Ameba sobrevoa o caldeirão e causa um post longo com vídeo do Golias

Tudo começou há mais de dois anos quando eu fiz este post daqui. Curto muito essa música do Vitor e Leo. Não sei se foi por conta dos hormônios à flor da pele na época em que eu ouvia essa música direto, meu filho tinha acabado de nascer, e invariavelmente o tema da novela das seis começava a tocar quando eu estava dando meu peito a ele. Mas até hoje a música Deus e eu no sertão só me traz boas recordações e sensações.

Ponto parágrafo.

Ontem, aprovei este voo (sem acento porque merece!) rasante de ameba comentário pro post em questão:

 

”]Claro que eu respondi! E minha resposta rendeu tanto que eu vou transformá-la em post novo:

 

Ai, que bom que você gosta de música sertaneja, Eliana!
Deixa eu te apresentar, então, ao novo hit parade da língua portuguesa:

1º lugar – Vírgulas. Elas costumam separar idéias nas frases.
2º lugar – Pontos. Eles são mais enfáticos do que as vírgulas quando o negócio é separar idéias. Na verdade, eles atuam como se fossem um “botão de enter” pra você jogar a frase inteira dentro do seu cérebro (cérebro você sabe o que é, né?) e processar a informação toda.

Isto posto, vamos adequar a sua frase ao novo hit parade da língua portuguesa:

BOM EU ADORO MUSICAS SERTANEJAS-ponto. ANTES EU NAO GOSTAVA-vírgula, MAIS DEPOIS DESSAS MUSICAS-vírgula, AGORA EU AMO.

Outro grande sucesso do hit parade da língua portuguesa é saber a diferença entre conjunção adversativa e advérbio. E não se assuste, porque eu não falei inglês. Assista aeste vídeo do Ronald Golias que você vai entender tudo!!!

Portanto, com essa aula magna de Ronald Golias, deve ter ficado claro (né, Eliana?) que você deveria ter escrito

ANTES EU NÃO GOSTAVA-vírgula, MAS (e não mais, como você escreveu) AGORA EU AMO

Enfim, só tenho a lhe agradecer por ter passado por aqui e me feito uma visita tão aterradora que me rendeu um post perfeito!

Volte sempre! E quando você aprender a escrever direito eu até te ofereço um bolinho de fubá!

Abraços da
Bruxa



11 comentários sobre “Ameba sobrevoa o caldeirão e causa um post longo com vídeo do Golias”

  1. Leo comentou:

    Você não presta… rsrsrs

  2. Allan Moraes comentou:

    Dona Bruxa, sei que você é ocupada, mas (viu só?! ahhh muleque!! ;D) será que não dá pra você ver isso aqui e dar sua opinião PFVR?? Aí vai i link: http://0lheiras.files.wordpress.com/2011/11/jogos-paralimpicos.jpg?w=450&h=341

    “Paralímpicos”?? Qual o problema com o “Paraolímpicos”? (Tudo bem,, tudo bem… A organização/entidade/instituição internacional usa “Paralympics”, mas… eles são eles, TO CERTO TO ERRADO?)

  3. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    O raciocínio deles até está certo (se você tomar como origem a expressão em inglês paralympics), a questão é se a premissa (é a expressão em inglês, e não o prefixo para + olimpíadas) é verdadeira….
    enfim, se o ponto de partida for a expressão em inglês (o que eru duvido), até pode estar certo; Mas se a expressão correta for originada da formação com o prefixo grego, acho que o certo é paraolimpíadas et céteras…
    Mas até 2016 a gente ainda vai ouvir uma explicação babosística a respeito…
    por enquanto, olha o que eu achei na Wikipedia:

    A origem do termo “Paraolimpíada” é obscura. O nome foi originalmente criado numa contração combinando “Paraplegia” e “Olimpíada”.[PS da Bruxa: duvido, mas deixa prá lá]. A inclusão de outros grupos de deficiência tornaram esta explicação inadequada. A explicação formal atual para o nome é que ele deriva da preposição grega παρά, pará (“junto a” ou “ao lado de”) e, portanto, refere-se a uma competição realizada em paralelo com os Jogos Olímpicos

    Enfim, valeu pela observação! #vamosacompanhar

  4. TS Bovaris comentou:

    Eu diria que esta postagem foi D MAIS, e AD MAIS eu acrescentaria para evitar ou uso da CaIxAlTa em todo o texto. Fere os ouvidos.

  5. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Eu nem cheguei a tanto. Se você reparar, fiz pouco caso do BOM no início da frase solto, sem pontuação…. enfim, valeu pela aulinha, néam? 😉

  6. Marlena comentou:

    Ai, Madrasta, não gosto de música sertaneja de maneira alguma. Agora, das suas aulinhas divertidas sou fã de carteirinha.

  7. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Ah, mas essa música é phopha:
    Casa simplezinha,
    rede pra dormir,
    de noite um show no céu….
    deito pra assistir”

  8. Marlena comentou:

    Fui lá no youtube para ouvir a música. Os versinhos são bonitinhos, guardam alguma poesia, o Victor e o Leo são gatinhos (não os conhecia), mas não dá, Madrasta, música sertaneja me incomoda muito. Abração.

  9. Paulo comentou:

    Vou tentar de novo. Tinha uma propaganda do MEC falando sobre X números de campus (quando o plural é campi). Inaceitável.
    [update: Fiz uma busca por campus no site do MEC e obtive vários campi. Então, acredito que o problema seja da produtora do comercial]

    Agora tem uma propaganda das Faculdades Anhanguera cometendo o mesmo erro.
    De uma pessoa/companhia/entidade normal a gente até releva, mas de um MEC ou de uma instituição de ensino superior, não dá.

  10. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Uai, eu já não falei sobre isso? Se não foi aqui no caldeirão, perdão, mas vou produzir um post.
    Seguinte: existe a palavra em latim campus. Sem acento. Seu plural é campi.
    A palavra campus, em latim, foi aportuguesada. Ganhou um acento circunflexo e virou câmpus. Seu plural é câmpus.
    As duas grafias são aceitadas correntemente. (Mas devo confessar que câmpus é meio chocante….)
    aqui a explicação pra coisa: http://www.pucrs.br/manualred/faq/duv-campus.php

    Espero ter ajudado!!
    (E podexá que eu vou fazer um post sobre isso!)

  11. Paulo comentou:

    Ah, tá.

Publicado com o WordPress