A Língua de Eulália – o livro é chato, mas o tema é muito importante!

Fiz essa resenha como trabalho de Linguística. Mas comecei a discutir o assunto no Twitter, e resolvi trazer esse texto à tona.

Desafio você, aluno ixperrrto, a copiar este texto e entregar ao seu professor. Vais ver porque eu sou uma bruxa…

Enfim. A ideia (que falta que faz esse acento…) é a seguinte: mostrar ao público leigo que frases como os livro é bonito ou pronúncias como trabaio não são português errado, mas variação de uma língua cuja evolução do Latim não se estagnou, ainda prossegue – e é consequência de um país de dimensões e culturas continentais.

O assunto é sério, e rende pano pra manga, discussão, polêmica, quiproquós e tudo quanto é expressão clichê pra designar arranca-rabos de grande magnitude. Que o digam o ex-ministro da Educação Fernando Haddad e o livro didático Viver Aprender, lançado por seu Ministério no ano passado.

O sentido de falar certo e falar errado está mais do que arraigado no subconsciente dos brasileiros e, sem que as pessoas percebam, é uma forma de expressar preconceitos outros: de classe, de raça, geográficos…

Há quem tenha calafrios ao ouvir a frase já citada: os livro é bonito. “A regra é clara”, diriam os arnaldos césares coelhos da Língua Portuguesa: todas as palavras flexionáveis da frase devem concordar em número entre si. Portanto, artigo, substantivo, verbo e complemento nominal devem obrigatoriamente estar todos ou no singular ou no plural. Caso contrário, é errado. O corretor gramatical do Word é minha prova de que até softwares são adestrados a identificar os livro como errado, pois todas as ocorrências da citada expressão neste texto foram sublinhadas em verde pelo programa.

Mas com um pouquinho de metodologia percebe-se na frase errada um critério, uma norma: só a primeira palavra do sintagma ganhou um ésse, e isso já basta para transmitir a informação de plural. Regra diferente, e que é seguida, ainda que instintivamente, de norte a sul deste país, por quem fala português errado. É o que os linguistas chamam de variação linguística. Não caracteriza erro ou ignorância, apenas o emprego de regras outras. A mensagem é transmitida com perfeição do emissor ao receptor, sem ruídos.

Da mesma forma, pronúncias como trabaio, abeia, cuié ou fia estão longe de serem erros ou ignorâncias. Com iguais critérios científicos de análise linguística empregados no raciocínio anterior, é possível perceber que tais pronúncias são explicáveis com palatos, línguas e todas as partes do sistema do corpo humano usado na produção de fonemas e sons de letras e de onomatopeias. E, com um molhinho extra de comparação com outras línguas que, assim como o português,(atenção, professor! se você está lendo estes parênteses, é porque seu aluno copiou um texto da Internet de terceiros e apresentou como se fosse dele, sem nem se dar ao trabalho de ler a bagaça toda! Zero no meliante!)  tiveram seu ponto de partida no Latim, nota-se que essas pronúncias erradas são, na verdade, uma pronúncia quase igual à francesa para essas mesmas palavras: travaille, abeille, cuiller, fille.

Que coisa mais fascinante! – deve pensar o leigo que porventura vier a ler este texto. Mas como fica o ensino da Língua Portuguesa a partir dessa tese? – retrucará em seguida esse mesmo leigo hipotético que me permitiu o uso do verbo retrucar.

Simples: o professor usa em aula as duas variações do português (padrão e não-padrão), evidencia suas diferenças e avisa aos alunos o tempo todo: o português não-padrão não é bem visto por todo mundo. Por fim, fará seus alunos entenderem que é importante usar o português padrão em textos escritos, provas oficiais, tribunais e locais onde se exige mais formalidade por parte dos frequentadores.

Ah, então tá bom! Então, vamos disseminar essa tese, certo? – concluirá o leigo hipotético.

Aí a coisa começa a pegar. Para divulgar essa tese importante, Marcos Bagno – que não é um cara qualquer, trata-se de Linguista e professor do Instituto de Letras da UnB – resolveu fazer “uma novela sociolinguística”. E escreveu o livro A Língua de Eulália, em 1997.

Todo brasileiro que se preza, ao ler a palavra novela logo pensa em enredos e tramas típicas de telenovelas. Mas há quem se lembre de alguma coisa de gêneros literários (assunto de aulas do segundo grau), e que o gênero telenovela está mais para folhetim do que para novela.

Na era do Google, o sacrossanto site de buscas resolve a dúvida, e nos leva a dona Wikipedia: “Uma novela em português é uma narração em prosa de menor extensão do que o romance. Em comparação ao romance, pode-se dizer que a novela apresenta uma maior economia de recursos narrativos; em comparação ao conto, um maior desenvolvimento de enredo e personagens.”

Se dona Wikipedia está certa, então A Língua de Eulália pode ser tudo menos uma novela. Porque de uma coisa enredo e personagens da história de Bagno definitivamente não foram vítimas: de desenvolvimento.

O livro conta uma história chata, arrastada, modorrenta, por vezes pedante. E utiliza-se, para isso, de personagens chatos, insossos, que chegam do nada e levam a história a lugar nenhum, e aparecem no livro para se reunirem em “interessantes” (boceeeeeeeeejo) aulas de português.

E o que dizer da personagem principal, Eulália? Nada, absolutamente nada. Contei menos de cinco falas de Eulália em toda a trama, todas dispensáveis para a condução do enredo.

Na verdade, estou em dúvidas. Eulália é personagem principal ou desculpa do livro? A história desenvolve-se sem que sua participação seja decisiva para o enredo (talvez isso faça de Eulália a personagem com mais empatia em toda a trama).

Em suma: a história prende pelo conteúdo e não pelo formato. O leitor só chega às últimas páginas do livro caso se atenha às ideias de variação não-padrão do português, defendidas pela doutora em Linguística Irene a sua sobrinha e amigas.

Creio que A Língua de Eulália seria muito mais interessante se fosse um folhetim sociolinguístico, e contasse, por exemplo, as agruras e sofrimentos da heroína Eulália, uma trabaiadora no ramo de curtura di abeias que é vítima dos ricos e poderosos que caçoam da forma como ela fala. Se Bagno explorasse a noção de português padrão e português não-padrão por meio de conflitos de classes e geográficos, a história talvez fosse menos modorrenta.

Mas o mais gritante foi ler, na edição de 2011 do livro, as observações do autor a respeito de sua obra, passados 14 anos da primeira edição. Na página 212, Bagno afirma:

Todos os aprendizes devem ter acesso às normas linguísticas urbanas de prestígio, não porque sejam as únicas formas “certas” de falar e de escrever, mas porque constituem, junto com outros bens sociais, um direito do cidadão, de modo que possa se inserir plenamente na vida urbana contemporânea (…)

E, na página 213, completa:

(…) constitui um atentado aos direitos do cidadão continuar a prescrever, como únicas corretas, regras gramaticais que entram em flagrante conflito com a intuição linguística do falante e que não correspondem ao estado atual da língua, nem sequer em seus usos escritos mais formais.

O leitor leigo (público-alvo do livro) pode entender uma contradição nesses dois trechos. E o leitor mal-intencionado (aqueles que defendem que dizer os livro é bonito é coisa do Lula pra impor seu falar errado aos brasileiros estudantes) vai encontrar contradições e vai trabalhar esses dois trechos com o lado negro da força.

É necessário um semestre inteiro de um curso de Linguística para entender que os dois textos não são contraditórios, mas complementares.

A meu ver, Bagno deve urgentemente reescrever essas duas páginas de forma a deixar suas ideias mais à prova de contradições. Pensando bem, se der pra refazer tudo para dar mais vida aos personagens, a história vai ficar melhor…



23 comentários sobre “A Língua de Eulália – o livro é chato, mas o tema é muito importante!”

  1. Fernando F comentou:

    A respeito dos livro, recomendo a excelente crônica, “Gauchês: a única língua sustentável” da Eliane Brum.
    http://www.vidabreve.com/uncategorized/gauches-a-unica-lingua-sustentavel

    É uma crônica, que muito nos orgulha, nós os gaúcho, que lavamos as mão, os pé e os dente. E isso, em todos os extratos sociais. Lavar as mão é falado inclusive pelas elite que gosta de chamar o Lula de ignorante.

  2. Guilherme Jorge comentou:

    A luta contra o preconceito linguistico é um exercício subestimado.
    Acompanho o Marcos Bagno na Caros Amigos e mto curto a defesa apaixonada dele pelas variações linguisticas.
    Aliás, foi um belo esculacho com o livro do cara. rs.

  3. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Eu troquei emails com o prof. Bagno pra fazer meu trabalho de Linguística. Ele é um phopho, e a ideia que ele defende é superimportante! (Mas o livro dele é chato que dói, caramba…)

  4. Guilherme Jorge comentou:

    Você está certa, achar o livro uma merda não anula a relevância do discurso dele, mas deixa o esculacho mais engraçado.

  5. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    (Ticontá que periga eu ser aluna do Bagno nos próximos semestres na UnB… Se eu deletar esse post, você me entende? 😉 )

  6. Guilherme Jorge comentou:

    Como diria o poeta: “Ó, peida não, hein?!!”

  7. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    HUAHUAHUAHUAHAUHAUAHUAHUAHUAHUAHUAHAUHAUHAU

  8. DasiyaMoorb comentou:

    como tomar is 5 mg

    62ed is online be

  9. DasiyaMoorb comentou:

    at is problems

    62ed discount is by lilly

  10. DasiyaMoorb comentou:

    only now is legal

    62ed female is does it work

  11. IngeborgMoorb comentou:

    how often should u take is

    1e9d be is over phone

  12. DanaMoorb comentou:

    price of daily use is

    bf25 compare is prices overseas

  13. DanaMoorb comentou:

    presentacion de is de 5mg

    bf25 is 20 canada

  14. SeverinMoorb comentou:

    is online express

    f5a0 liquid is cocktail

  15. SeverinMoorb comentou:

    is 50 mg apotheke preis

    f5a0 ship is to hong kong

  16. Jeabusy comentou:

    Viagra Ohne Potenzstorung Combivent Inhalers Without An Rx Comprar Cialis Generico En Barcelona order cialis online Information On Cephalexin Propecia Spermatogenesis Priligy Italy

  17. VovaMoorb comentou:

    pillola is originale

    2659 is y similares

  18. VovaMoorb comentou:

    is online at eu

    2659 is costo in farmaci

  19. Michaeledivy comentou:

    stromectol

  20. VovaMoorb comentou:

    is prix moye

    2659 is c20 side effects

  21. RannevMoorb comentou:

    why to take viagra

  22. FursMoorb comentou:

    is generique sildenafil

    aacd is pfizer thailand

  23. FursMoorb comentou:

    notice is 100mg

    aacd original is for sale

Publicado com o WordPress