traz um certo complexo de vira-latas: “conseguimos conquistar na marra o penhor da igualdade” <– quer dizer, a igualdade é nossa, mas a gente pagou por ela um preço que a gente inda num sabe  se vai conseguir pagar. Penduramos as joias pra termos um cadim de igualdade. Medo, muito medo. (ou será que o braço forte da história indica que o penhor da igualdade acabou por ganhar um belo dum calote? enfim, quero só ver você, aluno copião e colão, se livrar dessa minha análise sozinho, por conta própria, sem perder o sentido e sem sue professor perceber sua kibada. RÁ!)

No mais, o Novo Mundo ou Novo Continente são as Américas (do Norte, Central e do Sul), em contraponto ao Velho Mundo ou Velho continente (a Europa). E o Cruzeiro que resplandece não é referência à antiga moeda brasileira, não. Trata-se da constelação do Cruzeiro do Sul, facilmente vista no céu brasileiro.

Quanto à coleção de palavrinhas que você deve estar se perguntando que raios significa (lábaro? florão? garrida?) prometo fazer um post só com os significados dessas palavras, porque este daqui já abusou do direito de ficar enorme!

E se você chegou até o fim deste texto perdidaço por não saber que negózdi O Virundu é esse, eu explico: O Virundu é o som criado no embalo do cantar das duas primeiras palavras do hino: “Ouviram do”. RÁ!

Mas espere! Você sabia que a primeira parte do Hino Nacional, que não é cantada, tem letra?

Vamos ouvir essa historinha deliciosa:

Realeza remontada – ou a Real Vergonha Alheia

sexta-feira, abril 29th, 2011

Daí que neste dia de casório real lá pelas terras inglas (copyright Barão de Itararé) de dona Elizabeth, recebo via twitter do @ramiro_fc o link para o site da Família Real Brasileira. Se você começou a rir só de ler o título, você vai chorar ao clicar no link. Porque para um tema do qual só se espera pompa e circunstância, o nível do português é de xurraxcão na laje. Isso, claro, é preconceito meu, porque aposto que frequentadores de churrascos em lajes devem falar português muito mais castiço do que o dos Orleans e Bragança versão brasileira.

Só pra dar uma idéia do nível da bagaça, permitam-me esculhambar reescrever o texto sobre a Casa Imperial brasileira, que pode ser lido aqui (antes de ler, reparem na quantidade de texto vermelho, original, e na quantidade de texto azul, minhas observações. Isso da idéia da quantidade de bosta que eu enfrentei…):

A Família Imperial Brasileira

Muitos brasileiros ficam espantados com o simples fato de saber que no Brasil existe uma família imperial, [Vossas Altezas vão me desculpar, mas essa vírgula foge ao protocolo. Ponto funcionaria melhor, sabe?] os poucos que conhecem conheceram [conhece ou conheceram? As Altezas, certas de sua superioridade dinástica, furtaram-se ao simples ato de releitura e correção de uma redação? afff!] a face desta família, que fora construida [Aê, Altezas: vamos coroar esse verbo com um acentinho básico? Acento esse que, claro, é muito inferior à imperial Coroa – mas obrigação protocolar, sabe? cons-tru-Í-das. Grata.] sobre o imaginário republicano[não entendi como pode uma família real construir-se sobre o imaginário republicano, mas né? Diz o protocolo que não se deve questionar reis e rainhas – tampouco dizer HEIN? ACUMA? IXPLICA? E como eu não estou aqui pra quebrar protocolos, calo-me]. Depois de 114 Anos de República, e tendo nossa Pátria resistido os mandos e desmandos de infelizes mandatários que se estendem até os dias de hoje. [com todo o respeito, mas eu acho que Vossas Altezas não entenderam direito como se pontuam frases em bom Português. O ponto é como se fosse uma tecla de enter, pra jogar a informação da frase pra dentro do cérebro. Já a vírgula é pra arrumar as idéias dentro de uma mesma frase. Portanto, oh, altezas, esse ponto ficaria melhor se fosse vírgula, OK?] A Família Imperial Brasileira ainda é tida como a reserva moral da nação [Aham, Altezas. Mas deixa isso prá lá. Não quero entrar no mérito do conteúdo do texto. Tô aqui pra corrigir a gramática e a pontuação…] . Nossos príncipes remontam a […, caso da crase faltante desse a aí do lado] época da Indepêndencia do Brasil, e poucos sabem que na realidade remontam a Hugo Capeto (940-996) que fora Rei da França em 987 [tá, geral na Família Imperial é tudo remontado, isso deu pra entender. Mas se vossas Altezas aceitassem um reinado de precisão redacional em vossos altivos neurônios, teriam explicado que a Casa Real Brasileira inaugurou-se na época da independência com a coroação de D Pedro I, monarca oriundo de uma linhagem (esta sim) que remonta a Hugo Capeto. Vou nem questionar vossos altivos conhecimentos de história. Tô só colocando os pingos no  is, OK? e ó, vou creditar como esbarrão de dedo: indepenDÊNcia tá com o acento na sílaba errada. tem que ver isso aí – Obrigada pelo aviso, Ana! 😀 ] . Isto a precisamente a 1017 Anos [Olha, Vossas Altezas que me perdoem a expressão chula, mas preposição a pra indicar tempo passado É O CARALHO vosso altivo membro peniano!! E ainda dizem “precisamente”!!! Atenção, portanto, monarcas e plebeus luso-parlantes: tempo passado é indicado com o verbo haver; tempo futuro é indicado com a preposição a. Juro por Deus que vou fazer um post especial só sobre isso! Mas o lance do Hugo Capeto foi HÁ precisamente 1017 anos!!!! Vou nem entrar no mérito de Anos grafado com maiúscula, nem que números maiores que 1.000 precisam desse pontinho pra separar as ordens de grandeza] !!
Tendo [eu TENHO uma implicância especial com frases iniciadas por gerúndio] na sua árvore genealogica, [Façam o favor de rapar fora essa vírgula daí que ela não serve pra nada?: Gradicida! E genealÓgica tem acento, ô coisa! (deu pra reparar que eu tô perdendo paciência, pompa e circunstância com esse povinho, né?)] obviamente a Princesa Isabel, Dom Pedro II, Dom Pedro I e Dom João VI [contradição detectada: como pode a família real brasileira “remontar-se” à época da independência, e o parágrafo seguinte listar na família real Brasileira D. João VI, que nunca foi imperador do Brasil, mas do REINO UNIDO DE PORTUGAL, BRASIL E ALGARVE? Coerência histórica, a gente não vê por aqui!]. Os príncipes do Brasil tem em linha varonil direta, [Não sei se me irrito mais com essa vírgula mal colocada ou com a linha varonil direta… tô aqui imaginando uma vara de quase 800 anos de comprimento, mas deixa isso prá lá. E eu fiquei tão impressionada com a vara de 800 anos 😮 que nem reparei que os príncipes do Brasil tÊm. Não fosse uma leitora pra avisar, passaria em branco! ] São Luiz (Luiz IX) Rei Cruzado da França (1214-1270) pela parte Orleans. Pela parte Bragança remonta a Dom Afonso, Primeiro Duque de Bragança, que se casou com a filha de Dom Nun’Alvares Pereira, Condestável de Portugal [Condestável? Pedi socorro pra tio Antônio Houaiss, que me contou que condestável é um posto militar que só perde em importância pro rei. Mas isso não aplacou minha sana por trocadilhos infames, ah, não aplacou!] .
[MA CHEEEE! Quebrou parágrafo por quê? O assunto continua o mesmo…. Outra coisa: começar frase com conjunção aditiva E não é pra qualquer um, não! Eu faço isso direto, mas releio meu texto e vou trocando sempre que possível! Esse e daí ficou HOR-RO-RO-SO!] E também pela parte Wittelsbach remontando [ô fixação por montaria, viu? Ticontá…] a Oto de Wittelsbach (Conde Palatino da Baviera em 1156). [De novo! Esse ponto daí não tem nada a ver com o andamento do texto! Taca vírgula, ô coisa! <– é, meu protocolo foi-se todo] Vemos bem que a nossa família imperial remonta a muito mais tempo do que imaginamos [eparrê-iansã! Essa frase tá tão mal construída, mas tão mal construída (culpa da fixação por montaria), que esse a daí tá mais pra verbo haver. Ou não? Na dúvida, melhor reescrever!] !
É sendo assim que com orgulho [<– É sendo assim que com orgulho? Esse texto deu foi Vergonha Alheia, isso sim!] divulgamos a nossa Causa [Ok, este trocadilho eu não perco: é pra divulgar a casa ou a caUsa? QUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA prontopassou] , que é pela Restauração da Monarquia no Brasil [mentira, não passou, não! vou rir de novo aqui: QUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA], interrompida por uma quartelada que não chegava a representar 1% do Exército na aquela época [na aquela época? G-zuz! Mas enfim, aham, altezas. Acho só que vossas imperialezas já se esqueceram do plebiscito de 1993… tsk, tsk, tsk, memória seletiva, que coisa mais feia…] . Erram, e erram feio [e ó: aqui caberia uma vírgula, sabe? Cadência, elegância…] aqueles que pensam que a República fora [ai, que mais-que-perfeito feioso!] um regime que trouxe a democracia ! Vejam quantas vezes esta “democracia” fora[Pros que não entenderam a ironia, a palavra certa pra definir o mais-que-perfeito aqui e na outra frase não é “feioso”. É “errado’, mesmo!] interrompida por golpes, mandos e desmandos ! E lembrai-vos que aqueles que quiseram a República eram aqueles que queriam a continuação do Regime Escravocrata. Sendo assim vamos libertar o Brasil de um jugo que ha 114 Anos [tá. Agora Vossas altezas podem explicar POR QUE AQUI VOCÊS USARAM O VERBO HAVER INDICANDO PASSADO CORRETAMENTE (ainda que sem o acento), E LÁ EM CIMA USARAM ERRADO? E por quê Anos foi grafado com letra maiúscula? Consistência, a gente não vê na Família Imperial!] o entorpece em seu crescimento e sua soberania como nação.

Bom, vou só lembrar a Família Real que o Capítulo III, Artigo 13 da Constituição Federal determina que A Língua Portuguesa é o idioma da República Federativa do Brasil. Entendo que as altezas não reconheçam o país como uma República, mas CACETE, DÁ PRA ENTENDER QUE É NECESSÁRIO FALAR PORTUGUÊS FLUENTEMENTE PRA REINAR POR AQUI, DÁ?

E, como estou boazinha, vou reescrever essa coisorrorosa daí de cima, pra ver se vai ornar com um mínimo de classe e elegância típicos de um português bem escrito.

A Família Imperial Brasileira

Muitos brasileiros ficam espantados com o simples fato de saber que no Brasil existe uma família imperial. Os poucos que conhecem a face desta família percebem-na a partir de uma imagem constituída em épocas republicanas, ao longo de 114 anos nos quais nossa pátria vem resistindo aos mandos e desmandos de infelizes mandatários que se estendem até os dias de hoje. A Família Imperial Brasileira ainda é tida como a reserva moral da nação. A fundação da Família Real brasileira ocorreu ainda na época da Independência do Brasil, com a coroação de D Pedro I Imperador do Brasil. Nosso primeiro monarca vem de uma linhagem real que começa em Hugo Capeto (940-996), Rei da França em 987 – uma linhagem de 1.017 anos!

A árvore genealógica da família brasileira divide-se em três ramos. Os atuais herdeiros descendem diretamente da Princesa Isabel, Dom Pedro II, Dom Pedro I e Dom João VI. Pelo lado Orleans, os príncipes do Brasil têm em linha varonil direta São Luiz (Luiz IX) Rei Cruzado da França (1214-1270) e, pela parte Bragança, seu primeiro membro foi Dom Afonso, Primeiro Duque de Bragança, que casou-se com a filha de Dom Nun’Alvares Pereira, Condestável de Portugal. O terceiro ramo da família real brasileira liga-se aos Wittelsbach, até Oto de Wittelsbach (Conde Palatino da Baviera em 1156). Percebe-se que nossa família imperial é muito mais tradicional do que se imagina!

Portanto, é com orgulho que divulgamos a nossa causa da Restauração da Monarquia no Brasil, interrompida por uma quartelada que não chegava a representar 1% do exército àquela época.

Erram, e erram feio, aqueles que pensam que a República foi o regime que trouxe a democracia ! Vejam quantas vezes essa “democracia” foi interrompida por golpes, mandos e desmandos!

E lembrai-vos que aqueles que quiseram a República eram os que queriam a continuação do Regime Escravocrata.

Portanto, vamos libertar o Brasil de um jugo que há 114 anos o entorpece em seu crescimento e sua soberania como nação.

Ainda assim, vamos combinar que esse estilo de redação é sofrível.

A caminho da crase III – regência errada faz Reuters acusar Angelina Jolie de explorar os refugiados líbios

terça-feira, abril 5th, 2011

Daí que essa escorregada feia da tradução da Reuters (reproduzida por T-O-D-O-S os jornais do Brasil) vai servir de abre-alas pro próximo post, esse sim sobre crase.

Bom, antes que me perguntem o original táqui.

O título diz uma coisa e o primeiro parágrafo desmente o título e diz outra. Legal, né?

Ó só:

Angelina Jolie pede ajuda a refugiados da violência na Líbia [como é que é, zifia? Os refugiados vão dar ou vão receber a ajuda?]

A atriz e embaixadora da boa vontade da ONU Angelina Jolie fez um apelo nesta terça-feira  à comunidade internacional pedindo por ajuda às pessoas [arrá! Então é a comunidade intgernacional que recebeu o pedido de ajuda da Angelina Jolie! E os refugiados é que vão receber a ajuda! Ah, então tá bom!) que estão fugindo do conflito na Líbia e por maior assistência a quem permanece no país.

Diagnóstico da Bruxa: O título é que ficou com duplo sentido. Deixar o a como preposição ali foi de uma infelicidade tremenda, pois ele acabou dizendo que os refugiados vão receber ou oferecer a ajuda. Precisão no texto?  Não trabalhamos.

Eu faria assim pra consertar o título:

Angelina Jolie pede POR ajuda a refugiados da violência na Líbia

Ainda assim, curti muito esse título, não…

E aí? ficou feio?

Alguém tem sugestão melhor?

Mas ponham bastante reparo nas duas crases do primeiro parágrafo. Elas estão liiindas! Fresquinhas, certinhas, cheirosinhas e gostosas! 😀

E, antes que eu me esqueça, deixa eu colar aqui a prova de tio gúgou de que TODOS foram atrás desse título horroroso. ó só:

(E meus agradecimentos à @verbofeminino que enviou o link do Estadão pelo Twitter!)

A caminho da crase II – Exercícios

terça-feira, abril 5th, 2011

Desculpem. Tô devendo este post aqui há mó tempão. Espero que ajude, viu?

As respostas estão aí embaixo, no final do post. Pintadas de branco que é pra você não ver nadica. Se você clicar em “selecionar tudo”, copiar e colar no seu aplicativo de texto, vai ver as ditas normalmente.

1- Identifique quais são as classes gramaticais dos a nas frases abaixo
(é pra dizer naonde ele é preposição e naonde ele é artigo!)

a) Maria é a moça que mamãe pediu pra nora

b) A idiota não viu que o motor é movido a gasolina, e completou com álcool

c) A menina é movida a esporro! Depois que a mãe brigou, ela arrumou a sala que deixou bagunçada.

d) A merda não é apenas um estado de espírito.

e) fogão a Lenha? Grandes bostas! Quero um fogão movido a peido, bem mais prático!

f) Hermengarda pede ajuda a ricos para que a plantação de orégano fique viçosa

g) O encontro foi regado a vinho no momento em que a cerveja acabou

 

 

 

Aqui começam as respostas:

a) a moça = artigo

b) A idiota = artigo; a gasolina = preposição

c) A menina = artigo; a esporro = preposição; a mãe e a sala = artigo

d) A merda = artigo

e) a lenha = preposição; a peido = preposição

f) a ricos = preposição; a plantação = artigo

g) a vinho = preposição; a cerveja = artigo

Aqui terminam as respostas

A caminho da crase I – as várias facetas gramaticais do A

sábado, março 26th, 2011

Iiiiiiiiiiiiiihhhhh, bruxa! Que título mais intelectual! entendi lhufas! Dirá você, dileto leitor ectoplasma suíno – barra – ameba escrevente. Mas calma. Eu estou aqui pra mastigar tudo procêis.

Tô aqui desconfiando que quem não entende ou desiste de entender a crase é porque, na verdade, não entendeu as funções gramaticais do a. Gente, não é à toa que o a designa o gênero feminino! Tal qual uma mulher das boas, ele superacumula funções em sua existência.

Se nós somos mulheres, mães, esposas, filhas, profissionais etcetcetc, o a é substantivo, artigo, preposição e, glórias das glórias, culmina por fazer jornada dupla numa frase como artigo e preposição – é a crase.

Mas vamos beeeem devagarzinho que é pra gente ir deglutindo a informação aos pouquinhos, como se fosse um bom drink cheio de gelo que vem naqueles copões…

Comecemos, pois, pelo artigo. Crianças, pra que serve um artigo? (Como eu sei que vocês não sabem e eu não vou ter uma resposta clara assim, de chofre, recorro à Gramática Contemporânea da Língua Portuguesa, de José de Nicola e Ulisses Infante:)

“Artigo é a palavra que precede o substantivo, indicando-lhe o gênero e o número, ao mesmo tempo em que generaliza ou especifica [o substantivo].”

Portanto, o artigo a indica e determina um substantivo:

A menina; A árvore; A bicicleta; A bola; A mulher; A [já deu, né?]

 

Ih, bruxa, isso é fácil, eu entendi!

GLÓRIA AO SENHOR NO REINO DOS CÉÉÉÉUS!!! \o/ 😀

Então, vamos pruma classe de palavras pouquinha coisa mais complicada (mas que a gente usa a rodo)

Crianças, pra que serve uma preposição? (Direto pra tios Nicola e Infante:)

Preposição é a palavra invariável que une termos de uma oração, estabelecendo entre eles várias relações. [Opa! Como diria a Katylene, é soorooba? \o/] (…) A preposição tomada isoladamente nada significa; ela só tem valor gramatical dentro de um contexto. Não exerce propriamente uma função sintática, é considerada um mero conectivo.

Lischeenha básica de preposições que vocês vão usar muito pra entender a crase:

ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob, sobre, trás, e o a, que eu deixei por último de propósito.

O que os tios Nicola e Infante esqueceram de dizer sobre as preposições é que elas são, quase sempre, classe mó unida. Quando uma falta, outra corre e fica no lugar da primeira. O a preposição é useiro e vezeiro dessa união, já que faz tanta hora extra. Isso eu mostro mais tarde, no capítulo de crases!

Mas deixemos de lado as preposições outras. Vamos nos ater aqui apenas ao a. Segue outra lischeenha, em que o a atua única e exclusivamente como preposição:

Motor a explosão

Fogão a lenha

Movido a corda

Dia a dia

Vou a Brasília

Marcha a ré


Viram como ele ficou diferente, tá com um compromisso diferenciado (OK, podem me matar! Eu escrevi diferenciado!) na frase?

Então, fiquem por aí remoendo essas coisas todas que eu volto noutro post com uma lista de exercícios pra ajudar vocês a fixar bem esse negózdi a preposição.

Aí a gente entra noutro post só pra crase…

Aprendizado visual x aprendizado racional

sexta-feira, março 25th, 2011

Num guento mais explicar e nego continuar errando a bagaça. Agora, vou quase desenhar a coisa:

Verbo trazer, presente do indicativo:

Eu trago

Tu trazes

Ele/ela traz

 

Preposição:

ficar para trás

olhar para trás

 

Certa de ter ajudado a todos, subscrevo-me.

PresidentA. É lei! Do Juscelino!

sexta-feira, março 25th, 2011

Vou voltar à discussão do presidente X presidenta. Pra me contradizer e nunca mais voltar ao assunto!

Vocês devem se lembrar aqui que eu reconheci que as duas formas (presidentE e presidentA) estão corretas para se referir a uma mulher que ocupe o cargo de presidente do que quer que seja, né?

OK, muitas mulheres (Dilmavana inclusive) defendem a preferência pelo termo presidentA para se impor ao machismo e patriarcado reinante etcetc pereré pão duro whiskas sachê blablablá. Mas eu acho que a vogal a já tem atribuições demais em sua vida (substantivo, artigo, preposição, crase mal-compreendida) pra ter que carregar sobre seu ângulo de 45 graus um peso tão importante como esse. Mas respeito a decisão e o raciocínio.

Até que a Cristine Marchini (@madycris) me enviou, por twitter, a lei 2.749 de 1956. O original está aqui.

(Muito obrigada pelo link, Cristine!)

LEI Nº 2.749, DE 2 DE ABRIL DE 1956

Dá norma ao gênero dos nomes designativos das funções públicas

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art 1º Será invariavelmente obervada a seguinte norma no emprego oficial de nome designativo de cargo público:
“O gênero gramatical desse nome, em seu natural acolhimento ao sexo do funcionário a quem se refira, tem que obedecer aos tradicionais preceitos pertinentes ao assunto e consagrados na lexeologia do idioma. Devem portanto, acompanhá-lo neste particular, se forem genericamente variáveis, assumindo, conforme o caso, eleição masculina ou feminina, quaisquer adjetivos ou expressões pronominais sintaticamente relacionadas com o dito nome”.

Art 2º A regra acima exposta destina-se por natureza as repartições da União Federal, sendo extensiva às autarquias e a todo serviço cuja manutenção dependa, totalmente ou em parte, do Tesouro Nacional.

Art 3º Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Rio de Janeiro, 2 de abril de 1956; 135º da Independência e 68º da República.

JUSCELINO KUBITSCHEK

Nereu Ramos

 

Tradução aplicada:  sentou na cadeira de Presidente da República Federativa do Brasil e é mulher, deve ser chamada de PresidentA. Desde 1956.

Que se dane a ambiguidade da Língua Portuguesa.

Já que jota-cá assinou, eu me resigno e passo a adotar o termo presidentA. Argh!

E fico a esperar que toda a imprensa brasileira acate a lei.

Pérolas de relatórios rurais

terça-feira, março 22nd, 2011

Tenho horror daqueles e-mails do tipo “pérolas dos vestibulandos” por um motivo muito simples: não tenho como confirmar a veracidade do conteúdo.

Além do quê, chega uma hora em que as pérolas dos vestibulandos passam a ter uma linha de raciocínio de escárnio muito similar (traduzindo: fica parecendo que algum humorista “deu um tapa” de estilo ali).

E sei que nada será capaz de superar o relato de Stanislaw Ponte Preta de um relatório de um delegado do Mato Grosso sobre um crime político (Febeapá, pág. 17):

“A vítima foi encontrada às margens do rio Sucuriu, retalhada em quatro pedaços, com os membros separados do tronco, dentro de um saco de aniagem, amarrado e atado a uma pesada pedra. Ao que tudo indica, parece afastada a hipótese de suicídio.”

Mas isso tudo daí de cima é pra introduzir uma série de pérolas que eu consegui. Ah, dona Bruxa, olha a incoerência! Vai postar coisa que você não acredita, é? Vou não, zifios! É que neste caso daqui a veracidade do conteúdo tá confirmadésima.

Seguinte: um banco (cujo nome não fornecerei) er… por assim dizer brasileiro, e com sede em Brasília (hum? hum?) possui um departamento de crédito agrícola. Uma das funções desse setor é fiscalizar o uso e o benefício ou não dos empréstimos feitos para os setores agrícola e pecuário. Essa fiscalização é feita por funcionários do próprio banco,  que fazem visitas às propriedades rurais em questão e fazem relatórios técnicos (temo muito quando alguém me diz que qualquer coisa tem linguagem técnica) da situação.

Daí o que fica arquivado nos anais (ui!) do banco são coisas desse nível (aviso: textos transcritos exatamente conforme os originais).

Visitamos o açude nos fundos da fazenda e depois de longos e demorados estudos constatamos que o mesmo estava vazio. Pessoa esforçada, com intenções claras de valorizar o salário que ganha.

Era uma ribanceira tão ribanceada que se estivesse chovendo e eu andasse a cavalo e o cavalo escorregasse, adeus fiscal. pelo visto, a coisa é mesmo íngreme, né?

Na minha opinião, acho bom o banco suspender o negócio do cliente para não ter aborrecimentos futuros. Sei. Viagra e fritas acompanham?

Sol castigou o mandiocal. Se não fosse esse gigante astro, as safras seriam de acordo com as chuvas que não vieram. Uma conclusão conclusiva, néam?

‘Cobra’ – comunico que faltei ao expediente do dia 14 em virtude de ter sido mordido pela peçonhenta epigrafada. um dia esse dái via aprender a diferença entre veneno e peçonha. Mas deixa prá lá, né?

Os anexos seguem em separado. anexou mas separou! Legal, zifio! Eu sigo no aguardo, então, tá bom?

Se não fosse o sol, tudo indica que a chuva aumentasse a safra. outra conclusão bem conclusiva.

Cliente aguarda a capilaridade pluviométrica da zona para plantar a mandioca em local macio e úmido. er… medo de perguntar que tipo de especialista mandou plantar essa mandioca, viu?

A casa de farinha nunca foi para frente porque o mutuário que fez o empréstimo deu para tráz trás, bosta! é trás!] e nunca mais se levantou. O zifio morreu, é isso?

Fui atendido na fazenda pela mulher do mutuário. Segundo fiquei sabendo, ninguém quer comprá-la e sim explorá-la. Diz que você tá falando da fazenda, diz!

Imóvel de difícil acesso. O mato tomou conta de tudo, deixando passagem só para animal rasteiro. Próxima vistoria deve ser feita por fiscal baixinho. <– exemplo de escárnio

A máquina elétrica financiada é toda manual e velha. Fazendeiro financiou a máquina elétrica mas fez todo o trabalho braçalmente e animalmente. Imediatamente a gentemente pensamente que o sujeitamente não entendemente como utilizarmente advérbiosmente de modomente, némente?

Gado está gordo e forte, mas não é financiado e sim emprestado somente para fins de vistoria. O filho do fazendeiro está passando férias na Disney. #euri

Trajeto feito a pé porque não havia animal por perto, só o burro do fazendeiro. Despesa de locomoção grátis. patrocínio: lombo do fazendeiro

Contrato permanece na mesma situação da vistoria anterior, isto é, faltando fazer as cercas que não ficaram prontas. aham…

Mutuário adquiriu aparelhagem para inseminação artificial mas um dos touros holandeses morreu. Sugerimos treinamento de uma pessoa para tal função. não sei se imagino a dor do touro morrendo por causa disso, ou se imagino qaue o próximo inseminado será da espécie humana… Ai!

Tempo castigou a região. O sol acabou com a farinha e chuva com feijão. Que lindo! Esse conseguiu inté rimar!

As garantias permanecem em perfeito estado de abandono. Cliente vive devidamente bêbado e devendo aos bares e a Deus e ao mundo. tem como não amar essa sinceridade quase naïf?

A erradicação da plurieuforbiácea carece das condições pluviométricas. Só quero saber se o zifio em questão entendeu o que escreveu. Fazer-se entender  prá quê, né?

A euforbiácea foi substituída pela musácea sem o consentimento e autorização de nosso querido banco. Deve ter sido o memso autor da frase de cima. Inda puxou o saco da chefia…

 

Curti muito isso. quando tiver mais, eu publico! \o/

Bons hábitos, bons exemplos

quinta-feira, fevereiro 24th, 2011

Este post é mais uma kibada portuguesa desta bruxa que vos fala: copio no blog original, colo aqui e dou o link pro blog original. Ele foi originalmente escrito hoje mesmo, no blog da Rede Mulher e Mãe, mais precisamente aqui, pela minha amiga desertora Tatiana Passagem, que está de mudança para São Paulo.

Só pra enfatizar ainda mais a prática deste bom hábito, digo que o filho da Tatiana, o Vítor, pediu pra mãe fazer um blog pra ele, este aqui. dá pra perceber que não é ele quem escreve, mas é um trabalho em dupla, entre mãe e filho: ele diz sobre o que quer escrever, ela ajuda na pesquisa, ele vai ditando o texto pra ela (ela digita mais rápido) e vai dando uns tapas na redação. O resultado é um conteúdo originalmente infantil, com uma excelente apresentação, que mantém o tom lúdico do autor do blog. Enfim, uma idéia (boas idéias merecem acento) do cacete levada a cabo pela Tatiana.

Tudo isso pra dizer que eu tô aqui morrendo de vergonha por não ler pro meu filho nem um décimo do que a Tati lê pros filhos dela (a Alice, outra filha dela, é poucos meses mais nova que o meu Feiticeirinho).

Então, fiquem com o (sempre) excelente texto da Tatiana, e dá licença que eu vou ler pro meu fiote, gente! \o/

***

AS CRIANÇAS E O MUNDO MÁGICO DOS LIVROS

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011  Postado por Thaty
Aproveitando o embalo da Ciranda da Leitura “Pequenos Leitores” (que por sinal está fazendo um sucesso TREMENDO. Já temos mais de 60 crianças inscritas, a mais nova com 5 meses – uma ainda na barriga – e a mais velha com 14 anos), vamos falar de crianças e livros hoje?
Eu acredito que não existe idade mínima para se apresentar uma criança a um livro. Antes que eu tivesse os meus filhos, achava que isso era um contra senso. Como assim ler para um bebê? Claro que ele não vai entender nada! Mas eu estava errada. Meus dois filhos sempre gostaram de me ouvir lendo pra eles. Não sei se era o som da minha voz ou as figuras coloridas dos livros, só sei que funcionava. E, pra me surpreender ainda mais, quando a Alice nasceu, com apenas 1 mês, ficava bem quietinha deitada ao lado do irmão, escutando-o ler para ela. Uma imagem de derreter e aquecer um coração materno.
Os dois tem muitos livros. Alice herdou (e destruiu) alguns dos livros que o Vítor tinha quando era pequeno. O que me mostrou mais uma vez que as crianças são diferentes: para deixar na mão dela sem supervisão, só livros de pano ou de banho, porque ela leva muito a sério aquela história de que o livro é o pão do espírito…rs Já o Vítor está se aventurando por mundos mais avançados, como Harry Potter, Crônicas de Nárnia e Como treinar seu dragão.
No fim das contas, eu continuo lendo para os dois, mesmo que o Vítor já saiba ler desde os 5 anos. Leio basicamente por dois motivos: primeiro porque gosto desse momento entre nós dois. Adoro aquela cena dele deitadão na cama, ouvindo a história e criando mil imagens em sua cabecinha. Segundo porque os livros que estou lendo pra ele tem algumas palavras mais difíceis, se ele for ler sozinho acaba desistindo. Então eu sempre leio um ou dois capítulos e paro no auge da ação, fazendo o maior suspense. Quase sempre, no dia seguinte, assim que acorda, ele pega o livro e lê mais um bocado sozinho. Não sem vir me perguntar o significado de um monte de coisas, né? Mas faz parte!
Pra mim, a leitura é um ticket para outra dimensão. Eu sei que é clichê dizer que você viaja sem sair do lugar quando lê, mas eu preciso dizer isso também! Mas é muito mais do que só isso, você entra na vida do personagem, se sente como outra pessoa, sai completamente da sua realidade. Um bom livro tem o poder de fazer você esquecer do lugar onde está, mesmo que seja cheio de pessoas e completamente barulhento. E eu penso: como não apresentar essa maravilha aos meus filhos?
E não podemos esquecer de outro poder dos livros: ajudar nossos filhos a lidar com seus problemas. Ele está com medo do escuro? Há um livro sobre isso. Não quer usar o pinico? Tem outro sobre isso também. Está fazendo pirraça. Sim, também tem. E como se isso não fosse suficiente, existem pessoas que vivem de escrever histórias específicas para uma criança específica. Uma vez o Vítor estava meio “revoltado” na nova escola. Coisas que nunca tinha feito antes, como bater em coleguinhas, passaram a acontecer frequentemente. Conversei com uma amiga que faz esse trabalho de escritora e ela fez para ele um lindo livro, onde ele tinha o mesmo super poder do seu personagem favorito do desenho Os Impossíveis e que estava mudando de escola, onde ele podia fazer natação numa piscina de suco de uva e praticar capoeira com ervilhas saltitantes. No final da história, ele conseguia ajudar os novos colegas com seu super poder e via que a nova escola também era legal. Pergunta se ele não adorou?
Acho que eles gostam de ler não só porque eu incentivo, mas também porque eles me vêem fazer isso. Eu sou do tipo que não pode entrar numa livraria, porque quero sair de lá com 5 ou 6 livros de uma vez só. E leio todos eles. Se eu pudesse ($$), leria um livro por semana, ou mais. Nunca me esqueço que uma vez, uma professora do Vítor veio me contar que ele falava pra ela que “a mamãe está sempre com um livro na mão”, ao justificar para ela porque ele também gostava de livros. Só espero que eles mantenham isso pelo resto da vida.
E vocês, também lêem para seus filhos? E os maiores, gostam de ler? Têm alguma dica para as mães cujos filhos não gostam de ler?

Verbinho irrelevante, texto nem tanto

terça-feira, fevereiro 1st, 2011

Bruxa, repita: Não devo negligenciar minha caixa postal. Não devo negligenciar minha caixa postal. Pronto! Agora pára de perder tempo repetindo idiotice e bora gerar conteúdo com os troço que geral te manda por e-mail! E larga de ser preguiçosa!

Enfim, recebi esta tetéia por e-mail. Como o querido ectoplasma suíno não se manifestou a respeito, vou seguir o procedimento padrão e não identificá-lo.

O negócio é que ameba se amarra num neologismo idiota e sem sentido para tirar o dar sentido a seu texto dela. Dessa lavra de criatividade duvidosa e mau gosto inconteste surgiram expressões assombrosas como o verbo objetivar (com um gerúndio passível de substituição por uma singela preposição) e o disponibilizar. Eu ao menos arranjei alguma utilidade pra essas aberrações, e batizei o meu caldeirão com elas.

O dileto ectoplasma suíno do e-mail identificou outro rococó-empolêixon de ameba escrevente neste site aqui. Olha só a tchutchuca:

Daí eu fui ter com tio Antônio, pra saber se esse negócio inzeste (não se dê ao trabalho de me avisar, eu sei! Tanto que pintei de vermelho!) mesmo ou se é invenção da ameba. Tio Antônio foi, pra variar, um gentleman ao identificar a ameba:

Fosse eu, diria: Verbete irrelevante. Quem foi o imbecil que escreveu isso? Mas tio Antônio é classudo. Eu é que sou uma bruxa.

Mas eu fui ver de que se tratava o texto em questão, e se a ameba criadora do neologismo imbecil era da espécie acadêmica (essas adouram um neologismo sem sentido, dá até medo ler os textos delas!). E olha que o acadêmico não é ameba, não! Ele fala em português claríssimo. Sai o

Acadêmico irreleva termo controle social (…)

e entra o

Não interessa que termo ou conceito seja empregado (a íntegra do texto táqui)

Quer dizer: é ameba pretensamente jornalística o autor dessa aberração.

Zifio, te digo só uma coisinha: esse verbo é irrelevante para a vida e saúde da Língua Portuguesa. Esqueça-o. Grata.

De conversas e tempos perdidos

quarta-feira, janeiro 19th, 2011

Cabei de ver esta tetéia aqui, enviada pelo @Aluizcosta e pelo @altinomachado no Twitter.

O texto retumba por entre os neurônios dos leitores com o seguinte abre-alas:

Quem gosta de um papo inteligente não perde tempo conversando com Sibá Machado (PT/AC).

Aí você fica na dúvida se o cabra curtiu conversar com Sua Excelência ou saiu da conversa crente que  o tempo dele foi investido  num papo meique idiota.

Minha dúvida agora é o motivo deste duplo sentido no texto. Seria o autor em questão um autêntico ectoplasma suíno (espírito de porco) que não curte petistas e resolveu tirar uma da cara de Senhor Sibá, ou será que ele realmente saiu satisfeito da conversa que teve com o deputado eleito, e não viu que a construção de sua frase dava motivos a interpretações outras?

Ai, meu Deus! Como é que eu vou dormir hoje com tanta dúvida?

Advogados especializados em canibais (ou seriam canibais especializados em advogados? Xi! confundiu!)

segunda-feira, janeiro 3rd, 2011

Recebi o link para esse escritório de advocacia no Twitter. Esses meninos são uns fanfarrões! Crentes de que o estoque universal de piadas de advogados não é suficiente, resolveram prestar sua humilde contribuição e acrescentar alguns trocadilhos de sua própria lavra.

Duas coisas vieram à minha mente ao descobrir que o nome do escritório de advocacia em questão é “Comi Advogados”: canibais e temperos em geral.

Pensa que acabou? Nããããããããoooo! O primeiro parágrafo do histórico do escritório também é uma jóia do estilo rococó empolêixon, aquele típico do mundo corporativo:

Desde março de 1992, a Comi Advogados Associados nasceu como um escritório pautado em padrões de excelência técnica em variadas áreas do Direito. Algumas características foram importantes, como defender todos os direitos dos clientes, agir honestamente e com integridade, desenvolver melhorias contínuas e cultivar ambientes de trabalho participativos, eficientes e produtivos.

Tá certo que foram importantes para o sucesso do escritório características como agir íntegra e honestamente, e mesmo trabalhar para que tudo ficasse ainda melhor, mais eficiente, mais produtivo, e tals. Mas um escritório de advocacia dizer que “defender todos os direitos dos clientes” é uma característica importante sua, vamos combinar que não soou bem. É algo como um hospital ter como importante característica tratar doentes, ou um professor ter como importante característica ensinar alunos.

Tipos, a expressão característica sine qua non deveria dizer muito a eles, né?

No mais, gostaria de acrescentar que a frase Podemos dizer que a Comi Advogados cresceu de forma sustentável desde a sua fundação me fez imaginar um lauto banquete de canibais que curtem o deguste de advogados especialmente embrulhados em blanquet de gravatas de seda.

Sei não, acho que comi muito nas festas de fim de ano…

Ah, as distrações…

domingo, dezembro 12th, 2010

Cabei de me lembrar de um causo de minha saudosa avó.

Ela contava que uma amiga havia morrido de distração. Estava mal do estômago e foi na farmácia (primeira metade do século XX) comprar um remédio. Distraiu-se e, em vez de pedir sal amargo, pediu sal azedo. Pra quem não entendeu, a zifia trocou um singelo sal de frutas por soda cáustica. Tomou tudo e morreu, coitada…

Me lembrei desse causo no momentto em que o dileto Mário Abramo me enviou o link para esta tetéia (com acento) da Agência Estado. Mas não se avexe: eu também levei um tempinho pra identificar qual o errinho (colossal, depois de identificado) cometido pelo zifio-redatô:

São Paulo – Seis casas foram interditadas ontem à noite, em Jandira, no interior de São Paulo, após o trecho de uma rua desmoronar. O trecho da Rua José Bonifácio, no bairro Ouro Verde, é uma curva junto a um barranco. Pelo menos 25 pessoas desalojadas foram para a casa de parentes e vizinhos. Hoje, peritos da Polícia Civil e do Instituto Geológico farão uma inspeção na área para verificar quais serão as procedências, segundo informações da Defesa Civil.

Descobriu qual o erro, não? Ah, tio Antônio conta pra ssuncê:

Procedência
n substantivo feminino
1 ato ou efeito de proceder; processão
2 característica do que é procedente
3 lugar de onde provém (algo ou alguém); proveniência, origem, fonte, processão
Ex.: produtos de boa p.
4 característica daquilo que procede, que tem base; fundamento
Ex.: acusação sem p.
5 Rubrica: termo jurídico.
base sólida que legitima ou autoriza alguma coisa; fundamento

Procedimento
substantivo masculino
ato ou efeito de proceder
1 maneira de agir, modo de proceder, de portar(-se); conduta, comportamento
2 modo de fazer (algo); técnica, processo, método
Ex.: p. de análise química
3 Rubrica: termo jurídico.
forma estabelecida por lei para se tratarem as causas em juízo e para o cumprimento dos atos e trâmites do processo
Ficamos combinadíssimos, portanto, de jamais discutir propriedades dos sais com o redator da tchutchuca daí de cima. O erramos póstumo pode ser indigesto…
(E reconheçamos, também, que esse tipo de erro é de outra classe, sofisticado purdimais pra se enquadrar num porra, folha!, por exemplo… 😉 )

UOL e a imigrantofagia

terça-feira, julho 27th, 2010

Gente, na boa… existe um limite entre duplo sentido e mau gosto na hora de se fazer uma manchete.

Dizer que limitação a imigrantes ameaça culinária britânica e ilustrar essa frase com carnes cruas penduradas dá a entender que a função dos imigrantes é alimentar com sua carne os britânicos…

Ou isso ou eu estou muito abalada com as manchetes policiais dos últimos dias….

Mas não posso perder o hábito: PORRA, UOL!!!

Os encontros reflexivos, a bestificação da linguagem simples e a noiva que dá detalhe

terça-feira, julho 20th, 2010

Tá certo que aprazar é um verbinho metido a besta, que mais empola do que comunica quando usado num texto. É verbo para se usar em momentos de exceção, quiçá em poemas. Ainda assim, tem gente que curte usar o dito, e aproveita pra tirar onda de (cof, cof) linguagem técnica (cof, cof). Coisa de gente besta que,no afã de se exibir para outrem, empola o texto pra ficar chique, mas só consegue deixar o pobrezinho confuso.

O que eu gostaria de entender é por que o verbo encontrar foi incluído nessa… moda (porque tendência é o #$%$%¨$#%T#$%!) de bestificação verbal, em substituição ao verbo estar. Já repararam que Fulano não está no local, Fulano sempre encontra-se no local?

Aliás, eu só, não: a Ceci (nono comentário) também gostaria de entender isso.

Lembro que, numa de suas aulas, o professor Sérgio Nogueira Duarte chegou a brincar com o seguinte diálogo:

– Onde Fulano se encontra?

– No espelho. É lá que ele se encontra, todos os dias. Vai ver se ele está no espelho e ele está, invariavelmente!”

Aí começam as histórias de desavenças familiares.  Tio Antônio dá como certo o emprego do verbo encontrar no sentido de marcar presença. Espiem só o que esse tratante aprontou comigo:

Encontrar
verbo
transitivo direto
1 ver-se frente a frente com; deparar, achar
Exs.: encontrou a bolsa que procurava
a polícia encontrou os fugitivos
transitivo direto
2 passar a conhecer; descobrir, atinar
Exs.: não encontrou resposta para o enigma
fez as contas e encontrou o número exato
transitivo direto e pronominal
3 ir de encontro a; chocar-se
Exs.: o míssil encontrou o alvo
as motocicletas se encontraram em alta velocidade
transitivo direto, transitivo indireto e pronominal
4 ir ao encontro de
Exs.: iam e. a moça
encontrou com a moça na esquina
iam e.-se com ela
transitivo direto
5 deparar com (algo vantajoso ou desvantajoso)
Ex.: encontrou grandes obstáculos durante a carreira
transitivo direto predicativo
6 deparar com (algo ou alguém), percebendo seu estado, condição ou situação
Exs.: encontramo-lo bem melhor de saúde
encontrou a cidade natal muito mudada
pronominal
7 estar em determinado lugar, situação ou estado; achar-se, localizar-se
Exs.: no tórax encontram-se os pulmões e o coração
o inimigo encontra-se dentro da cidade
o país encontrava-se sob domínio estrangeiro
transitivo direto, transitivo indireto e pronominal
8 defrontar-se com (alguém ou algo) que representa obstáculo ou força hostil; enfrentar
Exs.: afinal, encontrava (com) o grande inimigo
encontrou-se com o adversário
transitivo direto
9 fazer entrar em união
Ex.: recuando, as águas encontraram as terras

Respeito tio Antônio, mas vou discordar. Ou pelo menos concordar com muita parcimônia.

Porque há verbos que comunicam uma idéia de forma simples, precisa, concisa, objetiva e direta. Com eles, seu interlocutor entende o que você quer dizer na hora, sem ter que gastar muita mufa pra isso, e não corre o risco de interpretações outras para a frase que você lhe proferiu.

Traduzindo:

prá quê dizer Fulano encontra-se no local

se você pode dizer Fulano está no local ?

São 11 caracteres contra 4 (seu dedo deixa de trabalhar 7 vezes na frase, pense nisso!), a pessoa que te lê/escuta vai entender sua mensagem muito mais rápido, e não vai ter margem para pensamentos outros, como Hein? Fulano encontrou com alguém? Quem? Por quê?

Mas já que o negócio é usar expressões da moda, vamos combinar o seguinte, então: o verbo encontrar, na voz voz reflexiva, deve ser usado em substituição ao verbo estar que nem sapatos de salto altíssimo na cor branca: permitido apenas para noivas (meu alter ego é uma perua, por isso a analogia. E acalmem-se, homens e desentendidos de plantão! Eu vou desenhar!)

Isto posto, temos os seguintes raciocínios:

1- Você é noiva? Não?

Então, não use o verbo encontrar em substituição ao verbo estar. Ponto.

2- Você é noiva? É? Que liiindo! Parabéns!

Mas me diga: que que o seu texto tem a ver com isso? Escreve direito e não enche o saco, bosta!
(Não me diga que você vai entrar de rosa na igreja?!?!?!?! Bafããããããoooo… 😉 )

As datas aprazadas e a efetuação da cópula

terça-feira, junho 29th, 2010

Daí que eu me lembrei desta historinha que aconteceu há algumas eras com um certo marido, e tenho que compartilhá-la por aqui…

Estava o tal do marido a atualizar o site da empresa onde ele trabalhava. Ele precisava incluir informações sobre pagamentos de dívidas blablabla whiskas sache blablabla. O público-alvo da e-missiva (adooooro essa e-xpressão! 😀 ) eram autoridades que, embora autoridades fossem, não eram lá muito amigas do vernáculo. Amebas, portanto.

E o que me abespinha nessas horas é perceber que ameba é uma raça que não sabe se inter-comunicar. Elas têm uma dificuldade de conversarem entre si que é uma coisa. Pensando bem, não fosse assim não seriam amebas, né?

Maseutavafalandode… ah, sim! O texto que o tal do marido recebeu! Foi sofrivelmente escrito por uma ameba escrevente, cheio de gerúndios e clichês e, lá pelas tantas, falava em pagamento dos títulos nas “datas aprazadas”.

Tá certo que aprazar é verbo registrado por tio Antônio, que diz que:

Aprazar
n verbo
transitivo direto
1 marcar (tempo ou prazo) para realização de alguma coisa
Ex.: resolveram a. imediatamente o encontro
transitivo direto e bitransitivo
2 restringir, delimitar (o prazo, a duração) de
Exs.: era preciso a. o fim da obra
aprazou um ano para o término da dissertação
Mas se você pensar direitinho, e com a cabeça do público-alvo do texto (/amebas), chegará à conclusão que esse verbim daí não é de muita felicidade, não. Inda mais se o leitor em questão tiver inteligência suficiente para  entender que a palavra em questão foi fruto de um erro de digitação: em vez de aprazadas, deveria ser atrazadas. Porque, claro, atrazado se escreve com zê, né? (NÃO! É COM ÉSSE!!)

Então, o marido em questão resolveu trocar a expressão “datas aprazadas” por “datas combinadas”. E o autor do texto, ao refazer a releitura da redação antes de a bendita ser carregada para a página da empresa, voltou para a expressão original: “datas aprazadas”. E justificou:

– Isso é uma expressão técnica. Quem lê tem a obrigação de entender isso.

Argumento falho, fraco e errado, por alguns poucos mas excelentes motivos:

1- A obrigação maior e principal para a compreensão do texto é a do autor da redação. É ele quem tem que se fazer entender, sem dar margens a duplos sentidos ou duplas interpretações. Se você disser “bolinhas amarelas” e o seu leitor entender “listras azuis”, o erro foi principalmente seu por não saber como fazer o seu leitor entender “bolinhas amarelas”.

2- Aprazar não é expressão técnica. É apenas um verbo metido a besta, que pode – e deve – ser substituído por outro de maior clareza sempre que possível.

Mas o marido em questão não tinha autonomia pra alterar o texto. E a missiva em questão foi levada à página web da empresa com a expressão rococó empolêixon “datas aprazadas”.

Cansado, triste e frustrado, o marido em questão desabafa com a mulher, que costuma exorcizar textos mal-escritos (disse que fui eu? Então, não conclua coisas que eu não disse, detetivões! 😛 ), e conta a história de “datas aprazadas” ter virado “linguagem técnica”.

A esposa do marido, então, ensinou-lhe o seguinte:

– Meu amor, da próxima vez que alguém insistir em enfiar linguagem técnica onde não deve, diga a essa pessoa: “Fulano, efetue cópula”. Daí, quando o Fulano perguntar o que é “efetuar cópula”, você explica que é “vá se foder” em linguagem técnica…

Infelizmente, o marido nunca disse isso pro autor das “datas aprazadas”. Ah, o excesso de educação….

😉

Língua Portuguesa 0 X 0 Mancheteiro do UOL Esporte

sexta-feira, maio 28th, 2010

Ah, o dialeto futebolês… inda vai me irritar muito este ano!

Ó só o que o  UOL esportes cabou de aprontar:

Vasco reage no 2º tempo, vira para cima do Inter e traz paz a São Januário

Vira pra cima? Traz paz?

NAONDE QUE ISSO É TEXTO BEM ESCRITO? NAONDE?!?!?!?!

(cof, cof) Fórmula mágica (cof, cof) para escrever um texto (cof, cof, cof) per-fei-to (morri de tuberculose)

quinta-feira, maio 27th, 2010

Me lembrei na hora deste trecho do filme Sociedade dos Poetas Mortos (aos 2 minutos mais ou menos), em que o professor interpretado pelo Robin Williams manda os alunos rasgarem a parte do livro que ensina como identificar o nível de excelência de uma poesia. Tudo bem que a reação do personagem do Robin Wiliams é digna, mas se professora de português e literatura fosse, eu ensinaria meus alunos a rirem da cara do sujeito que escreveu tal baboseira.

É mais ou menos o que eu vou fazer aqui com meus diletos leitores. Porque é possível sempre absorver alguma coisa positiva deste livro, né?

Primeiro, vamos separar as dicas realmente aproveitáveis das autoras:

1- Frase curta é o que há. Deixa o texto simples e claro, e não embola azidéia no meio da frase.

Eu vou, inclusive, provar para vocês que um texto entremeado de vírgulas, dispostas de forma a separar as idéias de cada frase, não é uma boa idéia para se construir um texto, porque você vai acabar socando um monte de idéias e conceitos, todos juntos numa mesma frase e, lá pelas tantas, vai acabar precisando de um gerúndio pra ligar uma idéia à outra e, se bobear, você ainda caba falando, dentro da mesma frase, de coisas que não têm nada a ver, como o pênalti que o Baggio perdeu pro Brasil na copa de 1994, que deu o título de tetracampeã à seleção canarinha.

Entenderam que vírgula não é uma boa idéia? Prefira o ponto, zifio. O ponto diz pro seu leitor dar uma paradinha na leitura. Essa paradinha ajuda ele a processar a informação recém-lida. Algo comparável ao botão de enter do computador.  Com isso, ele apreende seu texto em doses homeopáticas. E não vai pensar que a vírgula do Baggio entremeada na construção do texto deu o tetracampeonato à seleção canarinha, por exemplo.

2- Adjetivo é legal quando o texto não é jornalístico. Mesmo assim, deve ser usado com parcimônia. Isso vale, por exemplo, pra textos corporativos.

Infelizmente, não tenho em mãos o exemplo mais genial de texto repleto de adjetivos. Está no meio dos caixotes da mudança. Trata-se da coletânea de tirinhas do Fagundes, o puxa-saco. Assim que eu encontrar esse texto, copio ele aqui. ele deixa bem claro que o abuso de adjetivos deixa seu texto (e sua idéia) um tanto ou quanto ridícula. Fico na dívida para com meus diletos leitores.

3- Assim como frase cheia de vírgula, frase cheia de polissílabos (palavras com quatro sílabas ou mais) também não ajuda. O exemplo clássico é a frase que motivou a criação deste blog: objetivando disponibilizar um novo conceito em funcionalidade, a empresa tal, sempre inovando, (blablabla wiskas sachê blablabla).

Escreva o texto de forma simples, precisa, concisa, objetiva e direta. Por mais que seu texto vá preencher as páginas de sua monografia de conclusão de curso, escrevê-lo de forma simples vai mostrar ao seu professor, por exemplo, que você não só domina o assunto sobre o qual está escrevendo como consegue explicá-lo sem grandes firulas. Fiz isso com uma prima que me pediu pra revisar a monografia do curso de ciências contábeis. O texto tava cheio de frases do tipo objetivando disponibilizar.  Expliquei a ela como simplificar o texto:  “empregue na construção do seu texto as palavras que você usaria pra explicar o assunto para a sua sogra durante uma partida de canastra.”  Ela seguiu o meu conselho e, modéstia à parte, tirou dez no trabalho. (A vaca nem pra me convidar pra formatura, mas deixa prá lá. Sei que já espalhei o bem por aí.)

Mas, oh, carambolas, este texto tá positivo e educativo purdimais. Vamos pro recreio, criançada!

Comecei este post pra falar do livro A arte de escrever bem – um guia para jornalistas e profissionais do texto. O livro é meio surtado, sabe? Lá pelas tantas, ele ensina como (cof, cof) mensurar (cof, cof)  a (cof, cof) excelência (cof, cof) de um texto. Vou citar a resenha do livro:

Um trecho interessante está na página 51 [piada pronta. O trecho interessante está na página 51. Mal posso esperar pra ler a página 24 – ou a 69…] , na qual as autoras ensinam como testar a legibilidade de um texto [caaaaaalma! Respira fundo e continua a ler a coisa! você vai rir mais!!!]. Elas reproduzem uma receita do jornalista Alberto Dines.
São seis passos: 1. Conte as palavras do parágrafo. 2. Conte as frases (cada frase termina por ponto) [viram, crianças? cada frase termina por ponto! Não confunda: o ponto é este sinal: .  Já a vírgula é este daqui: , Se aparecer este sinal, não é fim de frase, viu? OK, parei de zombar!] . 3. Divida o número de palavras pelo número de frases [Ah, você inda num pegou a calculadora?]. Assim, você terá a média de palavra/frase do texto. 4. Some a média da palavra/frase do texto com o número de polissílabos [Agora, comece a cantar: e todos dançam o pega, estica e puxa / e viva a festa da Xuxa! Melhor trilha sonora não há!] . 5. Multiplique o resultado por 0,4 (média de letras da palavra na frase de língua portuguesa). 6. O produto da multiplicação é o índice de legibilidade [A esta altura, você já chegou naquela parte que diz: O dengue conta de um até três, as brincadeiras começam de uma vez, e se perdeu na conta, né? Ah, puxa, que pena… malzaê por tirar a sua concentração, viu?].
[Pensa que acabou? Nãããããããããoooo!!! Aqui tem a análise dos resultados da sua conta: ] Possíveis resultados: 1 a 7: história em quadrinhos. 8 a 10: excepcional. 11 a 15: ótimo. 16 a 19: pequena dificuldade. 20 a 30: muito difícil. 31 a 40: linguagem técnica. Acima de 41: nebulosidade.
O livro dá exemplos práticos da eficácia desse teste: “Se o resultado ficou acima de 15, abra o olho. Facilite a vida do leitor. Você tem dois caminhos. Um: diminua o tamanho das frases. O outro: mande algumas proparoxítonas dar umas voltinhas por aí. O melhor: abuse de ambos.” [Eu indicaria mais dois caminhos: a) o texto ficou uma bosta. Joga fora e começa do zero, é o melhor a se fazer; b) esqueça a calculadora e abra um dicionário. Ele costuma ser um grande companheiro de redações e redatores. Outro excelente auxiliar na redação de um texto é o Manual de Redação e Estilo do Estado de SPaulo. A única coisa prestável produzida pela empresa do clã dos Mesquita.]

Mas esse texto prima mesmo é pelo conjunto da obra de piadas prontas. Pensa que o melhor do livro é o fato de ele começar a ficar bom na página 51 (hic! :D)? Claro que não! O melhor dele é descobrir que você pode comprá-lo na… Livraria da Folha – o Eliéser dos jornais impressos brasileiros…

É uma piada pronta atrás da outra…

Se a coisa continuar nesse nível serei obrigada a criar uma nova catiguria no caldeirão: PORRA, FOLHA!

Antes de terminar este post, mais duas observações. A primeira: PORRA, ALBERTO DINES!!! NAONDE QUE VOCÊ TIROU ESSA IDÉIA DOIDA DE CÁLCULO DE LEGIBILIDADE DE TEXTO? PÁRA DE TOMAR CHOPE COM ENGENHEIRO PORQUE ESSA RAÇA NÃO SABE ESCREVER DIREITO, CARA!!!!

A segunda: Meus agradecimentos ao Cardoso pelo link enviado.

Objetivando modernizar (ou Porra, Folha!)

domingo, maio 23rd, 2010

Gente, tadinha da Folha! O Eliézer Ambrósio dos jornais impressos tá perdidinho da silva! Num sabe quemcossô, oncotô, proncovô

Culpa dessa menina Internéte, que desvirtuou o belo caminho dos excelsos jornais impressos brasileiros. Agora, qualquer um tem acesso a qualquer tipo de notícias em qualquer lugar, a qualquer hor… CRISTORREIMESALVA! SAIPRALÁ, CLICHÊ!!!!

Ai, mals aê, galera! É que o texto de apresentação do novo (sic) formato da Folha de São Paulo é de uma ruindade contagiante. Ruindade não no sentido de maldade, é no sentido de troço ruim, mesmo!

As idéias estão concatenadas de forma a se desconectarem, e o texto se conclui num mega-chavão pra deixar bem claro que a Folha é e sempre será essa publicação… por assim dizer… smartona.

Senão, vejamos o texto disponível neste link aqui. E quando você se dá conta de que o autor é simplesmente o EDITOR-EXECUTIVO DO JORNAL a vontade de chorar só faz crescer. Mas vamos lá:

Informação exclusiva de cara nova [Tá bom. Então é só a informação exclusiva que vai ganhar roupagem nova? A informação que sair publicada na Folha e em todos os outros jornais do Brasil – quiçá do mundo – vai ficar com cara velha?]
SÉRGIO DÁVILA
EDITOR-EXECUTIVO [brrrrrrrrrrrrrrrr…. perdão, correu um arrepio por toda a minha espinha agora. só de pensar que o editor executivo do jornal escreve assim… brrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr]
A Folha mudou [Taí um verbinho perigoso de se usar assim, intransitivo… suscita interpretações mil! Mas deixemos minha ansiedade de lado, dotô Sérgio vai se explicar. (Vai?)]. O jornal que você tem em mãos neste domingo traz as letras cerca de 12% maiores, em um formato e com uma diagramação que deixam a leitura mais fácil [as entrelinhas dizem: Leitor, você é cego, disléxico e burro. Pra quebrar o seu lado, aumentamos a letra. Na próxima reforma, vamos usar apenas desenhinhos, combinado?]. Os títulos são mais fortes [donde se conclui que os títulos anteriores eram fracos (leia-se uma bosta)] , a hierarquização das reportagens é mais clara [ai, que lindo isso! hierarquização clara de reportagens! É de comer ou de beber? E QUE DIFERENÇA ISTO FAZ PRO LEITOR, CÁSPITA?!?!?!?!?!?!?!?!?] , a identidade entre os cadernos [impressão minha ou ele disse aqui que todos os cadernos de diferentes editorias são idênticos entre si? ou seja: economia, política e cinema têm tratamento igual? Reparem que nós estamos na TERCEIRA FRASE DO TEXTO!!!] , mais evidente. As fotos ficaram maiores e os quadros informativos, mais limpos e didáticos.[lido nas entrelinhas: já estamos ensaiando a próxima reforma, viu leitor? Os desenhinhos estão ganhando espaço!]
As mudanças também são editoriais. O noticiário político passa a ser agrupado sob o título de Poder, o caderno de economia é rebatizado como Mercado [aproveito para parafrasear Luis Fernando Verissimo e lembrar que os cadernos poderiam se chamar Maria Helena e Luíza Renata, não faria diferença. O que importa é o conteúdo. Cadê o conteúdo? qual a diferença do conteúdo antigo pro conteúdo atual?], Esporte ganha formato tabloide [e isso lá é mudança editorial? zifio, essa informação deveria estar no parágrafo anterior ou, então, retrabalhada aqui, porque você começou este parágrafo com ênfase nas mudanças editoriais – que, diga-se de passagem, inda num deram as caras no seu texto…], menor e mais ágil [COMO ASSIM UM CADERNO É MAIS ÁGIL? ELE CORRE? TEM PERNAS? DOMINA A ARTE DO TELETRANSPORTE?!?!?!?! AAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHH, FUJAM PARA AS MONTANHAAAAAAAAAASSSSSSSSSSSSSSS], Tec reunirá às quartas-feiras tendências [TAVA DEMORANDOOOO!!! CHEGOU A TENDÊNCIAAAA!!! CADÊ O BONDE PRAS MONTANHAS QUE NÃO CHEGOU, DEUSDOCÉU?!?!?!?!?!] do mundo digital e o jornal estreia um novo suplemento, a Ilustríssima, que trará aos domingos o melhor em cultura, ensaios e reportagens de mais fôlego [é isso aí! Enquanto o caderno de esportes está mais ágil, o caderno Ilustríssima ganha mais fôlego! Mal posso esperar pra saber quem é o personal trainer dos cadernos da Folha!] .
Além disso, 29 novos colunistas passam a escrever no jornal. São nomes como o de Fabio Barbosa, presidente da Febraban (Federação Brasileira de Bancos) e do Banco Santander no Brasil, a atriz Fernanda Torres, que comentará as eleições presidenciais, a jovem escritora Vanessa Barbara, que resenhará programas de TV, e o cadeirante Jairo Marques, um sucesso do meio on-line.
O caçulinha João Montanaro, de 14 anos, levará o traço precoce de seu cartum à nobre página 2 do jornal, onde ocupará um espaço que já foi de Glauco (1957-2010), será vizinho de feras como Angeli e integrará um time de ilustradores que conta com Laerte, Adão Iturrusgarai e Caco Galhardo.
Eles vêm se juntar ao maior e mais eclético [vou poupar meus leitores de piadinhas e trocadilhos com este eclético daí, OK?] grupo de colunistas da imprensa brasileira, nomes conhecidos do leitor, gente como José Simão, Clóvis Rossi, Carlos Heitor Cony, Eliane Cantanhêde, Gilberto Dimenstein, Janio de Freitas, Danuza Leão, Mônica Bergamo, Barbara Gancia e Tostão.
A nova forma e o conteúdo renovado são resultado do esforço [pode ser preconceito meu, mas esforço é uma palavra que sempre me remete a prisão de ventre…] de centenas de profissionais, que trabalharam por milhares de horas durante os últimos 12 meses, sob orientação de Otavio Frias Filho, diretor de Redação, seguindo o projeto visual da designer gráfica Eliane Stephan, com a coordenação de Fabio Marra, editor de Arte do jornal, e do jornalista Naief Haddad. [Tá. Mas CADÊ AS MUDANÇAS EDITORIAIS PROMETIDAS, CRISTORREI?!?!?!?!?! Ou vai me dizer que a grande novidade aqui é o personal trainer dos cadernos?!?!?!?!?!]
A mudança acontece num momento em que a Folha promove a fusão orgânica [Alguém desenha, por favor? Como a Folha promoveu esse troço de fusão orgânica? Estou com medo disso… meus neurônios fervilham com as imagens de José Simão se fundindo organicamente com Eliane Catanhêde, ou Gilberto Dimenstein fundindo-se organicamente com Barbara Gancia… tô quase apostando que a Folha misturou Activia nessa fusão! Lembrem-se que esse troço todo é resultado do esforço da galera…] entre suas equipes de jornalistas do meio on-line e do impresso, o primeiro grande jornal brasileiro a fazer isso de fato.[HEIN?!?!?!? OS OUTROS JORNAIS JÁ FUNDIRAM JORNALISTAS?!?!?!?! COMO? POR QUÊ? PRÁ QUÊ?]
A ideia é transformar a Redação num centro captador de notícias que funcione 24 horas por dia e produza informação de qualidade para qualquer plataforma [Grito nº1:  E A FOLHA CHAMA ISSO DE FUSÃO ORGÂNICA?!?!?!?! TRAGAM UM PROFESSOR DE FÍSICA QUÂNTICA, PELAMORDEDEUS!!!! Grito nº2: E SÓ AGORA A FOLHA RESOLVEU TER UMA REDAÇÃO QUE PRODUZ NOTÍCIAS DE QUALIDADE?!?!?!?!!?!?! Meu Deus, será que ela vai conseguir tal feito? Ah, tô aqui na torcida, viu?] , seja ela o papel, que é e continuará a ser a vitrine [#facepalm. Tio, vou desenhar: papel é feito de celulose. Vidro é ooooooooooooooooooutra coisa, feita de sílica. O papel não é vitrine. Aliás, qualquer vitrinista sabe que papel serve pra TAPAR VITRINES. Ai, gente, sério que o editor executivo da Folha de SPaulo escreve com essa clareza âmbar?] principal da marca Folha, o on-line, agora rebatizado de Folha.com, ou em smartphones e tablets, por torpedos e e-mails e o que mais for inventado [quer dizer que até agora o que a Folha vinha fazendo na Internet era obra de amadores?].
[Preparem-se porque o âmago do quemcossô-oncotô-proncovô está no parágrafo que começa agora:] Parte dos textos está mais enxuta, maneira de resumir os acontecimentos da véspera sem fazer o leitor perder tempo e paciência [hhmmmpfff… sério que vocês vão conseguir isso? Ó, na boua, tô torcendo aqui pra vocês, viu?]. Parte está mais analítica [EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEPPPPPPPPPAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!! A Folha tá bipolar? O texto tá enxuto mas tá analítico? o texto enxuto é resumido e não irrita o leitor, daí vem o analítico pra irritar o leitor, e tirar tempo e paciência dele?!?!?!?!?! Doctor Jeckyll and Mr. Hyde? Ou caberia aqui uma explicação mais delongada, mais pormenorizada, sobre como, onde e por quê (olha o lead aí geeeente!) os textos serão assim e/ou assado, né, senhor-doutor-editor-executivo? Taqueopa….], um dos pilares [iiiiiiiihhhhhhh…. um dos pilares… olha a clichetaria grudando no texto!] do projeto novo, que priorizará a contextualização e a interpretação do fato conhecido. [contextualização e interpretação do fato conhecido! vinte sílabas em seis pomposas palavras pra dizer um troço que é pura obrigação de todo e qualquer jornalista, quer ele escreva prum jornal de renome nacional ou um bilhetinho pra namorada!]
O leitor escolherá seu caminho [Ai, jura? Puxa, obrigada, viu? Cês são legais paca!], o mais rápido, mas de qualidade, ou o mais profundo, mas compreensível [leitura das entrelinhas: caberá à Folha largar o leitor na encruzilhada! Eparrê-iansã!] ; ambos serão contemplados pelo jornal.
Uma coisa, porém, não muda: o compromisso diário da Folha de buscar a informação exclusiva [rufar de tambores… preparem-se para a retumbância tonitruante do chavão dos chavões de toda e qualquer reforma editorial ou visual de veículo de imprensa…] , o furo de reportagem [a expressão cláááááááááááássica que aparece cada vez que surge um novo veículo de comunicação na face da Terra. Não, não é o furo de reportagem.] , o enfoque único [Tá chegaaando! Olha o enfoque único abrindo alas pro Uber-Deus de todos os chavões jornalísticos, gente! (Ai, eu até me emociono nessas horas!) é ele, oooooooooooooooooooo….], o olhar diferenciado [YEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEESSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS! – NOT!]. A matéria-prima do jornalismo de qualidade é a informação única. Que você passa a receber de cara nova.
Novíssima! [Naonde, zifio? Naonde? Esse texto é espuma pura! Cadê o conteúdo?!?!?!?!?!?]
Tá pensando em acordar mais cedo pra comprar jornal com cara nova e notícia velha e bipolar? Dica: puxe o edredom pra cima da orelha, vire pro outro lado e estique o seu soninho. Vai por mim. Cê sai no lucro.
PORRA, FOLHA! PORRA, PORRA, PORRA!!!!

Tucanaram a mãe!

domingo, maio 9th, 2010

Peguei o dito no Blog da Ju há um ano. Esqueci de publicá-lo, então. Publico agora.

Já tinha recebido este texto em forma de Power Point. É bonitinho, lindinho, engraçadinho, tem mensagenzinha, etc, etc.

Mas depois de ler esse benedito, eu só consigo pensar numa coisa: Tucanaram a mãe!

Ainda assim, Feliz dia a todas as Mães! (*)

**********

Uma mulher foi renovar a sua carteira de motorista. Pediram-lhe para informar qual era a sua profissão. Ela hesitou, sem saber bem como se classificar.
“O que eu pergunto é se tem um trabalho”, insistiu o funcionário.
“Claro que tenho um trabalho”, exclamou . “Sou mãe”.
“Nós não consideramos mãe um trabalho. Vou colocar Dona de casa”, disse o funcionário friamente.
Não me lembrei dessa história até o dia em que me encontrei em situação idêntica. A pessoa que me atendeu, obviamente uma funcionária de carreira, segura, eficiente, dona da situação.
“Qual é a sua ocupação?” Perguntou.
Não sei o que me fez dizer isto; as palavras simplesmente saltaram-me da boca para fora:
“Sou Doutora em Desenvolvimento Infantil e em Relações Humanas.”
A funcionária fez uma pausa, a caneta de tinta permanente a apontar para o ar, e olhou-me como quem diz que não ouviu bem. Eu repeti pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas.
Então reparei, maravilhada, como ela ia escrevendo, com tinta preta, no questionário oficial.
“Posso perguntar”, disse-me ela com novo interesse, “o que faz exatamente?”
Calmamente, sem qualquer traço de agitação na voz, ouvi-me responder:
“Desenvolvo um programa a longo prazo (qualquer mãe faz isso), em laboratório e no campo experimental (normalmente eu teria dito dentro e fora de casa). Sou responsável por uma equipe (minha família), e já recebi quatro projetos (todas meninas). Trabalho em regime de dedicação exclusiva (alguma mulher discorda???), o grau de exigência é em nível de 14 horas por dia (para não dizer 24!!!).
Houve um crescente tom de respeito na voz da funcionária que acabou de preencher o formulário, se levantou, e pessoalmente me abriu a porta.
Quando cheguei em casa, com o título da minha carteira erguido, fui recebida pela minha equipe: uma com 13 anos, outra com 7 e outra com 3 anos. Do andar de cima, pude ouvir o meu novo experimento (um bebê de seis meses), testando uma nova tonalidade de voz.
Senti-me triunfante!
Maternidade… que carreira gloriosa!
Assim,
as avós deviam ser chamadas “Doutora-Sênior em Desenvolvimento Infantil e em Relações Humanas”.
As bisavós: “Doutora-Executiva-Sênior”.
E as tias: “Doutora-Assistente”.

Uma homenagem carinhosa a todas as mulheres, mães, esposas, amigas, companheiras.
Doutoras na Arte de fazer a vida melhor !!!

(*)Repare, não… tô meio piegas, sim!
Ah, vá, dá um desconto! Meu primeiro dia das mães com o feiticeirinho fora da minha barriga, né?

Ectoplasma mesmítico não tem vez em Brasília

quarta-feira, maio 5th, 2010

Sói qeria dizer isso pra vocês, tá?

É que aqui, no Planalto Central (Tô de mudança. Não queiram saber o porquê.), tudo quanto é tipo de assombração e de encosto pode ter vez, menos o ectoplasma mesmítico (sabem o mesmo, que encontra-se parado no andar quando você chama o elevador? É ele… mesmo! 😀 ).

Porque nesta cidade os caboclos podem não respeitar uma série de normas ou de leis, mas o bom texto pelo menos ainda tem vez na Capital Federal.

Ó só como ficou o aviso da plaquinha dos elevadores:

Viu? Não precisa usar o mesmo porque é feio – e errado. Para estes casos, os pronomes pessoais do caso reto (mais precisamente o ele da plaquinha daí de cima)  atendem perfeitamente às necessidades do cliente, como dizem algumas amebas por aí…

CQD – como queríamos demonstrar (o comando pra criar link não tá funcionando no wordpress. quando ele voltar a funcionar, eu arrumo o post. Por enquanto, basta clicar no link ao lado. Grata. http://www.objetivandodisponibilizar.com.br/?p=53).

Antes que falem: o pronome reflexivo se está muito bem à frente do encontra. A frase em questão está exatamente como os brasileiros falam no dia-a-dia. Pelas normas cultas, pode ser questionável – mas pelo uso cotidiano, está mais que natural.

E rezem pra que a minha mudança seja rápida e sem traumas. Ninguém merece mudança interestadual a toque de caixa, com um bebê de nove meses e um cachorro vira-latas a tiracolo (não perguntem. Apenas rezem. Obrigada.)

[OD 1 ano] O futuro do gerúndio e o novo conceito em modo verbal (2)

terça-feira, abril 27th, 2010
Ah, vou comemorar o primeiro ano de vida do meu caldeirãozinho!
Vou republicar os posts que mais me divertiram nestes doze meses! Portanto, aos costumes!
Este post foi originalmente Publicado em: 24 de abril de 2009 às 21:08

*********

Nos áureos tempos de escola, ensinou-nos tia Maricota sobre os modos verbais. Refresco-vos os neurônios, desta vez com o auxílio da Gramática Contemporânea da Língua Portuguesa, de José de Nicola e Ulisses Infante:

Modo Verbal
As flexões de modo, tempo e voz são características do verbo. A flexão de modo indica as diversas atitudes do falante com relação ao fato que enuncia.
Quando a atitude é de certeza (eu amo/eu amei), o fato é ou foi uma realidade. Essa atitude caracteriza o modo indicativo.
Quando a atitude é de incerteza, dúvida (se eu amasse/quando eu amar), exprime uma condição, uma realidade. Essa atitude caracteriza o modo subjuntivo.
Nos casos em que se exprimem ordens (ame você/não amem), ou desejos, ou vontades, temos o modo imperativo.
Além desses três modos, os verbos apresentam as formas nominais: infinitivo (amar); gerúndio (amando) e particípio (amado).

<começa a ironia>

Este é o velho conceito. No novo conceito de modo verbal, o gerúndio rebelou-se. Deixou de ser forma nominal e revelou-se um novo modo verbal: o modo telemarketing. Esse novo conceito em modo verbal expressa atitudes de enrolação misturada com dúvida, desinformação, falta de noção, desculpas esfarrapadas e falta de compromisso total do falante com seu interlocutor (que pode ser um consumidor, uma pizza ou uma pedra, tanto faz).

O legal neste novo conceito em modo verbal é que você pode juntar quantos verbos auxiliares quiser para formar sua locução (capenga) verbal:

“Eu posso vir a estar tentando disponibilizar o serviço, senhor!” (cinco verbos!)

Senhora, a senhora poderia estar objetivando anotar o número de protocolo, por favor? (quatro verbos!)

Certa feita eu consegui juntar seis verbos numa locução só. Mas não me lembro mais como fiz tal aberração. Se você quiser, tente nos comentários produzir uma locução verbal com mais de quatro verbos juntos…

<acaba a ironia>

Sim, isso é errado. E não, crianças, não repitam isso na escola nem na vida real, porque é muito feio! E isso vale pros adultos também!

Mas há casos em que o futuro do gerúndio é possível, sim, na Língua portuguesa. Sabe a historinha da concomitância? É só jogar no futuro:

“No próximo domingo, enquanto o Corinthians estiver jogando contra o Santos, o Botafogo vai estar jogando contra o Flamengo”

Viu? Duas ações ocorrendo ao mesmo tempo, no futuro!

[OD 1 ano] O futuro do gerúndio e o novo conceito em modo verbal (1)

terça-feira, abril 27th, 2010
Ah, vou comemorar o primeiro ano de vida do meu caldeirãozinho!
Vou republicar os posts que mais me divertiram nestes doze meses! Portanto, aos costumes!
Este post foi originalmente Publicado em: 24 de abril de 2009 às 20:41

*******

Nada contra o gerúndio. É um tempo verbal muito útil. Denota concomitância. OK, sei que denotar e concomitância são duas palavras que não constam dos dicionários das amebas escreventes, mas insisto na expressão. E explico: indica duas ações acontecendo ao mesmo tempo, ou ainda uma ação que ocorre neste exato momento: eu estou escrevendo. Das línguas latinas, o francês é o mais radical com relação ao gerúndio: só aceita no caso de concomitância, e ainda assim torce o nariz.

O problema é que, em inglês, o present progressive é usado pra lavar, passar, cozinhar, chuletar, serve o cafezinho no final e ainda pergunta se foi bom pra você também. Vai com tudo – e com todos, esse permissivo. O inglês é uma língua que junta trocentos auxiliar verbs, ou verbos auxiliares, pra modificarem o tempo e o modo de um único verbo principal. Coisa de língua bárbara. Mas tem lá (e não aqui) suas regras. É um tal de I would be going, I shall be released, I’d rather be going to Florida prá tudo quanto é lado. Um verdadeiro desfile verbal.

Daí, o caboclo escrevente que fala ingrêis resolve replicar em português todos esses casos em que o present progressive é usado na língua de seu William </Shakespeare> at the foot of the letter
(Desvio de prosa número 1: literalmente, ao pé da letra. Só que a expressão em português  ao pé da letra, traduzida corretamente para o inglês, é literally. At the foot of the letter é uma tradução típica de Falcão, mas quem cunhou essa expressão deliciosa foi meu amigo João Bonassis, o Boninha. Mas voltemos à minha defesa de tese.)

Pronto. Está feito o melangê de jenessequá*.
(Desvio de prosa número 2: sei que classifico isso de macaquice, mas é que essa é bonitinha… criei essa expressão de minha própria alcunha, a partir do francês melangé de je-ne-sais-quoi. Melangé é mistura; je ne sais quoi, “não-sei-o-quê”. Ficou bonitinho, né? Ah, vá… é melhor que “chiclete com banana” – com duplo sentido, por favor! )

Daí, um desses caboclos tradutores pegou manuais de telemarketing em inglês, salpicados de progressives pra tudo quanto é lado, e traduziu como gerúndio tudico de tudo. Fez-se a bosta. Foi um festival de vamos estar resolvendo, ou vamos estar falando, e danou-se o caldo. A coisa evoluiu pra esculhambação a ponto de muita gente achar chique falar no futuro do gerúndio.

Isso sem contar com as locuções verbais que mais parecem aqueles castelinhos de benjamin montados sobre uma tomada para aumentar o número de plugues da dita. O que me fez desenvolver uma teoria </ironia>. Explico-a. A seguir, porque este post tá muito longo!

[OD 1 ano] A geladeira é inocente, OK?

segunda-feira, abril 26th, 2010
Ah, vou comemorar o primeiro ano de vida do meu caldeirãozinho!
Vou republicar os posts que mais me divertiram nestes doze meses! Portanto, aos costumes!
Este post foi oiriginalmente Publicado em: 23 de abril de 2009 às 15:20

*******

Acabei de receber esta pérola de um, por assim dizer, ectoplasma suíno (/espírito de porco).

Atentem para o majestoso estilo e para a sublime utilização da expressão “mesma” em substituição a “geladeira”. Meus comentários seguem entre colchetes, em azul.

“Informamos a todos os funcionários que a geladeira localizada no 25º andar deste departamento[Por que a vírgula aqui? Em nenhuma língua do mundo a vírgula deve separar sujeito de predicado!!!] estará sendo desligada [Nossassenhora! O processo de desligamento da geladeira demora tanto tempo assim? Lá em casa basta puxar o fio da tomada…] no final do expediente desta quinta-feira (hoje), para que a mesma [aaaaaaaaaaahhhhhh!!! Olha a manifestação do ectoplasma mesmítico no textoooooo!!!!!] seja descongelada e limpa.

Portanto, solicitamos a todos que não tragam nada para guardar na mesma [reincidência de assombraçãããããããoooo!!!! Fujam para as montanhaaaaaaas!!!] durante o dia de amanhã, pois ela será religada somente após as 18h.

Agradecemos à compreensão.” [Uai, não entendi… o agradecimento foi para Dona Compreensão ou para os destinatários do texto? A crase destinou os “obrigados” para Dona Compreensão…]

Tem uma comunidade no Orkut da qual a pessoa que assassinou o texto deveria pelo menos tomar ciência: “Eu tenho medo do mesmo“. O mesmo do elevador deve ser um maníaco compulsivo, que se esconde nos andares dos prédios enquanto as pessoas aguardam a chegada do ascensor. Acho que a mesma desse texto daí de cima deve ser uma pessoa que, além de fria, é muito porca, suja e fedorenta, tanto que durante um dia inteiro “vai estar sendo” desligada,descongelada e limpa.
Já imaginaram quanto tempo vai levar pra limpar a porcalhona do vigésimo-quinto andar?

Sou só eu que entendo o futuro do gerúndio como uma forma de enrolar o seu interlocutor? Só eu entendo que o “vai estar sendo” limpa significa que o processo vai demorar horrores?

Não vou nem entrar no mérito da crase errada na última frase. Tudo bem que o autor do texto perdeu a oportunidade de eu dizer “pelo menos, a última frase está correta”.

Vamos ressuscitar o texto? Eu o deixaria assim:

Informamos a todos os funcionários que a geladeira localizada no 25º andar deste departamento será desligada hoje, quinta-feira, no final do expediente. Durante a sexta-feira, ela será descongelada e limpa.

Pedimos a todos, portanto, que não tragam nada para guardar na geladeira na sexta-feira, porque ela só será religada após as 18 h.

Agradecemos a compreensão.

Simples, preciso, conciso, objetivo e direto. Sem mais delongas. Nem mesmas.

Disfunção erétil + falta de noção = duplo sentido idiota

sexta-feira, abril 23rd, 2010
PORRA, SBU! PORRA, PORRA, PORRA!!

PORRA, SBU! PORRA, PORRA, PORRA!!

Se tem uma raça que tem que entender direitinho o que, por que e, principalmente, como falar com seu público-alvo, essa raça é a dos urologistas (aqueles médicos que cuidam do… er… daquele órgão masculino que tem por hábito erigir-se). Urologistas e proctologistas (aqueles que cuidam do… er… lá de trás!). O público-alvo dos urologistas é preconceituoso, descuidado, desligado e foge desses médicos mais do que o diabo foge da cruz.

Então, toda comunicação dos urologistas com a sociedade tem que ser pensada direitinho. Há que se medir as palavras usadas para, principalmente, evitar o duplo sentido na frase – ou, pelo menos, amenizar esse duplo sentido. E, se o duplo sentido é inevitável, que ele seja trabalhado de forma a conquistar o público-alvo, e não afastá-lo, certo?

Daí vem a Sociedade Brasileira de Urologia e me lança esta campanha aqui, com o lema:

Não vire as costas para a disfunção erétil

Não percam o vídeo da campanha neste link aqui.

Sério mesmo que a SBU tá dizendo que homem brocha não deve ir ao proctologista? Tá, eu sei que não é isso que está escrito aí em cima, mas é isso que dá a entender a frase!!! Ora, carambolas e palafitas, esse troço daí de cima foi pensado por um publicitário, que deveria ter previsto essa dupla interpretação!!!

Aí vocês por favor me digam o que a SBU tá querendo dizer com isso, hein? O que a SBU quer com essa campanha? Atrair pacientes? A campanha diz, em outras palavras “Homem, se você brochou, não vire as costas que pode ser pior!” e ELES QUEREM ATRAIR PACIENTES?!?!?!?!

Que moral a SBU tem pra falar em conscientização da população, se não tem consciência do duplo sentido sem noção do lema da campanha?!?!?!?!

Eu me sinto tentada a arriscar um trocadilho com dedos, mas vou me abster. Deixo a SBU sozinha na tarefa de afastar pacientes dos consultórios.

A criatividade dos escribas brasileiros

terça-feira, abril 20th, 2010

Copiado e colado da coluna de hoje da Monica Bergamo, aqui (só pra assinantes, mas não lamente, lembre-se que é a Folha de SPaulo…):

O CRIATIVO
O slogan “o Brasil pode mais”, repetido por José Serra (PSDB-SP) em suas últimas aparições públicas, foi usado por Geraldo Alckmin em 2006, quando ele perdeu a eleição presidencial para Lula. “O Brasil pode mais, porque você pode mais”, disse Alckmin no penúltimo programa eleitoral de sua campanha na TV. O marqueteiro dos dois é Luiz Gonzalez.
O CRIATIVO 2
A incrível coincidência já tinha sido identificada em outro slogan, usado na eleição que escolheu os dirigentes do Santos F.C., no ano passado. “O Santos pode mais” era o slogan da chapa vencedora -da qual fazia parte Fábio Gonzalez, irmão do marqueteiro dos tucanos.

O CRIATIVO

O slogan “o Brasil pode mais”, repetido por José Serra (PSDB-SP) em suas últimas aparições públicas, foi usado por Geraldo Alckmin em 2006, quando ele perdeu a eleição presidencial para Lula. “O Brasil pode mais, porque você pode mais”, disse Alckmin no penúltimo programa eleitoral de sua campanha na TV. O marqueteiro dos dois é Luiz Gonzalez.

O CRIATIVO 2

A incrível coincidência já tinha sido identificada em outro slogan, usado na eleição que escolheu os dirigentes do Santos F.C., no ano passado. “O Santos pode mais” era o slogan da chapa vencedora -da qual fazia parte Fábio Gonzalez, irmão do marqueteiro dos tucanos.

Me lembrou de três coisinhas:

1- Uma agência de publicidade que existia em priscas eras da Internet, a Plus Comunicação. O site deles (putz, não abre mais, que pena!) era um mafuá multimídia, tinha um olho (globo ocular, bem entendido!) que olhava pra tudo quanto era canto, pra cima, pra baixo e pros lados, e, ao fundo (juro por Deus! Eu vi e ouvi isso!!!) o arquivo midi de Missão Impossível tocando sem parar – e sem um botão de calabocapelamordedeus no site!) Justiça seja feita, a Plus Comunicação foi a pioneira no (mau) uso da palavra diferencial. Usava em T-U-D-O quanto era canto. Pra T-U-D-O quanto era cliente. Tenho cá pra mim que os irmãos Gonzalez Y Gonzalez trabalharam nessa agência de comunicação. Daí a reciclabilidade de seus slogans, né?

2- uma notinha lida Internet afora (acho que foi no Blue Bus, mas não encontrei nenhum link que me comprovasse a memória) sobre a concorrência que o IBGE fez para contratar uma agência de publicidade para divulgar seu trabalho etc. e tal, e quase todas as concorrentes fizeram algum trocadilho com o verbo contar para o slogan. algo como: “IBGE, conte com a gente!”

Eu sou a primeira a defender trocadilhos. Acho que um trocadilho calado pode fazer muito mal à pessoa, pois ele vira toxina. O negócio é falar logo e botar o trocadilho pra fora antes que ele te contamine. Mas também não é pra levar o trocadilho a sério, né, gente?

3- O Paulo Henrique Amorim comentou no site dele já ter trabalhado com um revisor (foi no Jornal do Brasil, Paulo Henrique?) que recomendava cautela ou até mesmo que se evitasse o uso da palavra poder, porque ‘o poder pode tudo’.* Aí vem o PSDB e… deixa prá lá.

Tudo isso pra dizer que eu ainda espero um mínimo de criatividade (da sinceridade já abri mão de há muito!) nessa campanha eleitoral que já se vislumbra ao horizonte….

* Pra quem não entendeu: no início do século passado, o fonema da letra F era produzido pelas letras “PH” (como em pharmacia). Agora, imaginem o poder com PH. Então, preciso desenhar ou tá de boa?

Interpretando textos com a Madrasta do Texto Ruim – um olhar realista para destacar as entrelinhas

quarta-feira, abril 14th, 2010

O título daí de cima é pra ser lido com sarcasmo, fazfavô. Porque eu jamais, em sã consciência, começaria um título com um gerúndio, muito menos lançaria mão da expressão um olhar assim assado. Além de sarcasmo, o título acima ainda contém 3 taças de vinho. Favor dar o desconto.

Mas não tô aqui pra justificar meus títulos. Vim para ajudar meus diletos leitores a lerem as entrelinhas dos textos que lhes chegam às mãos. Outro dia mesmo tava aqui aprovando um comentário que falava de texto em entrelinhas.

Enfim. Marido recebeu uma dileta cartinha da TIM(ganei) junto com a conta do celular. A missiva é simpática e educada, mas contém uma série de informações que não foram ditas com todas as palavras. Escancará-las-ei, portanto:

Prezado cliente,

Visando a melhoria constante nos processos de atendimento a você, cliente TIM, estamos aprimorando os nossos sistemas de faturamento, responsáveis pela geração de sua conta.[Achamos por bem mexer no sistema que gera nossas cobranças]

Diante disso, a conta deste mês (Abril/2010) não contempla as chamadas locais e de longa distância. [deu um pau ferrado no sistema, a gente perdeu um monte de coisa, mas se Deus quiser o backup vai funcionar] Estas chamadas serão apresentadas na próxima conta com vencimento em maio/2010. [Até o mês que vem a coisa tem que voltar aos eixos, com a ajuda dos deuses]

ATENÇÃO: Caso exista utilização de chamadas locais excedentes ao seu pacote de minutos, realizadas no período de 1/3/2010 a 31/03/2010 (Período do vencimento de Abril/2010), ou chamadas de longa distância deste mesmo período, estas serão cobradas e apresentadas na conta do mês de maio/2010. [aparentemente, perdemos os registros de suas chamadas excedentes e/ou de Longa distância. Mas estamos rezando pra recuperar tudo, viu? Aguarde notícias mês que vem!]

Essa reprogramação está sendo feita em caráter excepcional, não causará a cobrança de encargos financeiros adicionais e respeita os prazos determinados pela Anatel (Agência nacional de Telecomunicações). [Tamos virando noites e noites pra resolver o quiproquó, o chefe não larga do nosso cangote, e a gente tem que consertar a bosta homérica o mais rápido possível. Inda bem que a Anatel entende que esse tipo de bosta acontece, né?]

Adicionalmente, o vencimento da sua conta deste mês será prorrogado e o pagamento poderá ser realizado até 22/04/2010, sem incidência de multa e juros. [Tamos quebrando o teu galho. Reze por nós!]

Atenciosamente,

TIM Brasil.

Eu ri muito ao ler esta carta. Espero ter compartilhado os motivos de meus risos com vocês. E vamos ver o que vai acontecer mês que vem!

A politização da vírgula (ou a teoria do Fagundes)

sábado, abril 3rd, 2010
As imagens acima também foram "adquiridas" no blog do Nassif. O link pro post tá aí embaixo no texto

As imagens acima também foram "adquiridas" (/cara de pau) no blog do Nassif. O link pro post original tá aí embaixo no texto

Daí que um dileto ectoplasma suíno passou por estas bandas e me avisou deste post no blog do Nassif. Tô com pressinha agora, depois eu baixo as imagens e copio aqui.

Mas, pra quem tá com preguiça de clicar no link, segue o resumo da ópera (bufona). Resumão bem tatibitati, porque, né, trata-se da Folha de São Paulo, o Eliéser dos jornais brasileiros. A história é a seguinte:

1- Folha de São Paulo faz manchete política para edição impressa.

2- Folha de São Paulo faz manchete sobre mesmo assunto para edição online.

3- Folha de São Paulo mexe mal nas vírgulas e faz lambança.

4- Folha de são Paulo remenda a lambança na edição online.

As manchetes das edições impressa e online ficaram, respectivamente, assim:

Serra critica roubalheira e Dilma, viúvas da estagnação (edição impressa)

Serra critica roubalheira, e Dilma, viúvos da estagnação (edição online)

Se eu fosse preguiçosa, me limitaria a lincar aqui a explicação que o professor Pasquale já deu sobre a vírgula e a conjução e. Mas não vou me furtar a tecer minha própria teoria da conspiração. Vamlá.

Pra começo de conversa, vamos falar com base em dona Gramática. Essa manchete da Folha é a prova final, definitiva e indiscutível de que conjunção aditiva pede, sim, vírgula, pra não embananar a compreensão da frase. Então, galera, vamos cortar aquele papinho furado de que conjunção aditiva liga frase e por isso não pode jamais ser precedida por uma vírgula blablabla whiskas sachê blablabla. Como já disse, o Professor Pasquale concorda comigo.

A frase da edição impressa, sem a vírgula antes da conjunção aditiva, tem apenas um sujeito (Serra) e dois objetos diretos (Dilma e a roubalheira). Do jeito que ficou, a frase afirma que Serra criticou tanto a roubalheira quanto a Dilma,  e afirmou que ambas (Dilma e roubalheira) são viúvas da estagnação. Reparem no viúvAs, no feminino.

Já a frase da edição online conta com dois sujeitos, Serra e Dilma, que cometeram a mesma ação (criticar) contra objetos diretos diferentes (o de Serra é a roubalheira; o de Dilma, os viúvOs da estagnação. Viúvos, no masculino, reparou?).

Isto posto, minha teoria é de que esse texto foi feito às pressas, no meio da madrugada, no fechar de uma edição. O caboclo tava com sono, e tava mais preocupado com dona Gramática do que com dona Tendência Política. Aprendeu na escola que antes de conjunção aditiva não tem vírgula nunca, jamais, em tempo algum, e tirou a dita de lá. Apertou o print das rotativas, virou as costas e foi-se embora dormir, pra dar margem a toda sorte de interpretações escabrosas e maledicências por parte dos blogs petralhas (huahuahuahua, como é divertido zoar com todas as tendências políticas!), que começaram a imaginar até mesmo que, dadas suas ligações escusas com o prédio da Barão de Limeira, (aqui começa a viagem legal) foi o próprio Serra foi o autor dessa frase. Não seria de espantar. José Serra tem mesmo habilidade pra fazer cagadas desse tipo com a Língua Portuguesa. Daí os caboclos da edição online viram a bosta e passaram papel higiênico pra limpar.

Mas eu tenho outra teoria: essa manchete foi feita de propósito, e pra sacanear a direção da Folha. Algo bem Fagundes, o Puxa-Saco: E aí chefinho, ficou boa a manchete? Viva o Serra, e abaixo a Dilma, né, chefinho? Daí, o cabra chutou o pau da barraca e fez essa lambança na edição impressa. Então, os caboclos da edição online viram a bosta e passaram papel higiênico pra limpar.

A terceira teoria é a menos plausível de todas: o autor da manchete é um jornalista sem conhecimentos básicos de Português. Mas nessa teoria eu não aposto, não. Naonde que a Folha de São Paulo se prestaria a publicar textos mal-escritos, né, gente? Pô, se tem um jornal que preza pela clareza dos textos e da concordância com as regras gramaticais da Língua Portuguesa é a Folha de São Paulo!!! (*) Ainda assim, ao lerem a magnífica manchete da edição impressa, os caboclos da edição online viram a bosta e passaram papel higiênico pra limpar.

(*) Pros desavisados de plantão: Esse parágrafo foi irônico, tá?

Pneus recauchutados, português careca (ou com a cara enfiada na terra feito avestruz por causa da vergonha alheia que o texto causou, vai saber…)

quinta-feira, março 18th, 2010
GAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH

GAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH

Já vou avisando: esse post é forte demais para pobres corações desavisados.

Resolvido a me chocar, marido me mostra este site aqui [aviso da bruxa: ao clicar no link fornecido, certifique-se de que você não tem canivetes ou facas por perto, porque a vontade de cortar os pulsos será incontrolável], de uma empresa que faz recauchutagem de pneus para veículos pesados.

Vou nem entrar no mérito do uso do Flash, nem dos desenhos, nem de nada do que ainda está te chocando (e por favor, pare de pensar em facas nos pulsos!). Vou direto pro texto em destaque aí em cima (que, justiça seja feita, está à altura do site):

Fundada em 1.973, a Centro Sul pneus surgi, no mercado, atuando no seguimento de Recondicionamento Pneumático ( Recapagem e Recauchutagme de Pneus, nos Sistemas á quente e a frio) utilizando tecnologia totalmente automatizada de última geração.
A Vulcanização á Frio, também conhecido como, Pré moldados, é controlado pôr sistema informatizado ( 3ª pressão), um grande diferencial em nossa atividade

Fundada em 1.973 [De acordo com o Manual do Estadão:  “Escreva os algarismos, de 1.000 em diante, com ponto: 1.237, 14.562, 124.985, 1.507.432, 12.345.678.543, etc. Exceção. Na indicação de anos não há ponto: 1957,1996, ano 2000“. Como se esse fosse o maior dos erros desse texto!], a Centro Sul pneus surgi [Ai. É surgEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE, com EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE], [e essa vírgula aqui?!?!?!!?!? É pra separar o quê de quem, Deusdocéu? Entre sujeito e predicado LÍNGUA NENHUMA DO MUNDO ACEITA VÍRGULA!!!!] no mercado, atuando no seguimento [é nisso que dá confiar cegamente em corretor automático de texto! Seguimento inté inzeste, como diriam os matutos, mas não serve pra falar o que o seu moço quis dizer não! Aqui, o correto seria segmento, mesmo!] de Recondicionamento Pneumático ( Recapagem e Recauchutagem de Pneus, nos Sistemas á [aê, meu tio! Sabe aquele botãozinho no teclado que tem uma setinha apontando pra cima? ele é conhecido como botão de shift! (lê-se xífite). é parecido com o botão de maiúscula da máquina de escrever. Então, se o senhor apertar o xífite e o botãozinho dos acentos ao mesmo tempo, o senhor consegue o acento da crase. Mas não se avexe em corrigir o acento, porque esse a não tem nem acento pra esquerda nem pra direita, num visse?] quente e a [se o cabra acentuou o “á quente”, por que este daqui não foi acentuado? pô, se é pra errar que mantenha ao menos um padrão, oras…] frio) utilizando tecnologia totalmente automatizada de última geração.

A Vulcanização á [Já contei lá em cima a historinha do botão do xífite. Mas aqui também não tem acento, viu, meu tio?] Frio, também conhecido [Cristorrei… A vulcanização é conhecidAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!] como, [e essa vírgula daqui também foi excesso, tá?] Pré moldados, é controlado pôr [ô, meu tio! Na ortografia da língua portuguesa que em vigor estará até 2012, pôr com acento é verbo! Nesse caso daqui, você usou uma preposição! Num carece de acentuar, não! E, pelo que me indica tio Antônio, a Nova Ortografia mantém essa regrinha, num visse?] sistema informatizado ( 3ª pressão), um grande diferencial [Certo, certo… grande diferencial, né? Três mamilos acompanham?] em nossa atividade.

Será que tem jeito? Vamos recauchutar esse texto: (Aiomeucagalho! o @#$%$%¨$%¨$% do WordPress não tá mais marcando palavras cortadas! ‘Bora refazer a correção, porque eu dei “publicar” e nem fui no site ver como ficou depois… malzaê, galera! Ofereço minhas costas para açoite por três segundos! 😀 )

Fundada em 1973, a Centro Sul pneus atua no segmento de Recondicionamento de pneumáticos (Recapagem e Recauchutagem de Pneus, nos sistemas a quente e a frio), nos quais emprega tecnologia totalmente automatizada e de última geração.

A vulcanização a frio, também conhecida como pré-moldados, é um processo controlado por sistema informatizado (3ª pressão), um grande diferencial em nossa atividade.

Pronto! Agora, o veículo pesado pode rodar quantos quilômetros quiser, que não derrapa mais nas curvas da ortografia nem da gramática! Vá em paz, e que São Cristóvão e nossa Senhora do Bom Texto lhes iluminem os caminhos!

E que Nossa Senhora dos Erros de Revisão ilumine meu aplicativo WordPress, porque o troço tá batendo pino aqui!!!!

Didática do trauma: por que não usar a palavra “diferencial”

quinta-feira, março 11th, 2010

Sei nem por onde começar.

No final das contas, acho que esta obra-prima do Ego, que pode ser encontrada aqui, me deu uma idéia: a didática por trauma.

Não gosto, jamais gostei e nunca admirarei (viu como fugir do cacófato nunca-gosto?) a expressão diferencial. É um modismo ridículo. As amebas escreventes usam porque a palavra é bonita e chama a atenção. Acabam por usá-la adequadamente, mas com intenções erradas.

Sei disso porque, certa feita, uma ameba perguntou pro meu marido por que ele havia retirado o diferencial do texto dela. Marido disse que não havia necessidade da palavra no texto porque não fazia nem falta nem diferença, e a ameba perguntou: Ué, mas diferencial não significa que o serviço ficou melhor? NÃO, AMEBA, NÃO SIGNIFICA!!!

Vamos lá, tio Antônio! Explica pra gente:

Diferencial

n adjetivo de dois gêneros
1 relativo a ou em que há diferença

2 que estabelece ou indica diferença
Ex.: traço d.

3 Rubrica: análise matemática.
que envolve derivadas
Ex.: cálculo d.

n substantivo masculino

4 aquilo que constitui diferença; diferença
Ex.: o d. entre eles é que um é presidencialista e o outro não

5 Rubrica: engenharia mecânica.
num automóvel, conjunto de engrenagens que transmite às rodas motrizes o movimento do motor, permitindo que, nas curvas, elas se movam com velocidade diferente uma da outra

n substantivo feminino

6 Rubrica: análise matemática.
função linear que associa a cada número o produto da derivada pelo número

Ah, dona Bruxa, a senhora é muito malvada! Se eu quero indicar que existe alguma diferença, eu posso usar diferencial, sim! Foi tio Antônio quem disse! dirá você.

Certo, certo.  Tio Antônio disse que pode usar, então você quer usar, né, ameba? Fique à vontade. Mas antes de te conceder autorização total e definitiva, vamos ao inovador método da Didática por Trauma recém-criado pela Madrasta do Texto Ruim!

Antes de escrever diferencial no seu texto, ameba, lembre-se desta manchete (e vamos às minhas canetadas):

elileso

Mamilo triplo de Eliéser vira diferencial para conquistar a mulherada
Apresentado nacionalmente no ‘BBB 10’, a anatomia peitoral será mantida pelo engenheiro agrônomo.
(…) o paranaense Eliéser falou com muito bom humor se pretende ou não fazer uma cirurgia estética para a retirada do seu terceiro mamilo.
“É interessante falar sobre isso. Acho interessante ser um cara com três tetas, é um diferencial no mercado. Não penso em operar, é uma coisa minha que não tiraria. Quero manter”, explicou o engenheiro agrônomo.
A quase imperceptível anomalia foi citada por Elíeser logo na primeira semana de confinamento, durante uma conversa ocasional com Elenita e Angélica. Na ocasião, o paranaense explicou que o terceiro mamilo não o incomodava.

Mamilo triplo de Eliéser vira diferencial [Pronto! Táqui! Viu só um exemplo CORRETO de uso do diferencial? Vai fundo, ameba, usa no seu texto…] para conquistar a mulherada

Apresentado nacionalmente no ‘BBB 10’, a anatomia peitoral [e lembre-se também que, para não repetir “mamilo triplo“, o redator do Ego substituiu a expressão por anatomia peitoral. E esqueceu-se de mudar o gênero do “apresentado” que abre a frase, coitado… tava indo tão bem!] será mantida pelo engenheiro agrônomo.

(…) o paranaense Eliéser falou com muito bom humor se pretende ou não fazer uma cirurgia estética para a retirada do seu terceiro mamilo.

“É interessante falar sobre isso. [espero que a frase a seguir lhe convença de uma vez por todas a nunca mais usar o diferencial na sua vida. Bisserve:] Acho interessante ser um cara com três tetas, é um diferencial no mercado. Não penso em operar, é uma coisa minha que não tiraria. Quero manter”, explicou o engenheiro agrônomo.

Pronto! E agora, continua curtindo falar em diferencial? Ah, não? De nada.

Hein? Você quer que eu reescreva esse texto? Carece, não! O objetivo de ele estar copi-colado aqui foi única e exclusivamente para lhe chocar, irritar e traumatizar! Grata.

De parônimos e enfrentamentos

domingo, fevereiro 28th, 2010

Ectoplasma suíno fresco por estas bandas me contou algumas deliciosas porém indigestas histórias de amebas escreventes. Como a de um cidadão que concedeu, via e-mail, autorização a seu subordinado para executar determinada tarefa:

Fulano,
Enfrente
!

Lindo, não?
A ameba quis dizer em frente, mas escreveu enfrente. Tentei imaginar o que se passou pela cabeça da ameba na hora em que ela escreveu enfrente, mas desisti. É, eu sei que eu insisto em sempre partir do princípio de que coisas desse tipo não só têm cérebro como sabem ler fluentemente.

Daí que eu desconfiava que esse fenômeno de palavras com som igual mas escrita e significados completamente diferentes tinha um nome específico. Tio Antônio me contou:

Parônimos

adj.s.m. (1858) gram ling 1 diz-se de ou cada um dos dois ou mais vocábulos que são quase homônimos, diferenciando-se ligeiramente na grafia e na pronúncia 1.1 diz-se de ou palavra cujos fonemas podem se confundir com os de outra(s), por razões etimológicas ou simplesmente tônicas (p.ex.: deferir: diferir, descrição: discrição, emigrar: imigrar etc.)

Quer dizer, domingo à tarde, e a ameba me faz ir ao dicionário pra ver o que é um parônimo!

Se eu recebesse o supracitado e-mail, eu obederia cegamente à ordem!

Iria à sala do meu chefe, chamá-lo-ia (a mesóclise é minha e eu a enfio onde dona Gramática me autorizar!) pra briga durante dez segundos (E aí, mermão? Vai encarar? Tu num é de nada, não! Vem cá pra tomar uns tabefes pra tu ver o quanto é bom) e, logo em seguida, com a maior cara de Fagundes, o puxa-saco, diria: e aí, chefinho, enfrentei de acordo com suas expectativas?

Porque eu sou cínica! E me lembrei deste causo, que não tem nada a ver com parônimos – só com enfrentamentos… 😀

No último lugar onde eu trabalhei, o chefe da redação me mandou, certa feita, o seguinte e-mail:

Dê um pulinho aqui!

Eu não conversei nem questionei: fui até a sala dele, pedi licença, dei um pequeno salto na frente dele, depois fiz cara de Fagundes e disse com sua licença, chefinho!, virei as costas e fui embora.

Ele riu da situação e me chamou pra tomar um cafezinho…

(Não, eu não fui demitida! O chefe que viu que me deu margem pra piadinha sem graça, e aceitou a brincadeira numa boa!)

Tristeza

quarta-feira, fevereiro 24th, 2010

(Não tem nada que me irrite mais do que os dias em que o WordPress tira pra te sacanear e não marcar palavras tachadas… Mas vamos lá, sem tachação de palavras!)

Este caldeirão está de luto.

Olha o que eu acabei de receber, gente! (Falta de) estilo inconfundível, o texto é autêntico da acessoria asseçoria açeçoria assessoria de imprensa delas!

O fim do grupo Sexy Dolls

Chegou ao fim o Sexy Dolls, o grupo que foi inspirado no Pussycat Dolls era formado por Sabrina Boing Boing, Júlia Paes e Carol Miranda. Elas lançaram o album intitulado Tire Minha Roupa, no qual consta a canção Teu Beijo, inspirada parcialmente na trilha do filme Quem Quer Ser um Milionário?.  Além do ingresso no mercado fonográfico, o grupo  figurou a capa da revista masculina Sexy.
A integrante Julia Paes deixou o grupo para se casar com um empresario paulista e por esse motivo Sabrina Boing e Carol Miranda resolveram  não dar continuidade.  O grupo que move uma ação contra o programa CQC da BAND tem a primeira audiencia conciliatoria marcada para a abril.

Chegou ao fim o Sexy Dolls, o grupo que foi inspirado no Pussycat Dolls era formado [Viu? Faltou ou duas vírgulas ou um e aqui! Autêntico o e-mail!] por Sabrina Boing Boing, Júlia Paes e Carol Miranda. Elas lançaram o album intitulado Tire Minha Roupa, no qual consta a canção[no qual consta a canção. Eca!] Teu Beijo, inspirada parcialmente na trilha do filme Quem Quer Ser um Milionário? [Inspirada parcialmente? Ok, tudo bem…].  Além do ingresso no mercado fonográfico, o grupo  figurou a capa [figurar a capa? Qual o problema em foi capa?] da revista masculina Sexy.

A integrante Julia Paes deixou o grupo para se casar com um empresario paulista e por esse motivo Sabrina Boing e Carol Miranda resolveram  não dar continuidade.  O grupo que move uma ação contra o programa CQC da BAND tem a primeira audiencia conciliatoria [duas palavras sem acento! Claro que é da assessoria!]marcada para a abril.

Mas eu tenho cá pra mim que, quando triste, o queridoassessô comete menos erros de português… tá muito tranquilo corrigir este texto:

O fim do grupo Sexy Dolls

Chegou ao fim o Sexy Dolls, o grupo que foi inspirado no Pussycat Dolls era formado por Sabrina Boing Boing, Júlia Paes e Carol Miranda. Elas lançaram o album intitulado Tire Minha Roupa, no qual consta a canção Teu Beijo, inspirada parcialmente na trilha do filme Quem Quer Ser um Milionário?.  Além do ingresso no mercado fonográfico, o grupo  figurou a capa da revista masculina Sexy.
A integrante Julia Paes deixou o grupo para se casar com um empresario paulista e por esse motivo Sabrina Boing e Carol Miranda resolveram  não dar continuidade.  O grupo que move uma ação contra o programa CQC da BAND tem a primeira audiencia conciliatoria marcada para a abril.

Chegou ao fim o Sexy Dolls-ponto. O grupo-vírgula, que foi inspirado no Pussycat Dolls-vírgula, era formado por Sabrina Boing Boing, Júlia Paes e Carol Miranda. Elas lançaram o album intitulado Tire Minha Roupa, no qual consta com a canção Teu Beijo, inspirada parcialmente na trilha do filme Quem Quer Ser um Milionário?.  Além do ingresso no mercado fonográfico, o grupo  figurou a foi capa da revista masculina Sexy.

A integrante Julia Paes deixou o grupo para se casar com um empresário paulista e por esse motivo Sabrina Boing e Carol Miranda resolveram  não dar continuidade ao Sexy Dolls.  O grupo-vírgula, que move uma ação contra o programa CQC-vírgula, da BAND-vírgula, tem a primeira audiência conciliatória marcada para abril.

Tristeza.

(por favor vá embora

Minha alma que chora está vendo o meu fim

Fez do meu coração a sua moradia

Já é demais o meu penar

Quero voltar àquela vida de alegria

Quero de novo cantar…)

Chá com pleonasmo na Terra do Lugar-Comum

quarta-feira, fevereiro 24th, 2010

Mais um e-mail de assessoria de imprensa. Desta vez, sobre chá-mate. Não bastasse o festival de clichês, o chá foi adoçado com pleonasmo. Duvida? Ó só:

MATTE LEÃO INVADE O MERCADO COM NOVOS LANÇAMENTOS
No primeiro semestre de 2010, Matte Leão, marca líder no mercado de chás, traz inovações
São Paulo, 23 de Fevereiro de 2010 – Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante e Matte Leão Zero: os dois novos produtos que a partir deste mês, já estão disponíveis no mercado brasileiro.
O mate é uma erva nativa, consumida pelos índios antes mesmo do Brasil ser descoberto. Matte Leão é uma bebida preparada a partir das folhas desta planta, que são especialmente selecionadas e tostadas para resultar no seu sabor único e inigualável.
Matte Leão, bebida consumida quente ou gelada, tem espaço nas variadas ocasiões: em momentos de lazer, para matar a sede, junto às refeições ou nas reuniões de trabalho.
Matte Leão, autêntica marca brasileira, validada através das gerações, lidera o mercado de chás prontos para beber. De acordo com o Instituto AC Nielsen, em 2009 foram consumidos 60 milhões de litros de chás prontos para beber no Brasil. Neste mesmo ano, a taxa de crescimento do mercado foi de 12%.
Apesar do crescimento apresentado, a importância dos chás dentro do universo de bebidas prontas para beber é ainda muito insipiente no país, se comparada a países onde a categoria é mais madura, como no Japão, nos Estados Unidos e alguns países da Europa, por exemplo.
“Nossos lançamentos vêm contribuir para acelerar o crescimento deste mercado, fortalecer a marca Matte Leão e enriquecer o portfólio da Leão, líder absoluta desde 1901 e maior conhecedora de chás e infusões do Brasil”, comenta Renato Fukuhara, diretor de Marketing da Leão Jr.
Lançamentos:
MATTE LEÃO CONCENTRADO SEM AÇÚCAR E SEM ADOÇANTE
Em 2009 a marca Matte Leão agrega em sua linha e aposta em mais uma novidade: o Matte Leão Concentrado, que já vem adoçado.
O produto é sucesso entre os consumidores e apresenta a oportunidade para mais uma inovação: Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante.
Disponível no mercado a partir de Fevereiro, Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante é ideal para os amantes do autêntico sabor do mate.  Sua formula, composta pelo puro extrato de Matte Leão e ausência de açúcar e adoçante, proporciona a mais completa liberdade para que os consumidores personalizem e adaptem a bebida ao próprio paladar.
“O Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante foi especialmente desenvolvido para se assemelhar ao máximo ao sabor do Matte Leão preparado em casa – aquele feito a partir da erva-mate à granel. Cada família tem a sua receita e a repassa de geração em geração”, comenta Renato Fukuhara.
A proposta, “Faça do seu jeito”, aliada à facilidade e rapidez no preparo, transformam o Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante em uma opção absolutamente alinhada ao mundo contemporâneo.
Além de oferecer sabor, o Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante é econômico. O produto, que vem em embalagens de 1 litro pode render até 6 litros e atender a toda a família.
Matte Leão Concentrado sem açúcar e sem adoçante será distribuído para os principais pontos de venda de todo o Brasil.
MATTE LEÃO ZERO
A marca Matte Leão renova seu portfólio de chás prontos para beber com o lançamento de Matte Leão Zero: zero açúcar, zero caloria.
Segundo o Instituto AC Nielsen, o segmento de baixa caloria já representa 23,8% do mercado de chás prontos para beber no Brasil. Entre os anos de 2008 e 2009, este segmento apresentou aumento de 17,2%.
Atuante desde 1901, a Leão é líder absoluta no mercado de chás prontos para beber com a marca Matte Leão, sendo sinônimo de qualidade e tradição. No segmento diet, light e zero, não é diferente. Matte Leão Diet lidera este mercado de chás de baixa caloria.
Matte Leão Zero vem para substituir o Matte Leão Diet no portfólio da Leão. O lançamento vem com formulação e embalagens novas para atender aos consumidores que optam por produtos zero açúcar, mas que não abrem mão do autêntico sabor de Matte Leão.
“Este lançamento é o resultado de um ano de pesquisa, com o objetivo de chegarmos ao produto perfeito: o autêntico sabor de Matte Leão com zero açúcar, deliciosamente leve e refrescante.”, diz Renato Fukuhara.
Matte Leão Zero pode ser encontrado nos principais pontos de venda do país, nos sabores natural e limão, nas versões copo (300ml), lata (335ml) e pet (330ml, 500ml e 1,5 litro).
MATTE LEÃO ORGÂNICO
“O Matte Leão Orgânico não é apenas um produto sustentável: ele é diferenciado e capaz de unir atributos de excelência e responsabilidade ambiental com qualidade e sabor insuperáveis”, afirma Renato Fukuhara, diretor de marketing da Leão.
O novo produto, apresentado em embalagens de 100g, será comercializado em seus primeiros meses, exclusivamente pelas bandeiras da rede Walmart. O Matte Leão Orgânico combina harmoniosamente tradição e inovação em um chá saboroso, feito a partir de erva-mate orgânica sem uso de defensivos agrícolas ou adubos químicos.
O transporte da matéria-prima do campo à fábrica é realizado por “caminhões ecológicos”, abastecidos com biodiesel, o que reduz as emissões de CO2 na atmosfera. A caixa de embarque é feita de papelão proveniente de florestas sustentáveis, certificadas pelo FSC  Forest Stewardship Council – garantindo o bom uso da terra, controle do desmatamento e manutenção da biodiversidade local.
As embalagens são feitas com papel 100% reciclado e redução de 90% no uso de tinta para impressão. A caixinha do chá traz mensagens de educação ambiental e descreve todas as etapas do produto, de forma a esclarecer e conscientizar o consumidor a respeito dos aspectos envolvidos na fabricação de um produto orgânico e sustentável.
O Matte Leão Orgânico é produzido na recém inaugurada fábrica “verde” da Leão no município de Fazenda Rio Gande (Paraná) e que em breve poderá ser a primeira fábrica brasileira a receber a certificação da LEED – Leadership Energy and Environmental Design, concedida pelo Green Building Council.
Planejada de acordo com os princípios de bioarquitetura, que visam causar o menor impacto possível no meio ambiente, ela foi cuidadosamente concebida para utilizar aspectos diferenciais de sustentabilidade. Em seu terreno de 110 mil metros quadrados, sendo apenas 20 mil de área construída, são utilizados recursos e tecnologia que respeitam e preservam a natureza.
“O Matte Leão Orgânico é um produto único em excelência e compromisso com o nosso planeta”, ressalta Fukuhara.

Chá mate Tal INVADE O MERCADO COM NOVOS LANÇAMENTOS [PLEONASMOOOOOOOOOOOOO!!! Pleonasmo é aquela figura de estilo que sobe pra cima, desce pra baixo, entra pra dentro e sai pra fora. Como um novo lançamento, por exemplo. Muito açúcar, não dá nem pra engolir!]

No primeiro semestre de 2010, o mate Tal, marca líder no mercado de chás, traz inovações [Lugar-comum! Clichê! Falta do que falar, então inventa uma firula qualquer! O mate em questão poderia trazer um novo conceito, ou uma funcionalidade diferenciada, que pouca diferença iria fazer. Pelo menos conjugou direito o verbo trazer.]

São Paulo, 23 de Fevereiro de 2010 – Mate Tal Assim sem açúcar e sem adoçante e Mate Tal Zero: os dois novos produtos que [deveria haver uma vírgula aqui…] a partir deste mês, [já que esta vírgula entrou aqui. Caso não quisesse colocar a vírgula ali, também não colocasse aqui. É um típico caso de pague duas,  leve as duas, coloque-as no lugar certo e não amola!] já estão disponíveis no mercado brasileiro.

O mate é uma erva nativa, consumida pelos índios antes mesmo do Brasil ser descoberto (…) Bla bla bla whiskas sachê bla bla bla (…)

Mate tal, autêntica marca brasileira, validada através das gerações [o que diabos a tchutchuca quis dizer com validada através de gerações? o que esse validada tá fazendo aí? Por acaso o aprovada ou o consumida quebraram a perna e não puderam comparecer ao texto?], lidera o mercado de chás prontos para beber. (…) mais blablabla whiskas sache blablabla (…)

Apesar do crescimento apresentado, a importância dos chás dentro do universo de bebidas prontas para beber é ainda muito insipiente [Tocam as sirenes do reino dos dicionários! Palavra certa escrita errada, que trouxe um significado completamente diferente ao texto. Socorro, Tio Antônio!]no país, se comparada a países onde a categoria é mais madura, como no Japão, nos Estados Unidos e alguns países da Europa, por exemplo.

Blablabla declaração do queridocliente blablabla declaração do queridocliente

[então, vamos falar rapidim com tio Antônio:

InSipiente: 1  não sapiente; ignorante <os empregados que conseguiu eram todos i., sem qualificação>  2  tolo, néscio 3  sem juízo; insensato, imprudente

X

InCipiente: que inicia, que está no começo; inicial, iniciante, principiante ¤ etim lat. incipiens,entis part.pres. de incipère ‘começar, dar princípio’ ¤ sin/var ver sinonímia de primeiro.

Ou seja: a tchutchuca quis dizer que o negócio ainda tá no começo, mas disse que o troço é burro. Legal, né? Bom, adiante, por favor…]

Lançamentos:

Mate  CONCENTRADO SEM AÇÚCAR E SEM ADOÇANTE

Em 2009 a marca Tal  agrega em sua linha [mais um irritante verbinho da moda. Por que agrega, e não reúne, traz para? Aliás, o que é agrega em sua linha? Tem uma grega pisando em cima da linha do chá, é isso? ô, textinhohorrorosooooo!]  e aposta em mais uma novidade: o Mate tal  Concentrado, que já vem adoçado. [e aintes que você tenha uma síncope porque o título falou em sem açúcar e este parágrafo falou em adoçado: este já foi lançado em 2009, é notícia velha…]

O produto é sucesso entre os consumidores e apresenta a oportunidade [Agora imagine você, meu caro leitor, minha cara leitora, a seguinte cena: O produto que é sucesso aparece no meio de um picadeiro de circo gritando: Respeitável público! Venho por meio deste apresentar uma… Oportunidade! Daí, entra no picadeiro dona Oportunidade, uma anã barbada. Ou uma king-konga cuspidora de fogo, sei lá… só sei que me veio à cabeça esta cena agora, achei legal dividir com vocês…] para mais uma inovação [Nem anã nem king-konga! quem adentrou o picadeiro deste sinistro texto foram duas gêmeas siamesas (ou seria uma só, posto que são siamesas? enfim…): Oportunidade e Inovação! Filhas do sr.  Lugar-Comum com a sra. Polissílaba. A Sra. Polissílaba tem esse problema, coitada… de tanto ficar fazendo palavrinhas com mais de três sílabas, de vez em quando vem um par de siamesas… Dizem que dona Polissílaba é filha bastarda do sr. Trocadilho, mas isso não ficou comprovado ainda… é, tá um circo este texto…] : Mate Tal Concentrado sem açúcar e sem adoçante.

Disponível no mercado a partir de Fevereiro, Mate tal Concentrado sem açúcar e sem adoçante é ideal para os amantes do autêntico sabor do mate.  Sua formula, composta pelo puro extrato de Mate Tal e ausência de açúcar e adoçante [Tá, meu filho! Isso a gente já entendeu! Agora fala qual é o borogodó desse produto!], proporciona a mais completa liberdade para que os consumidores personalizem e adaptem a bebida ao próprio paladar.[ou seja: nada. ‘bora ficar com o produto original, porque se você precisa de uma bebida para lhe proporcionar liberdade, mermão, cê tá ferrado, hein?]

Mais Blablabla declaração do queridocliente blablabla declaração do queridocliente

[Dai você pensa que não é possível que o texto diga mais besteira em relação ao produto e aparece este parágrafo:] A proposta, “Faça do seu jeito”, [duas vírgulas erradas que foram abstraídas, OK?] aliada [quando uma coisa se alia a outra no meio de um texto sobre lançamento de produtos, pode ter certeza que o redator dançou o enrolêixon pra escrever a peça]à facilidade e rapidez no preparo, transformam o Mate Tal Concentrado sem açúcar e sem adoçante em uma opção absolutamente alinhada ao mundo contemporâneo.[uma opção absolutamente alinhada ao mundo contemporâneo! E pronto! Mundo contemporâneo é a nova agulha, e o mate concentrado é a opção que se alinha na agulha! Mas que saquinho este texto, hein? E o que é pior: eu ainda não entendi qual é o grande lance do tal do mate concentrado!]

Além de oferecer sabor, o Mate Tal Concentrado sem açúcar e sem adoçante é econômico. O produto, que vem em embalagens de 1 litro pode render até 6 litros [Ufa! Até que enfim! Obrigada por passar uma informação nova, útil e concreta no DÉCIMO-SEGUNDO PARÁGRAFO DO TEXTOOOOOOOOOOOOOOO] e atender a toda a família.

(…)


MATE tal ZERO

A marca tal [O nariz de cera do primeiro produto falava que a marca Tal agrega em sua linha. O deste produto fala em….] renova seu portfólio [BLEARGH!]de chás prontos para beber com o lançamento de Mate Tal Zero: zero açúcar, zero caloria.

(…) Parágrafo com mais dados de mercado (…)

Atuante desde 1901, [Parágrafo que começa com ordem inversa, ou com uma frase puxando para si o holofote que deveria pertencer à frase da idéia principal, é sinal de que não vem boa coisa por aí…] a empresa tal é líder absoluta no mercado de chás prontos para beber com a marca tal, sendo sinônimo de qualidade e tradição [Viu? Se a marca atua no mercado desde 1901, prá quê, meu Deus, eu vou repetir, prá quê dizer que é sinônimo de qualidade e tradição?!?!?! OK, eu tenho a resposta: é porque eles não conseguiram pensar em coisa melhor pra falar. E olha que o produto é bom, ou então não estaria disponível nas prateleiras há 109 anos!] . No segmento diet, light e zero, não é diferente. Mate Tal Diet lidera este mercado de chás de baixa caloria.

Mate Tal Zero vem para substituir o Mate Tal Diet no portfólio da empresa Tal. O lançamento vem com formulação e embalagens novas para atender aos consumidores que optam por produtos zero açúcar, mas que não abrem mão do autêntico sabor de Mate Tal.

Mais Blablabla declaração do queridocliente blablabla declaração do queridocliente (…)


MATE Tal ORGÂNICO

[ai-meu-deus. Abriu com aspas. Lá vem declaração do queridocliente…] O Mate Tal Orgânico não é apenas um produto sustentável: ele é diferenciado [E pron-to! Mais uma palavrinha da moda! O mate orgânico em questão é exímio matemático, e sabe como fazer cálculo diferencial. Portanto, já tem esse resultado e apresenta-se como diferenciado! Grunf!] e capaz de unir atributos de excelência e responsabilidade ambiental com qualidade e sabor insuperáveis” [Mais um festival de palavras polissílabas, que totalizam 34 sílabas, e nada dizem], afirma o queridocliente.

O novo produto, apresentado em embalagens de 100g, será comercializado em seus primeiros meses, exclusivamente pelas bandeiras da rede Sbryfs. O Mate Tal Orgânico combina harmoniosamente tradição e inovação [tradição e inovação? Juntas? Explique como!] em um chá saboroso, feito a partir de erva-mate orgânica sem uso de defensivos agrícolas ou adubos químicos.[e isso é inovação? então, os índios que já tomavam mate antes de Cabral aportar por aqui, plantavam a erva com defensivos agrícolas e adubos químicos? Ah, já sei! é um novo conceito em inovação! Só pode ser! Grunf…]

O transporte da matéria-prima do campo à fábrica é realizado por “caminhões ecológicos”, abastecidos com biodiesel, o que reduz as emissões de CO2 na atmosfera[o máximo que o índio poderia fazer pra emitir CO2 na atmosfera seria… nem isso, porque é gás metano] . A caixa de embarque é feita de papelão proveniente de florestas sustentáveis, certificadas pelo FSC  Forest Stewardship Council – garantindo o bom uso da terra, controle do desmatamento e manutenção da biodiversidade local.

As embalagens são feitas com papel 100% reciclado e redução de 90% no uso de tinta para impressão. A caixinha do chá traz mensagens de educação ambiental e descreve todas as etapas do produto, de forma a esclarecer e conscientizar o consumidor a respeito dos aspectos envolvidos na fabricação de um produto orgânico e sustentável.

O Mate Tal  Orgânico é produzido na recém inaugurada fábrica “verde” da empresa num município do Paraná e que em breve poderá ser a primeira fábrica brasileira a receber a certificação da LEED – Leadership Energy and Environmental Design, concedida pelo Green Building Council.

Planejada de acordo com os princípios de bioarquitetura,  [Outro parágrafo que começa com ordem inversa ou com uma frase puxando para si o holofote que deveria pertencer à frase da idéia principal…] que visam causar o menor impacto possível no meio ambiente [… com direito a uma terceira idéia que atrasou a apresentação da idéia principal!] , ela foi cuidadosamente concebida para utilizar aspectos diferenciais de sustentabilidade [Aceito desenhos. Se alguém conseguir me explicar como se faz pra utilizar um aspecto diferencial de sustentabilidade, eu vou ficar muito feliz!] . Em seu terreno de 110 mil metros quadrados, sendo apenas 20 mil de área construída, são utilizados recursos e tecnologia que respeitam e preservam a natureza.

[Agora eu vou deixar pra vocês verem o que é um queridocliente a falar obviedades num press-release. Prestem atenção à quantidade de clichês que serão ditos nesta frase] “O Mate Tal Orgânico é  um produto único em excelência e compromisso com o nosso planeta [O predicado, sublinhado, contém 12 palavras e 4 clichês (33%, portanto)]”, ressalta Fulano.

Melhorar este texto vai dar tanta dor de cabeça que eu me recuso a fazer isso. Não agora… só sei que estava tomando mate, e esse texto me deu uma sede tão grande que agora vou beber água …

Quem sabe mais tarde?

Mamãe, eu tenho tradutor automático

quinta-feira, janeiro 28th, 2010

Putz! Há não sei quanto tempo eu ameacei criar outra categoria neste caldeirão, intitulada justamente Mamãe, eu tenho tradutor automático. Ela iria cair como uma luva para este texto que pode ser encontrado aqui, e que me foi enviado via Twitter pela Lizandra Silva (@maopequena), a quem agradeço pelo link.

Mas vejamos o estilo robô caminhando que impregna o texto.

Usuários do Twitter estão vulneráveis a falha de segurança
23 de janeiro de 2010| 17h22| Tweet este Post
Por Reuters
Uma falha no site do Twitter deixou as credenciais de login dos usuários vulneráveis a hackers, de acordo com um pesquisador de segurança que pediu à companhia de mídia social que corrigisse o problema.
Mike Bailey, analista sênior de segurança na Foreground Security, disse ter descoberto o problema, que explora uma vulnerabilidade muito conhecida na linguagem de programação Flash, da Adobe.
Bailey disse ter informado a falha ao Twitter e que somente algumas horas sejam necessárias para mudar a forma pela qual o site é programado.
A Adobe já informou a programadores como corrigir a vulnerabilidade, inicialmente constatada em 2006, ele acrescentou, mas disse que os operadores de muitos sites não haviam respondido aos alertas da Adobe.
Com o aumento da popularidade do site de microblogs, ele se tornou alvo primário de hackers que desejam distribuir softwares maliciosos aos milhões de usuários do Twitter.
“O ataque é muito simples, mas eu encontrei diversos exemplos dele”, disse Bailey.
Executivos do Twitter e da Adobe não foram localizados para comentar.
No mês passado, um hacker “sequestrou” por um breve período o controle do site do Twitter, redirecionando o tráfego para uma página da Web que dizia representar um grupo chamado Iranian Cyber Army. Essa invasão, ainda que muito alardeada, não comprometeu as credenciais dos usuários do Twitter; o responsável roubou as credenciais que o Twitter emprega para direcionar seu tráfego.
Bailey disse que sua análise do site do Twitter demonstrava que ele talvez estivesse vulnerável a ataques já há um ano, mas que não era possível determinar se os hackers exploraram de fato a falha no software Adobe.
Ele vai discutir suas pesquisas sobre o problema do Twitter na conferência de segurança na computação Black Hat DC, que começa dia 2 de fevereiro em Washington.

Usuários do Twitter estão vulneráveis a falha de segurança

23 de janeiro de 2010| 17h22| Tweet este Post

Por Reuters

Uma falha no site do Twitter deixou as credenciais de login dos usuários vulneráveis a hackers, de acordo com um pesquisador de segurança que pediu à companhia de mídia social que corrigisse o problema.

Mike Bailey, analista sênior de segurança na Foreground Security, disse ter descoberto o problema, que explora uma vulnerabilidade muito conhecida na linguagem de programação Flash, da Adobe.

Bailey disse ter informado a falha ao Twitter e que somente algumas horas sejam necessárias para mudar a forma pela qual o site é programado.

A Adobe já informou a programadores como corrigir a vulnerabilidade, inicialmente constatada em 2006, ele acrescentou, mas disse que os operadores de muitos sites não haviam respondido aos alertas da Adobe.

Com o aumento da popularidade do site de microblogs, ele se tornou alvo primário de hackers que desejam distribuir softwares maliciosos aos milhões de usuários do Twitter.

“O ataque é muito simples, mas eu encontrei diversos exemplos dele”, disse Bailey.

Executivos do Twitter e da Adobe não foram localizados para comentar.

No mês passado, um hacker “sequestrou” por um breve período o controle do site do Twitter, redirecionando o tráfego para uma página da Web que dizia representar um grupo chamado Iranian Cyber Army. Essa invasão, ainda que muito alardeada, não comprometeu as credenciais dos usuários do Twitter; o responsável roubou as credenciais que o Twitter emprega para direcionar seu tráfego.

Bailey disse que sua análise do site do Twitter demonstrava que ele talvez estivesse vulnerável a ataques já há um ano, mas que não era possível determinar se os hackers exploraram de fato a falha no software Adobe.

Ele vai discutir suas pesquisas sobre o problema do Twitter na conferência de segurança na computação Black Hat DC, que começa dia 2 de fevereiro em Washington.

Vamos retrabalhar o estilo?

Usuários do Twitter estão vulneráveis a falha de segurança

23 de janeiro de 2010| 17h22| Tweet este Post

Por Reuters

Um pesquisador de segurança de redes de computadores descobriu uma falha no site do Twitter que torna as credenciais de login dos usuários vulneráveis a hackers. Ele já informou o problema à empresa que administra o microblog, e pediu que ele seja corrigido.

Mike Bailey, analista sênior de segurança na Foreground Security, contou que a falha em questão explora uma vulnerabilidade muito conhecida na linguagem de programação Flash, da Adobe. Ele disse ter informado a falha ao Twitter, e acredita serem necessárias apenas algumas horas para a correção do problema.

A tal vulnerabilidade da linguagem flash foi descoberta pela Adobe em 2006, e informada aos programadores. Mas muitos sites não haviam respondido aos alertas.

Com o aumento de sua popularidade, o Twitter torna-se alvo cada vez mais cobiçado de hackers com planos de distribuir softwares maliciosos aos milhões de usuários do microblog.

“O ataque é muito simples, mas eu encontrei diversos exemplos dele”, disse Bailey.

Executivos do Twitter e da Adobe não foram localizados para comentar o caso.

No mês passado, um hacker “sequestrou” o controle do site do Twitter por um curto período. O tráfego do microblog foi redirecionado a um site que dizia representar um grupo chamado Iranian Cyber Army. Essa invasão, ainda que muito alardeada, não comprometeu as credenciais dos usuários do Twitter; o responsável roubou as credenciais que o Twitter emprega para direcionar seu tráfego.

Bailey disse que sua análise do site do Twitter demonstraou que ele talvez estivesse vulnerável a ataques há pelo menos um ano, mas que não era possível determinar se os hackers exploraram de fato a falha da linguagem Flash.

A análise da falha de segurança do Twitter feita por Bailey serão apresentados na conferência de segurança na computação Black Hat DC, que começa dia 2 de fevereiro em Washington.

Ainda assim, tá uma bosta. Perdão, mas pau que nasce torto é difícil de endireitar….

Cientistas britânicos estudam medidas contra supostos terroristas alados

quinta-feira, janeiro 21st, 2010

Notícia da Agência EFE, que baixou em meu inbóquis graças a uma querida ectoplasma suína:

Londres cria lista de terroristas suspeitos para evitar que voem
Londres, 20 jan (EFE).- O Governo britânico elaborará uma lista com nomes de suspeitos de terrorismo para evitar que viajem em aviões com origem ou destino ao Reino Unido, dentre uma série de medidas antiterroristas anunciadas hoje diante do Parlamento.
O primeiro-ministro, Gordon Brown, compareceu na Câmara dos Comuns para informar as medidas, um mês depois da suposta tentativa de atentado do jovem nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab contra um avião em pleno voo da companhia aérea Delta quando estava prestes a aterrissar em Detroit, nos Estados Unidos.

Londres cria lista de terroristas suspeitos para evitar que voem

Puxa vida! Infelizmente eu não tenho como auxiliar as autoridades londrinas! Nessa eu passo! Tenho estudos apenas para excorcizar amebas escreventes! Meus feitiços são todos voltados para o bom uso da Língua Portuguesa, não sei como fazer pra evitar que terroristas saiam voando por aí! Aliás, nem sei como os terroristas alaram-se, assim, do nada!

Mas, ó: ainda bem que a história se passou na Inglaterra, a terra dos cientistas britânicos! Esses seres quase mitológicos, que fazem pesquisas escalafobéticas para concluírem Deus sabe o quê (se sapos nascidos na lua cheia têm mais incidência de verrugas no lado esquerdo do queixo, por exemplo), são o tipo de entidade perfeita pra descobrir como listar os “supostos terroristas alados”…

Daí, você lê o primeiro parágrafo e descobre que a notícia em questão nada mais é do que o governo britânico estar preparando uma listinha negra pras companhias aéreas evitarem certas pessoas em seus vôos.

Londres, 20 jan (EFE).- O Governo britânico elaborará uma lista com nomes de suspeitos de terrorismo para evitar que viajem em aviões com origem ou destino ao Reino Unido, dentre uma série de medidas antiterroristas anunciadas hoje diante do Parlamento.

Santo duplo sentido, Batman! Em breve, os terroristas terão asas próprias!

(P.S.: Vou nem ligar pro “diante do Parlamento”…)

CNT ameaça: O amanhã é para sempre

segunda-feira, janeiro 18th, 2010

PAREM AS MÁQUINAAAAAAAAAAAASSSSSSSSSSSSSS!!!

Gente, só de curiosidade resolvi digitar www.cnt.com.br, até pra ver se esse troço ainda tá no ar. E não é que a CNT ainda existe?

Não só existe como transmite novela! Novela, não: novelaSSSSS!

Agora, vê se dá pra aguentar com uma página dessas, gente! Miacaaaaaaaaaaaaabo!

Reparem no detalhe meigo do burrico! A-mey! Agora vejam que coisa de paixão que é a sinopse da novela:

Porque o verdadeiro amor supera todos os obstáculos!
Sucesso recente no México e Estados Unidos, a novela AMANHÃ É PARA SEMPRE é uma produção da Televisa escrita por Pablo Bustamente com
direção geral de Nicandro Diaz.
A história é um remake da telenovela colombiana Puro Sangue e teve sua estréia no México no dia 20 de outubro de 2008 e seguiu até o capítulo
final no último dia 14 de junho 2009 totalizando 169 capítulos onde os protagonistas mexeram com todas as emoções.
Silvia Navarro e Fernando Colunga encabeçam o elenco dessa novela que traz ainda Lucero, Rogelio Guerra, Sergio Sendel e
Dominika Paleta entre outros.
No enredo da novela, Fernanda é a filha caçula do fazendeiro Gonzalo Elizalde, dono de uma grande companhia leiteira, e Eduardo
é filho de Soledad, a governanta da familia Elizalde. As duas crianças crescem juntas unidas por um amor inocente e justo,
apesar das diferenças de classes sociais.
Gonzalo vive feliz com sua esposa Montserrat e seus cinco filhos, sem suspeitar que um inimigo implacável acerca os seus negócios.
Artemio Bravo sente um ódio intenso e amargo de Gonzalo, que tem corroido sua mente e, sua única meta é destruir, lenta e dolorosamente,
a toda a família Elizalde. Para isso, utilizará de uma jovem sem escrúpulos que chega à empresa de Gonzalo com o nome de Bárbara Greco.
Sua inteligência causa boa impressão em Gonzalo, que a contrata como sua assistente pessoal.
Pouco a pouco e com muita astúcia, Bárbara obtém total confiança.
As primeira vítimas de Bárbara são Eduardo e Fernanda, que os descobre beijando inocentemente.
Muito sutil e venenosa, Bárbara convence Montserrat de que Eduardo pode ser um perigo para a menina e o garoto
é enviado para um internato na cidade.
As cartas dos meninos chegam às mãos de Soledad e
ela, com muita dor, decide não entregá-las à eles. Isso faz com que Fernanda se sinta esquecida por Eduardo.
O próximo passo no plano de Artemio é fazer com que Bárbara seja a esposa de Gonzalo, e isso significa que Montserrat deve morrer.
Bárbara a asfixia com uma almofada e faz com que a filha mais velha do casal, Liliana, seja a culpada.
Gritando por sua inocência, a desesperada adolescente acaba sendo internada em uma clínica psiquiátrica.
Posteriormente, Gonzalo se casa com Bárbara e a nomeia membro da junta diretiva da empresa.
Soledad é a única que sabe até onde pode chegar a maldade de Bárbara, mas tem que se calar.
Vive um inferno durante anos, sentindo saudades de seu filho Eduardo e, com eterno temor de que Bárbara cumpra sua ameaça de que ele morrerá.
Os anos passam e Eduardo, depois de ter se formado
nos Estados Unidos, volta à fazenda e encontra sua mãe muito doente. Ela conta do suplício que tem vivido e ele jura fazer justiça.
Bárbara utiliza seu novo cúmplice Damián para que se apaixone por Fernanda e se case com ela. Eduardo, com o nome de Franco Santoro, consegue
entrar na empresa com a intenção de descobrir e fazer pagar os responsáveis de suas desgraças. Fernanda sente uma forte e inexplicável atração por
ele, e surge novamente entre os dois aquele grande amor que nunca morreu.
Soledad, sentindo que a morte a cerca, entrega a Liliana o cofre com o segredo de seu sofrimento, com a esperança de que algum dia ela possa ser
vingada da injustiça que pesa sobre ela. Pouco depois, com a ajuda de Eduardo, Liliana denuncia Bárbara que, por sua vez, se desfaz de Artemio e é
quando se descobre o grande segredo da trama.

Porque o verdadeiro amor supera todos os obstáculos!

Sucesso recente no México e Estados Unidos, a novela AMANHÃ É PARA SEMPRE é uma produção da Televisa escrita por Pablo Bustamente com direção geral de Nicandro Diaz.[tipos, vamos dar um desconto, né, gente? TV pobrezinha, com falta de recursos… o cabra resolveu economizar nas vírgulas!]

A história é um remake da telenovela colombiana Puro Sangue [foi só eu que senti um arrepio de excitação me percorrer toda a coluna?] e teve sua estréia no México no dia 20 de outubro de 2008 e seguiu até o capítulo final no último dia 14 de junho 2009 totalizando 169 capítulos onde os protagonistas mexeram com todas as emoções. [arf, arf, arf… e vamo que vamo! Já tão vendo que vai ser difícil chegar ao fim desse texto sem desfalecer por falta de ar antes, né?]

Silvia Navarro e Fernando Colunga encabeçam o elenco dessa novela que traz ainda Lucero, Rogelio Guerra, Sergio Sendel e Dominika Paleta entre outros.

No enredo da novela, Fernanda é a filha caçula do fazendeiro Gonzalo Elizalde, dono de uma grande companhia leiteira, e Eduardo é filho de Soledad, a governanta da familia Elizalde. As duas crianças crescem juntas unidas por um amor inocente e justo, apesar das diferenças de classes sociais. [Deixa eu adivinhar: eles vão crescer, se apaixonar, mas os pais serão contra o relacionamento porque pobre não póóóóde.]

Gonzalo vive feliz com sua esposa Montserrat e seus cinco filhos, sem suspeitar que um inimigo implacável acerca os seus negócios.

Artemio Bravo sente um ódio intenso e amargo de Gonzalo, que tem corroido sua mente e [pô! Tava rolando um padrão de falta de vírgula! Aqui começou a aparecer vírgula fora do lugar?], sua única meta é destruir, lenta e dolorosamente, a toda a família Elizalde. Para isso, utilizará de uma jovem sem escrúpulos que chega à empresa de Gonzalo com o nome de Bárbara Greco. Sua inteligência causa boa impressão em Gonzalo, que a contrata como sua assistente pessoal. Pouco a pouco e com muita astúcia, Bárbara obtém total confiança.

As primeira vítimas de Bárbara são Eduardo e Fernanda, que os descobre beijando inocentemente. Muito sutil e venenosa, Bárbara convence Montserrat de que Eduardo pode ser um perigo para a menina e o garoto é enviado para um internato na cidade. [Cara! Do nada, o texto começou a ficar compassado, bem escrito, claro, bem redigido… qq houve? o primeiro redator pediu as contas e o chefe foi acabar o trabalho?] As cartas dos meninos chegam às mãos de Soledad e ela, com muita dor, decide não entregá-las à eles [é isso que dá elogiar texto da CNT. Crase antes de palavra masculina…]. Isso faz com que Fernanda se sinta esquecida por Eduardo.

O próximo passo no plano de Artemio é fazer com que Bárbara seja a esposa de Gonzalo, e isso significa que Montserrat deve morrer. Bárbara a asfixia com uma almofada e faz com que a filha mais velha do casal, Liliana, seja a culpada. Gritando por sua inocência, a desesperada adolescente acaba sendo internada em uma clínica psiquiátrica. [cara, eu tô perdendo essa novela? isso é pra se assistir comendo pipocas!!!]

Posteriormente [Das duas, uma: ou o redator desse texto é muuuuuuuuuuuito fodão ou o texto foi traduzido direto do espanhol. Só assim para esse posteriormente surgir do nada], Gonzalo se casa com Bárbara e a nomeia membro da junta diretiva da empresa [junta diretiva? Traduzido do espanhol. Esquece.].

Soledad é a única que sabe até onde pode chegar a maldade de Bárbara, mas tem que se calar. Vive um inferno durante anos, sentindo saudades de seu filho Eduardo e [Pronto! Voltou pro redator que põe vírgula no lugar errado…] , com eterno temor de que Bárbara cumpra sua ameaça de que ele morrerá [“com eterno temor de que Bárbara cumpra sua ameaça de que ele morrerá”. Minhanossassenhora, que frasezinhadebosta, credo! Mais mexicanamente dramático – ou dramaticamente mexicano, o que vc preferir – impossível] . Os anos passam e Eduardo, depois de ter se formado nos Estados Unidos, volta à fazenda e encontra sua mãe muito doente. Ela conta do suplício [suplício? Texto mexicano!] que tem vivido e ele jura fazer justiça.

Bárbara utiliza seu novo cúmplice Damián para que se apaixone por Fernanda e se case com ela. Eduardo, com o nome de Franco Santoro, consegue entrar na empresa com a intenção de descobrir e fazer pagar os responsáveis [Setor de cobranças, em que posso ajudar?] de suas desgraças. Fernanda sente uma forte e inexplicável atração por ele, e surge novamente entre os dois aquele grande amor que nunca morreu.

Soledad, sentindo que a morte a cerca, entrega a Liliana o cofre com o segredo de seu sofrimento, com a esperança de que algum dia ela possa ser vingada da injustiça que pesa sobre ela. Pouco depois, com a ajuda de Eduardo, Liliana denuncia Bárbara que, por sua vez, se desfaz de Artemio e é quando se descobre o grande segredo da trama.

Neste janeiro estou a viver intensamente meu lado trash, viu? É BBB de um lado, CNT de outro… mas sabem que é divertido? Tô morrendo de curiosidade de acompanhar essa novela!

Sério, gente. Tô que é só amores por essa novela… vou acompanhar!

Amo esse menino!

sexta-feira, janeiro 15th, 2010

megale

Gente, tem como não amar Luiz Margarete* Megale?

(Em julho de 2009, Luiz Guilherme Megale disse ao vivo na Rádio Band News FM que, se o Fluminense não caísse para a segunda divisão, ele passaria a se chamar Margarete. Acabou o campeonato Brasileiro, o Fluminense não caiu, e tudo o que ele pediu foi que sua nova alcunha terminasse com te, e não com th. Atendido, pois!)

Pênis duplos

quinta-feira, janeiro 14th, 2010

Presente de uma ectoplasma tão suína mas tão suína que chega a berrar!

Isto é uma tetéia. Com acento.

Porque, né? Você começa a ler o texto e, lá pelas tantas, encontra a seguinte duplicação peniana no meio de metadados:

Analisará os metadados e duplicará-los em formato mais aproveitável

Nãio sei a tchutchuca quis dizer

Irá analisar os metadados e os duplicará em formato mais aproveitável

ou, então,

Analisará os metadados e os duplicará em formato mais aproveitável

Ou mesmo numa pedante porém deliciosa mesóclise

Analisará os metadados e duplicá-los-á em formato mais aproveitável

Só sei que, do jeito que está, ficou um tanto ou quanto fálica. Para o bem ou para o mal.

(P.S: Marido comenta: Um agá aí faria estrago, hein? E eu replico: e precisa de agá?)

Eu avisei…

sábado, janeiro 9th, 2010

Boca de bruxa não falha nunca!

Lembram da previsão para 2010 que eu fiz no dia 30 de dezembro? Copio aqui:

Sinto que em 2010 o novo conceito vai ceder o lugar a um novo olhar.

Repara só a quantidade de novos olhares que começam a pulular nos textos das amebas escreventes…

Bem que o Ruy Castro avisou

Agora, ó só o que tá na home do UOL, lá nosembaixo:

uololhar

Viu? Eu avisei…

Ah, o UOL…

terça-feira, janeiro 5th, 2010

UOL

Tem como não amar, gente?

As amebas uolantes fizeram a teteia de cima (salva pelos deuses do printscreen, via @jessykabr – obrigada, Jessyka!)

Pena que já consertaram!

É por errinhos desse naipe que não dá pra desprezar o UOL, gente! O R7 vai ter que comer muito feijão com arroz pra fazer bostinhas desse nível…

Feliz ano novo! 😀

(P.S.: Estou me divertindo apenas, sim?)

Enqueteeeeeeeeeeeeeeeeeee

segunda-feira, janeiro 4th, 2010

enqueteee cópia

Primeiro deixa eu ver como eu faço pra colar a enquete aqui. (Não cola, Bruxa, tem um zigfrido pra adicionar enquetes no menu direito do blog! Pronto, enquete adicionada! Mas bah! Eu também consigo enfiar a benedita dentro do post! enfiatum est!)

Mas o assunto é o seguinte: estava eu a ler os pios do Noblat, quando me chamou atenção um que diz que a “Dilma mimetiza até mesmo os discursos de Lula. Claro, matéria da Folha de SPaulo.

Daí que eu cliquei no link pra matéria. Se você não conseguir abrir esse link por não ser assinante UOL, clicaqui que tem um resuminho no blog do Noblat.

Na matéria, o repórter conversou com linguistas que analisaram as mudanças no tom do discurso da presidenciável do PT para conquistar simpatizantes blablabla whiskas sache blablabla.

O que me fez criar este post aqui foi justamente a última frase no resumo do Noblat que me remeteu à matéria completa:

“Quando se tem um interlocutor real, isso desencadeia elementos que ajudam a acessar uma fala mais popular”

Mas o que diabos quer dizer isso, meudeusdocéu? Como assim, interlocutor real? Se o interlocutor não é real, ele é o quê?

Então, eu resolvi parar de bater cabeça com texto de bosta da folha de SPaulo e vim aqui pedir sua humilde ajuda.

Você pode, por favor, votar na enquete de dona Bruxa?

[poll id=”3″]

Gradicida, viu?

Equipe do cursinho Anglo “figurativiza” texto de Luis Fernando Verissimo

segunda-feira, janeiro 4th, 2010

GAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHH

Peraí que eu ainda não acabei de gritar:

GAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHH

VOU CORTAR OS

PULSOOOOOOOOOOOOOOOOOSSSSSSSSSSSSSS

Eu juro que eu sou inocente. Estava aqui, no aconchego de meu computador, respirando e lendo a correção da prova de português da Fuvest, realizada ontem, domingo.

Ainda estou meio passada com o fato de nego considerar o tema da redação difícil. Eu faria umas vinte redações com esse tema proposto. Mas não vou me tomar como base, e não é nem por soberba, não, é porque eu sou tagarela, falo (e, por tabela) escrevo mais do que deveria, e…

Viram só? Já comecei a falar da redação, mas deixa a redação prá lá.

Caí da cadeira ao ler a correção da questão 3 sugerida pela equipe do cursinho Anglo. Gente, o texto grifado na imagem abaixo foi escrito por UM-PRO-FES-SOR! EU DISSE UM-PRO-FES-SOR!!!!!!!

Espiem só o estilo-quiabo do cidadão que respondeu à questão. Na boua, se eu sou da banca de correção da Fuvest, mando um cabra desses ir ofender a vovozinha dele…

Ô, tio! Fala "ilustra" que é mais bonitinho....

Ô, tio! Fala "ilustra" que é mais bonitinho....

Aí, os alunos desses caras saem do cursinho e começam a escrever objetivando disponibilizar um novo conceito em figurativização das funcionalidades, crentes que estão abalando Bangu, e a gente é obrigado a ler essas bostas…

Tio Antônio nem sabe me dizer o que significa figurativizar…. quase me botou de castigo, porque pensou que eu estivesse a xingar sua pessoa dele…

Bom, deixa eu ajudar o senhor professor do anglo a responder de forma menos ivizante à questão da Fuvest:

O trecho em destaque pode ser entendido em seu sentido literal, mas ao fazer isso o leitor deixará de perceber o charme do estilo de Luis Fernando Verissimo. Ao saborear com prazer o texto proposto, o leitor sente que meias e água-de-colônia barata adquiriram uma conotação diferente. Tornaram-se itens reles, sem importância, com os quais se presenteia aqueles a quem se tem pouca estima. As expressões, portanto, adquiriram nova extensão de sentido, além do literal.

Tá bom assim ou quer que embrulhe?

Drummond chinês

terça-feira, dezembro 29th, 2009

Já dizia o Barão de Itararé que é mais fácil pegar um mentiroso do que um coxo, ainda mais se o mentiroso em questão for manco. Pois eu acho que recebi um belo exemplo de mentiroso coxo, manco e maneta.

As intenções são as melhores possíveis. Desejar um feliz ano novo. Mas pobrezinha da Língua Portuguesa. E ainda mais pobrezinho do Carlos Drummond de Andrade que, no anonimto da Internet, é obrigado a assinar cada bosta que vou te contar, viu?

Vejam como é fácil provar que Carlito não escreveria uma bosta como esta aqui, ó:

FELIZ OLHAR NOVO
O grande barato da vida é olhar pra trás e sentir orgulho da nossa história.
O grande lance é viver cada momento como se a receita da felicidade fosse o AQUI e AGORA!
Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o bolo queima, o pneu fura, chove demais.
Mas… Pensa só: tem graça viver sem rir, sem gargalhar pelo menos uma vez ao dia?
Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho?
Tá certo, eu sei, Polyanna é personagem de ficção, hiena come porcaria e ri, eu sei.
Não quero ser cego, burro ou dissimulado. Quero viver bem.
2009 foi um ano cheio. Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões… Normal.
Às vezes se espera demais das pessoas… Normal.
A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor que acabou…Normal.
2010 não vai ser diferente. Muda o século, o milênio muda, mas o homem é cheio de imperfeições,
a natureza tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja,mas e aí?
Fazer o que? Acabar com o seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança?
O que eu desejo pra todos nós é sabedoria, é que todos nós saibamos transformar tudo em uma boa experiência!
Que todos consigamos perdoar o desconhecido, o mal educado.
Ele passou na sua vida. Não pode ser responsável por um dia ruim.
Entender o amigo que não merece nossa melhor parte.
Se ele decepcionou, passa pra categoria 3, a dos amigos. Ou muda de classe, vira colega.
Além do mais, a gente, provavelmente, também já decepcionou alguém.
O nosso desejo não se realizou? Beleza, não tava na hora,
não deveria ser a melhor coisa pra esse momento.
Me lembro sempre de uma frase que adoro:
‘Cuidado com seus desejos, eles podem se tornar realidade’.
Chorar de dor, de solidão, de tristeza, faz parte do ser humano. Não adianta lutar contra isso.
Mas se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com generosidade,
as coisas ficam diferentes ……
Desejo pra todo mundo esse olhar especial……
2010 pode ser um ano especial se nosso olhar for diferente.
Pode ser muito legal, se entendermos nossas fragilidades e egoísmos, e dermos a volta nisso.
Somos fracos, mas podemos melhorar. Somos egoístas, mas podemos entender o outro.
2010 pode ser o bicho, o máximo, maravilhoso, lindo, maneiro, especial… Pode ser puro orgulho.
Depende de mim! De você!
Pode ser. E que seja!!!
Que a virada do ano não seja somente uma data,
mas um momento para repensar tudo o que fizemos e que desejamos,
afinal sonhos e desejos podem se tornar realidade somente se fizermos jus e acreditarmos neles!
Autor: Carlos Drumond de Andrade

FELIZ OLHAR NOVO [Olhar novo? Olha pra onde? De onde? Como? Quando? Por quê? Ou seria esse olhar novo aquele galicismo apontado pelo Ruy Castro na Rádio Band News FM e esse título, em francês, ficaria un nouveau regard? Seja lá como for, o Carlos Drummond de Andrade autêntico, aquele de Itabira do Mato Dentro (MG), não escreveria isso jamais. Ou porque ele teria idéia melhor ou porque ele teria mais o que fazer…]

Autor: Carlos Drumond de Andrade [É um Dlumon zenélico, né? Made in China total! Aceita Bladesco, como diria o José Simão?]

O grande barato da vida [Drummond escreveria O grande barato da vida? Acho que não, hein?] é olhar pra trás [Hummm… Drummond não mandaria ninguém olhar pra trás. Ou seria sacaneado na ABL. coitado! Todos os imortais diriam pra ele olhar pro derrière dele…] e sentir orgulho da nossa história.

O grande lance [Um grande lance logo após um grande barato? Hein? Isso lá é estilo de Drummond, meu Deus?] é viver cada momento como se a receita da felicidade fosse o AQUI e AGORA! [Hummm… receitas de felicidade típicas de livros de auto-ajuda? Não, não é Drummond.]

Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o bolo queima, o pneu fura, chove demais.


Mas… Pensa só [Pensa só? Pensa só? Grunf!] : tem graça viver sem rir, sem gargalhar pelo menos uma vez ao dia?

Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho? [NAONDE que Drummond iria se preocupar com uma discussão na ida pro trabalho? Ah, ameba, me economize, pelamor!]

Tá certo, eu sei, Polyanna é personagem de ficção, hiena come porcaria e ri, eu sei.[e ainda por cima é ameba feminina! Porque, por mais intelectual que seja, se algum homem já leu Polyanna, não vai admitir em público. E jamais, eu disse JAMAIS que um poeta iria usar a vida de uma hiena pra ilustrar um texto seu, né? Vamos combinar!].

Não quero ser cego, burro ou dissimulado. Quero viver bem.

2009 foi um ano cheio [Olha o coxo manco! Carlos Drummond de Andrade morreu em 1987. VINTE E DOIS ANOS ANTES DE 2009 ACONTECER!!!!!!!!!! NAONDE que ele sabia que 2009 foi um ano cheio?]. Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões… Normal. [Cristorreimesalva! Quelugarzinhocomumdebosta, credo! Cheio de coisas boas e realizações? Quinze em cada oito textos (sim, eu sei que a conta tá errada. Foi de propósito!) de avaliação de anos findados têm essa construção! Nunca que Drummond iria escrever uma bosta destas!]

Às vezes se espera demais das pessoas… Normal.

A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor que acabou…Normal.

2010 não vai ser diferente [A não ser, é claro, que a ameba seja psicógrafa de Drummond, e ele esteja fazendo essas previsões. Ainda assim, ameba, lamento informar mas você recebeu um espírito fake! Ele disse que é Drummond mas, no máximo, é um ex-gerente de marketing de filial brasileira de multinacional, cujos escritórios ficam na Av. Berrini, em São Paulo (meu ameba locator tem conexões com o Google maps, por isso eu chuto essas coisas…) ] . Muda o século, o milênio muda, mas o homem é cheio de imperfeições,

a natureza tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja,mas e aí? [E aí? E aí? Definitivamente, não é Drummond.]

Fazer o que? Acabar com o seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança?

O que eu desejo pra todos nós é sabedoria, é que todos nós saibamos transformar tudo em uma boa experiência! [Espírito desencarnado de gerente de marketing que trabalhava na Berrini. Cer-te-za!]

Que todos consigamos perdoar o desconhecido, o mal educado.

Ele passou na sua vida. Não pode ser responsável por um dia ruim.[Mais precisamente umA gerente de marketing. Que desencarnou após viver (ou, como ela deveria dizer, experiencializar) uma grande desilusão amorosa.]

Entender o amigo que não merece nossa melhor parte.

Se ele decepcionou, passa pra categoria 3, a dos amigos. Ou muda de classe, vira colega.

Além do mais, a gente, provavelmente, também já decepcionou alguém.

O nosso desejo não se realizou? Beleza [Beleza? Só um Dlumon zenélico seria capaz de escrever isso…] , não tava [Não tava? Tava? O Poeta não comeria um ES do verbo estar, não, senhor…]na hora,

(…)

Chorar de dor, de solidão, de tristeza, faz parte do ser humano. Não adianta lutar contra isso. [Viu? É mulher!]

Mas se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com generosidade,

as coisas ficam diferentes ……[Se olhar o outro com generosidade as coisas ficam diferentes? Mas bota zenélico nisso, hein? Aliás, que frasezinha mais generalista de bosta, credo!]

Desejo pra todo mundo esse olhar especial…… [Pé de pato, mangalô três vezes! Eu não quero isso pra mim, não!]

2010 pode ser um ano especial se nosso olhar for diferente.

Pode ser muito legal, se entendermos nossas fragilidades e egoísmos, e dermos a volta nisso.

Somos fracos, mas podemos melhorar. Somos egoístas, mas podemos entender o outro.

2010 pode ser o bicho[eu tava me segurando pra não gritar, mas dá licença que não agüento mais: GAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHH!!!! O BICHO? O BICHO?!?!?!?!!?!? PREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEENDAM ESSA AMEBA ZENÉLICAAAAAAAAAAA!], o máximo, maravilhoso, lindo, maneiro, especial… Pode ser puro orgulho.

(…)

E não, eu não vou consertar essa bosta. Só espero que, da próxima vez, o espírito de meia-luz e meia-boca que escreveu isso identifique-se adequadamente, e não macule em vão a obra e a memória de Carlos Drummond de Andrade.

Sinceramente, desejo que o nosso 2010 seja genial, maravilhoso e cheio de saúde. Isso basta, né?

Como é mesmo o nome, meu filho?

segunda-feira, dezembro 28th, 2009

Jura que esse negócio vermelho é um pê maiúsculo? Não tem nada de mais aí, não?

Jura que esse negócio vermelho é um pê maiúsculo? Não tem nada de mais aí, não?

Cara, tem coisas que só acontecem comigo. Acho que eu atraio ameba, só pode ser!

Cá estou eu no litoral de São Paulo, a visitar a sogra. Na esquina da casa dela, coitada, tem uma igreja evangélica. Até aí tudo bem, a Constituição Brasileira garante que todos os cidadãos deste país têm o livre direito de professar a religião que quiserem [sabiamente corrigido pelo Sr. Anônimo Covarde. Muito obrigada, sim?].

Mas religião passa a ser problema deste Caldeirão a partir do momento em que a igreja em questão chama-se Igreja Peniel. Atentem para o pê maiúsculo do logotipo da igreja.

Abespinhada com a possibilidade de neopastores criarem umnovoconceito em Deus (não sei se os digníssimos transformaram Deus num grande e exuberante falo – nossa, isso é até pecado, cruzes!), fui em busca de explicações para o nome Peniel. Vai que sou eu que estou pensando besteira e não é nada disso, né?

Mas o texto do Quem somos não ajudou muito a iluminar meu Caminho em Busca da Verdade, não… Pelo contrário, o Caminho Deles Para a Verdade percorre esburacadas estradas de Língua Portuguesa.

Confiramos, pois, o texto peniano peniel:

O Ministério Peniel é uma organização religiosa composta por Igrejas Batistas Peniel , que tem por finalidade dar continuidade a uma visão evangelística de adoração e louvor a Deus, regado sempre pela oração e proporcionando muita comunhão para os irmãos que compõem esta família denominada família Peniel.
O Ministério Peniel tem na sua liderança , pastores, missionários, obreiros de formação teológica , bem como um caráter cristão altamente qualificado que visam cuidar das famílias e vidas que têm se filiado a essa organização.
Possui sua sede Internacional na cidade de São Vicente –SP ,onde ficam o presidente do ministério pr. Newton Gloria Lobato Filho e sua esposa Maura Braga Lobato .
A igreja Peniel tem por objetivo desenvolver múltiplos ministérios na área de ensino desenvolvendo vários projetos sociais. Além disso, realiza trabalhos com os jovens e adolescentes como:  AJOP – Jovens ( Ação Jovem Peniel)  , Revolution e Impacteen ( trabalhos voltados para a  participação dos adolescentes) ,  S.I.M ( Linguagem de Libras para deficientes auditivos), Casados para sempre, Cultos infantis ( realizados com as crianças no decorrer dos cultos e as células, que é o ponto forte do ministério, que visa o pastoreio, comunhão , evangelismo e edificação das vidas que ali se encontram.
O ministério Peniel desenvolve ainda na área de comunicação um programa de TV que vai ao ar diariamente de segunda a sexta na rede Santa Cecília as 9h da manhã, na rede VTV  aos sábados 13h30 e domingos 8h que vai ao ar  para todo litoral Sul e Norte, Vale do Ribeira e região de Campinas. O ministério possui também a TV pela Rede Mundial de Comunicação ( Internet) através do site www.portalpeniel.com que permanece 24 horas no ar.
O ministério Peniel  está face a face com DEUS e  esperando a sua visita para abençoar a sua vida .

O Ministério Peniel é uma organização religiosa composta por Igrejas Batistas Peniel , que tem [olha, seu pastor, o senhor vai me desculpar, mas o Caminho da Verdade Suprema da Língua Portuguesa estabelece em um de seus Mandamentos que o verbo Ter, quando conjugado nas primeira, segunda e terceira pessoas do plural, ganha um acento circunflexo indicativo de plural, OK? Amém!] por finalidade dar continuidade a uma visão evangelística [Temo muito visões evangelísticas. Mas tio Antônio já me disse que não preciso temer, não, porque evangelístico é uma palavra à qual ele dá fé.] de adoração e louvor a Deus, regado [temo ainda mais quando A visão evangelística em questão é regadO. A Língua Portuguesa costuma ser meio homossexual nessas horas, sabe? É menina com menina e menino com menino. então, A visão é regadA, e O olhar é regadO. Agora e sempre. Amém.] sempre pela oração e proporcionando [Eles levaram duas linhas pra enfiarem um encosto gerundol aqui. Nem posso reclamar muito, não…] muita comunhão para os irmãos que compõem esta família denominada família Peniel.[E essa tão bela família tem como padrinho Sigmund Freud? Hein? Quem? Esquece.]

O Ministério Peniel tem na sua liderança , [O Caminho da Verdade Suprema da Língua Portuguesa professa em seus primeiros mandamentos que é EXPRESSAMENTE PROIBIDO O USO DE VÍRGULAS para separar sujeitos de predicados. Agora e sempre. Amém.] pastores, missionários, obreiros de formação teológica , bem como um caráter cristão altamente qualificado [são dois tipos de liderança, como vocês podem perceber. A liderança física e a liderança de caráter. Não sei qual delas manda mais. Nem vou tentar saber, OK?] que visam cuidar das famílias e vidas que têm se filiado a essa organização. [Mas ambas tomam contas das vidas e das famílias. Na minha terra isso se chama fo-fo-ca. Mas não vou polemizar].

Possui sua sede Internacional na cidade de São Vicente –SP [Globalização é isso. O resto é pecado.],onde ficam o presidente do ministério pr. Fulano e sua esposa dona Beltrana.

A igreja Peniel tem por objetivo [Lá em cima era a finalidade. Cá embaixo é o objetivo. Sei, sei…] desenvolver múltiplos ministérios na área de ensino desenvolvendo [curto muito os filhos de Deus que desenvolvem desenvolvendo. É uma atitude de extrema redundância, saca?] vários projetos sociais. Além disso, realiza trabalhos com os jovens e adolescentes como:  AJOP – Jovens ( Ação Jovem Peniel)  , Revolution e Impacteen ( trabalhos voltados para a  participação dos adolescentes) ,  S.I.M ( Linguagem de Libras para deficientes auditivos), Casados para sempre, Cultos infantis ( realizados com as crianças no decorrer dos cultos e as células, que é o ponto forte do ministério [Se as células é o ponto forte do ministério, cer-te-za que o ponto fraco é a Língua Portuguesa. Cer-te-za.] , que visa o pastoreio, comunhão , evangelismo e edificação das vidas que ali se encontram.

O ministério Peniel desenvolve ainda na área de comunicação um programa de TV que vai ao ar diariamente de segunda a sexta na rede Santa Cecília as 9h da manhã, na rede VTV  aos sábados 13h30 e domingos 8h que vai ao ar  para todo litoral Sul e Norte, Vale do Ribeira e região de Campinas [Tem coisa que vai pra rede TV que não vai pra VTV, e tem coisa que vai pra VTV que não vai ao ar em Botucatu, por exemplo. Só não sei qual é qual. Senhor Pastor não explicou direito]. O ministério possui também a TV pela Rede Mundial de Comunicação ( Internet) [Não sei quanto a vocês, mas eu ge-lei e prendi a respiração aqui. Por um instante cheguei a pensar que o Senhor Pastor fosse dono da Rede Mundial de Comunicação] através do site www.portalpeniel.com que permanece 24 horas no ar.[curto muito os sites que ficam no ar 24 horas por dia. Lembro da professora Ju que, certa feita, prometeu a um queridocliente que queria seu site no ar de segunda a sexta, no horário comercial, que ela faria uma promoção especial pra ele: site no ar de domingo a domingo por preço de horário comercial. O queridocliente assinou contrato na-ho-ra… o maior negócio da vida dele, né?]

O ministério Peniel  está face a face com DEUS [Mas será que eles encaram Deus assim, olho no olho, mesmo depois de tanto erro de português junto? Ah, sei lá, eu ficaria envergonhada…] e esperando a sua visita para abençoar a sua vida . [O senhor me desculpe, Senhor Pastor, mas eu não posso visitar o senhor. Minha religião não permite que eu me misture com pessoas que usam tão mal a Língua Portuguesa. Fique em paz e que o Senhor vos acompanhe – Graças a Deus!]

Ó, Senhor Pastor, permite que eu pavimente teu Caminho da Verdade com impecável e impoluto asfalto gramatical que, com as bênçãos da Língua Portuguesa, ajudar-te-á a evangelizar teu rebanho. Agora e sempre. Amém.

Impoluto e impecável, ó Senhor Pastor, teu texto fica assim, ó:

O Ministério Peniel é uma organização religiosa composta por Igrejas Batistas Peniel , que têm por finalidade dar continuidade a uma visão evangelística de adoração e louvor a Deus, regada sempre pela oração e que proporciona muita comunhão para os irmãos que compõem esta família denominada família Peniel.

O Ministério Peniel tem na sua liderança sem vírgula , pastores, missionários, obreiros de formação teológica , bem como um caráter cristão altamente qualificado que visam cuidar das famílias e vidas que têm se filiado a essa organização.

Possui sua sede Internacional na cidade de São Vicente –SP,onde ficam o presidente do ministério pr. Fulano e sua esposa dona Beltrana.

A igreja Peniel tem por objetivo criar múltiplos ministérios na área de ensino, que por sua vez desenvolvem vários projetos sociais. Além disso, realiza trabalhos com os jovens e adolescentes como:  AJOP – Jovens ( Ação Jovem Peniel)  , Revolution e Impacteen ( trabalhos voltados para a  participação dos adolescentes) ,  S.I.M ( Linguagem de Libras para deficientes auditivos), Casados para sempre, Cultos infantis ( realizados com as crianças no decorrer dos cultos e as células, que são o ponto forte do ministério-ponto. Elas visam ao pastoreio, comunhão , evangelismo e edificação das vidas que ali se encontram.

O ministério Peniel desenvolve ainda na área de comunicação um programa de TV que vai ao ar diariamente de segunda a sexta às 9 da manhã pela rede Santa Cecília-ponto e vírgula; aos sábados às 13:30 pela VTV; e aos domingos, às 8 da manhã, o programa vao ao ar para todo o litoral Sul e Norte, Vale do Ribeira e região de Campinas. O ministério possui também a TV pela Rede Mundial de Comunicação (Internet), no site www.portalpeniel.com que permanece 24 horas no ar.

O ministério Peniel  está face a face com DEUS e esperando a sua visita para abençoar a sua vida.

E eu não consegui descobrir qual a origem e o destino da palavra Peniel. Acho melhor desencanar…

Seis dicas para começar 2010 de mal com a Língua Portuguesa

segunda-feira, dezembro 21st, 2009

Engraçado descobrir que fim de ano só muda mesmo o número do ano que está acabando e do que está começando. O resto fica igualzinho. É Simone, Ivan Lins e John Lennon tocando nos alto-falantes dos shoppings e supermercados, você doida pra esfolar vivos os dois primeiros e ressuscitar o terceiro pra esfolar vivo também, de tão irritantes que soam essas musiquinhas batidas de natal…

E nas publicações? Putz! As revistas femininas publicam aquelas reportagens sobre a ceia dos seus sonhos, ou como decorar sua casa para o Natal (e você fica fula da vida quando descobre na prática da decoração mal-feita que você é um ser humano normal, e não produtora de fotografias), ou o lugar-comum dos lugares-comuns: metas para o ano que vem.

Jamais caí na esparrela de estabelecer metas pro ano que vem. Sei que não vou cumprir mesmo, então chego ao mês de dezembro do ano seguinte com alguns pesos a menos na consciência. E nem me sinto tão imperfeita.

Mas isso não vem ao caso. Vamos falar aqui de mais uma historinha tchutchuca de metas pro ano que vem. Esta pode ser encontrada aqui, no Terra.

De acordo com essa reportagem, pra você ter um bom plano de metas para o ano seguinte, você precisa ter…. FOCO!! GAAAAAAAAAAAHHHHHHHH!!!! Espiem só a obra:

1)Revise o que é importante, se questionando em que atividades pode focar [e que em 2010 você abra mão de ser mulher e se torne uma lente teleobjetiva!] e quais deve descartar. Faça duas listas com as respostas (focar e descartar)[porque você vai ter um lado teleobjetiva e um lado lixeira, claro!] por ordem de importância. Reflita sobre os cinco primeiros itens e detalhe um plano de ação em sua agenda.

2) Organize uma agenda, onde possa centralizar todos os seus planos [e que se dane sua vida pessoal, sua casa, sua família, seu emprego…. o importante são seus planos no centro da sua agenda. Pensando bem, deixe os planos no centro da agenda, e não da vida. Pronto! Resolvido!]. Assim, não tem como se esquecer do que pretende conquistar em 2010.

3) Não tenha muitas metas. É melhor focar em poucos objetivos [hummm… se vai focar em poucos objetivos, então você pode realmente ser uma teleobjetiva, sem crises existenciais! Nada de tentar ser uma grande angular, hein?], sempre relevantes e viáveis.

4) Crie pontos de controle da seguinte maneira: a cada bimestre, agende uma reunião de uma hora com você mesmo [Vai fundo! Agende a reunião! Mas não se esqueça de remarcar a reunião porque você não poderá estar consigo mesma no momento marcado… taqueopa!] com o intuito de revisar suas metas e o que deve descartar. Isso diminui o risco de que as promessas sejam deixadas de lado.

5) Compartilhe seus objetivos com alguém de confiança, que o ajude a manter a motivação. Questione a pessoa escolhida sobre seus planos.[Per-fei-to! Questione a pessoa escolhida sobre os seus planos! Fulano, por que eu não emagreci? Fulano, por que eu ainda não entrei pra academia? Excelente idéia pra manter sua consciência livre e tranquila!]

6) Dedique tempo a você em 2010, o que colabora na tarefa de ter energias para executar suas metas. Portanto, inclua atividades de lazer em sua rotina com uma periodicidade ao menos quinzenal.

Então, queridos, que em 2010 o ato de focar seja ação exclusiva das lentes! Concentre-se, dedique-se, preste atenção, mas não foque jamais! Tenham o trabalho de adquirir máquinas fotográficas com foco automático e sejam felizes!

Que em 2010 vocês dêem um passo de cada vez, sempre com a Língua Portuguesa a seu favor.

Felicidades!

Objetivando estar alinhado

quarta-feira, dezembro 16th, 2009
Agulha e linha devidamente... er.... alinhadas! #prontofalei

Agulha e linha devidamente... er.... alinhadas! #prontofalei

Resolvi acabar com a sua noite também. Ou, então, lhe proporcionar algumas gargalhadas. Ou ainda, quem sabe, lhe trazer aquele momento de incredulidade, ao lhe fazer pensar: Meu Deus do céu! Sério que nego escreve um troço desses e acha que tá abafando?

Acompanhe mais alguns trechinhos do e-mail que eu recebi e que disse ter deletado (desculpa, menti!). Agora sim, devidamente apagado. Vejam a quantidade de alinhavos incluídos no texto. Ô mania que esse povo tem de alinhar as coisas, credo!!

Criar valor é estratégico e faz parte do intangível da organização. As empresas de consultoria atuam como facilitadoras na criação de valor para as organizações por meio da transformação do conhecimento tácito em explícito. O conhecimento tácito é aquele intrínseco ao ser humano, de difícil transmissão e o conhecimento explicito é o que está mais visível, de fácil recuperação.
O segredo para o sucesso está em oportunizar um clima organizacional favorável à criação de valor alinhada a uma gestão orientada por processos que permita a geração deste valor, transformando o intangível em tangível
As empresas de consultoria atuam no mercado facilitando o processo de implantação de uma cultura de gestão moderna, inovadora, alinhada ao atendimento de necessidades das stakeholders ampliando os ativos intangíveis e a percepção do valor agregado aos produtos e serviços.

(…)

O segredo para o sucesso está em oportunizar [o que queira que isto venha a significar, como diria o outro…] um clima organizacional favorável à criação de valor alinhada [1] a uma gestão orientada por processos que permita a geração deste valor, transformando o intangível em tangível [é pra fazer o quê, mesmo, hein?]

(…)

As empresas de consultoria atuam no mercado facilitando o processo de implantação de uma cultura de gestão moderna, inovadora, alinhada [2] ao atendimento de necessidades das stakeholders ampliando os ativos intangíveis e a percepção do valor agregado aos produtos e serviços.

Da série “Colei meleca na cruz”

quarta-feira, dezembro 16th, 2009

Isso aqui chegou agora no meu e-mail. Calma, que só vou copiar o primeiro parágrafo:

O Balanced ScoreCard é considerado um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzir a estratégia em objetivos operacionais que direcionam comportamentos e performance.

Resolvi não me aporrinhar. Adivinha qual botãozinho do meu teclado eu apertei?

Uma dica: linha de baixo, primeiro à esquerda...

Uma dica: linha de baixo, primeiro à esquerda...

Boa noite! Vai dormir!

O lugar-comum arrumadinho

sexta-feira, dezembro 4th, 2009

Esse daqui já veio com o aviso [SPAM] do meu Autilúquio.

Um festival de lugar-comum e falta de estilo tão gritante que chega a dar pena. De tão redundante, o texto quase que entra em loop. Vou tentar melhorar:

Uma nova profissão que acompanha as necessidades da vida moderna
A organização nunca foi tão essencial quanto nos dias de hoje, quando se vive em constante luta contra o tempo. Seja ela em casa ou no trabalho, a necessidade de pôr ordem no ambiente resulta em inúmeros benefícios para todos que freqüentam esses recintos.
Para ajudar os desorganizados por natureza ou aqueles que não têm muito espaço para guardar seus pertences, surge uma luz no fim do túnel: Divas Escritório de Organização.
Divas é uma empresa nova que oferece um conceito em serviços de organização que proporciona, através de metodologias específicas para cada caso, uma vida mais saudável de maneira simples e ao alcance de todos. Composta por uma equipe de experientes organizadoras pessoais, a Divas soluciona problemas de espaço (ou falta dele), otimizando melhorar a vida de cada um.
Os benefícios da organização doméstica não são apenas estéticos. Em meio à bagunça, perde-se tempo, e como sabemos, tempo é dinheiro. Pensando nisso, a Divas atua com métodos exclusivos visando melhorar a vida de seus clientes como um todo, desde a parte prática até a qualidade de vida, pois um ambiente organizado também é saudável.
E a empresa não trabalha somente com o serviço de organização. A Divas oferece pacotes de manutenção do trabalho executado, assim como serviços para fins específicos, como assessoria de mudança, orientação de empregados domésticos, organização de pequenos eventos e os pacotes especiais para noivos e futuras mamães.
Como se vê, as Divas são a solução para a desorganização da sua vida, pois têm as ferramentas para organizar qualquer ambiente, trazendo para a vida de seus clientes organização, limpeza e autodisciplina.

Uma nova profissão que acompanha as necessidades da vida moderna [o que seria dessas pessoas se a palavra necessidade, junto com seu plural, fosse banida, execrada, limada da Língua Portuguesa? Eles saberiam se virar pra escrever um texto claro?]

[Já começo por convocar minha cara de interessada pra ler o texto] A organização nunca foi tão essencial quanto nos dias de hoje, quando se vive em constante luta contra o tempo. Seja ela em casa ou no trabalho, a necessidade de pôr ordem no ambiente resulta em inúmeros benefícios para todos que freqüentam esses recintos.[hum-hum, sei… interessante o texto, não? Não!]

Para ajudar os desorganizados por natureza ou aqueles que não têm muito espaço para guardar seus pertences, surge uma luz no fim do túnel: Escritório de Organização Tal.[Típico caso de texto que começa no segundo parágrafo!]

A Tal é uma empresa nova que oferece um conceito [AAAAAAAHHHHHHHH!!!! Por que oferece conceito? por que não oferecer produtos, serviços, trabalhos? Como se mede um conceito? Em pencas? Quilos? Isos 9001?] em serviços de organização que proporciona, através [ai… ele proporciona através…] de metodologias específicas para cada caso[taí! A tchuca não disse que atende às necessidades específicas de cada cliente, mas falou igual! Gostei!] , uma vida mais saudável de maneira simples e ao alcance de todos [a generalização aqui foi tão ampla que beirou o infinito… me senti num seriado de ficção científica agora!]. Composta por uma equipe de experientes organizadoras pessoais, a Tal soluciona problemas de espaço (ou falta dele), otimizando melhorar [a carência de estilo aqui é tão gritante que o encosto gerundol recaiu sobre o verbo errado!] a vida de cada um.

Os benefícios da organização doméstica não são apenas estéticos. Em meio à bagunça, perde-se tempo, e como sabemos, [que rufem os tambores! Sabemos o quê?] tempo é dinheiro [GAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHH!!! LUGARCOMUUUUUUUUUUUUUUUUMMMM!!!]. Pensando nisso, a Tal atua com métodos exclusivos visando melhorar a vida de seus clientes como um todo, desde a parte prática até a qualidade de vida, pois um ambiente organizado também é saudável. [aimeudeus! A reincidência do lugar-comum é tão insistente que eu acho que eu vou vomitar!]

(…)

Como se vê, a empresa Tal é a solução para a desorganização da sua vida, pois tem as ferramentas para organizar qualquer ambiente, trazendo para a vida de seus clientes organização, limpeza e autodisciplina. [tudo aquilo que você sempre abominou na sua mãe, você paga para ter!]

‘Bora melhorar a bagaça:
Um novo serviço para a atribulada vida moderna

A organização nunca foi tão essencial quanto nos dias de hoje, quando se vive em constante luta contra o tempo. Seja ela em casa ou no trabalho, a necessidade de pôr ordem no ambiente resulta em inúmeros benefícios para todos que freqüentam esses recintos.
Para ajudar os desorganizados por natureza ou aqueles que não têm muito espaço para guardar seus pertences, surge a empresa Tal.
Trata-se de uma empresa nova que oferece um amplo portifolio  de serviços de organização que, depois de executados e concluídos, conferem uma vida mais saudável de maneira simples e ao alcance de todos.
A empresa Tal resolve problemas de excesso ou falta de espaço, para melhorar e otimizar a vida de seus clientes.
Os benefícios da organização doméstica não são apenas estéticos. Em meio à bagunça, perde-se tempo, e como sabemos, tempo é dinheiro. Pensando nisso, a Divas atua com métodos exclusivos visando melhorar a vida de seus clientes como um todo, desde a parte prática até a qualidade de vida, pois um ambiente organizado também é saudável.
(…)
Como se vê, as Divas são a solução para a desorganização da sua vida, pois têm as ferramentas para organizar qualquer ambiente, trazendo para a vida de seus clientes organização, limpeza e autodisciplina.

E vai já tirar os sapatos que você largou espalhados na sala, menino!

Publicado com o WordPress