Eu digo basta! – blogagem coletiva

O Objetivando Disponibilizar é um blog sobre textos mal escritos e erros de português. A princípio, não teria motivos para participar de uma blogagem coletiva a favor da amamentação e contra estupidezes de machinhos pseudo-engraçados.

Mas eu encontrei uma ligação entre este tema e a blogagem. Tio Antônio, faz favor! O que é misoginia?

n substantivo feminino
1 ódio ou aversão às mulheres
2 aversão ao contato sexual com as mulheres

Pois Marcelo Tas e seus colegas do CQC estão sendo acusados de serem misóginos. Por quê? bom, por causa distodisto.

É ridículo ver como os homens não sabem se comportar diante das mulheres. Insistem em achar que, se elas não lhes servirem de colírio para os olhos, como objetos inanimados, sem opinião e sem ação própria, têm mais é que ficar em casa, e amamentar seus rebentos de forma privada. Afinal de contas, amamentar em público é muito chocante! (O_o).

Patético ver que eles não acompanharam a evolução da sociedade. Patético notar que esses seres não conseguem perceber a mulher de outra forma que não um objeto sexual, sem direito a opinião, raciocínio, inteligência, nada. Devemos nos limitar a satisfazer o prazer deles, e ai de nós se ousarmos pensar ou fazer algo diferente.

Seremos execradas. Seremos achincalhadas. Seremos vilipendiadas. Seremos ridicularizadas. Enfim, seremos excluídas.

Nossa independência, inteligência, atitude, capacidade de ter opinião própria lhes causam medo. Eles só conseguem conceber mulheres-objetos, lindas e prontas e lhes saciar os desejos sexuais (que eu não sei se devo classificar de primitivos ou de primatas. Temo faltar com o respeito aos macacos e gorilas). Isso lhes causa medo – daí a misoginia.

E vamos párar com esse textinho lindinho porque quem tá falando aqui é um bruxa, porra.

Quem Rafinha Bastos, Marcelo Tas e cia. pensam que são para determinarem que mulher não pode amamentar em público? Afinal de contas, quem decide isso somos nós, mulheres?

Ou é a fome de um bebê inocente, que nada tem a ver com a falta de noção de seja lá quem for? O bebê, aliás, é quem vai determinar se quer se alimentar em público ou num lugar mais calmo e reservado!  Se o bebê quiser no meio do vão do Masp, ótimo! Vai ser lá mesmo! Mas se ele preferir um local mais silencioso, calmo e escurinho – isso é decisão do bebê. Acreditem, bebês são capazes desse discernimento.

Seio só serve pra deixar paus duros? Qualquer outra aplicação é execrável e deve ser proibida e reprovada em público?

Eu poderia entrar naquela história de homens brancos cristãos heterossexuais e seus pontos de vista dominantes e machistas e etc e tal, mas a Lola sabe falar disso com muito mais precisão e maestria do que eu.

Na verdade, eu venho aqui mui humildemente (cof, cof, cof) oferecer aos machinhos do CQC um workshop de humor.

Porque, né? Eles acham engraçado comparar um mamilo a um rocambole! (Oi?)

Ou, então, dizem que mulher que gosta de pôr o peito pra fora pra amamentar é mulher feia que não tem seio, tem teta! (Que ano é hoje?)

Caros membros do CQC, é o seguinte: eu criei um personagem há alguns meses, a Doriana. Ela é a mãe perfeita, que vive num comercial de margarina. (Preciso explicar a piadinha pra vocês ou vocês conseguiram entender? Num tem sexo nem depreciação do outro, daí o meu receio de que vocês não tenham compreendido….)

Enfim, a Doriana vive num comercial de margarina e é a mãe perfeita. Por ser absolutamente perfeita, ela amamenta, porque mãe que é mãe amamenta. Sempre.

E seu discurso pró-amamentação faz rir quem realmente entende do assunto e pratica o ato de amamentar:

“Meu irmão foi amamentado antes de fazer a prova de direção, e foi aprovado de primeira! E tem gente que acha que amamentar não faz bem!”

“Na semana seguinte, meu irmão foi amamentado antes da entrevista de emprego, e foi contratado! E tem gente que acha que amamentar não faz bem!”

“Nossa, me estressei tanto com minha mãe agora! Ela queria levar minhas filhas na esquina pra tomar sorvete sem a minha presença! Fiquei tão nervosa e chorei tanto que ela me ofereceu o peito pra eu me acalmar um pouco! Ainda bem, viu?”

A Doriana quase não fala em sexo.  Não precisa. Já existem estereótipos suficientes no ato de amamentar e no discurso pró-amamentação e pró-mães perfeitas. É só exacerbar tudo e trabalhar o discurso.

Se vocês fossem menos tacanhos (ou, pelo menos, fizessem realmente parte desse momento tão importante da vida de uma mãe e um bebê) teriam se dado conta de detalhes curiosos e mesmo risíveis do dia a dia de uma lactante. E daí saberiam fazer piadas engraçadas a respeito. Fico aqui a imaginar (e lamentar) que tipo de pais vocês são.

Seu colega (em tacanhez) da Folha de SPaulo comparou amamentação com masturbação. Sério, eu ainda não consegui relacionar uma coisa à outra. Que que tem a ver alimentar um bebê em público com proporcionar-se prazer em público? Ah, é porque a visão do seio deixa os homens excitados, e masturbar-se em público também é excitante? Isso é engraçado? Cejura? Mas é curioso, porque eu sempre entendi que boas piadas não precisam ser explicadas e… eu realmente consegui estabelecer uma lógica nessa piada? É pra rir disso? quer dizer, então, que vocês homens héteros não conseguem desligar a paudurescência ao verem um peito de fora com a função de alimentar um filhote de gente?

Quer dizer, eu sou capaz de compreender a linha de raciocínio até de piadas racistas – não concordo, mas entendo o mote. Mas essa piada de vocês é pior que piada racista. Se é que isso é possível, viu?

Enfim, se alguém ainda não disse isso pra vocês, tá na hora de vocês entenderem que apelar à fórmula

sexo + padrões repressivos de beleza feminina + burrice feminina

é muito Balança mas não cai – e isso é tão século vinte que vocês deveriam se envergonhar de se acharem muderrrnos.

Enfim, apertem o F5*. Vocês estão mais de meio século ultrapassados.

 

(pra quem não usa PCs: a tecla F5 é o atalho do teclado em navegadores Internet para atualizar as páginas web exibidas.)

Os outros posts desta blogagem coletiva estão neste post do blog  Rede Mulher e Mãe



16 comentários sobre “Eu digo basta! – blogagem coletiva”

  1. Lola comentou:

    Muito divertido, adorei! Gostei muito do seu ritmo. E de detalhes como “que ano é hoje?”, “filhote de gente”, “Cejura?” etc que caem como uma luva no texto, sempre no lugar certo. Parabéns! E obrigada pelo apoio.

  2. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Valeu, Lola! 😀 mas, ó: a Bruxa o que é de Bruxa: sou obrigada a dizer que esses detalhes que você aponta no meu texto são todos aproveitados de gente legal e que escreve superbem, como a Poalli, do Te dou um dado?, e da Katylene… Mas passa lá no Rede Mulher e Mãe, e bisserve que tem muito mais gente te apoiando! \o/

    Bjocas da
    Bruxa

  3. Chris Kezen comentou:

    ótimo texto! E tem HUMOR!:P Os parenteses são hilários!!

  4. Marlena comentou:

    Adorei, madrasta. Texto limpo, sem rodeios, direto no estômago.

    Abração

  5. Luciana comentou:

    Sensacional!

    Acho mesmo que faltou (ou falta?) peito na criação desses delinquentes…

    Vou replicar no meu blog, pode?

  6. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    à vontade! Faça aquela “kibada portuguesa” q eu faço: cito a origem, copio no meu blog e dou o link pro original! 😛

  7. She comentou:

    Sensacional seu post, madrasta.

    Acho que o problema dessa galerinha não é só misoginia. É seiofobia.
    Sei lá, deve ser chocante mesmo se deparar com seios de verdade, sem photoshop e silicone.
    E mais: seios que alimentam! O horror, o horror! Afinal, deve ser horrível querer guardar uma imagem para bater uma depois, mas ter um bebê fazendo parte daquilo!

    Freud explica?

  8. Erika comentou:

    Bruxa, muito bom o texto! Morri de rir com a Doriana, fiquei imaginando as cenas!hahaha

  9. ana virgínia comentou:

    Texto divertido para quem é capaz de perceber onde estão de fato os motivos para se rir.
    Excelente!!

  10. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Duas vezes obrigada, zifia!
    Mas ó, deletei o seu segundo comentário porque veio duplicado, sim?
    No mais, aprochegue-se e aceite um cafezinho que eu acabei de passar… 😀

  11. Joyce comentou:

    Gostei muito do seu texto. Parabéns! Muito claro e bem escrito. Fico pensando se esses idiotas não tiveram mãe para faltarem com respeito às mulheres assim!
    Um abraço

  12. ALine comentou:

    Adorei. Agradeço a manifestação em nome de todas as mulheres. E se não for pedir muito, gostaria de uma super blogagem coletiva sobre a “piada” tosca sobre estupro que Rafael Bastos falou.

  13. marcela comentou:

    Amei texto super inteligente!

  14. Háislan Bassi Baraldi comentou:

    E ainda insistem em dizer que mulher é um ser inferiror(rsrsrrsrrs)….
    Bom, pelo menos podemos entender por que certos homens “tentam” diminuir as mulheres….medo da concorrência!

  15. Lia Drumond comentou:

    Desde ontem por aqui e não consigo largar seus textos… Sensacionais!

  16. Madrasta do Texto Ruim comentou:

    Seja bem-vinda, zifia!
    Aprochegue-se e aceite um bolinho de fubá com café! \o/

    Bjocas da
    Bruxa

Publicado com o WordPress