Didática do trauma. aula nº4: por que não usar a expressão vis-à-vis

(Antes de começar o post, deixa eu pedir ajuda pro tio Antônio pra ele explicar que negózdi vis-à-vis é esse:)

vis-à-vis:
advérbio
1 em face; defronte
Ex.: sentamo-nos v. 

n preposição
2 em frente a
Ex.: uma janela v. à Baía de Guanabara
3 em relação a; em comparação com
Ex.: ativo bancário v. passivo anual

n substantivo de dois gêneros e dois números
4 pessoa que está colocada à frente de outra
Exs.: meu v. na quadrilha foi Virgílio
no escritório, meu v. é papai
5 tipo de carruagem cujos ocupantes se sentam face a face

Olá, amebas! Sejam bem-vindas a mais uma aula da Madrasta do Texto Ruim.

Daí você curte horrores dar um tchan, um élan ao seu texto, e usa a expressão vis-à-vis, né?

A Madrasta do Texto Ruim avisa: faz isso não, zifio! Ssuncê num sabe que ssascoisa fica feio?

De jeito nenhum, Madrasta! é uma expressão chique e elegante, vou usá-la! – dirá você, ameba.

Aí eu venho e provo pra você que você num tá na melhor das companhia, não, zifio…

Digo marnada…

 



2 comentários sobre “Didática do trauma. aula nº4: por que não usar a expressão vis-à-vis”

  1. DiAfonso comentou:

    Rsrsrs

    Você é fenomenal!!!!

    Parabéns pela forma como apresenta “as tramÓia” da língoa portugueZa!

    Abração!

  2. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Ô, zifio, obrigada! \o/
    volte sempre!

Publicado com o WordPress